História e biografia são inseparáveis em livro sobre URSS

Publicado em Deixe um comentáriobiografia, democracia, história, imigração, lançamento, livro, política, Sem categoria, sociologia, viagens

Não há uma geração sequer que siga sossegada, sem genocídios, perseguições, guerras e fome na família do jornalista Alex Halberstadt. E também há pouco espaço para a clareza e a transparência, já que, muitas vezes, sobreviver depende de não falar a verdade. Essa combinação faz de Jovens heróis da União Soviética — Uma história de reencontro e um ajuste de contas uma leitura difícil de ser abandonada. 

O trhiller de estreia de Paulo Scott reeditado e revisado

Renato Parada/Divulgação
Publicado em Deixe um comentárioliteratura policial, Sem categoria

Há uma simplicidade na estrutura narrativa de Voláteis da qual Paulo Scott se orgulha bastante. Publicado em 2005, o primeiro romance do escritor gaúcho envelheceu bem e ganhou nova roupagem em reedição da Alfaguara e revisão do autor. Scott trocou nomes de alguns personagens e reformulou a descrição de algumas expressões que hoje, aos 55 anos, ele diz compreender melhor. 

A língua poética de Valter Hugo Mãe

Publicado em Deixe um comentárioamor, consciência, drama, história, indígena, índios, lançamento, leitura, literatura, livro, português, romance, Sem categoria

O igarapé educa para atenção, nome é uma palavra habitada, nossa língua é nosso comportamento e o tempo é uma mentira que impede de viver. Quando Valter Hugo Mãe toma a dianteira da língua portuguesa, o leitor pode sentar e se maravilhar com algumas das mais belas frases da literatura contemporânea. Como um Manoel de Barros português, ou um José Saramago brasileiro, Hugo Mãe, que nasceu em Angola, cresceu em Portugal e tem um afeto declarado pelo Brasil, consegue transformar a leitura em uma emoção só. Coloque nisso uma história brasileira, violenta como foi a colonização, trágica como foi a matança dos índios e a escravização dos africanos, e fica difícil não querer derramar uma lágrima aqui e outra ali. 

Filha da diáspora: uma vida entre Portugal e Angola

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Vitória é uma personagem curiosa. Quer saber o que houve com sua mãe, uma guerrilheira angolana que deixou a filha aos cuidados do avô para lutar pela independência de Angola nos anos 1970. Quando a guerra se instala, a família carrega Vitória para Portugal, onde ela vive uma vida a meio caminho de duas culturas, na pele e nas tradições. 

Ensaios de Carola Saavedra refletem sobre o lugar da literatura

Publicado em Deixe um comentáriodemocracia, enciclopédia, ensaio, feminismo, filosofia, história, imigração, leitura, literatura, livro, pandemia, racismo, Sem categoria

Cada um  dos temas de O mundo desdobrável – Ensaios para depois do fim poderia render um romance. E em cada um desses temas surge a pergunta “mas o que é literatura?”. O novo livro de Carola Saavedra pode ser descrito como uma reunião de ensaios sobre coisas do cotidiano. Plantas, família, origens, ancestralidade, pandemia, isolamento. Há um pouco de tudo nessas 210 páginas traçadas, como diz a autora, do ponto de vista de uma escritora, e não de uma pesquisadora. 

Quando a literatura encontra a zoologia

Publicado em Deixe um comentárioamor, enciclopédia, fantasia, ilustração, lançamento, leitura, literatura, pandemia, poesia, quarentena, Sem categoria, zoologia

Construído com viuvinhas, joões e marias, o pequeno universo enciclopédico de Maria Esther Maciel é um mundo muito delicado. Começou com uma pesquisa acadêmica sobre animais na literatura, iniciada há alguns anos. Dezenas de compêndios zoológicos de todas as épocas, incluindo os bestiários medievais, livros de história natural e manuais de zoologia fantástica passaram sob os olhos da pesquisadora. Depois de listar um sem número de animais e plantas de diferentes espécies, ela sentou para escrever a pequena enciclopédia de seres comuns. E, numa associação profundamente poética entre zoologia e literatura, construiu um breviário de sutilezas povoado por seres que não são nem monstruosos nem fantásticos, mas ganham certa magia na narrativa da escritora mineira e nas ilustrações de Julia Panadés.

Novo livro de Bernardo Carvalho imagina o mundo pós-pandemia

Publicado em Deixe um comentárioabsurdo, apocalipse, democracia, distopia, drama, internet, lançamento, leitura, literatura, livro, pandemia, quarentena, romance, Sem categoria

O último gozo do mundo começou a tomar forma como uma novela curta feita sob encomenda. O escritor Bernardo Carvalho estava em casa, isolado por causa da pandemia, e topou a encomenda de um produtor de cinema para escrever uma história que se passasse logo após a quarentena. O combinado era o produtor pagar uma quantia mensal em troca do trabalho do autor. O contrato não seguiu adiante, mas o livro, sim. O romance que chega às livrarias pela Companhia das Letras é descrito como uma distopia, mas é tão próximo da realidade atual que pode ser lido como uma visão catastrófica para o que nos espera após a pandemia, caso ela acabe. 

A casa e as incertezas da pandemia na poesia de José Luís Peixoto

Publicado em Deixe um comentárioliteratura, pandemia, poesia, quarentena, Sem categoria, viagens

A pandemia tem colocado em causa muitas certezas e o escritor português José Luís Peixoto anda pensando sobre isso. Além de levá-lo para um estado de fragilidade e medo, o mesmo que acometeu o mundo, o caos gerado pelo novo coronavírus também levou Peixoto de volta à poesia. Regresso a casa é um livrinho de poemas nascido da pandemia, gestado durante a primeira quarentena em Portugal e repleto de reflexões sobre o ser humano, o pertencimento, a individualidade, a convivência e a percepção do outro.

Rosa Montero reedita livro sobre mulheres com 90 novos perfis de ilustres desconhecidas

Publicado em Deixe um comentárioabsurdo, amor, biografia, ciência, consciência, crônicas, drama, feminismo, gênero, história, humor, lançamento, leitura, literatura, livro, pandemia, política, Sem categoria, sociologia, surreal

Rosa Montero é viciada em biografias. Em casa, em Madri, ela guarda uma biblioteca com centenas de volumes desse gênero. Neles a escritora espanhola vislumbrou, pela primeira vez, lá pelo início dos anos 1990, a vontade de escrever um livro inteiro sobre mulheres históricas desconhecidas. “Como leitora assídua de biografias, descobri várias mulheres fascinantes que eram completas desconhecidas”, conta Rosa. “Eram absolutamente fascinantes e eu caí nelas por pura casualidade, com biografias que me levavam a outras biografias.” Na época, ela decidiu se aprofundar nas histórias dessas figuras, que renderam várias colunas para o jornal El País e o livro Nós, mulheres, publicado em 1995.