Pleonasmos manhosos

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Sabia? A mesada tem tudo a ver com a língua. Uma e outra exigem economia. O dinheirinho é sempre curto. A gente tem vontade de comprar sorvetes, revistas, jogos de computador, tênis e mochilas incrementados. Mas não dá. O jeito é poupar. A regra vale para a língua. Nada de desperdiçar palavras. Dizer subir pra cima ou descer pra baixo? Nem pensar. Subir […]

Decoro

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      O deputado Carlos William tem todo o direito de defender suas idéias. Mesmo as estapafúrdias, como a permissão de reeleições infinitas para presidentes da República.   Mas agressões ao ouvido alheio, a golpes sucessivos de “que sejem”, como fez ontem na CPI, o deputado Carlos William não tem imunidade parlamentar para cometer.   (comentário de Dora Kramer na pág. A6 do Estadão) […]

Um milhão de carros

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Cruzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz! Brasília emplacou o milionésimo carro. Que problemão! Adeus, sossego! Adeus, estacionamento farto! Adeus, trânsito civilizado! O número não trouxe dor de cabeça só para motoristas e pedestres. Foi além. Repórteres enfrentaram questão de concordância. Um milhão de veículos circula ou circulam pelas ruas da capital?   O que você acha? Faça sua aposta: circula circulam circula e circulam   E daí? Escolheu […]

Modismo na praça

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      Prezada Dad, bom dia.   Já tivemos a moda do “a nível de” e “junto ao”. Agora, o modismo é “outros” e criar “coisas novas”. No Correio Braziliense de hoje, 21 de maio, por exemplo, página 17, na matéria “TJDF contratará 2.949 servidores”, há estas frases: “O projeto de lei nº 3.248/04, que cria 73 NOVAS varas…”. Ora, se vai criar, Dad, já […]

José Aparecido na CPI

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “José Aparecido depõe à CPI”, escrevemos na capa do Correio Braziliense. Ops! Tropeçamos na regência do verbo depor. Quem depõe depõe em algum lugar. Não depõe a alguém. Se quiser, pode depor simplesmente: José Aparecido depôs na CPI (não à CPI). José Aparecido depôs.

Edital em xeque

Publicado em Deixe um comentárioGeral

   Jane Santana joga no time dos concurseiros. Ela, como milhares de pessoas,  quer entrar no serviço público pela porta da frente. Não é fácil. Com a concorrência, o desafio não é se sair bem. É se sair melhor que os outros. O primeiro passo: entender o edital. O Supremo Tribunal Federal publicou o edital para técnico judiciário. No item requisito, o texto deu nó […]

Leitor com as barbas de molho

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Sérgio Pedro Schneider anda apreensivo. A razão: levou anos pra aprender as manhas dos porquês. Junto, separado, com acento, sem acento — são tantos os caprichos que não foi mole arranjar-lhes um lugar na cabeça. Agora, vem a reforma ortográfica. Na semana passada, Portugal aderiu ao acordo. As mudanças, pelo andar da carruagem, devem entrar em vigor no ano que vem. Por isso, […]

Xô, desperdício!

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Ora, ora! O STF concedeu habeas corpus a José Aparecido. Agora, o vazador do dossiê pode se recusar a responder a pergunas na CPI dos Cartões Corporativos. A decisão indignou brasileiros de norte a sul deste país tropical. Lúcia Hypólito, da GloboNews, comentou: “O ministro não teve outra alternativa senão conceder o habeas corpus”.   Ops! Ela jogou no time dos esbanjadores. Desperdiçou palavras. Ao falar em alternativa, […]

Uma letra faz a diferença

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Não troque as bolas. Uma letra faz senhora diferença. Vale o exemplo de mandado e mandato. Mandado vem de mando. Trata-se de ordem expedida para que alguém cumpra determinada decisão judicial. É o caso do mandado de prisão. De posse do documento, a polícia prendeu Alexandre Nardoni e a mulher.   Mandato joga em outro time. Significa transferência de poderes de alguém para que outro […]

Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Pedro Ivo da Silva foi mantido refém por três dias. Desesperado, buscava forma de escapar do cativeiro. Teve sorte. O bandido cochilou. Ele não pensou duas vezes. Matou-o a machadadas.    Com crase ou sem crase? Pra acertar a resposta, basta recorrer a truque antigo como o rascunho da Bíblia — substituir a palavra feminina por uma masculina (não precisa ser sinônima). Se no troca-troca der ao, sinal […]