Jantar marca encontro entre a cozinha espanhola e o cerrado

Publicado em

La Mancha encontra o Cerrado é o nome do jantar que reúne dois grandes chefs representando duas cozinhas bem distintas, a brasileira e a espanhola, amanhã, na casa onde funcionou por anos o restaurante Aquavit, no Setor de Mansões do Lago Norte, na ML 12 conj. 1 cs.5. As caçarolas serão comandadas pelos chefs Simon Lau e Rubén Sanchez-Camacho.

O menu, elaborado a quatro mãos, contempla pratos da região da La Mancha e do Brasil, especialmente do cerrado. O banquete — a R$ 300 sem vinhos ou R$ 450 se harmonizado com rótulos espanhóis, australianos, portugueses, brasileiros e italianos — começa com cinco entradas, entre as quais moqueca gelada com sorbet de coco e sticks de mandioca com maionese de tucupi. Segue com três pratos principais: bacalhau de baixa temperatura e purrosaldas de algas; ragu de suã de porco, inhame, cajuzinho do mato e redução; e dado de cordeiro com creme de alho-poró. Na sobremesa, sopa de manga e chocolate branco e sorvete de chocolate com mel servido com goiabas assadas com baunilha do cerrado e bolinho de chuva.

Velho conhecido do brasiliense, o dinamarquês Simon Lau dispensa apresentações. Já Rubén Sanchez-Camacho, comanda o prestigiado restaurante El Bodegón, em Daimiel, na Ciudad Real. O chef é considerado pioneiro na fusão das cozinha tradicional manchega (da região de La Mancha) com a nova cozinha, a chamada autoral.

O jantar abre a programação da III Semana de Estudos e Pesquisa da Gastronomia Espanhola, que ainda inclui um cooking show gratuito com Sanchez-Camacho, na terça-feira, no Senac da 703 Sul; e um almoço, das 12h às 15h, no restaurante-escola Senac Downtown, no prédio da Confederação Nacional do Comércio (CNC), a R$ 45, por pessoa.