Este, esse ou aquele?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Paulo, funcionário do Banco Central, quis mudar de ares. Foi requisitado para o Ministério da Economia. No ofício de encaminhamento, o BC frisava que “os ônus correrão por conta dessa instituição”. Chegou o fim do mês. Cadê salário? O banco dizia que o ministério deveria pagar. O ministério dizia que era o banco. E daí? O xis da resposta estava no pronome ”dessa”. Impõe-se conhecer […]

Plural dos compostos: 5 dicas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua é diversificada como os falantes. Pra satisfazer a gregos, troianos e baianos, criou formas de nomes compostos. O plural depende da formação de cada uma delas. Desvendado o mistério, adeus, dúvida. Um Não varia o substantivo formado por palavras invariáveis ou o que tiver o último elemento já no plural: os leva e traz, os diz que diz, os faz de conta, os […]

Flexão: fura-fila & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

E os fura-filas, hem? Além de roubar o lugar de outros, desperdiçam vacinas. Sem receber a segunda dose, a primeira de pouco valerá. A esperteza não trouxe só problema legal. Trouxe problema linguístico. Trata-se do plural dos substantivos compostos. Confusos, leitores pediram ao blogue. A língua é diversificada como os falantes. Pra satisfazer a gregos, troianos e baianos, criou formas de nomes compostos. O plural […]

Pleonasmo divertido

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Benedito Valadares chegou ao Palácio do Catete com óculos escuros. “O que é isso, Benedito?”, perguntou Gustavo Capanema, ministro da Educação de Getúlio Vargas. “Conjuntivite nos olhos”, respondeu o governador de Minas. Despediram-se. Ao vê-lo, Getúlio lhe fez a mesma pergunta. E Valadares: “Presidente, o médico lá em Minas disse que era conjuntivite nos olhos. Mas o Capanema, que quer ser mais sabido do que […]

Curiosidade: embaixadinhas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No futebol, há jogadores pra lá de hábeis. São capazes de dar sucessivos toques na bola – com os pés, as coxas, os ombros ou a cabeça – sem que ela tenha contato com o chão.  O espetáculo se chama embaixada. Mas o nome não tem nada a ver com representação diplomática, Itamaraty & cia. Tem a ver com a forma como se toca na […]