Eleito e elegido

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

  Eleito ou elegido? O verbo eleger tem os dois particípios. O regular (elegido) se usa com os auxiliares ter e haver; o irregular (eleito), com ser e estar: Ele tinha (havia) elegido o candidato em quem votar. O candidato foi (está) eleito. Atenção, gente fina. A língua anda. Modernamente, admite eleito com ter e haver: Ele tinha (havia) eleito o candidato em quem votar.

Duros e muros

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Dois duros não fazem bom muro. Bando sabe disso. A palavra é mais versátil que cintura de político mineiro. Engloba muitos seres. Dá nome ao coletivo de pessoas em geral, de aves, de ciganos, de bandidos: bando de garotos, bando de ciganos, bando de ladrões. Atenção, gente fina. Bobear é proibido. Embora agasalhe muitos seres, o coletivo é substantivo singular. Na concordância, o verbo vai […]

Senhor roubo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Ora veja! Foi o maior roubo da história do Paraguai. Trinta homens com armas de guerra invadiram empresa de transporte de valores e roubaram R$ 120 milhões. No bando, havia brasileiros. Policiais e ladrões trocaram tiros. Muitos fugiram para o Brasil. O fato, que virou notícia, ganhou manchetes em jornais, rádios e televisão. Foi aí que a confusão se instalou. Quem passou de um lado […]

Deste tamanhão

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Vamos combinar? Invadir a sede de uma transportadora de dinheiro é senhora ousadia. Pegar R$ 120 milhões alheios não se enquadra na lista dos roubinhos quaisquer, que acontecem todos os dias. O ato pede o prefixo mega. Trata-se de megarroubo. Os dois rr se explicam. É o jeito de manter a pronúncia. Com um r só, a palavra vira megaroubo. Viu a diferença? É como […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“… há propostas que nunca foram tratadas na Câmara, como o trabalho intermitente, por exemplo”, escrevemos na pág. 4. Reparou na redundância? O como introduz exemplo. O por exemplo, idem. Melhor economizar: … há propostas que nunca foram tratadas na Câmara, como o trabalho intermitente. … há propostas que nunca foram tratadas na Câmara — o trabalho intermitente, por exemplo.

Delação é cultura

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Emílio Odebrecht fala manso. E sorri. Sorri muito. Como prova de quem não nasceu ontem, escolhe as palavras. Em vez de pronunciar vocábulo chocante, que causa repulsa, recorre a eufemismos. Adoça o termo. Um exemplo: substitui propina por ajuda. Parece avô falando com o neto, não? O delator criou um eufemismo. Há outros. Vários outros. Um deles: morte. Muitos sentem medo de pronunciar a dissílaba. […]