Enterrados vivos

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A senhora chegou de repente, saiu do carro e esticou o pescoço, perscrutando o ambiente, obviamente a procura de alguém. Esperou mais um pouco sem falar com ninguém até que desistiu, entrou no carro e foi embora. Joãozinho, o atendente que também faz as vezes de fofoqueiro, disparou: – Salvo pelo gongo! Não estamos em Londres. Não há gongo, nem […]

O sarau improvisado

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Bares com as portas novamente abertas, o negócio agora é se adaptar ao horário. Para ver futebol, só se for campeonato europeu por causa do fuso horário, para ver os jornais da tevê, não se pode ir além dos programas vespertinos, regados a sangue; a opção é o velho papo. Mas não tem sido fácil. A turma vesperal dos botecos […]

Os mandamentos do botequim

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Engana-se quem pensa que os botecos são terra de ninguém. Mesmo o muquifo mais soez preserva a autoridade ditatorial do proprietário, quase sempre um sujeito – ou sujeita – de maus bofes, cara fechada e resmungão. As normas estão nas feições do dono, mas algumas estão escritas pelas paredes dos ambientes, caso clássico do “fiado, só amanhã”. Ultimamente tem aparecido […]

A magia desfeita

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Quando um bar fecha as portas a cidade morre um pouco. É nos bares que a comunidade pulsa, que os humores se apresentam e as paixões afloram. Há poucos lugares tão democráticos; com o fechamento de um bar o cidadão perde sua embaixada, seu púlpito, espaço de reivindicação, protesto, lamento, desabafo. Como dizia o sábio Tetê Catalão, pode não mudar […]

A vida das moscas

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

– Dizem que o uirapuru só canta quando está fazendo ninho. Eu que só conheço o canto do uirapuru porque o Silvestre Gorgulho me deu um disco com um monte de canto de passarinhos fingi concordar – há de se convir que não dá pra contrariar quem tenta puxar um papo a partir de uma afirmação dessas. Mas não fui […]

Um divã no botequim

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Convenhamos que bar não é lugar para discutir relação. Mas como hoje ninguém tem lugar para nada e a vida privada escorre pela latrina, lá estava o casal tentando acertar os ponteiros. Antes, porém, devo esclarecer que não caí na tentação de fazer fofoca; o que segue é só um caso mundano, cheio de testemunhas involuntárias. A moça parecia confundir […]

Canjebrina, a assassina

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O rapaz tem pinta de ser um brasileiro que sua para viver. O frio da noite nesta temporada de seca pedia casaco e até um pouco mais, mas ele ainda estava em mangas de camisa quando entrou no bar e, sem economizar na altura da voz – um amigo meu, preconceituoso, diz que pobre só fala gritando – pediu: – […]

Boteco à distância

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A noite ainda começava a cair quando nosso amigo entrou no bar reclamando que nasceu na época errada. Antes de prosseguir com o lamento, é necessário dizer que no boteco não é de bom tom – sim, há uma etiqueta – ficar inquirindo os parceiros, até porque quase sempre a amizade se limita àquele determinado local; fora dali, pessoas que […]

De volta ao bar

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Os amigos estão reaparecendo em pleno inverno. Parece que a autorização oficial para a reabertura dos botecos foi a senha da retomada das atividades sociais, embora muita gente ainda esteja cabreira e sem coragem de enfrentar o tal vírus de peito aberto. Esses preferem a segurança do telefone. Logo na primeira hora o Faixa ligou. “Vai hoje?”, perguntou antes de […]