BNDES estuda cargos para abertura de novo concurso neste ano

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: AFP PHOTO/VANDERLEI ALMEIDA)

Do CorreioWeb   O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou ao CorreioWeb que iniciou os trabalhos para definir quais cargos serão oferecidos no próximo certame. O atual concurso do órgão vence em 12 de junho deste ano. Apesar do estudo de demanda de funcionários, o banco ressalta que a seleção ainda precisa ser oficialmente autorizada pela diretoria interna.   Em setembro do ano passado, o BNDES já havia comentado sobre a possível abertura de nova seleção no segundo semestre deste ano. O último concurso do banco ocorreu em 2012, quando foram oferecidas vagas de nível médio e superior. Na ocasião a banca responsável foi a Fundação Cesgranrio. A aplicação das provas foi nas cidades de São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Belém/PA, Belo Horizonte/MG, Brasília/DF, Porto Alegre/RS, Recife/PE e Salvador/BA.   Na época, os salários iniciais foram de R$ 4.148,82 para técnico administrativo e R$ 10.405,04 para profissional básico, já incluindo R$ 399,08 de auxílio-alimentação e R$ 823,95 de auxílio-refeição, todos com jornada de trabalho de 35 horas semanais.

CNPq aguarda autorização para 299 vagas com lotação no DF

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: Divulgação/CNPq)

Do CorreioWeb   O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) aguarda a autorização do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) para programar o próximo concurso público. A intenção do órgão é abrir 299 oportunidades. De acordo com a instituição, as vagas serão destinadas aos cargos de analista (nível superior) e assistente (nível médio), com lotação no Distrito Federal.   O último concurso do CNPq ocorreu em 2010 e ofereceu 95 oportunidades, sendo 46 para analista em ciência e tecnologia e 49 para assistente em ciência em tecnologia. A organização do certame ficou sob a responsabilidade do Cespe/UnB.   Todos os concorrentes passaram por avaliações objetivas com 50 questões de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos, testes discursivos, além de análise de títulos para analista. Na época, as remunerações variavam de R$ 2.504,68 a R$ 4.549,63, para jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Funai tem 1.000 cargos vagos e pede abertura de novo concurso

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: Viola Júnior/Esp. CB/D.A Press)

Sílvia Mendonça – Do CorreioWeb   A Fundação Nacional do Índio (Funai) confirmou ao CorreioWeb que, atualmente, conta com mais de mil cargos vagos. A fundação solicitou ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) a abertura de novo concurso público para suprir o déficit de profissionais, mas ainda não teve retorno. Caso seja aprovado, o certame será realizado ainda em 2015.   De acordo com informações repassadas pelo coordenador geral de gestão de pessoas da Funai, Clayton Geraldo Mendonça de Castilho, a nova seleção deverá contemplar cargos de níveis médio e superior. Contudo, ainda não é possível informar o número de vagas e cargos específicos que serão oferecidos, já que a demanda e as prioridades serão estudadas somente após aprovação do MPOG.   A última seleção da Funai foi aberta em 2010 e ofereceu 425 vagas de níveis fundamental, médio e superior. O Instituto Cetro foi a banca organizadora. As chances foram para os cargos de auxiliar em indigenismo (75 vagas), agente em indigenismo (150), e indigenista especializado (200). Na época, as remunerações eram de R$ 3.080,38, R$ 3.321,90 e R$ 4.085,28.   As oportunidades foram para as regiões de Roraima e Noroeste do Amazonas; Acre e Sudoeste do Amazonas; Rondônia, Noroeste do Mato Grosso e Sul do Amazonas; Goiás, Maranhão e Tocantins; Amazonas Central (incluindo Manaus); Mato Grosso; Amapá e Pará; Mato Grosso do Sul; Sul e Sudeste; Minas Gerais, Sul da Bahia e Espírito Santo; Nordeste (exceto Maranhão) e para a sede em Brasília.

Os candidatos passaram por prova objetiva e redação, além de prova prática para o cargo de auxiliar em indigenismo.

Veja dicas para conquistar uma das 14 vagas abertas pelo Ministério da Justiça

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

 

(Foto: Monique Renne/CB/D.A Press)

Do Correio Braziliense   O Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisional e sobre Drogas (Sinesp), órgão vinculado ao Ministério da Justiça, oferece 14 vagas para contratação temporária de profissionais de nível superior ao cargo de gerente de projetos em tecnologia da informação (TI). Além de graduação na área de TI, os aprovados deverão comprovar experiência superior a cinco anos em funções de coordenação de projetos em linguagem de software livre ou título de pós-graduação em informática ou computação. O salário para o cargo é de R$ 8,3 mil. Com postos de lotação em Brasília, o contrato para as vagas terá vigência inicial de um ano, podendo ser estendida por mais quatro. Os convocados ficarão encarregados de gerenciar atividades relacionadas ao desenvolvimento de solução tecnológica para o Sistema Sinesp, baseando-se nas diretrizes tecnológicas e na metodologia adotada pelo ministério.   Provas A seleção ocorrerá por meio de provas objetiva e de títulos, sindicância de vida pregressa e investigação social. Marcada para 29 de março, a primeira fase contará com questões de português (10), direito administrativo (6), legislação e ética na administração pública (4), e conhecimentos específicos (30). “Além de conhecer a Lei nº 12.681, que rege o Sinesp, nessa etapa, os candidatos precisarão conhecer também as instruções normativas acerca da elaboração de termos de referências e projetos básicos para contratação de bens e serviços de TI. Para se sair bem, o candidato precisa ter conhecimento sobre governo eletrônico e metodologia de gerenciamento de projetos do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (Sisp)”, orienta o coordenador do Meta Concursos Luís Batista Furlan.   Professor do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília (CIC/UnB), Gean Batista Crispim afirma que os certames da banca avaliadora, a Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab), podem confundir. “As provas não são fáceis, são conceituais e exigem certo nível de experiência.” Crispim ressalta a importância de resolver provas similares, como as da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) ou da Cobra Tecnologia (empresa de TI vinculada ao Banco do Brasil). “Ler o edital e revisar provas antigas é importante, apesar de ser uma atitude subestimada. A banca é conhecida por fazer pegadinhas. O candidato inexperiente acaba perdendo tempo justamente por não estar familiarizado com o perfil de avaliação da Funcab”, comenta.   Jorge Amador Ferraz, analista do Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação do Instituto Federal de Brasília (Ntic/IFB), diz que, além de ter bom plano de ensino, para não perder tempo, os candidatos devem separar o conteúdo de forma que o cronograma abranja todo o material cobrado no edital. “Não adianta estudar por poucas horas se a prova é extensa. Além da mudança na rotina, o candidato precisa estar pronto para encarar horas de leitura e resolução de problemas”, conclui.   Bom salário Graduado em engenharia de redes, Luiz Felipe Alves Batista, 26 anos, trabalha como gerente de TI terceirizado em um banco no DF há 2 anos. O candidato, que possui especialização em sistema de redes, prestará o concurso de olho no salário. “O valor é atraente, já que receberia quase duas vezes o que ganho hoje em dia. Espero uma prova difícil, mas coerente, pelo que pude ver no edital. Para me preparar, como sou concurseiro e atuante na área, estou focado apenas em revisar o conteúdo específico. Estudo quatro horas todos os dias em casa, pois não tenho tempo de conciliar a preparação com o trabalho”, diz.   O que diz o edital Processo seletivo simplificado do Ministério da Justiça – Salário: R$ 8,3 mil – Vagas: 14 – Provas: 29 de março

Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais é proibida de contratar sem concurso

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

  Do CorreioWeb   O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) decidiu que a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) não poderá contratar trabalhadores sem concurso público. O chamado “emprego em comissão” foi vetado por meio de uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT/DF) que questionou a admissão de servidores sem certame.   A União, após decisão judicial, chegou a propor embargos de declaração afirmando incompetência da Justiça do Trabalho e erro material. Um novo julgamento, no entanto, manteve a condenação do Tribunal.   Mantendo o entendimento anterior, a CPRM deverá anular os contratos vigentes sob essa modalidade e realizar concurso público para ocupação das vagas. Tem de pagar ainda R$ 300 mil por dano moral coletivo, revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador. Cada trabalhador encontrado em situação irregular acarretará multa de R$ 10 mil à empresa.

STF diz que conselhos profissionais devem realizar concurso

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)

Do CorreioWeb   O Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso do Sul (CRO/MS) terá prazo de 180 dias para realizar concurso público e rescindir todos os contratos terceirizados firmados a partir de 18 de maio de 2001. A decisão foi resultado de disputa judicial entre o CRO/MS e o Tribunal de Contas da União (TCU).   O TCU cobrou a realização de certame para preenchimento do quadro de pessoal do conselho, mas encontrou resistência por parte do CRO/MS. Ao analisar o caso, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os conselhos de fiscalização profissional têm natureza jurídica de autarquias, logo devem realizar concurso para contração de funcionários.   O relator do caso, ministro Luiz Fux, ressaltou que as atividades desenvolvidas pelos conselhos profissionais são de caráter público e por isso infere-se a eles a natureza autárquica. Devido a esse entendimento, concluiu-se pela obrigatoriedade da aplicação da regra prevista no artigo 37, da Constituição Federal.

Aulão gratuito para candidatos ao cargo de agente penitenciário

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Do CorreioWeb   Interessados em seguir carreira de agente penitenciário no Distrito Federal terão chance de ampliar seus conhecimentos neste sábado (28/2). A professora Rebecca Guimarães abordará a disciplina de atualidades em aulão a ser ministrado de 8h15 às 11h50. Concurseiros devem comparecer a unidade do Pistão Sul – Setor D Sul- Lt. 2 – do IMP Concursos, em frente ao Taguatinga Shopping.   Para participar é necessário fazer a inscrição na secretaria de qualquer unidade do cursinho preparatório, mediante doação de um quilo de alimento não perecível (exceto sal). As doações serão repassadas a uma instituição assistencial.   O concurso oferece 1.100 vagas para o cargo de agente penitenciário. Concorrem candidatos com formação em qualquer curso de nível superior. Do total de chances, 200 são para provimento imediato (sendo 40 para pessoas com deficiência) e 900 para cadastro reserva. A banca organizadora é a Fundação Universa.   Segundo o edital, haverá provas objetivas no dia 19 de abril. A avaliação será composta por 150 questões, sendo 50 de conhecimentos básicos e as outras 100 de conhecimentos específicos. Além da etapa citada, candidatos serão submetidos ao teste de aptidão física, avaliação psicológica, sindicância de vida pregressa e investigação social. O salário ofertado é de R$ 4.745, referente a uma jornada de trabalho de 40h semanais. A seleção é válida por um ano, podendo ser prorrogada por igual período. 

Receita Federal quer abrir novos concursos neste ano

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Sílvia Mendonça – Do CorreioWeb   A Receita Federal confirmou ao CorreioWeb que solicitou ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) a abertura de novos concursos públicos. De acordo com o órgão, no momento, o Planejamento analisa a disponibilidade orçamentária para as novas contratações, que, se aprovada, deve constar na proposta de Lei Orçamentária (PLOA) de 2015. A Escola de Administração Fazendária (Esaf), responsável por todas as seleções referentes ao Ministério da Fazenda, contudo, salientou que não há qualquer previsão para lançamento de editais.   Também não foi informada a quantidade de vagas a serem abertas, cargos ou demais especificações das futuras seleções. Em dezembro do ano passado, o MPOG adiantou que considerava a proposta feita pela Receita Federal, para contratação de novos auditores fiscais em 2015. Embora, na época, a então secretaria de gestão do Planejamento, Ana Lúcia Amorim, ressaltou a necessidade de previsão dos gastos na PLOA 2015.

Problemas de visão não eliminam candidata de concurso da Marinha

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

 

(Imagem: Caio Gomez/CB/D.A Press)

Do CorreioWeb   Deficiência visual corrigível por óculos ou lentes de contato não pode eliminar candidato a cargo público de processo seletivo. Esta decisão foi proferida pela Justiça como resposta a uma ação impetrada por um candidato a oficial de 2ª classe da reserva da Marinha. Ele pediu a anulação da seleção porque a primeira colocada apresentou falhas na visão durante o exame médico.   O autor da acusação alegou que a candidata aprovada não conseguiu ler nenhuma letra exibida durante exame oftalmológico. Afirmou também, que o exame não foi realizado por um médico e sim por suboficial da Junta de Saúde da Policlínica Naval de Manaus.   A Advocacia Geral da União (AGU), contudo, esclareceu que, apesar de ter sido detectado a existência de déficit de visão, um parecer oftalmológico realizado em seguida atestou que o uso de lentes de contato corrigia as falhas da aprovada no certame. Ainda de acordo com a defesa, encaminhar pacientes que não obtêm resultado satisfatório em algum aspecto do exame médico para um especialista ratificar ou rever as constatações da junta de saúde é um procedimento padrão adotado pela Marinha em seus processos seletivos.   A anulação do processo seletivo foi julgada improcedente pela 3ª Vara Federal do Amazonas, observando que não foi apresentada qualquer prova que demonstrasse a existência de irregularidades na seleção.

Secretaria da Fazenda/SP quer preencher 729 vagas em 2015

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

  Do CorreioWeb   A Secretaria da Fazenda de São Paulo (Sefaz/SP) pretende preencher 729 vagas, no decorrer deste ano, por meio de realização de concurso público e convocação de remanescentes. O órgão encaminhou solicitação à Secretaria Estadual de Gestão Pública (SGP/SP) que irá avaliar as condições orçamentárias para suprir a demanda.   Possivelmente as vagas serão distribuídas desta maneira: 630 para o cargo de técnico de apoio à arrecadação tributária, com exigência de ensino médio; 88 para a carreira de analista em planejamento, orçamento e finanças públicas e 11 para o cargo de executivo público, ambos com exigência de nível superior em qualquer área.   A remuneração inicial para o posto de técnico é de R$ 1.735,24, podendo chegar a R$ 2.628,47, em caso de recebimento de 100% do prêmio de incentivo à qualidade (PIQ). Para analistas, o salário inicial é de R$ 5.800. No caso do posto de executivo público, o valor é de R$ 4.232,42, podendo chegar a R$ 5.373,61, com a totalidade do PIQ.   O último processo seletivo para o cargo de técnico de apoio à arrecadação tributária aconteceu em 2010 e contou com 49.716 inscritos. Na ocasião foram oferecidas 550 vagas. A prova foi composta de 80 questões, sendo 40 de conhecimentos gerais e 40 de conhecimentos específicos. Conhecimentos gerais incluíram temas de língua portuguesa, matemática e raciocínio lógico, noções de informática e atualidades. Em conhecimentos específicos, noções de direito constitucional, noções de direito administrativo, noções de direito penal, noções de direito tributário e noções de direito civil. A organizadora foi a Fundação Carlos Chagas.   No caso de analista, o último concurso ocorreu em 2013, com oferta de 257 vagas, sendo organizado pela Fundação Vunesp. A seleção contou com duas provas objetivas, análise de títulos e curso de formação profissional. Neste caso, é possível que as vagas sejam preenchidas por remanescentes, uma vez que o concurso ainda está em validade.   Cada prova contou com 80 questões. Na primeira, de conhecimentos gerais, os temas foram sobre língua portuguesa, atualidades, matemática financeira e estatística básica e direito constitucional. Na segunda, de conhecimentos específicos, direito financeiro e tributário, economia e finanças públicas, contabilidade geral e pública, planejamento e orçamento governamental e técnicas de auditoria.