“O general foi uma decepção. Ciro vai funcionar, mas a que preço eu não sei”, diz Fraga

Publicado em Governo Bolsonaro

Aliado de primeira hora do presidente Jair Bolsonaro, o ex-deputado Alberto Fraga acompanha à distância as mudanças no primeiro escalão do governo do ex-amigo, com quem não fala há mais de 90 dias. Acredita que o maior erro do presidente Jair Bolsonaro até o momento foi se cercar de pessoas que não conhecem a política. Acredita também que ainda há tempo para consertar, porém, é incerto. “O maior erro de Bolsonaro foi se cercar de pessoas que não conhecem a política. O general Ramos é uma grande decepção. Há coisas que não se conserta em oito meses”, diz ele, numa conversa com o blog neste sábado.

Fraga considera que os militares são leais, têm eficiência e disciplina, “mas não são políticos”. “Eles não se prepararam para isso. No meu primeiro mandato, eu era mais coronel do que politico. E na politica, não dá para agir como militar. Tem que agir como politico. Ramos (enquanto ministro da Casa Civil) chegava querendo continência, dizia para os deputados que, se não votar assim, assado, vou cortar a sua emenda. Não poderia dar certo”, diz.

O ex-deputado voltou a circular em jantares em Brasília, depois da reclusão a que se submeteu desde a morte da esposa, Mirta, vítima da Covid 19 aos 56 anos. As conversas de que participa giram em torno da perspectiva da terceira via para enfrentar Lula, em quem não vota de jeito nenhum, e Bolsonaro, com quem não conversa há mais de três meses. “Há espaço para a terceira via, quero a volta do PT. Trabalhei muito pelo impeachment (de Dilma Rousseff), para derrotar o PT. Entregar agora para o PT é de lascar. Vai ser osso”, comenta.

Alberto Fraga tem ouvido muita gente que votou em Bolsonaro dizer que não vota mais. Ele mesmo ainda não se decidiu. Bolsonaro está derretendo nas pesquisas e há uma margem entre 40% e 60% para um novo candidato.”Não me arrependi de ter votado em Bolsonaro. O que me deixa triste e ver os rumos que o governo está tomando e o que me preocupa é ver o governo voltar para as mão do PT”, diz ele. O ex-deputado considera que o presidente não conseguiu desaparelhar a máquina estatal e diz que seria preciso identificar militantes de esquerda na estrutura dos ministérios em cargos de confiança para substituir por pessoas, no mínimo, “neutras” e técnicas: “Não houve esse trabalho”, diz. Quando perguntado se as mudanças na saúde, onde os militares tomaram conta, não seriam exemplos dessa mudança, Fraga responde que “não quer dizer que militares tenham que estar em todos os postos e que não haja corrupção. Estão aí as denúncias sobre militares na Saúde. Esse caso, aliás, é uma decepção”.

Da mesma forma que agora há uma gestão mais profissional, com Marcelo Queiroga na Saúde, Fraga acredita que, na Casa Civil, a gestão de Ciro Nogueira trará mudança na seara política. “Vai funcionar, Ciro é habilidoso, não tenho dúvidas. Agora, a que preço, eu não sei”, diz ele, referindo-se à necessidade de atendimento aos parlamentares. “Bolsonaro insistiu muito tempo com um general que achava que dando dinheiro para as emendas, ganharia votações. Agora, o tempo é curto. Se tivesse mudado no início do ano, teria mais tempo. Agora, quem for candidato só poderá ficar até abril e tem coisas que não se consegue mudar mais, a rejeição está alta. Vamos ver. Não sou dono da verdade”.

E o voto impresso? “Não consigo entender por que a maioria é contra. Não sei se é a forma como Bolsonaro se expressa. É preciso que se crie um sistema de recontagem assegurada. Se digital ou impresso, eu não sei. Não é ser contra a urna, é ser a favor do direito de auditagem e recontagem”. Pelo visto, esse tema e a ojeriza ao PT ainda unem Fraga e Bolsonaro. E só.

Ciro Nogueira na Casa Civil prepara ida de Bolsonaro para o PP

Publicado em Governo Bolsonaro

Ao colocar o presidente do Progressistas, Ciro Nogueira, na Casa Civil, decisão já confirmada por aliados do presidente, Jair Bolsonaro começa a guardar uma certa distância da caserna e se alinha com a máxima de que “só a política resolve a política”. Ciro é experiente, acompanhou de perto todos os governos petistas e também o do presidente Fernando Henrique Cardoso. É visto como alguém “tarimbado” para tentar não só ajustar os ponteiros entre os partidos, mas também com os senadores, uma vez que tem trânsito em todas as legendas. Outra mudanças virão, dando ao Planalto um perfil mais afinado com os partidos. Não está descartada uma posição de destaque para Davi Alcolumbre e ajuste na liderança do governo na Câmara, por exemplo. Bolsonaro, aliás, pode aproveitar essa troca de comando na Casa Civil para afastar Ricardo Barros sem que diga publicamente que foi por causa do desgaste causado pela CPI.

O fato de Ciro Nogueira ter ficado calado nos últimos tempos dentro da CPI da Pandemia foi justamente o período em que trabalhava nos bastidores essas mudanças, junto com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro de Comunicações, Fábio Faria, outro que tem articulado bastante no sentido de organizar a base para conseguir acertar os ponteiros e evitar que os dissabores prosperem.

Em conversas reservadas, políticos dizem que Bolsonaro adota agora o mesmo que Fernando Henrique Cardoso e Lula fizeram no passado: Reforçar laços com os partidos para resolver problemas políticos. A diferença, porém, é que nenhum deles entregou a Casa Civil, coração do governo, como Jair Bolsonaro faz agora. Lula, quando os escândalos começaram a crescer, fez uma reforma ministerial ampliando o espaço do MDB no primeiro escalão. Entregou, por exemplo, o ministério de Minas e Energia; o PL, do então senador Alfredo Nascimento, tinha o Ministério dos Transportes. A aproximação com o MDB foi crucial para ajudar a evitar problemas diante das denúncias do mensalão.

Bolsonaro sabe que sua base aliada enfrenta problemas, haja visto o confronto público com o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos, nos últimos dias. Ramo, embora independente, é aliado de Arthur Lira e políticos próximos a Bolsonaro tomaram um susto ao ver essa briga. Desnecessária. No Senado, o governo também não tem uma maioria firme, o que tem comprometido o governo e ainda dado espaço para que os partidos trabalhem o nome do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), como pré-candidato ao Planalto.

A ideia agora é consertar os erros dos últimos dias, onde pareceu mais um recesso para se armar até os dentes do que para pacificar as duas Casas. Resta saber se dará tempo. Fernando Collor, em 1992 entregou boa parte do governo, inclusive a Casa Civil, ao PFL, na esperança de permanecer no governo e evitar um processo de impeachment. Não conseguiu. Bolsonaro ainda tem tempo e mais apoios do que Collor mantinha naquele período. A esperança dos aliados do presidente é a de que a história não se repita.

Ah, e sobre o partido do presidente: Ele está entre o PP e o PL. A ida de Ciro Nogueira coloca o PP como destino preferencial. É a volta para “casa”, conforme definem os aliados de Bolsonaro.

“Indicação de Crivella é um gesto de adulação e não de diplomacia”, diz ex-chanceler

Publicado em Governo Bolsonaro, Política

A possível ascensão do ex-prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella ao cargo de embaixador do Brasil na África do Sul continua gerando muita polêmica nos meios diplomáticos e políticos. Enquanto os atuais diplomatas se mostram incomodados nos bastidores, aqueles que já se afastaram dessas missões avaliam que a África do Sul, único país africano integrante do G-20, deve ser ocupado por alguém da carreira. “O mais grave é a separação entre o Estado e a igreja. Não é o problema de ser evangélico. Crivella é um bispo, um pregador. Nunca me constou que um bispo da Igreja Católica seja embaixador. Não acho que Jair Bolsonaro esteja preocupado com a África, está preocupado é com a Igreja Universal e quer compensar a questão da igreja la em Angola com um gesto de adulação”, diz o ex-ministro Celso Amorim, que comandou o Itamaraty nos oito anos do governo Lula e ainda no governo Itamar Franco, quando Fernando Henrique Cardoso deixou o cargo para assumir o Ministério da Fazenda, em maio de 1993. “Estamos ameaçados de deixar de ser uma República”, diz ele.

Amorim, que foi ainda ministro da Defesa no governo Dilma Rousseff, lembra que a África do Sul é um pais estratégico para o Brasil, com vários acordos de cooperação técnico-científica na área militar, como o A-Darter, o sistema de míssil de curto alcance, desenvolvido conjuntamente ente os dois países. Há o exercício naval Ibsamar, realizado a cada dois anos, incluindo os três países do IBAS _ Índia, Brasil e África do Sul, grupo criado no governo Lula.

Nesse sentido, o Brasil tem enviado para lá embaixadores experientes. O atual embaixador, Sergio Danese, foi secretário-geral do Itamaraty. O anterior, Nedilson Ricardo Jorge, nomeado em 2016, dirigiu o Departamento da África no Ministério de Relações Exteriores. “É da mais absoluta leviandade indicar um bispo da Igreja Universal para esse cargo tão importante”, afirma.

A notícia de que Crivella foi indicado para o cargo e teve seu nome submetido às autoridades sul-africanas foi publicada em primeira mão pelo blog, no último domingo. A indicação foi um gesto de apreço ao bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, que, há menos de um mês teve um grupo de pastores deportados de Angola sob a acusação de lavagem de dinheiro e outros crimes. Desde então, a cúpula da Universal pressiona o governo a ajudar a resolver essa crise.

Eduardo Bolsonaro, um ministro informal

Publicado em Governo Bolsonaro

Entre quatro paredes, no Itamaraty, a pergunta que se faz neste momento é “Quem vai aceitar ser mandado por Eduardo Bolsonaro?”Se Flávio Bolsonaro ajudou na hora de escolher o novo ministro da Saúde, o deputado Eduardo Bolsonaro está de olho no novo ministro de Relações Exteriores. O filho 03 do capitão atuou ativamente no cenário externo nesses dois anos e três meses de governo e não quer perder a influência nessa seara. Em praticamente todas as viagens internacionais do pai, o filho marcava presença, até porque era o presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara. Em Washington, acompanhou o pai e participou inclusive da audiência na Casa Branca. Em Nova York, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, acompanhou quase todos os encontros do chanceler, sem deixar de manifestar a sua opinião sobre os temas externos.

A resposta que mais se ouve no momento é que um dos poucos com perfil para essa “missão” é o embaixador na França, Luiz Fernando Serra. Ele veio ao Brasil para a posse de Jair Bolsonaro, é visto como um defensor fiel do presidente da República. Só tem um probleminha: Conforme o leitor do blog já sabe, é preciso mudar a política externa. Serra, porém, ao defender demais as posições bolsonaristas radicais, passou a ser visto, no próprio meio diplomático, como um Ernesto mais sutil, porém…. mais um Ernesto. Resta saber se, confirmado no cargo de ministro, Serra irá seguir a cartilha de Ernesto Araújo até nessas questões bem características do bolsonarismo, como, por exemplo, manter Eduardo Bolsonaro quase que um ministro informal.

Saem dois ministros para preservar presidente

Publicado em Governo Bolsonaro

As saídas de Eduardo Pazuello da Saúde e o pedido de demissão de Ernesto Araújo do cargo de ministro das Relações Exteriores têm o objetivo de tentar preservar o mandato de Jair Bolsonaro. O aumento do número de mortes por covid-19 e o colapso em hospitais, com falta de medicamentos básicos, atropelaram o discurso do governo, de que a pandemia estava passando, da resistência ao uso de máscaras e em relação à vacina, que lá atrás o presidente disse que não tomaria. Essa demora em atentar para a gravidade da situação fez com que os índices de popularidade do presidente despencassem, inclusive nas redes sociais, o principal medidor dentro do governo. Pressionado pela política, a ordem agora é mudar ou mudar. Caso contrário, “remédios amargos”, alguns “fatais”, como lembrou Arthur Lira, virão.

Na Saúde, a chegada de um médico, o cardiologista Marcelo Queiroga, transformou parte do discurso governista. Embora Queiroga tenha dito que a “política era de continuidade”, surgiu a “pátria de máscaras”, a visita aos hospitais, não para colocar um dúvida o número de mortes e sim para avaliar o que seria necessário para salvar vidas. De quebra, ainda o respeito às medidas de distanciamento social, como alternativa para situações de colapso.

Agora, é chegada a hora de resolver também a política externa. Desde a eleição de Joe Biden nos Estados Unidos, a pressão para a troca de Ernesto Araújo é forte. Ele, até na visão dos diplomatas, perdeu as condições de permanecer no cargo, porque é muito alinhado ao discurso do deputado Eduardo Bolsonaro contra os chineses. Além disso, apostou demais na eleição de Donald Trump e perdeu. Resta saber se o novo ministro de Relações Exteriores ajudará na mudança da política. Até aqui, não há indicação de isso vá acontecer. Se um novo ministro chegar sem mudança na política externa, a situação do presidente não vai se alterar. E os “remédios amargos” e, talvez, “fatais” vão continuar assombrando o Planalto.

Entregar Martins para (tentar) segurar Ernesto

Publicado em Governo Bolsonaro, Senado

O gesto de unir o polegar ao indicador feito por Filipe Martins, atrás do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, vai lhe custar o cargo de assessor internacional do Planalto. Pelo menos, esse é o entendimento de aliados que conversaram com o presidente Jair Bolsonaro. A ideia é tentar mostrar que presidente não compactua com qualquer desrespeito ao Senado, ainda mais nesse momento em que a Casa segura a CPI da Covid-19 e todas as investidas da oposição contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

O presidente, porém, não pretende entregar os dois _ Filipe e o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Araújo, inclusive, foi se reunir com o presidente da Câmara, Arthur Lira, para tentar buscar algum lastro político diante das ofensivas a que esteve exposto nas últimas 24 horas. Hoje `tarde, por exemplo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi direto ao dizer que a política externa do governo precisa mudar e que o governo já cometeu muitos erros na pandemia. A bola esta com Bolsonaro, que deve dar alguma luz sobre se tema na sua tradicional live desta quinta-feira. Pelo menos, é isso que aliados do Planalto esperam.

O gesto foi justificado pelo assessor como uma “ajeitada no paletó” e ele ameaça inclusive processo todos que disseram que ele teve a intenção de fazer um gesto obsceno. Porém, não foi assim que muitos senadores entenderam. O classificado inclusive como um simbolismo da supremacia branca, onde os três dedos abertos são interpretados como um “W”, representando a palavra White, e o polegar unido ao indicador seria o “P”, de power, White-power. Por mais que Filipe não tenha tido a intenção, a política, dizem os parlamentares é feita de gestos. E de um assessor internacional, avaliam deputados, espera-se, no mínimo, boas maneiras.

A reunião do “vai ou racha” forma comitê com um ano de atraso

Publicado em Covid-19, Governo Bolsonaro

A reunião dos poderes constituídos tenta dar um “freio de arrumação” na gestão a pandemia no Brasil, sob a liderança do presidente da República, Jair Bolsonaro, que se juntou ao discurso “vida em primeiro lugar”. Os pronunciamentos, porém, mostram que ainda teremos dificuldades em chegar a uma uniformização do atendimento e dos protocolos. O presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, falou em “tratamento precoce”, algo controverso na medicina, enquanto o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, lembrou que preciso entender que em caso de “situações críticas, também se faz necessário o isolamento social”, sendo o único a abordar esse tema em seu discurso.

Ficou claro também que, quem tentará fazer a ponte entre a medicina e a política, de forma a tentar buscar um consenso maior no país será o Congresso Nacional. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, será o canal direto com os governadores, enquanto o da Câmara, Arthur Lira, fará uma reunião com os líderes para tratar dos projetos que podem ser aprovados para agilizar a entrega de equipamentos aos hospitais, para que se dê um basta nas mortes nas filas dois hospitais e por vias na UTIs.

Esse comitê, com governadores, Pacheco, Lira, sob a coordenação de Bolsonaro, começa já e terá reuniões periódicas. Se isso resultará em uma politica uniforme de tratamento da pandemia ainda não se sabe. Assim como as vacinas, esse comitê chega atrasado, num cenário de três ml mortes diárias. O maior consenso da reunião é a necessidade de agilizar a vacinação. Já é um avanço.

Bolsonaro não quer ministro falando em “lockdown”

Publicado em Covid-19, Governo Bolsonaro

A reunião do presidente Jair Bolsonaro com o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, inclusive com a participação do ministro das Comunicações, Fábio Faria, teve o sentido de afinar o discurso e preparar direitinho o que o ministro deve dizer em relação ao distanciamento social. A ideia é colocar o governo num único tom, nem uma oitava a mais, nem a menos. E, a contar pelo que o presidente disse hoje a seus apoiadores na porta do Alvorada e o que alguns aliados comentam nos bastidores, Bolsonaro não admite lockdown. Aos apoiadores, ele disse que essa medida foi usada no início da pandemia e não adiantou.

Diante dessa constatação, alguns avaliam que o ministro terá que fazer uma verdadeira ginástica para defender medidas restritivas em locais onde o sistema de saúde está no limite, ou seja, em 22 capitais. Por enquanto, Marcelo Queiroga fala em “distanciamento social inteligente” e em “seguir as recomendações da ciência, fortalecendo o atendimento hospitalar”. Pede ainda “paciência” e diz ter carta branca para atuar.

Em tempo: No governo, há quem diga que a comparação da fala de Queiroga com a de Nelson Teich, quando assumiu, é mera coincidência.

Na busca por um médico que siga a sua receita na Saúde, Bolsonaro recebe Marcelo Queiroga

Publicado em Governo Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro está convencido de que, para ter maior reconhecimento da população no combate à pandemia, teria que trocar o ministro da Saúde. Agora à tarde, recebe o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga, o próximo da fila, depois da recusa da médica Ludhmilla Hajjar. Ambos têm algo em comum: são contra o uso da hidrocloroquina, que o presidente Jair Bolsonaro defende com tanta veemência. Queiroga foi indicado para a Agência Nacional de Saúde, e aguarda a votação no Senado.

Ludhmilla recusou porque considera que, neste momento, não é possível abrir mão do distanciamento social e avalia como ultrapassada a discussão sobre a cloroquina. Resta saber como Queiroga agirá em relação às exigências do presidente Jair Bolsonaro para exercer o cargo. Nos bastidores, há quem diga que Bolsonaro, na verdade, quer mesmo é um médico que a receita presidencial para conter a pandemia.

“Troca do ministro não resolve, o problema é diplomático e de comportamento”

Publicado em Covid-19, Governo Bolsonaro

Os políticos passam o Domingo numa troca imensa de telefonemas e análises sobre o quadro das manifestações e a substituição do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. E, num ponto, as avaliações coincidem: Troca-se o ministro da Saúde, mas pouco coisa deve mudar, se o substituto não tiver autonomia para adotar uma postura diferente da defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, que não admite o distanciamento social nem mesmo no cenário de um índice de transmissão superior a 1,0 em várias capitais brasileiras e colapso nos sistemas de saúde. No Distrito Federal, por exemplo, esse índice está em 1,35. As vacinas, outro ponto nevrálgico, vêm a conta-gotas, também pela demora do Brasil a ingressar na corrida pela imunização, algo que depende ainda de atitudes firmes por parte da diplomacia brasileira, que tem falhado nesse papel, conforme avaliação do presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, deputado Fausto Pinato. “Vamos para o quarto ministro, trocar não resolve, o problema é diplomático e de comportamento”, diz Pinato.

Enquanto presidente da Frente Parlamentar, Pinato conta que percebeu que, em outros países, são os presidentes, primeiros-ministros e os ministros de relações exteriores que estão na linha de frente das negociações para as vacinas. “No mundo está assim, mas a nossa diplomacia vai atrás de spray em Israel”, diz ele, ressaltando a necessidade de o presidente Jair Bolsonaro entrar nessa corrida ou orientar ou trocar o chanceler Ernesto Araújo. “Bolsonaro não levou a pandemia a sério e, sendo assim, trocar o ministro da Saúde nã resolve”, afirma.

Eduardo Pazuello tem vídeoconferência marcada nesta segunda-feira, 11h, com o embaixador da China, Yang Wanming, representantes da Sinopharm e da Blau Farmacêutica par tratar da importação e produção de Ifa __ insumo para fabricação de outra vacina chinesa no Brasil. O encontro está mantido. Em meio às noticias de que iria deixar o cargo, Pazuello disse, em nota à CNN, que continua no cargo até que Bolsonaro o substitua e desmentiu as especulações de esteja doente. A substituição, entretanto, está definida pelo governo, numa tentativa de resolver o problema que o presidente enfrenta, de pressão por novas ações, capazes de reduzir o número de mortes e evitar o colapso no sistema de saúde.

Pazuello até aqui seguiu tudo o que foi recomendado pelo presidente Jair Bolsonaro e chegou a ser desautorizado pelo presidente em outubro do ano passado, quando anunciou a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac. Bolsonaro disse com todas as letras que não compraria o imunizante. Aos poucos, diante da pressão pelas vacinas, Bolsonaro foi mudando sua posição. Na semana passada, depois que Lula voltou ao palco principal da política, o presidente da República passou a usar máscara e seus filhos criaram o slogan “nossa arma é a vacina”. O deputado Eduardo Bolsonaro resgatou a imagem do personagem Zé Gotinha segurando uma seringa como se fosse uma arma, e a inscrição “nossa arma agora é a vacina”. A imagem não fez sucesso entre os médicos e criadores do personagem. A intenção do presidente e de seus filhos é tentar deixar essa fase negacionista para trás e tentar colocar o descontrole no colo do atual ministro.

Na bolsa de apostas para o lugar de Pazuello a cotação mais alta é a da cardiologista Ludhmilla Hajjar, ao ponto de o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tuitar que ela terá seu “total apoio”. O partido de Arthur, porém, apostava mais nos deputados Dr. Luizinho (PP-RJ) ou Ricardo Barros (PP-PR), atual líder do governo. O PSL, por sua parte, começou a fazer força pelo deputado Luiz Ovando (PSL-MS). Assim, Pazuello chega à fase mais aguda da pandemia no Brasil enfraquecido e, se sair mesmo, levará junto a pecha de que incompetente que não conseguiu tirar o país dessa situação de descontrole da pandemia. Os políticos, entretanto, não têm dúvidas: Cai mais um general para ajudar a preservar o capitão.