O homem das flores

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O colorido de Brasília brota do chão e desafia a cidade feita em concreto rígido. Mas nem sempre foi assim. Nos primeiros anos da capital, o objetivo principal era plantar grama; por um motivo prático: conter a poeira que subia da terra vermelha, impulsionada pelos lacerdinhas, como eram chamados os redemoinhos. A nova capital nasceu do cerrado desmatado por correntes […]

Os bichos soltos

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não demora muito e Brasília vai passar a ser conhecida como a capital das capivaras. E pelo menos desta vez não tem nada a ver com os antecedentes criminais de burocratas e políticos que eleitores de todo o País mandam para cá – capivara, no mundo jurídico, é sinônimo de folha corrida; quanto mais cabeluda, mais capivarento é o sujeito. […]

E chegamos até aqui

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não tem festa, mas ainda assim é preciso comemorar os 60 anos de Brasília. Não foi fácil chegar até aqui; a luta pela consolidação da capital no centro do país enfrentou todo tipo de ataque, com toda espécie de arma – até a vassoura do populista Jânio Quadros que, com a desculpa de varrer o que chamava de bandalheira, usava […]

Folia na capital

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O presidente Juscelino Kubistchek tinha acabado de completar um ano no Palácio do Catete quando pipocou o primeiro protesto musical contra a transferência da capital para o meio do país. Gravada dia 30 de agosto de 1956 e lançada em novembro pela RCA Victor, a marchinha Nova Capital foi a aposta de Linda Batista para o carnaval. Os autores, Aldaci […]

Poesia na crise

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Em tempos marciais, só a poesia pode mostrar que a vida ainda faz sentido. Poetas são peças de resistência, formam a infantaria da emoção para combater a falta de razão que grassa de todos os lados. E Brasília nasceu sob a influência da musa; ainda que encomendada, a seminal Sinfonia de Alvorada traz versos de Vinicius de Moraes. O poema […]

Nossas lendas urbanas

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Pode ser por causa da tal profecia de D. Bosco, garantindo que na região onde hoje está Brasília correria leite e mel, marcando o nascimento da terra da promissão. Desde que essa história foi lembrada, a cidade começou a colecionar mitos. E a imaginação corre solta. Bosco também previu uma “riqueza inconcebível” – talvez falasse da maior pepita de ouro […]

Força verde e amarela 

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Os cambuís parecem ter se decidido a mostrar seu valor nesta temporada. Subjugadas pela força que os ipês exercem sobre as pessoas, essas árvores frondosas e verdes mostram sua exuberância amarela há mais de mês, ao contrário das adversárias que floram e deixam as pétalas no chão em poucos dias. É fácil distinguir os cambuís das outras árvores estrangeiras plantadas […]

Quiosque sobrenatural

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Tem coisa que não se pode mudar. Dia desses fui ao quiosque do Ivan, no Setor de Diversões Norte, que o povo chama de Conic, para comprar o livro do Vicente Sá e voltei de mãos vazias pelo simples e acachapante fato de que o quiosque não está mais lá. Melhor dizendo, continua lá, mas fechado e com o perímetro […]

Isso vai passar

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O ermo. Vinicius de Moraes tinha alguma obsessão com este substantivo, presente em algumas de suas poesias – eróticas, como Ah, como eram belos neste instante os ermos marítimos…, ou românticas como Redondilhas para Tati e Soneto do Amor como um Rio – e que definiu o local onde surgiu Brasília, na Sinfonia da Alvorada. Sabe-se que nesta terra viveram […]