De volta ao bar

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Os amigos estão reaparecendo em pleno inverno. Parece que a autorização oficial para a reabertura dos botecos foi a senha da retomada das atividades sociais, embora muita gente ainda esteja cabreira e sem coragem de enfrentar o tal vírus de peito aberto. Esses preferem a segurança do telefone. Logo na primeira hora o Faixa ligou. “Vai hoje?”, perguntou antes de […]

O mistério musical   

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Desde início do século passado sabe-se que “samba é como passarinho que voa: é de quem pegar primeiro”. Pelo menos foi o que disse Sinhô, um dos sambistas pioneiros, ao ser acusado de roubar Gosto Que Me Enrosco, de Heitor dos Prazeres. Sinhô mandou imprimir abaixo do nome, no cartão de visitas, o epônimo “rei do samba”, mas era mesmo […]

Cidadãos exemplares

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Meu amigo já tem mais de 70 anos. Bem mais. Duplamente aposentado, tem boa renda, paga seus impostos e, mesmo sem precisar, vota em toda eleição e ainda briga pelo candidato escolhido. Até no clube. Participa do grupo da paróquia ao lado da esposa, é bem informado, inteligente e gosta de ler. É o tal cidadão exemplar. Mas já faz […]

O velho boteco no novo normal

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Faz mais ou menos 12 mil anos que os homens decidiram parar de zanzar de um lado para outro e começaram a se juntar em vilas. Nesta época algumas pessoas começaram a exercer ofícios: uns começaram a produzir roupas, outros faziam armas e ferramentas, alguns cultivaram alimentos e domesticaram animais – nascia o comércio. Nenhum paleontólogo confirma, mas é quase […]

Letras garrafais

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O mundo perdeu muito de sua humanidade quando aposentou as letras garrafais. A luz do planeta se acendeu no fim da Idade Média, quando Guttemberg inventou os tipos móveis, pelos idos de 1450, o que deu na imprensa e, por consequência, na irremediável enxaqueca dos poderosos. Os tipos viraram tipões, mas a indignação que eles representavam vem sumindo. De uns […]

Triste fim

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

No tempo do major Quaresma, violão não era coisa de gente séria. Quando a vizinhança descobriu que ele estava aprendendo como colocar os dedos para formar o acorde em ré com o célebre artista Ricardo Coração dos Outros, logo exclamou: “Mas que coisa? Um homem tão sério metido nessas malandragens!”. Começou aí a fama de maluco de Policarpo Quaresma, personagem […]

Um país de tontos

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Eu nunca tinha lido uma bula de remédio até esta quarentena. Continuo achando que elas têm tanta importância quanto esses manuais que deveriam ensinar como se monta um móvel, quando a gente é surpreendido: nem a porca cabe no parafuso e ainda vem faltando três arruelas. Prefiro ficar sem usar remédio que um médico não receitou. Mas é época de […]

E chegamos até aqui

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não tem festa, mas ainda assim é preciso comemorar os 60 anos de Brasília. Não foi fácil chegar até aqui; a luta pela consolidação da capital no centro do país enfrentou todo tipo de ataque, com toda espécie de arma – até a vassoura do populista Jânio Quadros que, com a desculpa de varrer o que chamava de bandalheira, usava […]

A redenção do cheiroso

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Agora que sabemos que flatulência também é cultura e, portanto, deve ser preservada, é preciso discutir o assunto sem medo da escatologia que o cerca. Até porque o pum foi tema de estudo recente feito por cientistas russos, e que esclarece todos os aspectos fisiológicos da manifestação. Óbvia conclusão: todos nós soltamos, não adianta negar. E poderíamos completar: não deixa […]