O manual do mentiroso

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Todo mundo sabe que mentir é feio. Embora não esteja relacionada entre os pecados mortais, capitais e veniais que regem a vida dos cristãos, a mentira não é considerada uma ação das mais educadas; mesmo aquelas mais inocentes, típicas de faroleiro – que, aliás, depois de pescador, é a profissão mais afamada neste metiê. Faroleiro é uma dessas profissões em […]

Para quê voar?

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Bicho de asa pode ir aonde quiser. É difícil imaginar alguém que nunca tenha tido vontade de ser um passarinho, voar a esmo, como o menino (e futuro rei) Arthur no desenho animado A Espada era a Lei, de Walt Disney. Ele, transformado num pardal para conviver com a sabida coruja Archimedes, descobriu a magia de voar. Passarinho é, não […]

Praga no telefone

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A esta altura, todo mundo já ouviu a música da caneta azul. Um certo Manoel Gomes apareceu em um vídeo de telefone cantando – ou tentando cantar – uma canção de própria lavra que não obedece a nenhum dos parâmetros conhecidos, da língua portuguesa à métrica musical, e virou um fenômeno. Apresentada sem acompanhamento musical, mas longe de poder ser […]

Poesia e poetas

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não é raro ver um sujeito escrevendo num guardanapo, enquanto sorve uma cervejinha, um conhaque, um daiquiri… São os poetas de bar, movidos a álcool, inspirados pela musa que mora no fundo das garrafas. Ou não. Há também a poesia sóbria. Advogado de profissão, ele tem chegado para a etílica reunião meia hora mais cedo. É o tempo que tem […]

Tratando de chatos

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Ainda há cavalheiros. E meu amigo é um deles. Trata as pessoas com respeito, fala baixo, abre caminho para as moças, presta atenção em tudo o que dizem a ele, é solicito; enfim, é um homem meio perdido nesses tempos de falta de educação generalizada. É um sujeito fino. Mas até os cavalheiros perdem a fleuma. Me puxou num canto, […]

Mãos de defunto

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Eu nunca havia entendido porque o cemitério de Brasília se chama Campo da Esperança. O dicionário ensina que esperança é a crença em que alguma coisa muito desejada vai acontecer e acho que posso falar pela maioria: embora seja inevitável, ninguém espera morar ali. Pelo menos não tão cedo. O Zé Natal, que trouxe o primeiro ovo de seriema para […]

O último bastião

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O melhor nos filmes de mafiosos não é quando tem um tiroteio no depósito de uísque e começa a vazar líquido dos barris. Muito menos quando os gângsteres saem em disparada naqueles sedans pretos para uma noite de terror. Nada bate o momento em que o chefão beija o rosto de um carcamano feioso, o condenando a morte. É a […]

Nem tudo é sagrado

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

De Campina Grande, Paraíba, chega a notícia que vereadores aprovaram lei que obriga a leitura bíblica como matéria escolar em colégios das redes pública e particular. Tem tudo para dar confusão. Nada contra o livro sagrado do cristianismo; ao contrário, é certamente o mais importante guia espiritual para os brasileiros. Mas saber ler não é só juntar sílabas e palavras. […]

Mitos subterrâneos

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Toda cidade tem um nível subterrâneo. Alguns desses lugares são visíveis, palpáveis como as catacumbas de Paris, onde Umberto Eco encontrou um pergaminho dos Templários, no livro O Pêndulo de Foulcault, e Victor Hugo ambientou parte do romance Os Miseráveis. Mas há um outro tipo de subterrâneo. Fica bem abaixo das galerias pluviais, buracos de tatu peba, canos de esgoto […]