Manhas da sílaba fortona

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Vocábulos terminados em a, e  e o seguidos ou não de s são paroxítonos: cadeira, mesas, tacape, bates, livro, mulatos. Se seguidos de vogal diferente de s, mudam de time. Tornam-se oxítonos: canal, amar, papel, Nobel, amor, federal. Os terminados i e u, seguidos ou não de qualquer consoante, são oxítonos: aqui, ali, anil, colibri, tupis,caju, urubus. Se algum foge à regra, vem acentuado. Agudos […]

Nós freamos? Freiamos?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Não presenteie formas dos verbos terminados em -ear com o i: passear, frear, cear & cia. têm um capricho. O nós e o vós dos presentes do indicativo e subjuntivo dispensam o izinho que aparece nas demais pessoas. Dê-lhe crédito: eu passeio, (freio, ceio) ele passeia (freia, ceia), nós passeamos (freamos, ceamos), vós passeais (freais, ceais) eles passeiam (freiam, ceiam); que eu passeie (freie, ceie), […]

O moral? A moral?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O moral? A moral? As duas palavras estão em todos os dicionários. Escrevem-se do mesmo jeitinho. Mas o gênero faz a diferença. Uma é macha. A outra,  fêmea. Muita gente não sabe disso. Na maior ingenuidade, mistura Germano com gênero humano. O resultado é um só. Pensa que está dando um recado, dá outro. Pior: não dá recado nenhum. Deixa o leitor a ver navios. […]

Parênteses: quanto usar?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Os parênteses são as grandes vítimas da escola. “Errou e não pode apagar? Ponha entre parênteses”, ensinam os professores. Os alunos aprendem a lição. Repetem-na ao longo da vida. Resultado: dão informações falsas, perdem pontos em concursos, são reprovados no vestibular. Vamos combinar? O prejuízo não vale a pena. Escapar dele é fácil como andar pra frente. Ao usar os parênteses, você dá um recado: […]

Bem — com hífen ou sem hífen?

Publicado em 3 Comentáriosportuguês

Bem — com hífen? Sem hífen? Use hífen quando a palavra que segue tem vida autônoma na língua ou quando é exigência da pronúncia. Comparando-se bem-fazer com benfazejo, é possível ver o que significa vida autônoma (fazer existe independente de bem, fazejo não). Sem hífen, bem-aventurança sugeririra a silabação be-ma-ven-tu-ran-ça. Escreve-se, pois, com hífen: bem-acabado, bem-aceito, bem-amado, bem-apanhado, bem-apessoado, bem-arraigado, bem-arranjado, bem-arrumado, bem-aventurado, bem-aventurança, bem-bom, […]

Manhas do verbo bater

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Quando significa dar pancada em alguma coisa ou vencer alguém, é transitivo direto: Bateu os pregos quase sem fazer ruído. O Brasil bateu a Rússia em partida decisiva. Observe a diferença: Bateu à porta (para se anunciar). Bateu na porta (não para se anunciar, mas por outra razão, talvez raiva). 3. Na indicação de horas, concorda com o numeral: Bateram 10 horas.  

Cilada do verbo bastar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Cuidado com a concordância quando o sujeito vem depois do verbo: Bastam algumas horas (algumas horas bastam), Bastam-me duas horas para concluir o trabalho (duas horas me bastam para concluir o trabalho). Olho vivo! Seguido da preposição de, é impessoal, mantém-se invariável: Basta de brigas. Basta de lamúrias. Basta de promessas.  

Bastante ou bastantes?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Bastante pode ser adjetivo ou advérbio. Quando adjetivo, modifica o substantivo e se flexiona em número (motivos bastantes, bastantes vezes). O advérbio é invariável (comer bastante, bastante caros, bastante tarde). Na dúvida, substitua bastante por muito. Se for adjetivo, flexiona-se (motivos muitos, muitas vezes); se advérbio, mantém-se invariável (comer muito, muito caro, muito tarde).