Se o nazismo era “de esquerda”, como disse Bolsonaro, Alvim deve ser demitido

Roberto Alvim
Publicado em Política

Não há caminho para o secretário de Cultura, Roberto Alvim, que não seja a porta da rua. Até pela lógica do presidente Jair Bolsonaro e do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, Alvim extrapolou. Em abri do ano passado, em sua viagem a Israel, Bolsonaro disse “não ter dúvidas” de que o Nazismo era “de esquerda”. À época, foi uma celeuma e até um ministro alemão disse que essa discussão era uma bobagem.

Mas, para o governo, foi tratado como coisa séria. Agora, diante de um secretário que copia e reforça o discurso de Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Adolph Hitler, a bobagem de Bolsonaro vem a calhar. Está aí o argumento perfeito pra afastar quem imita o que não deve ser esquecido para que não seja repetido, independentemente de esquerda ou direita, o mal deve ser cortado pela raiz. Não museu do Holocausto, em Israel, o nazismo é tratado como de direita. Porém, se Bolsonaro não quer colocar o Nazismo na direita conservadora que diz representar, é tchau Alvim. E já vai tarde.

Atualização: O secretário foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro no final dessa manhã. Era isso ou deixar o governo com a suástica estampada na bandeira do Brasil. Agora, começa a novela sobre quem vai substituir Alvim.

Efraim será o novo líder do DEM

Publicado em Política

O Democratas, partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, escolhe hoje seu novo líder e vai buscar uma posição de aproximação como governo do presidente Jair Bolsonaro. A disputa entre o deputado Efraim Filho (PB) e Alexandre leite (SP) terminou antes da votação. Leite ontem à noite comentava com alguns colegas que a disputa seria apertada. Há pouco, desistiu porque sabia que iria perder. Leite tinha o aval do atual líder, Elmar Nascimento. Porém, foi visto por setores do DEM como alguém que não defenderia a bancada perante os demais partidos do bloco de centro. Há, no DEM, quem reclame que Rodrigo Maia e o atual líder estão jogando muito em favor do PP e outras agremiações do centro, deixando a própria legenda de lado. Foi nessa trilha, de promessas de valorização da bancada e de briga pelas melhores relatorias que Efraim fez sua campanha. De quebra, contou ainda com o apoio dos demistas instalados no governo.

Efraim é considerado mais amistoso ao governo do que Leite, que, por ser do DEM de São Paulo, é visto como um aliado do governador de São Paulo, João Dória, do PSDB, que sonha com uma candidatura a presidente da República. Entre um Efraim, que já foi líder no passado, e um deputado que poderia levar o DEM a ficar distante do presidente Jair Bolsonaro, a bancada preferiu ficar com quem pode ajudar nessa aproximação com o governo.

Eleição de líder tucano marcada por fraude

Publicado em Política
Câmara aprova novo marco do saneamento
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Para um partido ansioso por readquirir protagonismo nas eleições nos mais variados níveis, o PSDB fecha 2019 atolado. A deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) acusou o grupo que apoia a candidatura de Beto Pereira (MS) a líder de tentar fraudar o voto dela. Na foto, ela aparece de pé à direita da sua tela, com um papel na mão. Acabara de reclamar ao presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), a respeito da fraude. Disse que na lista onde seu nome aparece em apoiamento a Pereira, simplesmente não havia o nome de Pereira na hora em que ela assinou. Bruna apoia o deputado Celso Sabino (PA), que relatou o processo contra o deputado Aécio Neves, com o voto favorável à permanência do ex-governador de Minas Gerais nas fileiras tucanas.

O pano de fundo da briga é o controle do PSDB. Embora João Dória diga que não interferiu na eleição do líder, seus apoiadores fecharam com Pereira, enquanto aqueles mais ligados ao senador Aécio Neves preferiram apoiar Celso Sabino.Os tucanos pretendem resolver as pendências até a semana que vem. Até lá, o atual líder, Carlos Sampaio permanece o comando. Nessa confusão a liderança, mitos já dão como certa alguns afastamentos do partido no futuro próximo.

Nova lei do saneamento e o risco da insegurança jurídica

Câmara aprova novo marco do saneamento
Publicado em Política

Ao longo das cinco horas em que os deputados debateram o novo marco regulatório do saneamento pairava no plenário o receio de que a nova lei traga uma avalanche de ações judiciais. É que, recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a titularidade dos serviços de saneamento é do município. Porém, o texto aprovado esta noite permite que cada estado promova a formação de consórcios com várias cidades para prestação do serviço, com tudo aprovado nas Câmaras Legislativas estaduais.

Assim, avaliam os deputado de oposição, caso algum município incluído em consórcios definidos pelas assembleias estaduais desejem pular fora do que foi definido pelas assembleias e governos estaduais, basta ir aos tribunais questionar a constitucionalidade da nova lei. Tão logo a votação seja concluída, alguns partidos de oposição cogitam ir à Justiça para ver se há incongruências com a decisão anterior do STF. Isso significa que, embora a votação do texto possa ser concluída na semana que vem, a novela não vai terminar tão cedo.

Bancada é apelidada de “Maçaranduba”

Maçaranduba (Cláudio Manoel).
Publicado em Política
Coluna Brasília-DF

É assim que os parlamentares acostumados ao diálogo se referem à turma do “bate, esfola”, que inclui aqueles que quebram placas, caso de Daniel Silveira (PSL-RJ), que quebrou a placa com o nome de Marielle Franco no Rio de Janeiro, e outros mais.

Memória/ Para quem é muito jovem e não viu, Maçaranduba (assim mesmo com ç) era o personagem do extinto programa Casseta & Planeta, da Globo. Maçaranduba (foto), interpretado por Cláudio Manuel, era um marombado, que repetia sempre “vou dar porrada” e que classificava comportamentos mais cordatos como “coisa de boiola”. Com todo o respeito.

Lula quer candidato petista em todas as cidades com programa eleitoral de rádio e TV

Lula discursa no Congresso Nacional do PT
Publicado em coluna Brasília-DF, Política

Provisória duradoura, comando eterno

Está tudo pronto para que os congressistas tentem votar na semana que vem um projeto de decreto legislativo para fixar em oito anos a duração das comissões provisórias dos partidos. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tinha fixado prazo de 180 dias.

A ideia de deixar os diretórios provisórios por oito anos permite que os comandos nacionais das legendas tenham controle dos estados e dos municípios. Assim, quem não cumprir o que a Executiva Nacional partidária disser, estará sob risco de destituição e nomeação de uma nova comissão provisória.

Prende-solta-solta-prende

A semana que vem será dedicada a acertar o passo entre Câmara e Senado no quesito prisão em segunda instância. A ordem da ministra Cármen Lúcia, para que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) soltasse todos os presos nessa condição, aumenta a pressão para que os congressistas busquem uma forma de resolver esse assunto ainda este ano.

A nova guerra no MDB I

A semana vai ferver entre os emedebistas, por causa da disputa pela presidência do MDB Mulher, entre Fátima Pelaes, que está há sete anos no cargo, e Regina Perondi, que comandava o MDB Mulher no Rio Grande do Sul e já foi vice-presidente nacional. A eleição será no dia 30 e os bastidores estão fervendo.

A nova guerra no MDB II

Aliados de Regina, a desafiante, reclamam que até agora não tiveram acesso à lista de filiadas ao partido aptas a votar.  Nos últimos dois anos, a eleição foi por aplauso. Alguns adversários chegam a tratar Fátima como a “Jucá de saias”, numa referência ao ex-presidente do partido, Romero Jucá, que permaneceu no cargo enquanto pôde e responde a processos judiciais e, aos poucos, vão ganhando as causas.

Me inclua fora dessa

O presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, acompanha a corrida das mulheres a distância. Não quer briga com a bancada feminina. O prazo final para envio da lista das votantes terminou na semana passada, quando acabaram as reuniões estaduais para escolha de presidentes e delegadas. Fátima tem como slogan “Mais mulheres na política em 2020”. Regina assina embaixo esse slogan e acrescenta mais duas palavras: “Renovação e Transparência”.

Nem tanto

Os petistas avisam que não dá para levar ao pé da letra a intenção de Lula em lançar candidato a prefeito em todas as cidades em que houver programa eleitoral no rádio e na TV (sim, ele não menciona as redes sociais!). Em algumas cidades, a ordem é agradar aos aliados com vistas a 2022.

O corpo fala I

Fernando Haddad e Luiz Marinho foram os dois com que Lula mais conversou ao chegar para o Congresso do partido, ontem. É por ali que ele pretende fazer suas apostas eleitorais em São Paulo.

O corpo fala II

Manuela D’Ávila (PCdoB), pré-candidata a prefeita de Porto Alegre, se desdobrava em selfies com a presidente Dilma Rousseff. Quer a ajuda dela para
ter o apoio do PT na eleição da capital gaúcha.

Brics dividido, mas Bolsonaro ganhou um “vaza, Macron” do Bloco

Publicado em Política

A ausência de qualquer menção à crise da América do Sul na declaração conjunta dos BRICS é um sinal de que o grupo não está tão coeso quanto procurou parecer na tradicional foto dos presidentes dos países do bloco. Nem a Venezuela, que teve a embaixada invadida no primeiro dia das reuniões em Brasília, entrou em cena. Isso porque, dos cinco países que formam os Brics _ Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul __, Juan Guaidó só tem o apoio do governo brasileiro. Os demais não estenderam tapete vermelho ao oposicionista venezuelano.

O presidente Jair Bolsonaro, entretanto, conseguiu parte do que queria. Pelo menos, em relação à Amazônia. Sem citar a Amazônia, o documento fala em desenvolvimento sustentável, com respeito à soberania e à legislação nacional. É um recado claro ao presidente da França, Emmanuel Macron, que chegou propor a internacionalização da Amazônia. Nesse sentido, a carta de Brasília foi um nem vem que não tem, um vez que o documento é claro: “A cooperação internacional nesse campo deve respeitar a soberania nacional e os regulamentos e disposições legais e institucionais nacionais, bem com práticas e procedimentos”. Na gíria popular em voga entre os jovens seria algo do tipo, “vaza, Macron”.

O ponto alto desses dois dias foi mesmo a perspectiva comercial, a aproximação com a China, considerada parceria estratégica para um Brasil que não está conseguindo muita coisa com os Estados Unidos, ainda mais agora com Donald Trump dedicado a salvar a própria pele dentro do processo de impeachment. Quanto às cobranças de ampliação do poder dos países que buscam maior protagonismo na ONU, o documento praticamente repete o que Brasil, Índia e África do Sul pedem há tempos e os países com mais protagonismo na ONU nunca dão: Reforma das Nações Unidas pra reforçar o multilateralismo, inclusive no Conselho de Segurança. Algo que o Brics incluiu em seu documento de 2005. Lá se vão 14 anos e, a contar pela disposição real de quem manda na ONU, ano que vem tem dá para fazer festa de 15 anos para esse pedido.

Lula solto, a hora da revanche

Publicado em Política

As primeiras declarações de Lula indicam que o petista chegou disposto a chamar o presidente Jair Bolsonaro para a arena da política. Criticou o Ministério Público, a Justiça, o governo, disse que o Brasil piorou depois que ele foi preso. A sinalização é clara: O ex-presidente não vai ficar quieto em casa, esperando a banda passar cantando coisas de amo, nem tampouco o desfecho dos processos a que responde. Ou seja, nesse primeiro momento, o ex-presidente dá sinais de que vai atender á parcela petista que deseja lhe ver discursando quase que diariamente, a fim de empolgar os militantes.

Bolsonaro, por sua vez, preferiu se recolher nesse primeiro momento de Lula solto. Assim, tem condições de saber o que vem lá e se preparar para responder com mais calma. O presidente sabe que para chegar competitivo lá na frente a economia tem que dar certo. Afinal, ele está no poder e essa posição requer apresentação de resultados.

Os dois agora, Lula e Bolsonaro, ocupam a cena principal da politica. Aos demais personagens nesse momento, resta esperar essa soltura decantar para ver como é que fica.