Parir

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    O verbo parir me dá nós nos miolos. Ao tentar conjugá-lo, muitos freiam na primeira pessoa. Eu paro? É esquisito. Apelam,então, para a expressão dar à luz. Mas a dúvida fica.   A língua é um conjunto de possibilidades. No aperto, podemos trocar seis por meia dúzia. Depois, esclarecer a dúvida. É caso de parir. O xis da questão do verbo reside no presente […]

De traição e traidores

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    “Por que tra-i-dor e tra-i-ção não ganham acento?”, pergunta Felipe. E explica: “As duas palavras parecem se encaixar na regra da quebra de ditongo.” Na acentuação gráfica, existe uma regra que manda em todas as outras. Ei-la: o acento indica a sílaba tônica da palavra. Por isso só recai na fortona.   Para ganhar o grampinho na quebra de ditongo, o i faz longa caminhada. […]

De vacinas e vacas

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  O que a vacina tem com a vaca? O nome. O trissílabo vem do latim vaccina. Quer dizer “da vaca”. A história vem de longe. Em 1796 , o médico inglês Edward Jenner clinicava em Berkeley. O  danado vivia de olho nas moças que ordenhavam as vacas. No espia-espia, observou que elas contraíam varicela ou catapora. Mas não pegavam varíola. Teve uma idéia. Preparou […]

Misturas heterodoxas

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Roldão Simas Filho é defensor da língua portuguesa. Entre um vocábulo estrangeiro e um nacional, não pensa duas vezes. Fica com o camoniano. Mas nem todos agem assim. Daí certas misturas heterodoxas. Ele escreve: ‘‘Leio sempre em português. Às vezes ocorrem enganos que só descubro muito depois. Eu não entendia redial (no teclado dos telefones). Achava que era alguma coisa ligada a alguma […]

Fantasmas e confusões

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Falcatruas não faltam. Certos da impunidade, diretores desviam dinheiro do banco, fiscais fazem negociatas com impostos, administradores contratam obras superfaturadas. A mais recente: prefeitos mentem. Declaram mais alunos que os efetivamente matriculados. Com isso, abocanham os recursos destinados aos estudantes inexistentes.   O assunto foi manchete nos jornais. Todos recorreram a um termo para definir o que poderia ser, mas não é. Trata-se da […]