Antologia de Veríssimo é passeio por risos e textos inéditos

Publicado em Deixe um comentáriocontos, crônicas, filosofia, humor, ironia, lançamento, leitura, Sem categoria

A obra de Luís Fernando Veríssimo é vasta e quase infinita. Revirar os arquivos do escritor gaúcho pode trazer revelações como textos inéditos ou publicados uma única vez, mas também pode render compilações de ilustrações, de frases e de outras modalidades que fazem os editores se animarem. Veríssimo sempre vende bem. E agora está de volta com uma compilação da Objetiva na qual o editor Marcelo Dunlop promete reunir o melhor da produção do gaúcho nos últimos 50 anos, incluindo “pepitas raras”. 

As viagens literárias de José Luís Peixoto

Publicado em Deixe um comentárioensaio, filosofia, gênero, história, lançamento, literatura, livro, reportagem, Sem categoria, viagens

José Luís Peixoto nunca teve a Tailândia como um destino dos sonhos. Foi por uma coincidência que acabou pisando no país pela primeira vez e, por escolha, pela segunda. “Sempre sonhei com a Ásia, não especificamente com a Tailândia”, conta. No entanto, em 2012, durante uma viagem a Macau, o escritor se viu diante da oportunidade de conhecer a Tailândia. Deveria por lá desembarcar para escrever para uma revista de turismo e colocou como primeiro desafio retirar da própria mente a capa de exotismo que o visitante europeu geralmente projeta no país. Deu tão certo que ele voltou uma segunda vez e, dessas viagens, trouxe o livro O caminho imperfeito, recém-publicado pela Dublinenses. “A Tailândia foi-se instalando, foi ganhando lugar. De algum modo, essa evolução está muito ligada ao modo como a Ásia foi ganhando um espaço na minha vida. Ao ponto de, nos últimos anos, ter passado, pelo menos três meses da cada ano na Ásia”, revela o autor. 

Pandemia é cenário para ficção de autores brasileiros

Publicado em Deixe um comentárioabsurdo, apocalipse, ciência, consciência, distopia, drama, fantasia, filosofia, folcore, gênero, lançamento, lenda, literatura, pandemia, surreal, violência

O zumbi tem seu lugar no folclore brasileiro. Por aqui, ele é o corpo-seco, o unhudo, o menino respondão e malvado que, de tão ruim, não foi aceito nem no céu, nem no inferno. Ficou por aí, entre as árvores e as folhagens, zanzando meio morto, meio vivo, mais morto do que vivo. A metáfora era perfeita para a ideia do editor Marcelo Ferroni, que há anos queria fazer um livro de zumbi à brasileira. Convencido de que esse tipo de literatura tem qualidade e conteúdo, encontrou abrigo na editora Luara França, que abraçou a ideia de convidar outros autores e transformar quatro textos escritos individualmente em um romance. O resultado está em Corpos secos, lançado pela Alfaguara no finalzinho de março e que traz incrível eco contemporâneo com pandemias e mundo paralisado, apesar de ter sido pensado e escrito entre 2018 e 2019.

Quatro livros para refletir sobre as lutas femininas

Publicado em Deixe um comentárioensaio, feminismo, filosofia, gênero, literatura, livro, machismo, racismo, sociologia

Quer aproveitar o embalo do dia 8 de março e ler algo relacionado ao tema? A história do Dia Internacional da Mulher começa lá no fim do século 19, com a luta pelos direitos civis, pela igualdade, pelo voto e por uma série de reivindicações que, até hoje, ainda estão em processo de conquista. Então, para dar crédito ao movimento, conhecer um pouco da escrita produzida por mulheres que pensaram esses temas, seja na ficção, seja no campo da reflexão, sempre acrescenta. E o mercado editorial brasileiro é bem servido do tema, então vai aqui uma lista de quatro livros para você mergulhar em discussões como o feminismo negro, as mulheres e a ditadura brasileira, o abuso e a espera pelo pedido de desculpas.  

Consciência e inteligência artificial travam embate no novo romance de Ian McEwan

Publicado em Deixe um comentáriociência, consciência, distopia, filosofia, gênero, inteligência artificial, lançamento, livro, política, romance, Sem categoria

É no passado que Ian McEwan imagina o futuro do mundo. Essa pequena gracinha toma proporções proféticas em Máquinas como eu, o novo romance do autor britânico. McEwan não se interessa por ficção científica nem por fantasia, mas não há como encarar esse livro sem imaginar um mundo distópico no qual a inteligência artificial e a consciência humana travam um embate digno de Blade runner.  

“Se a rua Beale falasse”, de James Baldwin: tensão racial e olhar feminino

Publicado em Deixe um comentáriofilosofia, história, literatura, racismo, romance, violência

Beale Street fica em Memphis, no Tennessee, a mais de mil quilômetros de Nova York, mas é uma rua muito simbólica quando se trata de James Baldwin. O blues, pai do jazz e de todas as outras formas musicais de manifestação da cultura negra norte-americana teriam nascido na tal rua. Simbolicamente falando, para Baldwin, é como se todos os negros norte-americanos tivessem nascido na Beale Street. É tudo que o leitor precisa saber sobre essa rua ao ler Se a rua Beale falasse, romance adaptado para o cinema por Barry Jenkins e indicado ao Oscar de melhor atriz coadjuvante e roteiro adaptado.

Da escravidão à Lava Jato: sociólogo pensa o país de forma particular

Publicado em 6 Comentáriosensaio, filosofia, história, política, Sem categoria, sociologia

O problema do Brasil não estaria na corrupção herdada dos portugueses, mas na escravidão. Não estaria na maneira como fomos colonizados e sim na estrutura do sistema escravocrata implantado por aqui. E estaria, sobretudo, na desigualdade gerada por um projeto de país que, para funcionar, precisa manter grandes distâncias entre as classes pobres e as abastadas. Jessé de Souza não é unanimidade, mas é voz que tem sugerido uma nova maneira de olhar para os problemas brasileiros.

Que tipo de leitor é você? Viajante, isolado ou devorador?

Publicado em 1 Comentárioensaio, filosofia, história, ilustração, literatura, livro, mitos, Sem categoria

O leitor do século 21 é uma espécie de sobrevivente. E também um salvador. Cabe a ele salvar o ato de ler. O escritor argentino Alberto Manguel não é exatamente um otimista nesse campo, embora seja um Dom Quixote da leitura, com sua biblioteca de 30 mil livros no interior da França. Leitores e escritores como Manguel estão em extinção, por isso vale a pena prestar atenção nas comparações e alegorias que costumam usar. Em O leitor como metáfora, Manguel investiga os significados simbólicos da leitura para concluir que há três tipos de leitores.

Três livros sobre política para um ano de eleição

Publicado em 4 Comentáriosensaio, filosofia, história, política, Sem categoria

Em ano de crise política e econômica, uma das frases mais proferidas por aí foi sobre a pobreza do debate político no Brasil. As polarizações, os extremismos e a falta de diálogo viraram um problema, apartaram amigos e fincaram bandeiras. Em 2018, com eleições à vista e crise em curso, a confusão continua. Informação é ouro em tempos de fake news. Que tal mergulhar em algumas boas leituras para enriquecer o debate? Saber como pensam intelectuais e compreender um pouco a natureza do debate ajuda a pensar. O Leio de tudo selecionou quatro livros lançados recentemente que podem acrescentar informação e reflexão para quem vai ajudar a determinar os rumos do país em outubro próximo. Você, que é eleitor, pode encontrar aqui uma boa dúzia de argumentos.