Polícia Federal renova pedido de concurso público para área administrativa

Publicado em Deixe um comentárioautorização, Concursos, Concursos Públicos, Polícia Federal

Conforme confirmado pela corporação, solicitação é para mais de 500 vagas

Karolini Bandeira*- A Polícia Federal (PF) confirmou, ao Papo de Concurseiro, ter renovado o pedido para realização de um novo concurso com vagas para cargos administrativos. A solicitação, feita em 2020, foi atualizada e encaminhada novamente ao Ministério da Economia, responsável pelo aval do certame.

Ainda segundo a corporação, desta vez a PF pediu autorização para provimento de 557 vagas para a área administrativa, sendo 153 vagas para o cargos de nível superior e 404 para o cargo de agente administrativo, que exige apenas nível médio.

Na solicitação de 2020, a instituição havia solicitado 349 vagas para agente administrativo, enquanto o pedido para cargos de nível superior havia sido direcionado para administradores, arquivistas, assistentes sociais, bibliotecários, contadores, economistas, enfermeiros, engenheiros, estatísticos, farmacêuticos, médicos, nutricionistas, odontólogos, psicólogos, técnicos em assuntos educacionais e técnicos em comunicação social.

Último concurso para a área

O último concurso público para a área administrativa da PF foi realizado em 2013, pelo Cebraspe. O edital contou com 566 oportunidades de níveis médio e superior. Do número, 534 vagas foram para a função de agente administrativo. Os candidatos passaram por prova objetiva obrigatória para todos os cargos com 120 questões, sendo 50 acerca de conhecimentos básicos (português, informática, raciocínio lógico, atualidades, direito administrativo e constitucional) e 70 de conhecimentos específicos. O salário de um profissional da área pode ultrapassar R$ 5 mil. Saiba mais sobre a seleção!

 

 

 

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Mariana Niederauer

Mais de 30% de candidatos não fizeram as provas da PRF, confirma Cebraspe

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Coronavírus, PRF

Karolini Bandeira*- 32,56% do número total de inscritos no concurso público da Polícia Rodoviária Federal (PRF) não compareceram à etapa presencial de provas objetivas do certame, aplicada em todos os estados e no Distrito Federal neste domingo (9/05). A porcentagem foi confirmada pela banca responsável, Cebraspe. A abstenção foi 10,95% maior do que a porcentagem registrada no concurso da corporação de 2018, de 21,61%.

A porcentagem representa 99.089 inscritos. Como o certame registrou 304.330 inscrições, as 1.500 estão sendo disputadas, agora, por 205.241 pessoas.

Ainda segundo o Cebraspe, o índice está “dentro da normalidade”.

Apesar de medidas de biossegurança, candidatos expõem aglomeração

Apesar das exigências da banca e das regras sanitárias para impedir o contágio por covid-19, candidatos expuseram, nas redes, aglomeração na frente dos locais de prova e ausência de distanciamento social nas filas.

Local de prova em SP/Reprodução da Internet

“Gente tossindo, gente espirrando, gente com máscara frouxa, de pano (a maioria de malha). Uns 4, acho, com uma única máscara cirúrgica. Isso vai ser um desastre”, escreveu uma candidata de Belém.

“Ontem 300 mil candidatos e fiscais de prova se aglomeraram no país todo pra fazer a prova da PRF (incluindo eu mesma, fui obrigada). ninguém liga pra morte mais”, lamentou uma inscrita no Twitter.

Advogado se organiza para adiar provas da PF

Em transmissão ao vivo feita nas redes sociais no final deste domingo (9/5), o advogado José Moura Neto, que lutou pelo adiamento das provas da Polícia Rodoviária Federal (PRF), informou que já está se organizando para solicitar o adiamento da prova objetiva do concurso público da Polícia Federal, prevista para 23 de maio.

“Essa é a prova de que o concurso da PF não dá para ser realizado. A gente vai tentar conseguir derrubar esse exame. Essa prova [da PRF] é a amostra cabal de que não tem condições de fazer concurso dessa magnitude nacional. Recebi muitas imagens de fila, aglomeração, gente sem máscara, relatos de fiscais despreparados. Não houve separação e organização para entrar primeiro grupo 1, grupo 2”, denunciou o advogado. Saiba mais!

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Mariana Niederauer

“Previsão é de que o calendário seja mantido”, informa presidente da Fenapef sobre concurso da PF

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Coronavírus, Polícia Federal

Provas seguem marcadas para 23 de maio

Karolini Bandeira*- Ao que tudo indica, a etapa presencial de aplicação de provas do concurso público da Polícia Federal (PF) será realizada na data prevista, 23 de maio. A previsão é do presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Boudens, que argumentou que a corporação se esforça para que “este calendário seja mantido”.

Apesar da declaração, o presidente também falou acreditar que haja muitas liminares tentando adiar o atual calendário do certame. A banca organizadora do concurso (Cebraspe) e a PF ainda não se pronunciaram acerca do assunto.

O concurso

O concurso oferece 1.500 vagas para escrivão, agente, delegado e papiloscopista. O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) é a banca organizadora.

Os salários variam de R$ 12.522,50 a R$ 23.692,74 e podem ser concorridos por candidatos com nível superior em qualquer área de formação (exceto o posto de delegado que exige graduação em direito, especificamente). Veja tudo sobre o concurso aqui!

As provas do concurso público foram adiadas, por conta da pandemia do novo coronavírus. Segundo o comunicado, ainda na data provável de 14 de maio de 2021, será publicado no Diário Oficial da União e divulgado na internet, no site da banca, edital que informará a disponibilização da consulta aos locais e aos horários de realização da prova objetiva e da prova discursiva, que serão aplicadas na data provável de 23 de maio de 2021.

As demais datas do concurso serão divulgadas oportunamente.

Concurso da PRF tem provas suspensas

O Cebraspe divulgou, nesta quarta-feira (5/5), o comunicado oficial que suspende as provas do concurso público para a Polícia Rodoviária Federal (PRF), agendadas para o próximo domingo (9/5). Mas, a banca informou também que medidas estão sendo tomadas para que os exames sejam mantidos na data prevista.

A medida veio após a Justiça Federal no Distrito Federal determinar, em decisão liminar, a suspensão das provas objetivas e discursivas do concurso. O motivo é o risco diante da pandemia de covid-19. A decisão cabe recurso. Saiba mais! 

 

 

 

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Mariana Niederauer

Bolsonaro comenta sobre possível adiamento de provas dos concursos da PF e PRF

Publicado em Deixe um comentárioBolsonaro, Carreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Coronavírus, Polícia Federal, PRF, suspensão

Karolini Bandeira*- Segundo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a etapa de provas dos concursos públicos da Polícia Federal (PRF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) não será adiada novamente! A previsão foi feita por Bolsonaro na noite da última terça-feira (13/4), ao ser questionado se os certames serão adiados novamente ou não. “Não vão ser não”, informou o presidente, que logo acrescentou: “Acho que não”.

Veja a fala de Bolsonaro no vídeo abaixo:

 

Concurso PRF

São 1.500 vagas para o cargo de policial rodoviário federal. O salário inicial de profissionais da PRF é de R$ 9.899,88, para jornada de trabalho de 40 horas por semana. O Cebraspe é o organizador. As provas objetivas e discursivas, que compõem a primeira etapa do concurso, foram adiadas em março, devido ao avanço de casos de covid-19 no país, e serão aplicadas provavelmente em 9 de maio. As provas objetivas serão compostas por três blocos.

A prova dissertativa será de até 30 linhas, valerá 20 pontos e consistirá da redação de texto dissertativo. Vale ressaltar que o candidato terá 4 horas e 30 minutos para fazer ambas as avaliações, que serão aplicadas no mesmo dia. A segunda etapa do concurso é composta pelo Teste de Aptidão Física (TAF), que conta com cinco testes.

O concurso registrou  um total de 303 mil inscritos para 1.500 vagas. A relação foi divulgada pela corporação nas redes sociais. Desta forma, a seleção conta com uma concorrência de 202 candidatos por vaga. Saiba todos os detalhes sobre o certame aqui!

Concurso PF

O concurso oferece 1.500 vagas para escrivão, agente, delegado e papiloscopista. O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) é a banca organizadora. Os salários variam de R$ 12.522,50 a R$ 23.692,74 e podem ser concorridos por candidatos com nível superior em qualquer área de formação (exceto o posto de delegado que exige graduação em direito, especificamente).  Veja tudo sobre o concurso aqui! 
As provas do concurso público foram adiadas, também por conta da pandemia do novo coronavírus. Segundo o comunicado, ainda na data provável de 14 de maio de 2021, será publicado no Diário Oficial da União e divulgado na internet, no site da banca, edital que informará a disponibilização da consulta aos locais e aos horários de realização da prova objetiva e da prova discursiva, que serão aplicadas na data provável de 23 de maio de 2021.

“Faria tudo de novo se fosse preciso”, diz escrivão da PF que estudou por 5 anos em busca da aprovação

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Polícia Federal

Karolini Bandeira*- Às vezes, a aprovação vem de primeira. Mas se ela não vier, não desanime! Marcos Alves dos Santos, de 30 anos, é prova de que é possível trilhar em um caminho sem atalhos e chegar ao final do trajeto com êxito. O ex-concurseiro e atual escrivão da Polícia Federal (PF) contou, com detalhes, sobre como foi sua (longa) jornada até chegar ao pódio.

Crescido em Teresina, Piauí, o servidor conta que, apesar de ter o sonho de ser policial, a PF parecia impossível. “O meio social em que nasci e cresci não me mostrava isso como realidade. Meu pai caminhoneiro, minha mãe dona de casa, meus amigos só tinham ensino médio, trabalhavam na iniciativa privada, então eu tinha isso como realidade e possível futuro pra mim”, alega.

Com formação em educação física, as ofertas de emprego decepcionavam cada vez mais. Foi então que, em 2013, Marcos começou a estudar para concursos e, no mesmo ano, resolveu disputar o cargo de escrivão no certame da PF. Apesar de não ter sido aprovado na época, o candidato conta que a vontade de querer pertencer à corporação só cresceu. Para se dedicar integralmente aos estudos, pediu demissão da empresa onde trabalhava como operador de empilhadeira.

O policial conta que não foi fácil se manter sem um emprego fixo: “Eu era guitarrista e tocava em umas bandas de forró e MPB em Teresina. Isso me manteria durante os estudos, mas, como eu pagava o financiamento do meu carro, tive que voltar a trabalhar como professor de educação física numa academia de musculação pra ter um salário fixo.”

Trabalhando durante um turno e estudando durante o outro, o então concurseiro começou a estudar “certo”.  “Fazia as revisões, simulados e resolvia muitas questões — foi o diferencial. Mas o que realmente me fez começar a passar, foi focar em uma área específica. Enquanto ‘atirava para todo lado’, não passei em nada. Escolhi a área policial por ser o que eu realmente gostava.”

Em 2016, para conseguir fazer o Curso de Formação da Guarda Civil Municipal de Teresina (aprovação conquistada em 2015), Marcos teve que pedir demissão novamente. “Como não estava trabalhando durante o dia, coloquei como prioridade no meu dia os estudos. Ligava o computador às 7h da manhã e só desligava na hora de dormir. Estudava o dia todo, o quanto aguentasse”, relembra o policial. Ainda após a nomeação na GCM, o servidor manteve uma rotina focada no estudo: “Trabalhava um dia de plantão e folgava dois. Nesses dois dias de folga, estudava como antes.”

De 2015 a 2018, o servidor conquistou a aprovação em oito concursos na área da Segurança! “Nota-se que demandou um bom tempo desde que comecei a estudar até a primeira aprovação. Muitos teriam desistido, mas, como eu não tinha outra escolha para mudar de vida, segui firme e confiante”, relata.

 

Leia também: Ele passou para escrivão, agente e delegado! Conheça suas estratégias de estudo 

 

O concurso da PF

Após a aprovação em sete certames diferentes, em 2018 Marcos conquistou a mais esperada: foi selecionado para o Curso de Formação Profissional (CFP) da Polícia Federal. Como era de se esperar, as etapas não foram fáceis. O candidato confessa que foi fazer a prova objetiva desanimado porque não tinha conseguido aprender bem contabilidade: “Estudei contabilidade com uns três professores, mas a matéria não entrava na minha mente. Fiz minha inscrição pra agente da PF, mas resolvi mudar pra escrivão nos últimos dias de inscrição, visto que o último bloco da prova teria arquivologia, devendo diminuir as questões de contabilidade — eu estava fugindo dela.”

O servidor conta que não imaginava que fosse passar e foi pego de surpresa: “Quando fui conferir o gabarito, o mundo desabou. Tirei 52 pontos. Esqueci esse concurso nesse momento e fui pro Curso de Formação da Polícia Civil do Maranhão. Num certo dia, durante uma aula no CFP da PCMA, o celular começou a vibrar, muitas mensagens chegando, ao ler (escondido) percebi que muitas pessoas me parabenizavam, meu nome saiu na lista dos classificados pra próxima fase do concurso da Polícia Federal. Fiquei sem acreditar.”

Sem entender o resultado, ele resolveu checar novamente o gabarito. “Ao ler o documento no site do Cespe, vi que minha nota era 52 mesmo, não conferi errado. A redação era 9,5, aí desanimei, pois achava que a discursiva valia 20,0, e o mínimo fosse 10,0. Tinha deixado literalmente de lado esse concurso, achei que não dava, não sabia nem a nota que valia a discursiva. Ao conferir novamente, vi que valia 13,0 e o mínimo era 6,5. Eu estava aprovado.”

“No dia do TAF, fiz os 50 metros em 43,27 segundos — o máximo era 44 segundos. Quase perco”, relembra o escrivão. “Os outros exercícios foram tranquilos pra mim. Digitação foi muito tranquilo, era bom no tempo do MSN e Orkut”, brinca.

 

“Foi muito difícil passar no concurso, mas passar no Curso de Formação fui bem! Tinha que ter cuidado com tudo, principalmente com horário e com as provas. Se tirar nota baixa, tudo vai pro ralo. Se chegar atrasado, perde ponto. Pior que ir mal na prova, é muita pressão! Em casa você estuda no seu tempo, no seu ritmo. Na ANP, você estuda no ritmo deles e tem que tirar nota boa, tendo tempo pra estudar ou não. É o seu futuro em jogo!”

“Todo o esforço valeu a pena”

Se dependesse de Marcos, ele faria tudo de novo. Nomeado em 2020, o escrivão da PF não se arrepende dos estudos constantes. “Ser policial federal é uma coisa extraordinária, sua vida muda completamente! É um orgulho para o seu pai falar para o amigo que o filho passou no concurso da PF! Todos o parabenizam e dizem que foi um vitorioso! O pai caminhoneiro conseguiu formar o filho e dar a ele a oportunidade de estudar e passar no concurso de uma das instituições mais respeitadas do Brasil”, diz orgulhoso. O tratamento entre os amigos também mudou: “Eles te olham diferente! Com orgulho!” E completa: “Trabalhar numa sala bonita, tendo à disposição todo o material que precisar e fazer isso para ajudar o seu país a se livrar de gente corrupta e que fazem mal às pessoas de bem não tem preço. Todo o esforço valeu a pena! Os cinco anos de luta, trancado no meu quarto naquela cadeira de plástico, no calor de Teresina… Faria tudo de novo, se fosse preciso!”

 

Como estudar para PF e PRF ao mesmo tempo? Delegado responde e dá dicas aos concurseiros 

 

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Lorena Pacheco 

PF poderá convocar mais candidatos do que o número previsto em edital

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Governo federal, Polícia Federal

Karolini Bandeira*- Que coisa boa! A Polícia Federal (PF) confirmou, nesta sexta-feira (22/1), ao Papo de Concurseiro, que o concurso público do órgão com 1.500 vagas imediatas poderá convocar mais policiais até o final do prazo de validade! De acordo com a corporação, tudo depende de autorização do Ministério da Economia.

“Se, durante o período de validade do concurso público, o Ministério de Estado da Economia autorizar a nomeação de candidatos aprovados e não convocados, que ultrapassem o quantitativo original de vagas previsto no edital, poderão ser realizados outros Cursos de Formação Profissional, em período a ser divulgado oportunamente, se for o caso”, informou a PF. O órgão lembrou, também, que a convocação de candidatos acima da quantidade prevista é uma possibilidade citada no edital de abertura.

 

Veja dois trechos do edital em que o tema é formalizado: 

 

18.6.1 Se, durante o período de validade do concurso público, o Ministério de Estado da Economia autorizar a nomeação de candidatos aprovados e não convocados, que ultrapassem o quantitativo original de vagas previsto neste edital, participará da segunda etapa do concurso público o candidato classificado dentro do número exato de vagas autorizado pelo referido Ministério.

20.5.2.2 Se, durante o período de validade do concurso público, o Ministério de Estado da Economia autorizar a nomeação de candidatos aprovados e não convocados, que ultrapassem o quantitativo original de vagas previsto neste edital, pode(rão) ser realizado(s) outro(s) Curso(s) de Formação profissional, em período a ser divulgado oportunamente, se for o caso.

 

Inscrições abertas

As inscrições do concurso estão (finalmente) abertas e seguem até 9 de janeiro, com taxa de R$ 180 a R$ 250. Haverá isenção total do valor da taxa de inscrição somente para os candidatos amparados pelo Decreto nº 6.593, de 2 de outubro de 2008, e pelo Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007, ou pela Lei nº 13.656, de 30 de abril de 2018.

São 1.500 vagas para escrivão, agente, delegado e papiloscopista. Vale ressaltar que o concurso reserva 5% das vagas a candidatos com deficiência e 20% a candidatos autodeclarados negros e somente será admitida uma inscrição por cargo.

A primeira etapa do concurso público destina-se à admissão à matrícula no Curso de Formação Profissional e abrangerá as seguintes fases, de responsabilidade do Cebraspe:

a) prova objetiva, para todos os cargos, de caráter eliminatório e classificatório;

b) prova discursiva, para todos os cargos, de caráter eliminatório e classificatório;

c) exame de aptidão física, para todos os cargos, de caráter eliminatório;

d) avaliação médica, para todos os cargos, de caráter eliminatório;

e) prova oral, somente para o cargo de Delegado de Polícia Federal, de caráter eliminatório e classificatório;

f) prova prática de digitação, somente para o cargo de Escrivão de Polícia Federal, de caráter eliminatório;

g) avaliação de títulos, somente para o cargo de Delegado de Polícia Federal, de caráter classificatório; e

h) primeiro momento da avaliação psicológica, para todos os cargos, sem caráter eliminatório.

A segunda etapa do concurso público consistirá de curso de formação profissional, de caráter eliminatório, de responsabilidade da Academia Nacional de Polícia, a ser realizado no Distrito Federal, podendo ser desenvolvidas atividades, a critério da Administração, em qualquer unidade da Federação.

 

Saiba tudo sobre o concurso:

Polícia Federal lança edital de concurso público com 1.500 vagas

Vai fazer o concurso da PF? Especialista explica porque sua resposta deve ser sim

PF ou PRF, qual escolher? Especialistas dão dicas e pontuam diferenças

 

 

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Lorena Pacheco 

Cursinho oferece minicursos gratuitos para concursos da PF e PRF

Publicado em Deixe um comentárioDicas de estudo, Governo federal, Poder Executivo, Polícia Federal, PRF, segurança

Faltando pouco mais de 60 dias para as provas, os candidatos terão oportunidade de reforçar os estudos na área de direito e legislação

 

Juntas, a Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) oferecem 3.000 vagas, com provas realizadas ainda no primeiro semestre. Os editais já foram publicados e as provas acontecem em março. Para ajudar na preparação, o IMP Concursos oferece dois minicursos gratuitos para os certames. Cada um dos cursos inclui 6 horas de aula e ficará disponível por 2 meses. Para ter acesso aos conteúdos, basta acessar os links abaixo e realizar a matrícula gratuitamente.

https://imponline.com.br/produto/minicurso-gratuito-para-pf/

https://imponline.com.br/produto/minicurso-gratuito-para-prf/

 

Disciplinas se professores 

Polícia Federal

Direito Processual Penal Elite Policial – Thiago Medeiros

Legislação Federal Elite Policial – Vinicio Eduardo

Lei de Tortura – Fernando Cocito

 

Polícia Rodoviária Federal

JECRIM – Juizado Especial Criminal – Fernando Cocito

Legislação de Trânsito – Jayme Amorim de Sousa

Direito Penal Elite Policial – Vitor Falcão

Direitos Humanos – Thiago Medeiros

Solicitação de concurso para área administrativa será renovada, confirma PF

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Governo federal, Polícia Federal, segurança

Karolini Bandeira*- O concurso público da Polícia Federal (PF) com 1.500 já está com inscrições abertas! A área administrativa, contudo, não foi contemplada na seleção, que conta com oportunidade para delegados, agentes, escrivães e papiloscopistas. Mas não desanime! Em resposta ao Papo de Concurseiro, a corporação informou que a solicitação de um novo concurso para a administração da corporação será renovada e encaminhada ao Ministério da Economia.

A PF pretende renovar o pedido este ano e, inclusive, acrescentar os cargos que ficaram vagos devido a aposentadorias e exonerações de lá até aqui. “A PF informa que pretende renovar a solicitação nos próximos meses de 2021, inclusive com o acréscimo de vagas que tenham vindo a surgir para os cargos da área administrativa”, assegurou a instituição.

A solicitação passada havia sido feita em maio de 2020, com 508 vagas para as funções de administrador, economista, arquivista, assistente social, bibliotecário, contador, enfermeiro, engenheiro, estatístico, farmacêutico, médico, nutricionista, odontólogo, psicólogo, técnico em assuntos educacionais, técnico em comunicação social e agente administrativo.

 

Último concurso para a área

O último concurso público para a área administrativa da PF foi realizado em 2013, pelo Cebraspe. O edital contou com 566 oportunidades de níveis médio e superior. Do número, 534 vagas foram para a função de agente administrativo. Os candidatos passaram por prova objetiva obrigatória para todos os cargos com 120 questões, sendo 50 acerca de conhecimentos básicos (português, informática, raciocínio lógico, atualidades, direito administrativo e constitucional) e 70 de conhecimentos específicos. O salário de um profissional da área pode ultrapassar R$ 5 mil. Saiba mais sobre a seleção!

 

 

Leia mais: Polícia Federal lança edital de concurso público com 1.500 vagas! 

 

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Lorena Pacheco

 

Associação abre campanha nas redes sociais na luta para incluir peritos no concurso PF

Publicado em Deixe um comentárioCarreira policial, Concursos, Concursos Públicos, Manifestação

“É completamente equivocado não haver vagas para perito criminais nesse concurso”, diz o presidente da associação

 

Karolini Bandeira*– Publicado na última sexta-feira (15/1), o edital de abertura do novo concurso público da Polícia Federal (PF) trouxe a grande oferta de 1.500 vagas. Apesar de ser um dos maiores concursos já feitos pela instituição, a área da perícia não foi contemplada no certame. Sem nenhuma vaga para peritos criminais, a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) se manifestou nas redes sociais e iniciou uma campanha reivindicando a abertura de vagas para a categoria.

A campanha #PeritosNoConcursoPF está sendo compartilhada nas redes da APCF desde a última semana. Neste meio tempo, o presidente da associação, Marcos Camargo, já se pronunciou através de vídeos duas vezes sobre a ausência do cargo no certame. “Infelizmente, a gente lamenta a ausência de vagas de peritos nesse concurso em um momento em que a ciência tem sido cada vez mais demandada, em um momento em que, recentemente, inauguramos o Centro Nacional de Difusão de Ciências Forenses”, disse. E completou: “É completamente equivocado não haver vagas para perito criminais nesse concurso.”

 

Marcos Camargo também cobrou resposta das autoridades. De acordo com o presidente, a própria APCF já apresentou alternativas como, por exemplo, um remanejamento de cargos. “Não cobramos justificativas, cobramos soluções. Se há problemas, deve haver soluções. (…) já deveria ter sido resolvido há muito tempo”, reforçou Camargo.

Com edital já publicado, as chances de um novo cargo ser acrescentado são baixas. Apesar disto, o líder da APCF enfatizou que a luta só irá parar quando os pedidos forem atendidos: “Vamos continuar tentando, pelo menos, que se tenha um novo edital para alguma quantidade de vagas para peritos criminais ao longo de 2021.”

Em outra publicação, a associação como participar da campanha: “Use a #PeritosNoConcursoPF nas redes sociais, compartilhe este post e comente nas últimas publicações da Polícia Federal e das autoridades com a hashtag da nossa campanha.”

 

O Papo de Concurseiro entrou em contato com a Polícia Federal para saber mais sobre a ausência de vagas para peritos e, até o fechamento da matéria, não obteve resposta.

 

 

*Estagiária sob a supervisão de Lorena Pacheco

 

 

Vai fazer o concurso da PF? Especialista explica porque sua resposta deve ser sim

Publicado em Deixe um comentárioConcursos

Segundo ele, muitos concorrentes serão inscritos para a PCDF e também de olho na PRF. Abaixo uma luz para escolhas inteligentes:

 

O edital de abertura do novo concurso público da Polícia Federal está aí. Atraente, cheio de vaga, com salários altos e conteúdo extenso. Difícil, mas não impossível! Para compartilhar sua primeira impressão do certame e esclarecer pontos principais, conversamos com o professor de direito processual penal do IMP Concursos, Thiago Medeiros. Segundo o especialista, o conteúdo programático já era esperado, mas duas disciplinas poderão tirar o sono dos candidatos: estatística e contabilidade. Elas foram incluídas no regulamento publicado nesta sexta-feira (15/1) e vão exigir um esforço a mais para conquistar uma das 1.500 oportunidades abertas distribuídas para os cargos de agente, escrivão, papiloscopista e delegado.

Para Medeiros, nos últimos dois anos, em concursos da área policial principalmente, o governo federal tem buscado um perfil de candidato um pouco diferente, e vemos isso nos editais, como, por exemplo, a não priorização de conteúdo jurídico e de direito (exceto para delegados) e a maior valorização do TAF, psicotécnico, conteúdos de informática, raciocínio lógico, entre outros mais práticos.

Ele também pontua que grande parte da concorrência da PF será formada de candidatos que já estão concorrendo aos postos de agente e escrivão da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), cujos concursos estão suspensos, mas muitos ainda estão na dúvida se fazem a prova da PF ou não. “Nas minhas aulas costumo usar a expressão ‘quem atira para todo lado acaba atirando no próprio pé’, porém, nesse caso, em que o tempo para a prova da PF está mais curto (67 dias) e as disciplinas são semelhantes, quem já vem estudando para a PCDF vai levar uma vantagem na PF. O medo é de perder o foco da PCDF, mas acho que isso não vai acontecer, dificilmente vamos encontrar alguém que estava estudando só pra PF, é muito raro, como o prazo para o exame é muito pequeno o candidato PCDF vai levar essa vantagem, minha indicação é de que é possível conciliar”.

Pessoalmente, o especialista ainda firma: “Se fosse eu, não perderia essa oportunidade, eu continuaria estudando somente para a PCDF e fazia minha inscrição na PF, sem a pressão de finalizar o conteúdo programático. É muita vaga, arriscaria com o meu conhecimento que já concluí da PCDF, só aí já tenho 80% do edital da PF.”

Sobre a conciliação também dos estudos com a prova iminente da Polícia Rodoviária Federal (PRF), já que são da mesma carreira policial e com a mesma banca, o professor diz que, se o aluno tiver uma boa estratégia, é possível sim, mas cada caso é um caso. “Se o concurseiro conseguiu concluir os estudos de estatística e contabilidade, deve fazer a PF; se ele não conseguiu isso, tem dificuldade com conteúdo, aí o caminho é a PRF, o que vai ter de novo é legislação de trânsito, que, apesar de extensa, é muito fácil de estudar.”

Com relação a sua especialidade, Medeiros diz que o conteúdo de processual penal veio muito enxuto e, inclusive, junto com a matéria de direito penal. “Isso nos mostra que, provavelmente, além do conteúdo vir reduzido, a banca vai dividir questões entre as duas disciplinas, que se baseiam em inquérito, prisões e provas.”

O professor aconselha ainda que os estudos a partir de agora devam ser baseados na resolução de exercícios, pois não há tempo para aprender teoria – a menos que haja dificuldade de aprendizado em algum tema.

 

Direitos humanos e prova discursiva

Também professor da disciplina de direitos humanos, Medeiros lamentou que a Polícia Federal não tem cobrado esse conteúdo. “Infelizmente a PF não tem cobrado esse conteúdo, não tem sido hábito das bancas nas matérias especiais, toda prova de militar e civil trazem direitos humanos, a única que não tem é a PF, é uma pena, pensando no profissional no atendimento ao público. Vejo com pesar, apesar que com certeza dentro do curso de formação será uma das disciplinas principais.

Medeiros ainda aposta que o tema da prova discursiva deverá ser relacionado a direitos humanos.  “Alguns temas são sempre bons que o aluno fique acompanhando, como violência doméstica contra mulher, racismo, violência policial (tem vários relatórios internacionais criticando o Brasil nos últimos anos sobre isso) e a questão ambiental que também é humanitária. Além disso, o tema crimes virtuais é uma aposta forte, já que com a pandemia aumentaram bastante”.

 

Quer saber o que vai cair na prova do concurso da Polícia Federal 2021? Clique aqui e fique por dentro do mais importante do edital!