A vida voltando ao normal

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Aos poucos nós, sobreviventes, vamos vendo a vida que a pandemia nos roubou nos últimos dois anos. À parte a tragédia de amigos e queridos perdidos, um pedaço da existência de cada um ficou em uma espécie de câmara criogênica, com sentimentos e sensações suspensos, naqueles dias em que ficamos tão estupefatos que não medimos a gravidade de ficar sem […]

Um leão sem dentes

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Era olhado com admiração. Pelos homens e por algumas mulheres. Não era bonito, mas fazia tipo, com longas costeletas à Elvis de Las Vegas, enquanto jogava migalhas de charme no chão, só para sentir em quais pombas podia investir. É a velha escola da paquera: primeiro sente-se o pulso; em seguida, o tiro. Era um predador, um leão. Pode-se dizer […]

Música contra o isolamento

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Agora a gente pode dizer que a pandemia acabou: o evento será marcado quando os gambás saírem da toca, na próxima quarta-feira, depois de uma hibernação de mais de dois anos. Foi um período maior do que a invernada das marmotas, que chegam a durar até seis meses; mas como marmota não canta, desta vez valeu a pena esperar. A […]

Para não desistir da vida

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Alain Delon vai morrer. Aliás, todos vamos. Mas o ator francês quer escolher a hora de partir desta para a melhor, desafiando o destino. Já fez até um bilhete de despedida, nos moldes dos que são feitos pelos condenados ou suicidas. Delon se condenou por sofrer de velhice e vai se colocar no paredão da eutanásia. Sem julgamento, não é […]

Um cronista convidado

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Um amigo garante que jamais, em tempo algum, ninguém bebeu cerveja com o gosto de Danilo Gomes. Evidente exagero, porque antes de tudo trata-se de um apreciador do líquido dourado, filho de cereais maltados ou não. O que ninguém discute é que é um connaisseur, além de excelente cronista. Para dirimir dúvidas, abro alas para o mestre. Com vocês, Danilo […]

A falta que um dente faz

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Roach, em inglês, é barata, o inseto caseiro. Mas é também sinônimo de dente postiço, que no Brasil, foi aportuguesado com o apelido de rote. Hoje, como desenvolvimento da ortodontia, é conhecida como prótese dental removível, instalada enquanto não se faz um implante. É quase o mesmo que dentadura, chapa, perereca, coregão. A história do nosso dileto amigo começa com […]

Presentes engarrafados

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Sempre disseram que o presente que a pessoa recebe revela o caráter, ou pelo menos a imagem que os outros têm dela. Ninguém dá livros para quem não lê, discos para quem não gosta de música, roupa para quem vive amarfanhado. É a lógica. E é o que tem me deixado com pulgas atrás da orelha – e o inseto […]

Os cafajestes voltaram

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Eles pareciam ser um daqueles retratos amarelados que o velho mundo deixou na parede mais suja. Disfarçados como dândis, com seus ternos bem cortados, cabelos engomados e modos afetados, chegaram a fundar um clube que nunca precisou de sede para fazer barulho e espalhar machismo e misoginia: o clube dos cafajestes. Jovens bem-nascidos, pareciam a cara de um país pronto […]

Literatura etílica

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Na parede do bar há um pôster desbotado do Vasco da Gama campeão brasileiro de 2000, um cartaz de propaganda de cerveja e uma tábua entalhada onde se lê “o dono tem razão”. Em cima de uma geladeira, a indefectível imagem de São Jorge Guerreiro enfiando a lança num dragão. Ou seja, nada naquele bar mostra qualquer sinal de sofisticação […]

Água que vem do céu

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Em dezembro de 1957 pouco mais de 2.200 pessoas moravam na Cidade Livre, nome original do que hoje conhecemos como Núcleo Bandeirante. Era o centro comercial da capital que estava sendo construída, atendendo aos mais de sei mil moradores do Plano Piloto e outros três mil que ficavam nos acampamentos das construtoras. A cidade tinha apenas um ano de idade, […]