Soldado amarelo

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco   O nosso escritor gaúcho-brasiliense, Lourenço Cazarré, é um contador de histórias de mão cheia. Ele já ganhou 12 prêmios nacionais de literatura. Ganhou tantos prêmios que alguns escritores cogitaram entrar com uma ação no STF contra Cazarré. Como diria Paulo Francis, atenção, massas, riam, isso é uma piada.   Pois bem, Cazarré acaba de lançar o […]

Professor de loucura 2

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco   Fui professor em uma faculdade particular durante oito anos. A cada início de semestre, eu sempre pedia aos alunos que escrevessem uma crônica. Era uma forma de conhecer os alunos. Porque a crônica revela o olhar, a sensibilidade e a alma.   Eu acho engraçados os planos de reforma de ensino no Brasil, que pretendem deixar o […]

Vladimir e Zé Lins

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco   Durante a quarentena, redescobri José Lins do Rego e percebi que ele toca no coração das grandes questões brasileiras da atualidade, de maneira dramática: a herança da escravidão, a desigualdade social, a religiosidade, o despotismo, a loucura e a educação. Mas não é a seco; é com pungente e brasileiríssimo humanismo. Zé Lins é o […]

Gentileza é felicidade

Publicado em Deixe um comentárioEntrevistas

        Severino Francisco   Sempre me interessei por matérias que envolvam uma arte de viver. Ser gentil quando tudo vai bem, é fácil. O difícil é lidar com situações de conflito. Por isso, a psicóloga e jornalista Rosana Braga escreveu A gentileza como bem-estar e felicidade (Ed. Buzz). É baseado em pesquisas na área comportamental e corporativa. […]

As cigarras são heavy metal

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco     Nas últimas semanas, acordo e durmo com o som metálico, rascante e estridente das cigarras. De repente, me bateu a impressão de que era mesmo uma orquestra concreta do cerrado, ao ar livre, a palo seco, sob o sol devastador. O canto das cigarras é puro João Cabral de Melo Neto: “Se diz a palo […]

Batalha da quarentena

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco   O Museu da República tinha tudo para ser um fracasso espetacular. Não é a obra mais inspirada de Niemeyer, foi apelidada de iglu e cuzcuz, é fechada e árida, sem nenhum jardim. Mas vejam como o destino de uma criação arquitetônica é imprevisível. O museu (ou pelo menos as cercanias do museu) foi abraçado pelas novas […]

Pierrô minimalista

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco   Francisco Saraiva, o Francisco K, tem uma fé na poesia capaz de abalar montanhas de ceticismo. K é pernambucano, filho de um casal de professores da UnB, mas cresceu em Brasília. Ele gosta de poesia concreta e Jimi Hendrix, Augusto de Campos e o rap, Mallarmé e Noel Rosa, Hélio Oiticica e Wilson Batista, o […]

O amigo americano 2

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco A chuva limpou o ar, mobilizou os pássaros, reverdeceu as plantas e, parece, foi embora. Sumiu, mas reavivou-me a memória da construção da casa no condomínio em que moro. Vivi algumas aventuras dramáticas. Passei um período de sufoco, tive de vender o carro, voltava de ônibus, descia no ponto do comércio e caminhava 3km até a minha […]

Festinha de aniversário

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco   No domingo, fizemos uma festinha de aniversário dos 7 anos da Aurora, minha neta, uma espécie de reencarnação da Emília, boneca irreverente do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. Calma, não houve aglomeração, só participou a parte da família que já mora na casa. Festinha é uma maneira de dizer, pois Aurora transforma qualquer pequeno evento […]

Artistas na pandemia

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Sem livros, filmes e música, nós não aguentaríamos atravessar o isolamento social. Mas a pandemia afetou muito os artistas. Por isso, fiquei curioso para saber o que eles fazem nesses tempos. Hugo Rodas, o nosso bruxo emérito do teatro, que criou a linda performance Quem parte é amor de alguém, apresentada na Esplanada dos Ministérios, sentiu a falta […]