Por que junho se chama junho?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Hera em grego. Juno em latim. Ela era a primeira-dama do Olimpo. Defensora incondicional do casamento, ao descobrir as traições do marido, Zeus, não punha em risco o próprio lar. Punia a outra e os filhos da outra. (Hércules foi uma das vítimas do ciúme da mulher traída.) Ela passou a ser considerada a protetora da maternidade. Para render-lhe loas, junho se chama junho.

Regência: agradar, desagradar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“As investigações do TSE desagradarão os Bolsonaros”, escreveu Elio Gaspari na coluna de hoje. Leitores estranharam a regência do verbo. Está correta? Na acepção de satisfazer, contentar, há forte preferência pelo verbo transitivo indireto (agradar a, desagradar a): As negociações agradaram a gregos e troianos. As negociações desagradaram a gregos e troianos. As investigações do TSE agradarão aos Bolsonaros. As investigações do TSE desagradarão aos […]

Antirracismo: o porquê do rr

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A morte cruel de George Floyd provocou explosão de revolta nos Estados Unidos. De norte a sul, de leste a oeste, manifestações antirracistas tomam conta das ruas. O assunto, claro, ganha espaço na mídia. A palavra antirracismo aparece em todas as reportagens. Com ela, a curiosidade: o porquê do rr. A presença da duplinha tem a ver com a pronúncia. Compare: carro, caro; morro, moro; […]

Plural: rubro-negro & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A Avenida Paulista parecia uma praça de guerra. De um lado, manifestantes vestidos com as cores nacionais. De outro, manifestantes vestidos de preto. Os repórteres disseram que o segundo grupo era formado por torcidas organizadas de times de futebol. Uma delas, a do Corinthians. No Rio, também houve passeata. Era capitaneada pelos flamenguistas. Repórteres cobriram o evento. Lá e cá, ouvia-se o plural rubros-negros. Nada […]

Greta Thunberg e a polêmica linguística

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Greta Thunberg abraçou a causa do meio ambiente. A garota sueca ganhou manchetes em Europa, França e Bahia. Disputou até o Prêmio Nobel da Paz. Ela apareceu na capa de um livro exibindo este cartaz: “Nossa casa está em chamas. Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença”. Alguns sentiram falta do advérbio “não” antes de “fazer”. Ele é necessário? No caso, parece que não. […]

Médico e professor: heróis da pandemia

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A pandemia revelou verdades antes despercebidas. Trata-se da luta de médicos e professores. Eles jogam no mesmo time. Ambos trabalham com a mais preciosa matéria-prima – a vida. Conjugam também o mesmo verbo. Salvar. Mas, no Brasil, um oceano os separa. Uns vivem no século 21. Os outros, no 19. Se um cirurgião dos anos 1800 entrar hoje numa sala de operação, será incapaz, até, de […]