Profeta do óbvio

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Que me desculpe os entendidos, mas darei também as minhas caneladas no futebol. Antes da final do mundial de clubes entre Fluminense e Manchester City, eu falei para um amigo: escute o que vai ocorrer. O Manchester vai sufocar o Flu nos primeiros minutos, os tricolores sairão jogando perigosamente na proximidade da área, a bola será roubada e […]

Carta para Papai Noel

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Durante muito tempo, concordei com a letra daquele grupo punk que escrachava Papai Noel na condição de agente imperialista do consumo, que presenteia os ricos e cospe nos pobres. Mas tudo mudou a partir do momento em que tive filhos e, mais tarde, os netos. Percebi que, apesar de todas as desigualdades sociais que se escancaram na data, […]

A música dos anjos

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco No fim de semana, me envolvi novamente na velha pendenga se Papai Noel é uma figura nociva  porque seria, supostamente, um agente do consumismo desvairado e da crueldade contra as crianças pobres. Eu acreditei nesta versão, mas, como já disse, depois de ter filhos e netos, e de ver como as crianças, ricas e pobres, adoram o Natal, […]

Curicacas nas quadras

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Fui resolver um problema na Asa Sul, errei a quadra, tive de caminhar até o endereço certo e, no trajeto, levei um susto. Avistei quatro curicacas nos gramados, revolvendo e fuçando a terra fofa molhada pela chuva para caçar insetos e larvas, com o longo bico recurvado. Fiquei embevecido pela presença selvagem em plena área residencial da capital […]

O troféu de Galeno

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco   Galeno é o nosso curumim arteiro. Ele é um legítimo filhote do modernismo brasiliano. Com figuras e materiais precários (carrinhos de lata de sardinha da infância, carretéis, bilros da mãe bordadeira, canoas construídas pelo avô, móveis do pai marceneiro), ele faz uma festa brasileira para os olhos, recriada sob lentes construtivistas. A sua arte é de extremo […]

Evoé, Hugo Rodas!

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Escrevo ainda pilhado e inebriado com as performances poéticas e com as imagens pungentes de Hugo Rodas, nosso bruxo emérito do teatro, depois de assistir ao documentário Rodas de gigante, de Catarina Aciolly, na Mostra Brasília do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. “Só Hugo Rodas mesmo para fazer a gente sair de casa”, me disse uma amiga. […]

A nobreza de Vladimir

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Vladimir Carvalho é épico, nervoso, inconformado e inflamável; não pertence à família dos mornos da parábola bíblica, com passaporte carimbado para o inferno. Tem vários defeitos que o humanizam, mas é uma pessoa de rara nobreza. Sempre toma partido. Se jogarem Fluminense e Bonsucesso, ele não terá dúvidas em torcer para o mais fraco. Pois vivi uma […]

As pesquisas sobre o STF

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

As pesquisas sobre o STF Severino Francisco Causa estranheza a insistência dos institutos de pesquisa em realizar sondagens sobre a popularidade do STF. Ora, diferentemente dos políticos, que cumprem mandatos outorgados pelo voto da maioria do população, os juízes da coorte são escolhidos em razão do notório saber para defender a Constituição. São critérios de admissão e são funções completamente […]

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

No céu da pátria Severino Francisco No céu da pátria neste instante, de Sandra Kogut, exibido na mostra competitiva do Festival de Brasileira do Cinema Brasileiro, nos faz reviver, de maneira dramática, o processo das eleições para presidente de 2022, protagonizado por Lula e Bolsonaro, que culminou na apoteose da boçalidade do 8 de janeiro. É um filme muito pertinente […]

Cine Cultura

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Ao ver o anúncio de mais um Festival de Brasília do Cinema Brasileiro me lembrei de uma história. Porque me parece que o que confere alma a um território urbano é a cultura. Estávamos no fim do regime militar na virada final dos anos 1970, sob os ventos da redemocratização do país. A notícia de que o Cine […]