A só? A sós?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Cruzamentos ocorrem com mais frequência do que afirma nossa vã filosofia. É o caso de só e a sós: Só é adjetivo. Quer dizer sozinho. Flexiona-se em número de acordo com o sujeito: Eu estou só porque vivo só. Trabalho só (sozinha) no escritório. Nascer e morrer são atos solitários. Nascemos sós. Morremos sós. A sós, locução, é invariável. Só aparece no plural: Maria prefere […]

A princípio? Em princípio?

Publicado em 1 Comentárioportuguês

Vamos combinar? Parecido não é igual. Mas confunde. Na bagunça mental, vão-se oportunidades e matam-se esperanças. Como diz o povo sabido, prevenir é o melhor remédio. A princípio quer dizer no começo, inicialmente: A princípio o Brasil era o favorito das apostas. Depois da partida de estreia, deixou de sê-lo. Toda conquista é, a princípio, muito excitante. Com o tempo, pode mudar de figura. Em […]

A 1ª vez que? A 1ª vez em que?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sabia? As expressões temporais a primeira vez que, a segunda vez que, a última vez que & cia. dispensam a preposição em antes do que: A primeira vez que vi Maria (não: a primeira vez em que vi Maria). A segunda vez que falei com ele tive impressão melhor. A última vez que vi Walmor Chagas foi em novembro. Achei-o gordo e depressivo. Mas, como […]

Desde? A partir de?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Eta confusão! A gente lê e ouve tantos usos equivocados que acaba duvidando do próprio conhecimento. Que tal pôr os pontos nos is? A partir de é expressão de tempo. Quer dizer a começar em. Por isso, a partir de não combina com o verbo começar. É pleonasmo escrever “Os novos ônibus vão começar a circular a partir de 1º de dezembro”. Diga: Os novos […]

S ou z?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Limpeza se escreve com z e francesa com s. Por quê? A resposta não está na pronúncia. Numa e noutra palavra o som é o mesmo. A diferença tem tudo a ver com a formação das palavras. Desde os primeiros anos de escola estudamos o assunto. Mas dúvidas persistem sobretudo na cabeça de quem lê pouco. Não há nada de estranho. Ortografia é fixação. Quanto […]