Dá ou baixa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Que susto! Deu na TV: “Fiscais extorquiam delegada”. É difícil. Extorquir não é coisa boa. Significa obter por violência, ameaças ou ardis. O verbo tem uma manha. Seu objeto direto tem de ser coisa, nunca pessoa. Extorque-se alguma coisa, não alguém: Fiscais extorquiam dinheiro de delegada. A polícia tentou extorquir o segredo. Extorquiram a fórmula ao cientista.

Crase ardilosa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    O sinalzinho da crase é ardiloso que só. Arma ciladas a torto e a direito. Às vezes, ataca o possessivo. Outras, os nomes próprios. Outras, ainda, o pronome que. No fundo, são fantasias para a mesma regra. Põe-se o acentinho grave no a quando dois aa se encontram.   Hoje é vez de outra armadilha. Trata-se do relativo a qual. Ora o a […]

Pimenta nos olhos do outro

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    A polícia prendeu Paulo. O vizinho dele espalhou que o rapaz tinha caído nas mãos da PM porque era ladrão. Dias depois, o moço foi solto. A prisão tinha sido um engano. Sem perder tempo, o moço processou o linguarudo. O acusado disse ao juiz: ­ — Foi um comentário. Comentários não causam mal.   O magistrado ordenou: ­ — Escreva os comentários […]

Contracheque

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Wilson Ximenes escreve: “Matéria `Rodoviários fazem paralisação relâmpago em Ceilândia´, publicada no site do Correio Braziliense, às 9h31, informa: `A confusão começou depois que os trabalhadores receberam os contra-cheques´ “.   Nada feito. O correto é contracheques, sem hífen.  

Bobeira

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Os horários de cargas e descargas de veículos no Plano Piloto está reduzido”, escrevemos na pág. 36. Distração, não é? Com o sujeito longe, bobeamos. Esquecemos que o o verbo tem de concordar com ele. Melhor: Os horários de cargas e descargas de veículos no Plano Piloto estão reduzidos.

O todo e as partes

Publicado em Deixe um comentárioGeral

          Agradar a gregos e troianos, eis a filosofia do verbo. Sempre que pode, o malandro joga nos dois times. Há casos complicados, em que os sujeitos exigem que o verbo concorde com eles. Ele, subserviente, cede. “Para que brigar?”, pensa o comodista. Afinal, a língua é um sistema de possibilidades.       Na concordância, então, é um festival de vale-tudo. Ou quase […]

Extinção coletiva

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A Clara Arreguy, editora de Cultura do jornal, saiu do trabalho tarde. Morta de fome, passou numa rede de lanchonetes para comer um sanduichezinho jeitoso. Ficou com os pêlos arrepiados ao ler este texto na toalha da mesa: ‘‘Existem mais de 500 animais em extinção no mundo. No Brasil, são 107 espécimes ameaçados. Entre eles, estão a arara-azul pequena, o maçarico-esquimó e o minhocoçu’’.   […]