Mourão sobre garimpo em áreas indígenas: “temos que parar de tapar o sol com a peneira”

Publicado em Política

Em debate virtual hoje de manhã, tanto o vice-presidente Hamilton Mourão e o ex-ministro da Defesa Aldo Rebelo cobraram dos congressistas a regulamentação do garimpo em terras indígenas, possibilidade prevista na Constituição e que há 32 anos aguarda regulamentação. “Nossos indígenas vivem em terras ricas como mendigos. Não têm acesso às conquistas materiais da humanidade, porque são preservados como se fossem animais num zoológico”, disse Mourão, acrescentando que é preciso “parar de tapar o sol com a peneira e entender que o indígena tem o direito de explorar a terra dele dentro dos ditames da legislação”, afirmou, defendendo essa exploração como forma de ampliar o acesso aos bens materiais do mundo moderno, “e não vivendo segregado de forma como os portugueses os encontraram em 1.500”, disse.

A declaração foi dada numa live promovida pela FSB comunicação. No encontro, discutiram a Amazônia e seus pontos mais polêmicos, sob a mediação do jornalista Alon Feuerwerker. O vice-presidente cobrou que é preciso discutir o assunto, porque, senão, as ilegalidades prosperam. Foi a senha para que o ex-ministro Aldo Rebelo citasse o caso recente de Rondônia, que abriga uma das maiores reservas de diamante do mundo, onde, recentemente, a Polícia Federal prendeu contrabandistas internacionais. “O garimpo acontece e da pior forma possível, porque sai tudo clandestino do país”, disse Aldo.

Ambos foram incisivos ao dizer que é preciso fazer valer a legislação brasileira para a Amazônia, que classificam como uma das mais avançadas do mundo. O vice-presidente defendeu inclusive a necessidade de melhorar a qualidade do monitoramento da região. “Nosso sistema de monitoramento, de apoio à decisão, se ressente de melhor qualidade”, disse referindo-se aos sistemas ópticos que não conseguem monitorar em períodos de chuva e de muitas nuvens.

Já o ex-ministro afirmou que o Código Ambiental, do qual ele foi relator no passado, “é o que há de instrumento mais rigoroso no mundo, em termos de proteção ao meio ambiente”, e que até ONGs que foram contra o texto, apresentam-no como fiador das metas de acordo do clima. “O problema é que o estado brasileiro agiu de modo irresponsável. Não digo governos. Digo o estado”, afirmou, ao mencionar a politica de ocupação da região no passado, que levou as pessoas para Amazônia. “O Estado as levou. Depois, foram abandonadas. Quando o estado volta, é com o Polícia Federal e Ibama para tirar de lá”, afirmou, defendendo a necessidade de se criar uma politica que equilibre a proteção da floresta com a produção. “Não dá para colocar toda a população na floresta para procurar essência para a Natura, não pode ser assim”, disse ele, com a concordância do vice-presidente.

Pela exposição de ambos, está claro que Aldo, que já foi ministro de Lula, e Mourão, do lado oposto da política, caminham hoje na mesma direção, ambos ficam com o Marechal Rondon, “proteger as tradições dos índios, preservar a integridade cultural, mas íntegrá-los à sociedade nacional. A sociedade nacional não tem o direito de relegar uma parte da sua população a viver no (período) neolítico”, disse Aldo.

Apoiadores de Moro se mobilizam em defesa de Deltan na Lava Jato

Publicado em Política

A notícia divulgada com exclusividade pela Coluna Brasília-DF no fim de semana, veja posts abaixo, levou a um movimento no Twitter em prol da permanência de Deltan Dallagnol na coordenação da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. O #DeltanNaLavajato ocupa os trending topics do Brasil nesta tarde, com tuitaço marcado para 18h.

A coluna do último Domingo revelou que o pedido de afastamento de Deltan da lava Jato, apresentado pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO), será julgado em 18 de agosto pelo Conselho Nacional do Ministério Público. Kátia Abreu pediu o afastamento do procurador porque acredita que os processos a que Deltan responde __ e os métodos __ podem comprometer o futuro da investigação.

A data do julgamento foi definida pelo relator do processo, o conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho. Ele já pediu para ouvir o procurador-geral, Augusto Aras e mais duas pessoas, o corregedor-geral, Rinaldo Reis Lima, e o conselheiro Otávio Luiz Rodrigues Jr, relator de processo disciplinar contra Dallagnol. Se o julgamento terminar no próprio 18, será 20 dias antes de Aras definir se prorroga a Lava jato ou arquiva tudo. Há quem considere que a saída de Deltan pode ajudar na prorrogação.

Bolsonaro faz um gesto para manter Bia Kicis ao seu lado

Publicado em Política

A ida do presidente Jair Bolsonaro hoje de manhã à casa da deputada Bia Kicis (PSL-DF) no Lago Norte foi um sinal de que ele não pretende perder a aliada e quer, inclusive afastar possíveis intrigas de adversários. “Foi um gesto simbólico, de que desentendimentos não abalaram um relacionamento sólido de amizade e de aliança”, comentou Bia ao blog.

Bolsonaro chegou à cada da deputada por volta das 10h30. eles conversaram por quase uma hora, em que expuseram as posições de parte a parte a respeito da votação do Fundeb __ Bia votou contra, o que resultou no afastamento dela do cargo de vice-líder do governo. O tom amistoso e cordial da conversa de hoje foi para não deixar o assunto mal-resolvido e nem mágoas acumuladas. O fato de o presidente ir até a casa da deputada, em vez de chamá-la ao Palácio, foi uma deferência e um sinal forte de que ele tem apreço pela aliada, embora tenha assinado a destituição dela do cargo sem uma comunicação prévia.

Bia trata esse episódio como superado e ainda chamou a família para uma foto com o presidente. Pelo menos, esse assunto Bolsonaro resolveu logo, assim que recebeu o teste negativo da covil-19. É uma rusga que sai da intrincada articulação politica que aguarda a volta do presidente ao Planalto na próxima segunda-feira.

“Querem calar a direita, diz Carla Zambelli sobre suspensão de contas no Twitter

Publicado em Política

Deputada bolsonarista de primeira hora, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que não teve a conta suspensa, foi uma das primeiras que reagiu à suspensão de contas de aliados do presidente Jair Bolsonaro no Twitter determinada hoje pelo Supremo Tribunal Federal. Entre os atingidos estão o ex-deputado Roberto Jefferson e o empresário Luciano Hang, sob suspeita de propagar fake news. “A quem vamos recorrer, sem as redes sociais? Querem calar a direita”, diz Zambelli, preocupada com o período eleitoral que vem por aí. Empresários e Jefferson vão recorrer da decisão da Justiça de suspensão das contas.

A suspensão das contas foi vista como um recado aos demais usuários das redes que abusam da propagação de notícias falsas e disseminação de discursos de ódio. Dia desses, numa recente entrevista a um blogueiro, o ex-deputado Roberto Jefferson fez comentários homofóbicos e chamou dois ministros do STF de “sodomitas”, com várias afirmações capazes de configurar crimes. Sinal de que não é apenas em relação às contas nas redes sociais que alguns terão problemas com a Justiça.

Nomeações do Centrão para cargos na Esplanada visam blindar Bolsonaro

Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF, Política
Brasília-DF, por Carlos Alexandre de Souza

Há semanas a aproximação entre o Planalto e o Centrão tem mostrado resultados, com a nomeação de integrantes da composição de legendas para cargos no governo federal, em troca de uma promessa de apoio parlamentar e a construção de uma blindagem contra um eventual processo de impeachment. Na última semana, o acordo provocou mudanças na composição de vice-líderes do governo na Câmara.

Três vagas deverão cair nas mãos do insaciável apetite do Centrão. Um dos atingidos com a negociação foi Daniel Silveira (PSL-RJ), destituído do cargo. Bolsonarista atuante, disposto a enfrentar manifestantes nas ruas que divergem da política do presidente, o deputado não escondeu a insatisfação de ter sido convidado a se retirar do posto.

“Estranha essa relação de homens tão próximos manobrarem enfraquecimento da base do presidente. Ser líder só tem ônus, mas ao menos que seja alguém de honra”, disse. Deputado federal por 27 anos, Jair Bolsonaro sabe que não se constrói uma base parlamentar apenas com afinidades ideológicas. Não existe, portanto, uma nova política. É a política de sempre, no tradicional toma lá dá cá e sempre sujeita a mudanças, que está em curso para angariar estabilidade ao governo Bolsonaro.

AntiSupremo

Outro ponto nevrálgico na mudança é a urgência do Planalto em evitar novos confrontos com o Supremo. Daniel Silveira é investigado no inquérito que apura a organização de atos antidemocráticos. Otoni de Paula (PSC-RJ), outro vice-líder que ficou sem cargo, disparou uma sequência de impropérios contra o ministro Alexandre de Moraes — “lixo”, “esgoto do STF” e outros termos — antes de desocupar a cadeira.

Conselho a Guedes

O procurador-geral Augusto Aras enviou recomendação ao ministro da Economia, Paulo Guedes, com propostas para dar mais transparência ao recursos federais destinados ao combate à covid-19. Guedes tem 30 dias para informar se vai acatar as recomendações ou apresentar justificativa para não implementar as medidas. A Procuradoria observou que a flexibilização do regime fiscal, financeiro e de contratações adotado durante o período de calamidade pública não dispensa o governo federal de adotar políticas que garantam transparência, controle e fiscalização dos recursos gastos no combate à doença.

Pária financeiro

Defensor de uma retomada econômica verde, o ex-presidente do Banco Central, Pérsio Arida, afirma que o Brasil tornou-se um pária do investimento internacional em razão do descaso do governo federal com o meio ambiente. Um dos formuladores do Plano Real, Arida também rebate críticas do ministro da Economia, Paulo Guedes: “Ressentimento e inveja são assuntos para divã de psicanalista.”

Correspondência

Duas cartas enviadas ao governo brasileiro pela ONU e pela OEA indicam que a proposta, no atual formato, poderá violar compromissos que o Brasil assumiu com a comunidade internacional. A maior preocupação é a proteção legal ao direito à privacidade. Amanhã, a Câmara realiza a primeira audiência pública sobre o projeto aprovado no Senado. O evento será transmitido pela internet, e deve ter a participação do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Prontos para o voto

Um levantamento preliminar feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) aponta que 125 parlamentares — 124 deputados federais e um senador —, em exercício do mandato, podem concorrer a uma vaga para prefeito ou vice-prefeito nas eleições municipais de 2020. As legendas com maior número de pré-candidatos são o PT (13), o PSL (12) e o PSB (12). Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro concentram o maior número de concorrentes, com 15, 14 e 9 políticos aptos para a disputa eleitoral.

Imunes

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro (foto), anunciou nas redes sociais que não está infectada por covid-19. Ela publicou seu teste com o resultado “não detectado” para o vírus. “Minhas filhas e eu testamos negativo para a covid-19. Agradeço as orações”, escreveu. Michelle é mãe de Laura, 9 anos, sua filha com o presidente Jair Bolsonaro, e Letícia Firmo, 17 anos, fruto de outro relacionamento da primeira-dama. As duas filhas residem no Palácio da Alvorada, residência oficial da presidência.

Follow the money

A operação do Ministério Público do Rio de Janeiro que resultou na prisão de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde do governador Wilson Witzel, na última sexta-feira, apreendeu um total de R$ 8,5 milhões em dinheiro vivo. Boa parte dessa bolada foi entregue aos promotores por um dos investigados. Edmar Santos é acusado de liderar um esquema de desvio de recursos em compras para atender à emergência da covid-19. Ele foi exonerado no mês de maio, em meio às denúncias de fraudes. A defesa do ex-secretário afirma que o dinheiro não foi encontrado em nenhum dos endereços do ex-colaborador de Witzel.

A briga pela paternidade dos R$ 13 bi

Publicado em Política

A base do presidente Jair Bolsonaro, está azeitada, mas agora a briga é outra. Os parlamentares foram avisados da liberação de R$ 13,8 bilhões em recursos não só para o combate à covid-19, como também outros benefícios aos municípios. Entretanto, muitos estão uma arara. Em Belo Horizonte, por exemplo, para onde foram R$ 24 milhões, alguns anunciaram como se fosse tudo da sua lavra individual deixando outros a ver navios. O valor, porém, é a soma de várias emendas e tem gente querendo faturar sozinho. A confusão já está criada.

De família radicada em Brasília, ex-mulher de Wassef desabafa após ter nome envolvido

Frederick Wassef
Publicado em Política
Coluna Brasília-DF

Como se não bastasse a exposição decorrente da presença do ex-assessor Fabrício Queiroz em sua propriedade, o advogado Frederick Wassef ainda teve problemas em casa. Cristina Boner, sua ex-mulher, que trabalhou a vida toda e ainda trabalha, não se conforma de ver seu nome enroscado nessa história.

Cristina, que vem de uma família de empreendedores radicada em Brasília, considerava que, a esta altura da vida, próxima dos 60 anos, teria paz. Em desabafo a amigos, tem dito que, graças a Wassef, viu o escândalo respingar sobre seu trabalho.

Da mesma forma que políticos ligados aos Bolsonaro aconselham o presidente a ficar longe do advogado, a empresária tem dito a Wassef que deixe de fazer tudo para os Bolsonaro, que, até agora, não tiveram um só gesto de gratidão para com o amigo. A vida de Wassef, realmente, não está fácil.

Nem tudo está perdido

Entre os aliados de Bolsonaro, a aposta é de que, se a economia se recuperar, as agruras de Flávio Bolsonaro e os inquéritos e ações em curso não vão impedir a reeleição do presidente da República. Num país em que duas semanas é longo prazo, os mais tarimbados da política preferem esperar mais algum tempo antes de apostar todas as fichas na reeleição.

Muito esquisito

Ao dizer que Fabrício Queiroz estava ameaçado de morte, Frederick Wassef deixou, em muitos investigadores, a impressão de que monta uma história preventiva para afastar os Bolsonaro de qualquer coisa que venha a acontecer com o ex-assessor do senador Flávio.

PT dobra a aposta

Depois de votar contra o marco regulatório do saneamento, o Partido dos Trabalhadores vai defender o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 por 12 meses. O governo prepara-se para dizer que a proposta dos petistas é apenas para desgastar o governo, uma vez que não votam em nada que possa incrementar o caixa da União — por exemplo, o projeto do saneamento.

Por falar em auxílio…

É a grande briga da temporada. E com as campanhas das eleições municipais à frente, cada um vai tentar cavar um discurso aí. O governo vai apostar no discurso da responsabilidade, para não comprometer as despesas com saúde e educação, por exemplo. Já a oposição quer estampar na testa de Jair Bolsonaro e apoiadores a pecha da insensibilidade com o social neste momento difícil. O eleitor que faça a sua escolha sobre quem está certo.

Curtidas

Tereza Cristina, a vice/ A fala do presidente Jair Bolsonaro, na semana passada, sobre manter a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, no cargo por 20 anos, fez acender a luz da desconfiança no DEM. Suspeita-se de que, se o vice Hamilton Mourão for candidato ao Senado no Rio Grande do Sul, Tereza seria o nome para vice em 2022.

Primeiro reflexo/ Com a suspeição, veio também a desconfiança de que a inclusão de Tereza no rol dos vices serviria para estancar os movimentos do DEM em testar Luiz Henrique Mandetta como pré-candidato a presidente da República. Até aqui, a pandemia da covid-19 segue a trajetória que o ex-ministro traçou em março.

Damares na área/ Os bolsonaristas olham com esperança para a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves. A aposta é de que ela tem condições de se eleger deputada federal pelo estado que escolher.

Estações separadas/ O presidente Jair Bolsonaro tem se mantido afastado das manifestações, e isso começa a incomodar aqueles seguidores mais radicais, que consideram a nova postura do chefe do Executivo um abandono do conservadorismo. Essa turma confunde conservadorismo com a pregação do fim dos poderes constituídos do regime democrático, como o Congresso e o STF.

Governo recorreu ao “jeitinho brasileiro” para Weintraub entrar nos EUA em plena pandemia

Jair Bolsonaro e Abraham Weintraub
Publicado em Política

O tweet de Arthur Weintraub informando que seu irmão, Abraham Weintraub, estava nos Estados Unidos foi a senha para que o governo publicasse a exoneração do ministro da Educação. O consulado em Miami sequer foi avisado de sua chegada aos Estados Unidos, algo incomum. Sempre que há um ministro de estado a caminho do país, os consulados do destino são avisados a fim e entrar em contato e perguntar se há necessidade de algum apoio. Neste caso, não houve qualquer informação.

A viagem foi confirmada ao blog pela assessoria do agora ex-ministro. Weintraub chegou aos Estados Unidos 7h da manhã, num voo da Azul, o único do dia a desembarcar na Flórida, no aeroporto de Fort Lauderdale. Portador do passaporte diplomático, visto especial de ministro de país estrangeiro, e o fato de não apresentar qualquer problema de saúde, dispensaram da necessidade de quarentena em outro país, antes de ingressar no território estadunidense. Ainda que esteja exonerado, nada impede que permaneça nos Estados Unidos com o passaporte comum e o visto de turista. Nada do que foi feito é considerado “ilegal”. Mas pode ser enquadrado no “jeitinho” brasileiro — ou seja, coordenar tudo para que ele pudesse sair do Brasil e chegar aos Estados Unidos sem ser incomodado por causa da pandemia.

Amigos do ex-ministro Weintraub informam que ele segue ainda, neste sábado (20/6), para Washington, onde pretende assumir um cargo no Banco Mundial. Para assumir o cargo no BIRD, Weintraub precisará de um visto diferente daquele que permitiu a sua entrada agora e daquele que cobrirá sua permanência nesse período em que nem é ministro, nem funcionário de um organismo internacional. O fato estar ligado a uma nova instituição, também exige a mudança do visto. Para isso, terá que sair dos Estados Unidos, recorrer a alguma embaixada dos Estados Unidos no mundo afora e providenciar o novo documento. Será a oportunidade de passar umas férias no Caribe.

Abraham Weintraub entra nos EUA usando passaporte diplomático

Abraham Weintraub
Publicado em Política

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, desembarcou, na manhã deste sábado (20/6), em Miami, nos Estados Unidos. Portador de passaporte diplomático pelo cargo que ocupa, uma vez que ainda não havia sido exonerado oficialmente, não teve dificuldades em ingressar em solo americano. A viagem foi confirmada por assessores do ministro e avisada por seu irmão Arthur Weintraub, no twitter esta manhã.

 

Frederick Wassef será afastado da defesa de Flávio Bolsonaro

Frederick Wassef
Publicado em Política

O presidente Jair Bolsonaro decidiu seguir o conselho de amigos e manter distância de Frederick Wassef e isso significa, inclusive, buscar um novo advogado para Flávio. A avaliação de amigos do presidente é a de que Wassef não entregou ao presidente o que prometeu. Primeiro, não conseguiu buscar provas capazes de levar a Polícia Federal a uma linha forte de investigação sobre a hipótese de que Adélio Bispo não agiu sozinho quando esfaqueou o presidente durante a campanha. E, agora, com a prisão de Fabrício Queiroz numa casa de Wassef em Atibaia, a relação se tornou insustentável.

O filho 01 está em busca de um bom profissional da área criminal no Rio de Janeiro e pretende fechar o nome até segunda-feira, para não virar mais uma semana com a sombra da casa de seu advogado pairando no processo. Resta saber se o afastamento será suficiente para convencer os investigadores. Wassef até agora não apresentou uma versão para a presença de Queiroz na sua propriedade.