Polícia Militar de SP é autorizada a realizar seleção para contratar 600 guarda-vidas

Imagem: PMSP/Divulgação
Publicado em 4 ComentáriosConcursos

A Polícia Militar de São Paulo (PM/SP) foi autorizada a adotar as providências necessárias para a realização de um processo seletivo simplificado, visando a contratação de 600 guarda-vidas. A informação foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, nesta quinta-feira (6/9).

As contratações serão por tempo determinado e pelo prazo máximo de cinco meses, correspondente ao período de novembro de 2018 a março de 2019.

Mais vagas em São Paulo

PM SP

A Polícia Militar de SP está com inscrições abertas para seleção que visa a contratação de 270 profissionais de nível médio para o cargo de aluno-oficial PM, na Academia do Barro Branco. A Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Vunesp) é a empresa responsável pela elaboração e execução das etapas de avaliação.

Os candidatos devem atender aos seguintes requisitos básicos: ter idade mínima de 17 anos e máxima de 30 anos, ter altura mínima de 1,60 para homens e 1,55 para mulheres, estar quites com as obrigações militares e eleitorais, além de outros descritos no edital. O aluno-oficial PM tem remuneração de R$ 3.095,88.

As inscrições serão aceitas até 24 de setembro pelo site da Vunesp. A taxa de participação é de R$ 130. O concurso será válido por seis meses, com possibilidade de prorrogação por igual período. Clique aqui para saber mais.

CRP SP

O Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo abriu um novo concurso público com 275 vagas de nível superior. Do total de chances, sete são imediatas e 268 para formação de cadastro reserva. Os salários são de R$ 6.197,58, para 40 horas semanais. Confira aqui o edital completo.

As inscrições podem ser realizadas por meio do site do Instituto Quadrix, que é a banca organizadora do certame,  até 10 de outubro de 2018. A taxa é de R$ 75. Clique aqui para saber mais.

Polícia Militar de Santa Catarina vai abrir um novo concurso público

Imagem:PMSC/Divulgação
Publicado em 1 ComentárioConcursos

A Polícia Militar do Estado de Santa Catarina (PM/SC) deve abrir um novo concuso público em breve. Nesta quarta-feira (29/8), a corporação anunciou a contratação do Instituto AOCP como banca organizadora do próximo certame que visa o ingresso no curso de formação de oficiais. Ainda não há mais informações sobre vagas.

O último concurso foi realizado no ano passado e ofereceu 394 cargos de agente e escrivão de polícia, classe I. A Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos (Fepese) foi a responsável pela organização.

Todas as 394 vagas foram para candidatos com nível superior em qualquer área, sendo 194 para o cargo de escrivão e 200 para agente. Os salários variam entre R$ 3.842,20 e R$ 5.317,94.

As provas foram realizadas na Grande Florianópolis, Joinville, Chapecó, Criciúma, Tubarão, Lages, Itajaí e Joaçaba.

O concurso tem validade de 2 anos, a contar da data de homologação do resultado, podendo ser prorrogado por igual período.

Vagas no Paraná

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) abriu novo edital de concurso público para outorga de delegações notariais e registrais. São oferecidas, ao todo, 460 vagas, sendo 315 para provimento e 145 para remoção.

Para se candidatar, é necessário ser formado em direito ou ter certidão de exercício por 10 anos completos, até a data de inscrição, de função em serviço notarial ou de serviço. Para remoção, é necessária experiência de no mínimo dois anos.
As inscrições poderão ser feitas até 18 de outubro, pelo site do Núcleo de Concursos da Universidade Federal do Paraná – NC/UFPR. A taxa custa R$ 240. O edital reserva 5% das vagas a pessoas com deficiência. Confira mais detalhes aqui.

 

Curso oferece aulas gratuitas com dicas de estudo para o concurso do MPU

Publicado em Deixe um comentárioConcursos

O edital do concurso do Ministério Público da União (MPU) foi lançado nesta quarta-feira (22/8) e quem deseja garantir uma vaga deve aproveitar as oportunidades de estudo. Para auxiliar os candidatos, os professores do Gran Cursos Online realizam a partir desta quarta (22) um treinamento intensivo e gratuito com as principais dicas de estudo para o certame.

A programação é diária e conta com revisão nas áreas de direito administrativo – Lei 8.112, matemática, informática, gramática, redação, raciocínio lógico, direito constitucional, entre outras disciplinas do edital. Os interessados devem se inscrever no canal do Gran Cursos Online no Youtube.

Serviço: Concurso Ministério Público da União. Curso gratuito ao vivo de revisão.

Dia e horário: Segunda à sexta, a partir das 19h. Sábado e domingo às 10h. Aulas até o dia 12 de setembro de 2018.

Inscrições gratuitas por meio do site.

O concurso

Serão 47 vagas imediatas e formação de cadastro reserva nas carreiras de técnico, área administrativa e analista, e área de direito. O salário é de até R$ 11 mil.

O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) foi a banca escolhida para realizar o concurso. As inscrições começam no dia 23 de agosto, às 10h, e vão até às 18h do dia 10 de setembro e podem ser feitas no site da banca. A taxa de inscrição é de R$ 55 para os cargos de nível médio e R$ 60 para os de nível superior. 10% das vagas são reservadas para pessoas com deficiência e 20% aos candidatos negros.

O concurso terá prova objetiva para todos os cargos, mas a prova discursiva será apenas para o cargo de Analista. As provas serão realizadas no dia 21 de outubro nas capitais dos 26 estados da Federação e no Distrito Federal.

Guardia: decisão do TCU sobre concursos tem potencial de criar precedentes

Imagem:  Antonio Cruz/Agencia Brasil
Publicado em Deixe um comentárioConcursos

Agência Estado – O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, manifestou preocupação sobre a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de excluir do teto dos gastos as despesas de órgãos públicos com a realização de concursos quando bancadas pelas taxas recolhidas dos candidatos.

“A decisão do tribunal tem potencial de criar um precedente. Ela, por si só, não criou. Ela é restrita (ao caso do concurso em discussão), mas ficamos preocupados se for estendida a outros órgãos”, afirmou nesta segunda-feira, 20, Guardia, durante participação em evento realizado pelo jornal Valor Econômico. “Os poderes têm autonomia orçamentária, mas devem ficar dentro dos parâmetros do teto”, complementou o ministro.

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, a decisão do TCU foi tomada depois de consulta da Procuradoria-Geral da República (PGR), que havia solicitado permissão para realizar concursos sem contabilizar a despesa no seu orçamento. O argumento é que, uma vez no orçamento, a despesa estará limitada pelo teto dos gastos, e isso, segundo a PGR, inviabilizaria a realização do concurso, com consequências ruins para seu funcionamento. Como o certame é coberto por taxas cobradas dos candidatos, a PGR julgou que esses recursos não precisariam ser incluídos no orçamento.

O TCU rejeitou a exclusão dessa despesa do orçamento, mas considerou que o gasto não deve estar submetido ao teto constitucional – e isso valeria não somente para a PGR, mas para qualquer órgão público.

Temer veta trecho da LDO que limitava abertura de novos concursos em 2019

Imagem: Evaristo Sa/AFP
Publicado em 3 ComentáriosConcursos

O presidente Michel Temer sancionou, na noite de terça-feira (14/8), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, aprovada no mês passado pelo Congresso Nacional. O texto tem 17 vetos e um deles foi para o dispositivo que limitava a realização de concursos público apenas para cinco áreas, como educação, saúde e segurança. Com o veto,  poderá haver concursos para outras áreas. A sanção, com os vetos e justificativas, foi publicada nesta quarta-feira (15), no Diário Oficial da União.

De acordo com o texto original, as nomeações de novos servidores ficariam restritas a cinco situações:

1) Às despesas do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF);

2) Às reposições, nos mesmos cargos, decorrentes das vacâncias nas áreas de Educação, Saúde, Segurança Pública e Defesa e na carreira de diplomata ocorridas até o dia 31 de dezembro de 2018, deduzidos os provimentos ocorridos no mesmo período;

3) Aos cargos e funções já criados por lei nas instituições federais de ensino criadas nos últimos cinco anos e às admissões necessárias ao seu funcionamento;

4) Às admissões decorrentes de concurso público com prazo improrrogável vincendo em 2019, cujo edital de abertura tenha sido publicado até 30 de junho de 2018 e limitada ao número de vagas previstas no respectivo edital e não providas; e

5) Às admissões para a Agência Nacional de Águas necessárias ao exercício das competências.

No entanto,Temer vetou esta restrição alegando que ““a autorização de recursos específicos na LDO para a realização de despesas elencadas eleva a rigidez orçamentária e pode prejudicar a eficiência alocativa da verba de modo contrário ao interesse público”.

Com a sanção da LDO, resta agora ao governo apresentar ao Congresso Nacional o Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa), que vai detalhar o volume de recursos disponíveis para todas as áreas ao longo do ano que vem. O prazo para envio da Ploa vai até o próximo dia 31.

Com informações da Agência Brasil.

Sefaz/RS define banca organizadora para três concursos públicos

Imagem: Ed Alves/CB/D.A. Press
Publicado em Deixe um comentárioConcursos

A Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Sul (Sefaz/RS) publicou nesta sexta-feira (27/7), no Diário Oficial do Estado, um termo de dispensa de licitação para a contratação do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) como banca organizadora de três concursos públicos. Segundo o documento, os certames visam preencher vagas de assistente administrativo fazendário, técnico tributário e auditor-fiscal.

O concurso para auditor foi autorizado em abril e vai oferecer 50 chances. Para concorrer é necessário ter nível superior em administração, ciências contáveis, ciências econômicas ou ciências jurídicas e sociais. Já sobre os outros concursos, ainda não há mais informações.

Último concurso

Em novembro passado, a Sefaz/RS ofereceu sete vagas para o cargo de auditor. O salário era de R$ 21.454,81. O Cebraspe também foi organizador.

Para se candidatar era necessário possuir diploma de nível superior em administração, ciências contábeis, ciências econômicas ou ciências jurídicas e sociais, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Os candidatos fizeram provas objetivas, de caráter eliminatório, aplicadas em Porto Alegre/RS.

Sefaz no Distrito Federal

Em abril, foi publicado no Diário Oficial do DF o extrato da autorização para o concurso da Secretaria de Fazenda do DF com vagas para auditor fiscal. Segundo a publicação, o edital deve ser publicado até outubro.

Serão oferecidas 120 vagas, sendo 40 imediatas e outras 80 para formação de cadastro de reserva. Poderão concorrer candidatos com nível superior em qualquer área de formação. A remuneração inicial da carreira é de R$ 14.970.

Leia também: Veja como garantir uma vaga de auditor fiscal da Secretaria de Fazenda do DF

Concursos das Forças Armadas passam a oferecer cotas raciais

Divulgação/Exército
Publicado em 3 ComentáriosConcursos

Os concursos para ingresso nas Forças Armadas deverão reservar vagas para candidatos negros. A novidade é resultado de um pedido judicial feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em Brasília, ainda em 2015. A ação resultou em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o MPF e as três forças militares (Exército, Aeronáutica e Marinha). Segundo o documento, a medida vale para cargos efetivos e deve ser aplicada imediatamente a todos os concursos nas Forças , inclusive aos certames já em andamento. O acordo deverá ser cumprido em 15 dias, sob  multa diária de R$ 20 mil por cada obrigação descumprida.

O MPF ajuizou a ação civil pública em fundamentado no que diz a Lei 12990/2014 . A norma prevê a cota para negros e pardos no provimento de vagas na Administração Pública Federal .Em nota, o MPF disse que entende que as Forças Armadas fazem parte da estrutura da União e que o ingresso nessas instituições deve ser contemplado pelo que a lei determina.

Ainda segundo o MPF, a procuradora da República Ana Carolina Roman, responsável pela ação que resultou no acordo, informou que concursos das forças armadas “acontecem com grande frequência e, normalmente, tem muitas vagas. Desta forma, o acordo firmado alcançará um grande número de pessoas beneficiárias das cotas para pessoas negras”.

Concursos em andamento

Quanto aos concursos públicos já em andamento, o TAC aponta que a União Federal compromete-se em publicar edital específico para retificar os documentos já publicados para fazer constar a reserva de cotas correspondente a cada cargo.

Confira aqui o TAC completo e todos os concursos que já estão em andamento.

Para isso, será necessário dar ampla publicidade à alteração nos sites da Aeronáutica, do Exército e da Marinha, assim como abrir aos candidatos a oportunidade de se autodeclararem negros, no prazo mínimo de cinco dias úteis.

O TAC menciona também que deverá ser publicado um edital específico convocando os candidatos autodeclarados negros para verificação da veracidade.

 

 

Governo do Rio de Janeiro autoriza concurso com 80 vagas para a Polícia Civil

Imagem: PCRJ/Divulgação
Publicado em 1 ComentárioConcursos

O governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão autorizou a abertura de novos concursos para a Polícia Civil. No total, serão 80 vagas, sendo 50 para o cargo de inspetor de polícia, 20 para perito legista, quatro para técnico de necropsia e seis para auxiliar de necropsia.

Os concursos foram autorizados baseados em estudos técnicos realizados para definir critérios de distribuição de efetivo da polícia técnico-científica. “O número de vagas foi definido após análise do Regime de Recuperação Fiscal, já que a corporação só tem autorização para prover cargos que ficaram vagos por aposentadorias, mortes ou exonerações”,informou o governo, em nota.

Em 27 de junho, a Polícia Civil também anunciou a autorização de um novo concurso para cargos de delegados de 3ª classe. “Cumpre salientar que a atual gestão, ao eleger como prioridade máxima a abertura do concurso público em questão, o qual já estava solicitado desde 2013, trabalhou incessantemente para tal finalidade, tendo participado de diversas reuniões com inúmeros órgãos, tais como SESEG, GIF, PGE, Casa Civil e Secretaria de Fazenda, no intuito de sensibilizar e convencer a todos acerca da necessidade premente de tal medida”, informou a PC. Mais detalhes como salários e quantidade de vagas não foram informados.

Outras vagas

A Escola de Saúde do Exército (EsSEx) divulgou abriu um novo concurso público com 122 vagas  para ingresso nos Cursos de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde do Exército (CFO/S SAU). Para concorrer é preciso ter curso superior em medicina, farmácia ou odontologia e idade entre 20 e 36 anos, completados até 31 de dezembro do ano que vem. O soldo dos aprovados é de R$ 8.245,00. As inscrições poderão ser feitas de 16 de julho a 13 de agosto.

Além de Brasília/DF, o exame intelectual será aplicado no Rio de Janeiro/RJ, São Paulo/SP, Campinas/SP, Porto Alegre/RS, Santa Maria/RS, Belo Horizonte/MG, Juiz de Fora/MG, Curitiba/PR, Florianópolis/SC, Salvador/BA, Recife/PE, Belém/PA, Campo Grande/MS, Fortaleza/CE, Manaus/AM, Porto Velho/RO.

O curso de formação é ministrado durante cerca de nove meses no Rio de Janeiro, com matrícula em 18 de março. A lotação dos aprovados fica a critério da demanda do Exército.

TJAM planeja abrir concurso para todos os níveis de escolaridade ainda este ano

Imagem: TJAM/Divulgação
Publicado em Deixe um comentárioConcursos

Do CorreioWeb – O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) está trabalhando para abrir um novo concurso público ainda neste ano. Na última quinta-feira (5/7), foi definida a comissão organizadora encarregada dos atos administrativos preparatórios. Na terça-feira (10), a comissão realizou a primeira reunião com o objetivo de elaborar estudos que embasarão o número de vagas e etapas.

A definição da comissão foi feita um dia após o desembargador Yedo Simões tomar posse como presidente do Tribunal. Simões afirma que uma de suas metas é a realização do novo certame. De acordo com o órgão, serão ofertadas vagas para todo o estado com cadastro de reserva para todos os níveis de escolaridade.

“Temos a pretensão de divulgar o edital do concurso ainda neste ano. Iniciamos o trabalho prévio, que envolve o estudo de demanda de profissionais; a realização de atos administrativos preparatórios; um estudo de possíveis impactos financeiros e, inclusive, e da necessidade de eventuais ajustes na legislação que trata da lotação e provimento de cargos no âmbito do Tribunal, medida esta que terá de ser submetida à apreciação da Assembleia Legislativa do Estado”, ressaltou o presidente do TJAM.

 

Histórico

O último concurso para o TJ/AM foi para juízes substitutos, em 2015, com 23 vagas imediatas. Na época a remuneração inicial era de R$ 24.681,60. O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) foi a banca organizadora do concurso. A exigência era ter bacharelado em direito, com experiência mínima de três anos.

Para classificar os candidatos houve a aplicação de provas escritas (discursiva e prática de sentença), inscrição definitiva, sindicância de vida pregressa e investigação social, exames de sanidade física e mental, exame psicotécnico, prova oral e avaliação de títulos. Todas as fases foram realizadas em Manaus/AM.

Em 2013, foram abertas 300 vagas, sendo 20 vagas para auxiliar judiciário (nível fundamental), 187 vagas para assistente judiciário (nível médio) e 93 vagas para analista judiciário (nível superior). Esta seleção foi realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

Com informações do TJAM

Transferência de servidores será feita a pedido de órgãos federais

Augusto Akira Chiba. Crédito: Grace Maciel/Sindifazenda
Publicado em 3 ComentáriosConcursos

Agência Brasil – O secretário de Gestão de Pessoas do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Augusto Akira Chiba, disse que a movimentação de servidores públicos federais, regulamentada pela Portaria nº 193, ocorrerá por iniciativa dos órgãos públicos e empresas estatais que justificarem a necessidade de receber novos funcionários.

Ao Planejamento caberá analisar caso a caso e autorizar ou não a transferência, que não poderá ser recusada pelo órgão de origem, incluindo as empresas estatais dependentes do Tesouro Nacional. “Um órgão vai demandar nossa área, a Secretaria de Gestão de Pessoas, nós vamos analisar o que é demandado e ver se a gente encontra aquele perfil no serviço público, inclusive nas empresas [estatais] dependentes”, explicou.

Leia também: Remoção de servidores vai restringir concurso público no Brasil

No caso de empresas públicas ou sociedade de economia mista não dependentes de recursos do Tesouro Nacional, será necessária anuência prévia do órgão de origem. Esse é o caso, por exemplo, do Banco do Brasil, da Petrobras e da Eletrobras, entre outras, que não são dependentes do Tesouro.

Segundo a portaria, as movimentações somente poderão ser aplicadas em caso de “necessidade ou interesse públicos” ou “por motivos de ordem técnica e operacional”. Todas as migrações ocorrerão após análise e aprovação do Ministério do Planejamento.

“Quem precisa [de servidor público] tem que justificar porque está precisando. Muitas vezes, a gente recebe demanda de concurso e alguns órgãos tem uma sobra, um excesso de pessoal. Como [servidor público] não pode ser dispensado, então temos que aproveitar de outra forma”, disse Chiba.

Realocação respeitará carreiras

Ainda de acordo com o secretário, para o servidor ou funcionário de empresa estatal, em caso de transferência, “não muda nada, apenas o local de trabalho”. As realocações, segundo o governo, terão de respeitar as carreiras dos servidores, que terão mantidos os direitos e vantagens do órgão de origem, como salário, contagem do tempo de serviços, férias e progressão funcional.

Além disso, o caráter “irrecusável” da transferência, previsto na portaria, refere-se a uma imposição ao órgão de origem e não aos servidores, segundo o secretário. “O que tem acontecido é que muitas vezes a gente identifica o perfil que o órgão está procurando, mas aquela empresa pública ou o órgão que tem esse pessoal não quer liberar, por isso foi colocado isso [na portaria]”.

Para Chiba, se for identificada uma situação de “excesso de pessoal” em um órgão ou empresa, o Planejamento poderá fazer um trabalho de convencimento dos servidores para a movimentação funcional. Questionado sobre o prazo “indeterminado” da transferência, o secretário de Gestão de Pessoas do Planejamento justificou que a portaria não poderia prever o tempo necessário em cada caso de realocação, mas que o órgão que for receber o novo funcionário deverá apontar o período necessário da transferência.

Decisão elogiada

Para o professor István Kasznar, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a decisão do governo “faz sentido”. “Disciplinar a movimentação de força de trabalho é importante. No mundo moderno, com tecnologia ultra-avançada, tem uma característica de extinção da razão de ser de certos empregos. A gente não deve deixar essas pessoas criando teia de aranha. Deve haver uma forma de realocá-las adequadamente em outras áreas das quais se tenha necessidade”, argumenta.

O professor alerta, no entanto, que as movimentações devem ser temporárias e seguir critérios claros, para não colocar em risco a viabilidade de órgãos públicos que perderão servidores.

Banco de talentos

O Ministério do Planejamento também vai criar uma espécie de “banco de talentos” do serviço público federal para que os servidores possam inserir informações profissionais que podem ser usadas no processo de movimentação de pessoal entre órgãos e estatais. Esse banco ficará disponível para consulta pelos próprios órgãos interessados em determinado tipo de perfil funcional.