Após operação contra Serra, ordem no PSDB é blindar os tucanos

José Serra PSDB
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O PSDB avalia, internamente, a ação da Polícia Federal que atingiu o senador José Serra (SP) como um ponto fora da curva e relacionada à “velha guarda” do partido. Nada a ver com a nova geração que, hoje, representa uma promessa dentro da legenda. Porém, é a primeira grande operação sobre o braço político do PSDB de São Paulo, e há quem diga que outras virão.

Nesse sentido, a ordem é tratar de blindar os tucanos que, agora, chegam à ribalta. A tensão, que fazia parte da agenda dos políticos do Rio de Janeiro, por exemplo, agora se instala entre os paulistas.

Em tempo: a intenção de parte dos tucanos, de debitar o desgaste na “velha guarda” e na briga interna do Ministério Público, não vai vingar. José Serra é um dos principais quadros de gestão do PSDB, recebeu todo o apoio do partido até aqui e não deve ser atirado ao mar.

Da mesma forma, a briga entre a força-tarefa da Lava-Jato e a cúpula da Procuradoria-Geral da República não visa deixar de lado as investigações em curso. Portanto, há quem diga que é melhor o partido se preparar para administrar esses desgaste à porta das eleições municipais.

Pano de fundo…

A dificuldade do presidente Jair Bolsonaro em encontrar um ministro da Educação abriu uma guerra entre seus apoiadores. Os militares procuram convencer o chefe do Executivo a escolher um nome que dê tranquilidade a um setor e faça funcionar. Em plena pandemia, a Educação vive um momento de cada um por si, sem coordenação.

… sem solução

O bolsonarismo mais radical põe o pé na porta e pede um ministro conservador. Até o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) deu palpite. Embora diga que a decisão é exclusiva do presidente, reforça em suas redes sociais que o “escolhido só não deve ser um ideologicamente neutro, tem que ser um conservador de raiz”. Enquanto isso, os mais radicais xingam até os ministros militares. Essa briga vai até o fim do governo.

“Nós, o Brasil, pelos equívocos, principalmente, do presidente da República e de vários governadores, perdemos a guerra para a covid-19”

Do deputado Júlio Delgado (PSB-MG)

Gesto político I

O veto do presidente Jair Bolsonaro ao uso de máscaras em templos e no comércio não terá efeito, porque a legislação está nas mãos dos governadores e prefeitos. Bolsonaro já sabia disso, mas quer manter o seu discurso de não usar o acessório e também fazer um gesto aos pastores.

Gesto político II

Além de mudar o nome do Bolsa Família para Renda Brasil, o governo quer dar uma incrementada no pagamento, para marcar essa transformação. O novo benefício social deve ficar em R$ 100. A aposta dos políticos é de que continuará conhecido no futuro como o “dinheiro do Bolsonaro”.

Flávio no ataque…/ O senador Flávio Bolsonaro partiu para cima de seu suplente no Senado, Paulo Marinho. Sacou perguntas e expressões do tipo “há tiazinha de pulôver” que quer ser “senador no tapetão?” E que “tem imóvel em nome de laranja e paga aluguel para ele mesmo?”, escreveu Flávio em seu Twitter.

… para desespero da família/ Há quem jure que o presidente Jair Bolsonaro não gostou dos ataques de 01 a Marinho. O momento é de tentar manter a calma e apresentar o serviço do governo, e não de buscar confusão nas redes sociais.

Vergonha nacional/ As imagens do “liberou geral” nos bares do Leblon, no Rio de Janeiro, expuseram as diferenças sociais: garçons de máscara, e os jovens de classe média alta sem qualquer cuidado, filhos do triste “mundinho” carioca, que se acha acima do bem e do mal.

Vida nova/ Enquanto essa parte da elite carioca se aglomera sem máscara nos bares do Leblon, uma outra parte deixou a cidade. Uma chácara de orgânicos que, em março, comercializava 30 cestas de hortaliças por semana, agora vende 400. Muitos planejam ficar por lá, distantes das aglomerações.

Ao contrário do Senado, Câmara não tem a menor pressa em analisar uma lei sobre fake news

Publicado em coluna Brasília-DF

A prorrogação do inquérito das fake news, no Supremo Tribunal Federal, até janeiro de 2021, tem, entre seus objetivos, conter o uso indiscriminado desse golpe baixo ao longo do processo eleitoral deste ano. Até aqui, a avaliação geral é a de que as mentiras foram fartamente utilizadas na campanha de 2018 e agora, com o inquérito, muitos vão pensar duas vezes antes de partir para esse tipo de ataque aos adversários.

Paralelamente, na Câmara dos Deputados, não há a mesma pressa que houve no Senado para analisar uma lei a respeito. Entre os deputados, prevalece a ideia de que a opinião não deve ser perseguida, nem tampouco é passível de punição. Porém, montar uma rede para espalhar inverdades a respeito das pessoas, sim. É nesse caminho que a Câmara pretende atuar para corrigir o curso do projeto das fake news, aprovado na semana passada pelo Senado. A avaliação de vários deputados é a de que os senadores jogaram para a plateia e terminaram por ferir as liberdades individuais. Por isso, a ideia, agora, é deixar o tema decantar, sem correria para votação.

Base azeitada, mas…

Os parlamentares foram avisados da liberação de R$ 13,8 bilhões em recursos não só para o combate à covid-19, como também outros benefícios aos municípios. Entretanto, muitos estão uma arara. Em Belo Horizonte, por exemplo, para onde foram R$ 24 milhões, alguns anunciaram como se fosse tudo da sua lavra individual deixando outros a ver navios. O valor, porém, é a soma de várias emendas e tem gente querendo faturar sozinho. A confusão já está criada.

Carona na PGR I

O ex-presidente Lula aproveita o embalo da disputa entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a força-tarefa da Lava-Jato para chamar Deltan Dallagnol e, por tabela, o ex-juiz Sergio Moro, para a briga. “O Dallagnol montou uma quadrilha com a Força Tarefa da Lava-Jato e isso está ficando claro. Espero que, em algum momento, a Justiça leia os autos do meu processo para esclarecer a farsa que promoveram para me tirar do processo eleitoral de 2018”, escreveu Lula, referindo-se ao procurador, autor do famoso Powerpoint que colocava o petista como o chefão de uma quadrilha.

Carona na PGR II

Lula sonha em voltar às ruas e ser ovacionado em comícios no pós-pandemia, sem ouvir acusações. Apostará nesse discurso na campanha de 2020, embora não seja candidato. Quer, no mínimo, retomar o papel de líder máximo da oposição, espaço vago no Brasil.

Te conheço

Enquanto os petistas fazem subir a hashtag #LavaJatoTraiuAPatria, e tentam recuperar a imagem de seu maior líder, os outros partidos veem na estratégia mais um movimento para não ceder espaço a outras legendas de esquerda, agora ou no futuro. A avaliação geral é aquela feita pelo presidente do PDT, Carlos Luppi, no CB.Poder da última terça-feira: em 2022, os partidos devem caminhar separados.

O que está em jogo

Paralelamente à estratégia do PT, está a disputa todo um arsenal de informações sobre anos de investigações a fio. Inclusive com suspeitas de “camuflagem” de nomes de autoridades, como revelado ontem pelo site Poder 360, sobre Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Deputado João Roma
Crédito: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press.

Se deu bem I/ Em tempos de pandemia, sem as grandes festas de Salvador para comemorar o 2 de Julho –– dia da independência da Bahia ––, o deputado João Roma (Republicanos-BA, foto) aproveitou a exposição da sessão de promulgação da emenda que adiou as eleições deste ano para falar da data, cuja importância histórica é pouco difundida.

Se deu bem II/ Choveram mensagens, ontem, por causa de seu discurso. “Dois de julho de 1823 não é a independência da Bahia, e sim a consolidação da independência do Brasil. Ninguém está pedindo feriado, mas é preciso enaltecer a importância histórica”, disse o deputado, referindo-se à data em que as tropas portuguesas se renderam.

Enquanto isso, no Alvorada…/ A quantidade de pessoas sem máscara, na live presidencial, chamou a atenção. E o clima de festa, diante de tantas tragédias no país, idem. Primeiro, a sanfona comemorou a inauguração do Eixo Norte da transposição do São Francisco e, depois, o presidente Jair Bolsonaro mencionou que visitará as áreas devastadas pelo ciclone bomba no Sul do país.

… a live continua popular/ Também houve uma cobrança aos governadores sobre a reabertura do comércio, “com responsabilidade”, disse o presidente. Sinal de que o discurso contra o distanciamento social, de vez em quando, é modulado. A população que assistia nas várias plataformas, quase 200 mil, agradece.

Inquérito do STF é trava para fake news na campanha

Publicado em coluna Brasília-DF

A prorrogação do inquérito das fake news, no Supremo Tribunal Federal, até janeiro de 2021, tem, entre seus objetivos, conter o uso indiscriminado desse golpe baixo ao longo do processo eleitoral deste ano. Até aqui, a avaliação geral é a de que as mentiras foram fartamente utilizadas na campanha de 2018 e agora, com o inquérito, muitos vão pensar duas vezes antes de partir para esse tipo de ataque aos adversários.

Paralelamente, na Câmara dos Deputados, não há a mesma pressa que houve no Senado para analisar uma lei a respeito. Entre os deputados, prevalece a ideia de que a opinião não deve ser perseguida, nem tampouco é passível de punição. Porém, montar uma rede para espalhar inverdades a respeito das pessoas, sim. É nesse caminho que a Câmara pretende atuar para corrigir o curso do projeto das fake news, aprovado na semana passada pelo Senado. A avaliação de vários deputados é a de que os senadores jogaram para a plateia e terminaram por ferir as liberdades individuais. Por isso, a ideia, agora, é deixar o tema decantar, sem correria para votação.

Carona na PGR I

O ex-presidente Lula aproveita o embalo da disputa entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a força-tarefa da Lava-Jato para chamar Deltan Dallagnol e, por tabela, o ex-juiz Sergio Moro, para a briga. “O Dallagnol montou uma quadrilha com a Força Tarefa da Lava-Jato e isso está ficando claro. Espero que, em algum momento, a Justiça leia os autos do meu processo para esclarecer a farsa que promoveram para me tirar do processo eleitoral de 2018”, escreveu Lula, referindo-se ao procurador, autor do famoso Powerpoint que colocava o petista como o chefão de uma quadrilha.

Carona na PGR II

Lula sonha em voltar às ruas e ser ovacionado em comícios no pós-pandemia, sem ouvir acusações. Apostará nesse discurso na campanha de 2020, embora não seja candidato. Quer, no mínimo, retomar o papel de líder máximo da oposição, espaço vago no Brasil.

Te conheço

Enquanto os petistas fazem subir a hashtag #LavaJatoTraiuAPatria, e tentam recuperar a imagem de seu maior líder, os outros partidos veem na estratégia mais um movimento para não ceder espaço a outras legendas de esquerda, agora ou no futuro. A avaliação geral é aquela feita pelo presidente do PDT, Carlos Luppi, no CB.Poder da última terça-feira: em 2022, os partidos devem caminhar separados.

O que está em jogo

Paralelamente à estratégia do PT, está a disputa todo um arsenal de informações sobre anos de investigações a fio. Inclusive com suspeitas de “camuflagem” de nomes de autoridades, como revelado ontem pelo site Poder 360, sobre Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Se deu bem I/ Em tempos de pandemia, sem as grandes festas de Salvador para comemorar o 2 de Julho –– dia da independência da Bahia ––, o deputado João Roma (Republicanos-BA, foto) aproveitou a exposição da sessão de promulgação da emenda que adiou as eleições deste ano para falar da data, cuja importância histórica é pouco difundida.

Se deu bem II/ Choveram mensagens, ontem, por causa de seu discurso. “Dois de julho de 1823 não é a independência da Bahia, e sim a consolidação da independência do Brasil. Ninguém está pedindo feriado, mas é preciso enaltecer a importância histórica”, disse o deputado, referindo-se à data em que as tropas portuguesas se renderam.

Enquanto isso, no Alvorada…/ A quantidade de pessoas sem máscara, na live presidencial, chamou a atenção. E o clima de festa, diante de tantas tragédias no país, idem. Primeiro, a sanfona comemorou a inauguração do Eixo Norte da transposição do São Francisco e, depois, o presidente Jair Bolsonaro mencionou que visitará as áreas devastadas pelo ciclone bomba no Sul do país.

… a live continua popular/ Também houve uma cobrança aos governadores sobre a reabertura do comércio, “com responsabilidade”, disse o presidente. Sinal de que o discurso contra o distanciamento social, de vez em quando, é modulado. A população que assistia nas várias plataformas, quase 200 mil, agradece.

Bolsonaro planeja vetar projeto contra as fake news

Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O presidente permanece distante dos mais radicais, mas isso não significa que deixará de lado algumas bandeiras caras a esse grupo. Nesse sentido, já planeja inclusive veto ao texto das fake news aprovado no Senado, em tramitação na Câmara.

Tal e qual as redes

Entre os aliados do presidente, prevalece a visão de que o projeto impõe uma censura às redes. Aliás, conforme antecipou a coluna ontem, o DataSenado detectou que a palavra que mais sobressai nas redes sociais sobre o PL 2.630/20, de combate às fakes news, é “censura”. A pesquisa por telefone, porém, mostrou um apoio majoritário à proposta.

No embalo das redes/ Entre alguns senadores, pegou a onda criada nas redes contra o PL 2.630, de combate às fake news. O senador Márcio Bittar (MDB-AC), por exemplo, escreveu que é contra “a censura nas redes sociais”. Do jeitinho que o DataSenado mostrou.

Pronunciamento no sábado e visitas, a nova onda de Bolsonaro

bolsonaro pronunciamento
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O presidente Jair Bolsonaro não pretende entrar com os dois pés na eleição deste ano, mas vai preparar o caminho para tentar recuperar os eleitores quando o pesadelo da pandemia acabar. No sábado, fará um pronunciamento de rádio e TV para explicar a prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses e falar da inauguração do Eixo Norte da transposição do São Francisco, obra que levou 13 anos para ficar pronta. A ordem no governo, agora, é tocar bumbo para as boas notícias, de forma a deixar todas as crises nos bastidores.

Bolsonaro quer passar aos eleitores a ideia de que, apesar dos percalços, seu governo funciona. Quer reforçar essa visão a fim de tirar fôlego dos opositores e das ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, que, contrariando as expectativas do Planalto, continuam no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A negociadora

Depois de uma conversa por videochamada com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o embaixador da China, Yang Wanming, disse em suas redes sociais que eles trocaram opiniões sobre cooperação agrícola bilateral durante e após a pandemia. “Sobretudo para estabilizar e ampliar as exportações dos produtos agropecuários brasileiros à China”, escreveu.

Alívio geral

O tom foi considerado uma boa notícia para o governo brasileiro. Afinal, depois de tantos problemas, ficou a certeza de que a suspensão da entrada de produtos de diversos países na China é temporária.

Nem tudo está perdido/ O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), saiu animado da conversa presencial com o embaixador dos Estados Unidos, Todd Chapman. Ouviu dele que há mais de 200 empresas americanas interessadas em explorar a base de Alcântara.

Ela enxerga longe/ Aliás, vale lembrar, a Amazon Web Services (AWS) aproveitou sua conferência para o setor público, esta semana, para anunciar o Aerospace & Satellite, que levará os dados em nuvem às missões espaciais.

Promessa é dívida/ Adiadas as eleições, vem agora a fase de combinar os pontos mágicos que permitiram a aprovação, em tempo recorde, da prorrogação dos repasses do fundo de participação dos municípios, algo em torno de R$ 5 bilhões, e a volta da propaganda partidária.

Gilmar Mendes levará caso Flávio Bolsonaro para o plenário do STF em agosto

Flávio Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O ministro Gilmar Mendes só dará seu voto a respeito do processo Flávio Bolsonaro-“Rachadinhas” em agosto. Ele é relator, no Supremo Tribunal Federal, do recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre a decisão que levou à segunda instância o caso das “rachadinhas” no gabinete, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, do hoje senador. E não haverá decisão monocrática, ou seja, uma canetada do ministro.

A ideia é julgar no pleno, de forma a evitar o que alguns advogados chamam de “o recurso do recurso”, que só serve para protelar o bom andamento de investigações e julgamentos.

Significa que Flávio tem julho para respirar e organizar seu jogo, seja na Justiça, seja na arena da política. Agosto, quando o Senado planeja retomar as sessões presenciais, a situação volta a ficar tensa para o senador.

Muito além da pandemia

A jogada do governo, de prorrogar o auxílio emergencial por dois meses, a fim de evitar que o tema volte ao Congresso, não vai colar. A pressão política vem no sentido de que a ajuda seja mantida até que a retomada da economia de forma mais segura. E esse movimento tem entre seus apoiadores partidos como o PP, do líder Arthur Lira, hoje um dos maiores aliados do presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, não vai dar para dizer sequer que é coisa da oposição.

Socializar a bondade

Os deputados acreditam que é chegada a hora de o presidente dar um alento para seus aliados perante a população mais carente. Querem ouvir de Bolsonaro algo do tipo: “Os meus aliados pediram, e eu atendi”. Até aqui, ele tem faturado politicamente todas as medidas de seu governo sem dividir o mérito com aqueles que o apoiam.

A batalha das fakes I

Uma pesquisa do DataSenado, feita entre 9 e 11 de junho, mostra que, no mundo real, a população está preocupada com as fake news e considera que deve haver, inclusive, a identificação de robôs que impulsionam mensagens. A preocupação em algum grau atinge 87%, e 75% defendem essa identificação.

A batalha das fakes II

Nas redes sociais, entretanto, a história é outra. Ali, os grupos que não querem a nova lei conseguiram emplacar a sua visão. Entre as palavras mais usadas no Twitter, por exemplo, surgem em destaque a palavra “censura” e a hashtag #pl2630nao.

A hora da nuvem/ Em sua conferência de cúpula para o setor público, a AWS aponta o futuro pós-pandemia atracado na nuvem. “As soluções em desenvolvimento mudam drasticamente a maneira como o setor público lida com TI. Em resumo: não voltaremos aos modelos de antes”, disse a vice-presidente da Amazon Web Services para o setor público, Teresa Carlson.

Até o censo/ Um dos exemplos citados foi o censo dos norte-americanos. Em 2020, pela primeira vez, até o censo dos Estados Unidos é on-line. Com a criação do website 2020census.gov na AWS, o Departamento do Censo dos EUA pôde receber as respostas mesmo com a covid-19.

No embalo de Lindôra/ Cristiano Zanin, advogado de Lula, comentou recentemente o imbroglio entre a subprocuradora Lindôra Mara e a força-tarefa de Curitiba, o que levou ao pedido de demissão de quatro procuradores. “Lava-Jato não é dona de dados que pertencem ao Estado”, disse Zanin, em entrevista ao El País. Pelo menos nesse quesito, a turma de Lula e a PGR estão do mesmo lado.

E o novo ministro, hein?/ Sobrou para todo mundo a confusão em que o governo se meteu por causa do currículo de Carlos Alberto Decotelli, que não resistiu a alguns telefonemas. Agora, a ordem é uma lupa nos indicados. Ah!, e os políticos podem perder as esperanças. Ontem, pelo menos, Bolsonaro não queria saber de nomear um senador para o cargo. Se nada mudar no balanço das horas, não é por ali que o grupo aliado ao governo no Senado terá um ministério para chamar de seu.

Ministros do STF cogitam mandar recado a desembargadores quando devolverem caso de Flávio à 1ª instância

Flávio Bolsonaro Justiça STF
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

A alegria do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) vai durar pouco. A tendência do Supremo Tribunal Federal (STF) é devolver o caso à primeira instância, quando chegar a hora de avaliar o recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro contra o foro privilegiado obtido pelo parlamentar, na semana passada.

Alguns ministros, inclusive, cogitam mandar um recado aos desembargadores da 3ª Câmara. Muitos não gostaram do fato de ter sido desconsiderada a decisão do STF, que havia deixado o caso na primeira instância, porque Flávio não é mais deputado estadual e nem tampouco é alvo de algo que ocorreu no exercício do mandato de senador.

Portanto, não cabe o foro privilegiado, conforme o voto do ministro Marco Aurélio Mello, citado agora no pedido dos promotores ao STF. A inclinação do Supremo dá à defesa de Flávio pouca margem de manobra para tentar evitar a investigação na primeira instância.

E se seguir para a Corte, será por causa de tentativa de obstrução de Justiça, agora, algo que vai complicar a vida do senador também no Congresso. Ou seja, o que está ruim corre o risco de ficar pior.

Sobrou para a Abin

Encarregada de analisar os currículos daqueles indicados por políticos para cargo no governo, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) não fez qualquer checagem sobre o currículo do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli. Ou seja, deixou o presidente Jair Bolsonaro exposto a um constrangimento desnecessário.

Deixa estar…

…para ver como é que fica. Antes de receber uma resposta atrasada da Abin sobre o currículo de Decotelli, Bolsonaro age para decantar as pressões do Centrão e do tal “gabinete do ódio”, que almejam o cargo.

O presidente sabe que, se reabrir a discussão, vai dar problema na base. Por isso, a nota de ontem nas redes sociais dizendo que Decotelli não quer ser um problema para o governo. Fecha a porta de saída e deixa uma brecha para que o ministro peça para sair, se for o caso.

O grupo dos sem ministro

Senadores de partidos do Centrão têm reclamado a falta de um cargo de primeiro escalão para os seus. Como Bolsonaro não deu margem para nomear um senador para a Educação, o grupo agora se volta para outros setores em que os ministros vão muito bem, e Bolsonaro não pensa em mudar — caso, por exemplo, de Minas e Energia.

Pense direitinho

No Congresso, há quem diga que os problemas que cercam o senador Flávio Bolsonaro indicam que não basta ele atender apenas ao presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), para reforçar a base na Casa. É preciso dar a todos os partidos a sensação de “ser governo”, algo que ainda não está consolidado ali.

Economia & coronavírus/ A comissão de acompanhamento das medidas de controle da pandemia de coronavírus recebe, hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes. Uma das principais questões é a demora na liberação das linhas de créditos. “A solução da crise econômica está no crédito. Ele tem que dar um arrocho nos bancos. Os recursos do BNDES, por exemplo, ainda não estão chegando às empresas”, diz o senador Izalci Lucas (PSDB-DF, foto), titular da comissão.

Por escrito e com testemunhas/ O senador quer saber, ainda, a posição final do governo a respeito da prorrogação do auxílio emergencial. Até aqui, há quem diga que serão três parcelas de valores de decrescente, de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, ou duas parcelas de R$ 600.

Queijo suíço/ Os mecanismos e controle, que falharam em elação ao auxílio emergencial, também serão objeto de perguntas. Não se sabe, por exemplo, como 18 mil mortos receberam o benefício. “Cadê os cartórios?”, pergunta Izalci.

Lupa no DF/ A partir da semana que vem, Izalci pretende colocar para funcionar uma estrutura semelhante a desta comissão mista da covid-19 para acompanhar a situação da pandemia no Distrito Federal. Hoje, ele encaminha os convites às secretarias de Saúde, de Economia, de Educação e de Atendimento à Comunidade. A ideia é fazer audiências virtuais todas as egundas-feiras, das 14h às 15h30.

Bolsonaro adota novo normal para reduzir os estragos na imagem

Bolsonaro com áurea de santo
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

Em conversas reservadas, militares e líderes partidários comemoram a mudança de postura do presidente Jair Bolsonaro, em relação aos outros Poderes. Está muito diferente do confronto adotado com Rodrigo Maia, em 16 de abril, quando, em entrevista à CNN, disse que o presidente da Câmara deveria respeitá-lo e que sabia qual o tipo de diálogo que ele queria. E também do “acabou, p…”, em relação ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A ideia é tentar tirar de cena não só os inquéritos e processos em curso no Judiciário, mas também jogar no assado a postura do governo no início da pandemia de covid-19, quando o presidente não usava máscara, dizia que tudo deveria voltar ao normal, porque o desemprego mataria mais do que o novo coronavírus, que a covid-19 era uma “gripezinha” e por aí vai.

Material que está guardado para os adversários, a fim de ser usado nas ampanhas futuras, seja este ano, seja em 2022. Nesse espírito de deixar tudo no passado, houve ainda uma homenagem às vítimas do coronavírus na live de ontem.

Alívio para Flávio

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) respirou mais aliviado pela primeira vez em muitos dias. Tudo por causa da transferência, para a segunda instância, do processo das “rachadinhas” — como é conhecida a investigação sobre desvio de salários dos servidores do gabinete do 01, quando ainda deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A família torce

A esperança dos Bolsonaro, agora, é que Fabrício Queiroz seja solto e o pedido de prisão de Márcia seja anulado. Assim, Flávio ganhará discurso para levar à tribuna do Senado, quando voltarem as sessões presenciais. E, de quebra, arrefecer as iniciativas contra ele no Conselho de Ética da Casa.

O “general” de Bolsonaro

A oposição vai forçar para que as próximas parcelas do auxílio emergencial continuem na faixa dos R$ 600, nem que seja para marcar posição. A briga promete e foi justamente para defender a proposta do governo que o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi destaque na live de ontem, ao lado do presidente. Dos técnicos, Guedes é considerado um dos grandes comunicadores da equipe presidencial.

Esquece o outro, “talkey”?

A escolha do novo ministro da Educação, Carlos Decotelli, tem a missão de serenar os ânimos na área e tentar acalmar setor. Não dá mais para continuar com tanta tensão, em especial, com as universidades.

Tchau, Ciro Gomes/ A presença de Bolsonaro no Ceará, hoje, com um discurso político é para mostrar que, nem quando Ciro Gomes era ministro, o governo concluiu uma obra como o eixo norte da transposição do São Francisco.

Em nome do filho/ A leveza do presidente na live de ontem foi atribuída à vitória do pedido da defesa de Flávio para a transferência das “rachadinhas” para a segunda instância.

Pesou/ O fato de o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, ter feito uma doação de R$ 120 mil para João Dória (foto) foi crucial para não ser escolhido ministro.

E o Fux, hein?/ Não será um aliado de Bolsonaro no comando do Supremo Tribunal Federal, a partir de setembro. Se ele não teve fidelidade ao governo do PT, que o indicou para a Suprema Corte, não será agora que mudará. Seu compromisso, avisam os ministros, é com o STF e a Constituição.

Ops!/ A eleição dos procuradores citada na coluna de ontem foi para o Conselho Superior do Ministério Público e não para o Conselho Nacional.

Vitória de opositores de Aras deve ser vista como preocupação para o Planalto

O recado do MP a Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro foram alertados de que a vitória dos opositores do procurador-geral, Augusto Aras, para o Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) esta semana deve ser vista como um sinal de preocupação para o Planalto.

Composto por 10 subprocuradores, o CSMPF julga a atuação dos procuradores e é quem dá as diretrizes dentro da PGR. Embora os procuradores tenham independência, dali costuma sair o balizamento do trabalho desses profissionais.

A eleição de Nicolau Dino e Mário Bonsaglia para o CSMPF, adversários de Aras, significa que qualquer passo em falso a favor do governo poderá ter reflexos. Nesse sentido, quem trabalha para evitar a crise institucional promete prestar mais atenção a cada movimento do CSMPF.

Situação delicada

O governo começou a mapear todos os potenciais aliados do senador Flávio Bolsonaro no plenário da Casa. Descobriu que o filho do presidente não fez muitos amigos por lá neste primeiro ano de mandato. Tem trânsito na Mesa Diretora, mas não nos partidos como um todo.

Mal pela raiz

A avaliação de quem estudou o caso é de que, se houver qualquer participação dele em obstrução de Justiça no escândalo das rachadinhas e isso for ao Conselho de Ética, será um problemão. A saída para evitar que o caso fique fora de controle é impedir que a denúncia chegue a esse colegiado. Pelo menos, até agosto, não há esse perigo.

Lascou

O Centrão trabalha para levar o ex-diretor da Apex Márcio Coimbra de volta à agência. Porém, o atual presidente, almirante Sérgio Segovia, não quer saber de nomear quem demitiu. No PR do deputado Wellington Roberto, fica a seguinte pergunta: se não consegue indicar uma simples diretoria da Apex, vai indicar o quê?

De mal a pior

Depois do vexame de fazer malabarismos para conseguir ingressar nos Estados Unidos em plena pandemia, Abraham Weintraub ainda corre o risco de passar pelo constrangimento de ver seu ingresso no Banco Mundial ser por pouquíssimo tempo. É que, se for indiciado no inquérito a que responde na Justiça, a tendência é o sistema de compliance impedir sua nomeação.

Falta o “santo”/ O governador do Maranhão, Flávio Dino, tem dito que se as eleições presidenciais fossem hoje, o centro venceria. Só não diz, porém, que falta combinar com o centro quem seria o candidato. Hoje, cada um se olha no espelho como “o cara” para derrotar Jair Bolsonaro.

Queimou a largada/ A aposta dos aliados de Bolsonaro é de que o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, perdeu pontos para ministro por causa da doação de R$ 120 mil à campanha de João Doria, conforme mostrou a repórter Ingrid Soares em notícia publicada no Correio. Além disso, falou tanto desde a conversa com Bolsonaro, que deixou muitos com o pé atrás.

Muita calma nessa hora/ Bolsonaro tem dito que não pode errar na escolha do novo ministro da Educação. Hoje, são três focos de pressão pela vaga: os políticos, os técnicos e os olavistas. Agradar aos três é missão impossível.

Por falar em não errar…/ No Planalto, assessores veem o depoimento do general Augusto Heleno no inquérito que apura a interferência do presidente na Polícia Federal como uma “questão semântica”. Heleno pode até ter dito que Bolsonaro não tinha problemas em trocar a segurança pessoal. O presidente, porém, interpretou que havia. Resta saber se o Ministério Público e a Justiça vão aceitar.

É no Nordeste que Bolsonaro tentará compensar os votos perdidos

Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O governo corre contra o tempo para tentar fechar um arcabouço de programa social que possa substituir o auxílio emergencial, de forma a não deixar nem a população nem Jair Bolsonaro desassistidos.

Afinal, em várias cidades do interior do Nordeste, aliados do presidente já ouviram do povo que o auxílio é o “dinheiro do Bolsonaro”, que chegou como um alento neste período de pandemia.

E é nessa área social e que o presidente pretende ampliar sua popularidade na região, que não defendeu sua eleição em 2018.

Além dos programas sociais, virão as obras. Nesta sexta-feira, por exemplo, Bolsonaro inaugura o Eixo Norte da transposição do São Francisco, no Ceará.

Outras estão em curso, como as ferrovias a cargo do Ministério da Infraestrutura, estratégicas para a região. É no Nordeste que Bolsonaro tentará compensar os votos perdidos no Centro-Sul. Falta só combinar com o povo.

Tal e qual…

Aliados do presidente estão convictos de que, a preços de hoje, acontecerá com Bolsonaro o que houve com Lula em 2005: veio o mensalão que, como um vendaval, levou vários aliados, até integrantes do partido. Lula balançou, mas, em 2006, foi reeleito.

… mas diferente

No mensalão, o ex-ministro José Dirceu foi afastado e Lula seguiu em frente. O problema agora é que, em conversas para lá de reservadas, muita gente no governo diz que Bolsonaro não pode fazer o mesmo com um filho, no caso o senador Flávio (Republicanos-RJ).

Vírus da esperteza contido

Alguns senadores tentaram, no rastro da pandemia da covid-19, forçar a porta para emplacar a junção das eleições de prefeitos e vereadores com as de governadores, senadores, deputados federais, estaduais e presidente da República. Prevaleceu a ideia de que, algo assim, só mesmo numa ampla reforma política.

Improviso imperou

Ao avaliar a ajuda do governo aos estados e municípios, a Instituição Fiscal Independente (IFI), coordenada por Felipe Salto, alerta para a falta de uma análise conjunta das medidas adotadas, o que resultará em desequilíbrio, ou seja, uns receberão ajuda além das perdas, e outros aquém. “Não se levou em conta o efeito conjunto da ajuda para cada estado”, diz a análise da IFI.

Menos um/ O arquivamento da ação contra a chapa Bolsonaro-Mourão, ontem, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já era esperado. Mas a tensão não acabou. Agora, a novela será o depoimento de Bolsonaro no inquérito sobre tentativa de interferência na PF.

Se ele pôde…/ Em 2017, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso deu o seguinte despacho para a oitiva do presidente Michel Temer, no inquérito dos portos, em que o emedebista era investigado: “Mesmo figurando o senhor presidente na condição de investigado em inquérito policial, seja-lhe facultado indicar data e local onde queira ser ouvido pela autoridade policial, bem como informar se prefere encaminhar por escrito sua manifestação, assegurado, ainda, seu direito constitucional de se manter em silêncio”. Bolsonaro quer o mesmo tratamento.

Ponta solta/ A avaliação de quem conhece a família de Bolsonaro é a de que Fabrício Queiroz jamais trairá a confiança de Flávio. A mulher dele, Márcia, que está foragida, é considerada a grande incógnita.

Sem saída/ O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, respondeu assim aos deputados e senadores sobre sua permanência no cargo até quando o presidente quiser: “Ainda estou na ativa e ordem tem que ser cumprida”.

Fakes & penas/ O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) fez questão de ir à tribuna virtual dizer que foi vítima de fake news, a distribuição via WhatsApp de uma lista falsa de beneficiários do auxílio emergencial, na qual aparecem várias pessoas com o sobrenome Trad. Ele definiu assim as mentiras: “É como subir no último andar de um edifício, pegar um bando de penas e jogar lá de cima. Por mais que você junte, impossível pegar todas”, diz.