Poesia e poetas

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não é raro ver um sujeito escrevendo num guardanapo, enquanto sorve uma cervejinha, um conhaque, um daiquiri… São os poetas de bar, movidos a álcool, inspirados pela musa que mora no fundo das garrafas. Ou não. Há também a poesia sóbria. Advogado de profissão, ele tem chegado para a etílica reunião meia hora mais cedo. É o tempo que tem […]

Tratando de chatos

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Ainda há cavalheiros. E meu amigo é um deles. Trata as pessoas com respeito, fala baixo, abre caminho para as moças, presta atenção em tudo o que dizem a ele, é solicito; enfim, é um homem meio perdido nesses tempos de falta de educação generalizada. É um sujeito fino. Mas até os cavalheiros perdem a fleuma. Me puxou num canto, […]

Mãos de defunto

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Eu nunca havia entendido porque o cemitério de Brasília se chama Campo da Esperança. O dicionário ensina que esperança é a crença em que alguma coisa muito desejada vai acontecer e acho que posso falar pela maioria: embora seja inevitável, ninguém espera morar ali. Pelo menos não tão cedo. O Zé Natal, que trouxe o primeiro ovo de seriema para […]

O último bastião

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O melhor nos filmes de mafiosos não é quando tem um tiroteio no depósito de uísque e começa a vazar líquido dos barris. Muito menos quando os gângsteres saem em disparada naqueles sedans pretos para uma noite de terror. Nada bate o momento em que o chefão beija o rosto de um carcamano feioso, o condenando a morte. É a […]

Nem tudo é sagrado

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

De Campina Grande, Paraíba, chega a notícia que vereadores aprovaram lei que obriga a leitura bíblica como matéria escolar em colégios das redes pública e particular. Tem tudo para dar confusão. Nada contra o livro sagrado do cristianismo; ao contrário, é certamente o mais importante guia espiritual para os brasileiros. Mas saber ler não é só juntar sílabas e palavras. […]

Mitos subterrâneos

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Toda cidade tem um nível subterrâneo. Alguns desses lugares são visíveis, palpáveis como as catacumbas de Paris, onde Umberto Eco encontrou um pergaminho dos Templários, no livro O Pêndulo de Foulcault, e Victor Hugo ambientou parte do romance Os Miseráveis. Mas há um outro tipo de subterrâneo. Fica bem abaixo das galerias pluviais, buracos de tatu peba, canos de esgoto […]

Entre uivos e canções

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Os suspiros brasileiros iam para Clark Gable e Rita Hayworth, emoções se misturaram entre John Wayne e Ava Gardner – atores norte-americanos mandavam nos cinemas na virada dos anos 1930 para 1940, quando o pesadelo da Segunda Guerra Mundial se sobrepôs aos sonhos de Hollywood; os estúdios de cinema estavam envolvidos no esforço de guerra contra os nazistas. Mas é […]

Um buda no choro

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não é tarefa fácil reconhecer um buda. Pois era sempre essa a impressão quando encontrava Carlinhos 7 Cordas, músico que morreu há exatamente um mês; senão pelos defeitos – que não conheci –, as virtudes gritantes não permitiam dúvidas, expostas pelo olhar plácido e comportamento tolerante de um homem que usava seus violões e seus relógios, bens materiais, para escancarar […]

Outras palavras

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Cáspite! – A exclamação saiu da boca de um rapaz que certamente não tinha ainda seus 20 anos. E pelo jeito não sabia bem o que estava dizendo; pelo menos não ao se considerar o significado original da expressão carcamano-brasileira, usada para representar uma estupefação qualquer, sinônimo de caramba, poxa, nossa, vixe, e dezenas de outros. Mas o rapaz estava […]

O novo consultório

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Quando se fala em consultório médico todo mundo logo pensa numa estoica sala de branco imaculado, uma mesinha e uma maca; no canto, fica um armário com estetoscópio, aquela lanterna de cabeça e outros equipamentos para exames iniciais. Foi em ambientes assim que Dr. João Bosco Marinho passou mais de 50 anos, desde que chegou a Brasília, vindo da Paraíba. […]