Falsas polêmicas

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Severino Francisco   O cineasta Glauber Rocha e o jornalista Paulo Francis se conheceram por meio de um duelo. Francis era crítico de teatro na Última Hora, no Rio, e escreveu um texto desancando o trabalho desenvolvido pelo diretor Martim Gonçalves em Salvador, a quem acusava de provincianismo.   Glauber tinha pouco mais de 20 anos, era ilustre desconhecido fora […]

Protocolo da insensatez

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco   Mesmo se os governos tomassem todas as decisões corretas, a luta contra o coronavírus seria titânica. Mas, no Brasil, o vírus tem um aliado poderoso: o negacionismo de alguns governantes. Por isso, a todo momento, somos obrigados a lutar para que prevaleça o óbvio: o respeito à vida, a primazia da ciência e o cuidado com […]

A estátua do padre Vieira

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

  Severino Francisco   Fiquei triste quando vi, na tevê, a estátua do padre Antonio Vieira, com indígenas agarrados em sua batina, ser pichada por manifestantes contra o racismo em Lisboa. Sou inteiramente solidário aos movimentos antirracistas, eles constituem um dos acontecimentos mais alentadores do nosso tempo.   No entanto, tenho a impressão de que vandalizar monumentos não resolverá em […]

Dulcina urgente

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco   A Faculdade Dulcina de Moraes corre perigo. O sinal amarelo de alerta foi dado com a crise provocada pelo coronavírus. Se não for articulada uma grande corrente de solidariedade, a sobrevivência da instituição estará ameaçada.   O ator e diretor Fernando Guimarães conheceu Dulcina de Moraes de uma maneira fortuita, mas reveladora. Ele havia ido conversar com […]

Retorno às aulas?

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Que me desculpe o leitor em busca de temas amenos, mas a crônica de hoje será de utilidade pública. A pandemia não faz nenhuma revolução sozinha. Mesmo assim, ela revalorizou os cientistas, os jornalistas e os professores. Quem se viu na contingência de instruir os filhos em casa com tarefas escolares percebeu que ser professor não é […]

Fernando Pessoa e Brasília

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco   O excelente documentário Mito e música: a mensagem de Fernando Pessoa, codirigido por André Luiz Oliveira e Rama Oliveira, abre com uma sequência ficcional em que o poeta Fernando Pessoa erra entre os monumentos da Esplanada dos Ministérios, sob o fundo da cidade espacial. Aquela imagem me marcou porque, muito antes de ver o filme, tinha […]

Onda jovem de Brasília

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco Nos anos 1970, o irreverente professor da UnB, João Evangelista, chegou a propor a criação de uma associação de não moradores de Brasília, tamanha era a alienação e o descompromisso dos brasilienses com a cidade.   Mas, nas duas décadas iniciais do século, as novas gerações abraçaram e ocuparam Brasília, amorosamente, com novos valores. Isso é […]

Igrejas de Niemeyer

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

      Severino Francisco   Quando conheceu a igrejinha de São Francisco de Assis, na Pampulha, criada por Oscar Niemeyer, em Belo Horizonte, o agnóstico Oswald de Andrade afirmou: “É a única igreja que converte”. Pampulha funcionou como ensaio para Brasília.   Por aqui, Niemeyer espalhou cinco templos, alguns deles são joias da arquitetura: a Catedral Metropolitana de Brasília, […]

O olho do amor

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco Na virada da década de 1970, um rapaz magricela apareceu no programa Fantástico, da Rede Globo, cantando versos estranhos: “Hoje está passando um filme de terror/Na sessão das 10 um filme de terror/Dura um ano inteiro o filme de terror”. A repórter perguntou ao cantor por quê tanto horror e ele respondeu: “É uma questão de […]

Ritual de quem ama

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco Quem parte é o amor de alguém. O título da performance que os artistas brasilienses realizaram na Rodoviária, no primeiro dia do mês, e, no Museu da República, na segunda-feira, é revelador. Representa uma guinada em relação à abordagem oficial sobre os mortos da pandemia, marcada pela indiferença. Os nossos mortos são religados por um irredutível […]