Natália Borges Polesso fala sobre conflitos, diálogos e literatura

Publicado em Deixe um comentárioamor, contos, feminismo, história, literatura, livro, poesia, política

Depois de ganhar o Jabuti em 2016 na categoria contos com o livro Amora, a autora gaúcha Natália Borges Polesso, que participa hoje do Livre! Festival Internacional de Literatura e Direitos Humanos, acaba de concluir um romance de formação. Ela ainda não pode falar muito sobre o livro, mas adianta que é a história de uma menina da adolescência à idade adulta que precisa lidar com uma condição. A personagem tem epilepsia e os conflitos gerados a partir dessa condição são essenciais em sua vida. Para a autora, a construção dos personagens é algo fundamental.

Julián Fuks: “Brasil não refletiu sobre seu passado autoritário”

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Julián Fuks acredita que a multiplicidade pode fazer da literatura um discurso importante no cenário sociopolítico e esse pode ser um dos temas do debate de hoje – Democracia em tempos sombrios: o romance como resistência – no Livre! Festival Internacional de Literatura e Direitos Humanos. O autor paulistano divide a mesa com Beatriz Leal, de Mulheres que mordem.

Conheça seis autores que participam de eventos literários em Brasília

Publicado em 1 ComentárioSem categoria

O segundo semestre começou com boa notícia para quem gosta de literatura. Este mês e no próximo, a cidade recebe três eventos nos quais a leitura, os livros e os autores são tema de uma programação que traz o melhor da literatura brasileira contemporânea. Já em cartaz, a Eu leitor convida o público a descobrir, de forma lúdica, o mundo […]

Drogas, imigração e conflito de gerações no novo livro de Carol Bensimon

Publicado em Deixe um comentárioliteratura, livro, real, romance

Carol Bensimon passou um tempo no Norte da Califórnia para escrever O clube dos jardineiros da fumaça. Alugou uma cabana no condado de Mendocino, três horas ao norte de São Francisco, exatamente no Triângulo Esmeralda, região conhecida pela plantação de maconha. Passou seis meses por lá e cultivou uma verdadeira intimidade com o lugar. Esse é um dos atrativos do […]

Clarice, de Roger Mello: o poder da leitura

Publicado em 1 ComentárioSem categoria

Nada foi pensado ou planejado, mas é sintomático que Roger Mello lance seu Clarice logo agora. O novo livro do escritor, nascido e criado em Brasília, traz a história de uma menininha cujo nome foi inspirado em Clarice Lispector e cuja vida na Brasília da década de 1960 ou 1970 está condicionada aos efeitos da ditadura. Com lançamento neste sábado (19/05), às 16h, na Fnac (Parkshopping), Clarice é um presente para Brasília e um alerta para o Brasil. É sobre o poder da leitura e dos livros o novo livro de Mello.

Mudanças no Prêmio Jabuti: menos categorias e participação de independentes

Publicado em Deixe um comentáriohistória, literatura, livro, poesia, quadrinhos

O 60º Prêmio Jabuti 2018 teve o número de categorias reduzido, mudanças na escolha dos vencedores e na seleção do júri e acréscimo de duas novas modalidades. Em coletiva realizada nesta terça (15/05), o presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Luís Antonio Torelli, e o curador do prêmio, Luiz Armando Bagolin, anunciaram uma reforma que definem como “racionalização” do prêmio. “Uma das novidades, que vem ao encontro do que a CBL prega, que é essa coisa de conquistar mais leitores, é que a gente também inclui no Jabuti 2018 o prêmio para a formação de leitores”, avisa Torelli.

Tiago Ferro fala de luto sem clichês em “O pai da menina morta”. Veja a resenha

Publicado em Deixe um comentárioamor, ensaio, lançamento, literatura, livro, Sem categoria

O pai da menina morta não é um livro autobiográfico. O autor, Tiago Ferro, publicou o relato autobiográfico sobre a morte de sua filha de 8 anos em 2016. Foi um belo e corajoso texto sobre o luto e Ferro achou que poderia continuá-lo quando embarcou em O pai da menina morta, em maio de 2017, um ano após a morte de Manuela. Mas o livro tomou outro rumo. Se tornou uma resposta a um momento em que a parte mais dura do luto estava encerrada, aquela em que a vida retoma e é preciso ressignificar o cotidiano para continuar encarando o mundo. E o negócio é que Tiago Ferro não faz isso de uma maneira banal.

Da escravidão à Lava Jato: sociólogo pensa o país de forma particular

Publicado em 6 Comentáriosensaio, filosofia, história, política, Sem categoria, sociologia

O problema do Brasil não estaria na corrupção herdada dos portugueses, mas na escravidão. Não estaria na maneira como fomos colonizados e sim na estrutura do sistema escravocrata implantado por aqui. E estaria, sobretudo, na desigualdade gerada por um projeto de país que, para funcionar, precisa manter grandes distâncias entre as classes pobres e as abastadas. Jessé de Souza não é unanimidade, mas é voz que tem sugerido uma nova maneira de olhar para os problemas brasileiros.