Sigilo: etimologia

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Quebra sigilo, não quebra sigilo. Ufa!  A Lava-Jato ora recebe aplausos, ora chutes e pontapés. Trata-se de briga de cachorro grande. Enquanto a guerra prossegue, que tal uma curiosidade? Sigilo vem do latim sigillum. Quando nasceu, significava selo. Depois evoluiu. Tornou-se sinônimo de segredo.

Explosão em Beirute, capital do país da Bíblia

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Explosão arrasa o porto de Beirute. A imagem parece cena de guerra. Fumaça, ruínas, sirenes, correria formam o cenário. No meio do tumulto, cristãos e muçulmanos rezam. Uns recorrem ao Corão; outros, à Bíblia. História A palavra Bíblia tem uma história pra lá de curiosa. Às margens do Nilo, no Egito, havia papiro pra dar, vender, emprestar e alugar. Egípcios, gregos e romanos usavam as […]

Privatizar se escreve com z. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

 Privatizar se escreve com z porque -isar não existe. O sufixo formador de verbos é -ar. Ele se cola ao radical: martelo, martelar; casa, casar; trato, tratar; retrato, retratar. Às vezes, o radical tem s. O -ar não tem preconceitos. Cola-se a ele: pesquisa (pesquisar), bis (bisar), análise (analisar), catálise (catalisar), liso (alisar), paralisia (paralisar), improviso (improvisar). Privado não conta com o s onde o […]

Hífen: não é não

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Não-petista”, escreveu o Correio. Ops! Jogou no time dos esbanjadores. Antes, o não era um rolo só. Ora aparecia seguido de hífen, ora sem. A reforma ortográfica pôs fim à incerteza. Cassou o tracinho: não petista, não agressão, não alinhamento, não fumante, não beligerante, não alinhamento.

Correios serão privatizados? Será privatizado?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O governo fala em privatizações. Várias estatais estão na fila. Entre elas, os Correios. Ao tratar do assunto, pinta a dúvida. A palavra leva o verbo para o singular ou o plural? Correios é substantivo próprio escrito no plural. Joga no time de Palmeiras, Santos, Estados Unidos. A concordância depende do artigo. Se o nome vem acompanhado do pequenino, o verbo concorda com ele. Sem […]

Aja e haja: sem confusão

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Haja com consciência”, escreveu o jornal santista. João Bergomas leu. Duvidou dos próprios olhos. Leu de novo. Não havia dúvida. Confundiram as grafias. Aja, do verbo agir, e haja, do verbo haver, se pronunciam do mesmo jeitinho. Mas o significado não tem nada a ver um com o outro. Compare: É necessário que haja voluntários para testar a vacina. Ufa! Haja paciência! Aja de acordo […]