Polêmicas de Damares são usadas para equipe econômica contornar situações esdrúxulas

Polêmicas de Damares
Publicado em coluna Brasília-DF

Integrantes da equipe econômica estão a ponto de pedir que a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, mantenha as frases polêmicas. É que, a cada dia que passa, descobrem mais uma situação esdrúxula, seja no Orçamento, seja na administração pública. Nesta semana, muita gente ficou boquiaberta ao constatar, via Instituição Fiscal Independente (IFI), que, para cumprir a regra de ouro, o Congresso terá que aprovar um crédito orçamentário adicional atípico, e por maioria absoluta.

» » »

Para quem não viu ou não soube, o relatório da IFI, que já está com técnicos do governo, menciona que, no Orçamento de 2019, o excesso de operações de crédito em relação às despesas de capital é da ordem de R$ 248, 9 bilhões. Para tapar esse buraco, o governo precisará aprovar o crédito orçamentário no Congresso. Ou seja, Bolsonaro já vai entrar correndo atrás dos deputados, e não será apenas por causas das reformas, mas para reduzir os prejuízos.

» » »

Os técnicos da IFI dão, inclusive, uma pista de onde o governo pode tirar o dinheiro para cobrir esse buraco: privatizações de estatais, leilões de petróleo dentro da cessão onerosa, devolução de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e resultado positivo do Banco Central. Tá, mas, tem gente no governo que estava disposta a usar tudo isso em outras coisas. Pelo visto, vai ter de escolher: ou cobrir as despesas ou deixar o país se divertindo com assunto mais cor-de-rosa, enquanto a economia não entra no azul.

Noves fora…

A turma aliada ao deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) fez as contas e descobriu que o bloco partidário de Rodrigo Maia, em 2017, reunia 450 deputados. E o candidato desses partidos obteve, à época, menos de 300 votos no primeiro turno. Logo, dizem os amigos de Fabinho Liderança, é ali que estão os traidores.

…a conta termina fechando

Apesar dos pesares, Rodrigo venceu. E, desta vez, terá votos em quase todos os partidos, do PT ao PSL. Embora o presidente Jair Bolsonaro não esteja engajado nas campanhas, seus ministros estão. E o DEM tem mais espaço na Esplanada, além da simpatia de Paulo Guedes.

Por falar em ministros…

Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, Teresa Cristina, da Agricultura, ambos do DEM, e o emedebista Osmar Terra, da Cidadania, deixam o governo por 24 horas, em 1º de fevereiro. Vão assumir os respectivos mandatos na Câmara dos Deputados.

Por falar em Paulo Guedes…

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é tido hoje como um defensor da candidatura de Renan Calheiros à Presidência do Senado. Já chegou aos ouvidos do Planalto a seguinte frase do Posto Ipiranga: “Renan é um Highlander. Vai nos ajudar a aprovar as reformas estruturais”.

… ele não deixa de ter razão

Guedes não está de todo equivocado. Renan quer paz, amor poder e… recursos para o governador de Alagoas, Renan Filho. É, foi e será sempre pragmático.

CURTIDAS

Acontece nas melhores famílias I / Sem saber, e desavisado em relação aos cerimoniais palacianos em visitas de chefes de Estado, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, parou na porta errada, ontem, no Itamaraty, e foi logo descendo do carro, caminhando rápido pelo tapete vermelho da entrada principal. Muita gente, dentro do prédio, olhou esquisito. E não foi por causa do governador ser estreante.

Acontece nas melhores famílias II/ O acesso por aquela porta é restrito a chefes de Estado, salvo raríssimas exceções, como reza o protocolo da sede da diplomacia. Foi uma saia justa para o cerimonial. Invariavelmente, em eventos formais, convidados e demais autoridades costumam acessar o prédio pela porta lateral. Mas ninguém foi criar caso com o governador ou reclamar por ele ter usado a mesma porta que Jair Bolsonaro e Maurício Macri. Sinal de bom senso.

Deferência/ O rei da Espanha, Felipe VI, recebeu o embaixador Pompeu Andreucci Neto no Palácio Real de Madrid. O embaixador fez entrega das cartas credenciais e, em seguida, foi recebido em audiência pelo rei. Normalmente, nessas ocasiões, o monarca concede entrevistas de 10 minutos. No caso do embaixador do Brasil, a entrevista estendeu-se por 35 minutos. O rei Felipe VI gosta muito do Brasil e é profundo conhecedor da realidade brasileira.

O segredo do “novo Severino”/ A coluna quis saber do deputado Fábio Ramalho por que ele tem feito campanha praticamente à mesa: “É porque, nessas situações, os ânimos ficam desarmados”.

Bolsonaro ganha tempo para decidir sobre a inclusão de militares na reforma da Previdência

militares
Publicado em coluna Brasília-DF

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de apresentar a reforma da Previdência depois da viagem a Davos deu ao governo pelo menos mais 10 dias para fechar o texto e amadurecer o que deve ser feito, especialmente, em relação aos militares. Hoje, eles não têm um sistema previdenciário completo, uma vez que quem passa para a reserva pode ser chamado em caso de necessidade, com ocorreu, por exemplo, com os policiais, no Ceará. O mesmo período será usado para o líder do governo, Major Vitor Hugo, sondar os aliados sobre o tamanho do grupo com que o presidente poderá contar para “o que der e vier”. Até aqui, essa é a maior incógnita no Planalto.

Bloco dos pragmáticos

A decisão do PCdoB embaralhou o jogo na Câmara. O partido vai indicar o voto em favor de Rodrigo Maia, mas não participar do bloco formal que hoje engloba o DEM e o PSL. O PDT segue pelo mesmo caminho. O PSB não quer Maia, mas quer um bloco com esses dois partidos. Vai terminar surgindo aí um bloco, sem compromisso com candidaturas a presidente da Casa. O que eles querem é vaga na Mesa Diretora.

Lição petista

O PT está decidido a fazer qualquer movimento que lhe garanta espaço na Mesa Diretora, desde que não tenha que se aliar formalmente ao PSL de Bolsonaro. Em compensação, não lançará candidato a presidente da Câmara. O partido fará tudo para não repetir 2015.

Preço foi alto

Naquele ano, quando Eduardo Cunha venceu, o PT apostou suas fichas em Arlindo Chinaglia e perdeu tudo — a Presidência da Câmara, cargos de comando à Mesa Diretora. Mais tarde, esse erro custou a Presidência da República.

Discurso & prática I

Autoridades do governo estão convictas de que o decreto do presidente Jair Bolsonaro flexibilizando a compra de armas não mudará muito o dia a dia do cidadão. Nem tampouco a segurança das famílias, especialmente, as de baixa renda, dado o preço dos artefatos e da munição.

Discurso & prática II

A diferença entre discurso e ação vale também para a transferência da Embaixada em Israel, de Tel Aviv para Jerusalém. Muito se falou sobre o tema nos primeiros dias de governo, mas até agora nenhuma ação concreta foi adotada.

Presença de Levy/ Sempre que está em Brasília, o presidente do PRP, Levy Fidelix, vai religiosamente à vice-presidência da República. Nem que seja para dar um “olá” ao vice-presidente, general Hamilton Mourão.

Rocha versus Dallagnol/ O deputado Hildo Rocha (MDB-MA) chamou o procurador Deltan Dallagnol para a briga nas redes sociais. Num vídeo, Rocha diz que Deltan pede voto aberto para presidente do Senado, mas vota secretamente na hora de compor a lista tríplice para o cargo de Procurador-Geral da República.

Meia volta no PSL/ Pressionados por suas redes sociais, deputados ligados a Jair Bolsonaro engrossam publicamente o “fora Renan”. Em conversas reservadas, porém, já tem muita gente do partido torcendo pelo senador alagoano.

No embalo da Rede/ Ao se lançar candidato a presidente do Senado, Álvaro Dias se antecipa a Tasso Jereissati e espera conquistar o apoio do bloco encabeçado pela Rede. Serão 15 dias de muito movimento nessa seara.

Membros do governo acreditam que a justiça negará abertura de processo contra Queiroz

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Publicado em coluna Brasília-DF

Jogada arriscada

No governo, há quem diga que a perspectiva de o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) pedir a abertura de processo contra o ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz, sem ouvi-lo abre um portal para adiamentos ainda maiores sobre o caso. Afinal, a Justiça terá a brecha de recusar o pedido por falta do depoimento e, assim, volta tudo à estaca zero.

Bloco liderado pela Rede pensa em lançar Tasso Jereissati candidato à presidência do Senado

Presidência do senado
Publicado em coluna Brasília-DF

O bloco liderado pela Rede, do senador Randolfe Rodrigues, está com dificuldade de encontrar um candidato a presidente do Senado que cumpra dois pré-requisitos: represente a renovação da política e a independência em relação ao governo. Renan Calheiros, que caminha para ser o nome do MDB, não é renovação. E os demais que se apresentaram até agora — Davi Alcolumbre e Major Olímpio — não são independentes. É por aí que o senador Tasso Jereissati pretende se lançar. Falta, entretanto, combinar com o PSDB.

Mudança & comando

Ao escolher o deputado Major Vitor Hugo, de primeiro mandato, para líder do governo, Bolsonaro dá dois recados aos políticos: quer realmente mudar a forma de se relacionar com o Parlamento. E, para completar, o fato de Major não ser muito conhecido na Casa, é lido como um sinal claro de que quem vai coordenar tudo é o presidente da República.

Equilíbrio

O presidente Jair Bolsonaro tenta contrabalançar o poder do DEM na articulação política do governo.

Preservação

O fato de Vitor Hugo não pertencer ao eixo Rio de Janeiro-São Paulo também preserva o espaço dos filhos do presidente que fazem política nesses dois estados.

Estimular para embaralhar

Deputados aliados de Fábio Ramalho começaram a estimular outros colegas a entrarem na disputa pela Presidência da Casa. Quanto mais candidatos, avaliam, mais difícil para Rodrigo Maia manter um mapa fiel dos votos.

Curtidas

Onde passa boi…/ A prisão domiciliar do deputado Chiquinho da Mangueira provocará uma corrida de outros presos da Operação Furna da Onça ao Superior Tribunal de Justiça. Quem ainda não recorreu prepara a papelada do recurso a fim de tentar o mesmo benefício ainda no plantão.

As dores do crescimento/ A vida do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) mudou. Até dezembro, ele era líder dele mesmo e não precisava dar satisfação a ninguém. Agora, tudo o que é feito tem de ser discutido com outros quatro.

Longe de confusão/ O secretário especial de Regulação Fundiária do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, arrancou risadas de quem acompanhava uma entrevista coletiva. Ao avistar um repórter com um crachá de visitante na cor rosa, chamou atenção. “Menino, tem de avisar o pessoal lá embaixo que menino é crachá azul e menina crachá rosa”, brincou. Ele adotou o tom da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. “É para evitar conflito no governo”, disse às gargalhadas.

Restou o recado/ O presidente Jair Bolsonaro sonhou em assinar a extradição de Cesare Battisti. Michel Temer o fez. Sonhou em entregar o terrorista às autoridades italianas. Não conseguiu. Sobrou, porém, anunciar que condenados em outros países por terrorismo não terão mais abrigo no Brasil, um país que respeita decisões judiciais de nações amigas. Como diziam ontem alguns diplomatas, caso encerrado. Bola para frente.

Colaborou Otávio Augusto

Renan e Ramalho ganham força, e MDB pode comandar Senado e Câmara

renan calheiros
Publicado em coluna Brasília-DF, Política

Cansados do que chamam de interferência do Judiciário no Legislativo, deputados e senadores começam a olhar com mais interesse a candidatura do senador Renan Calheiros (MDB-AL) e a do deputado Fábio Ramalho (MDB-MG).

À época da prisão do então senador Delcídio do Amaral (PT-MS), em 2015, Renan foi enfático ao dizer que um senador não poderia ser preso no exercício do mandato sem julgamento. Discordou da maioria. Na visão dos senadores, é considerado como aquele que, no momento difícil, tem coragem de defender prerrogativas do Poder Legislativo, mesmo quando não tem aplausos da população.

Na Câmara dos Deputados, a situação que leva muitos para o colo de Fábio Ramalho é o caso da cassação do mandato de Paulo Maluf, em agosto do ano passado. Deputados que se reelegeram ainda se dizem engasgados com o fato de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ter cumprido a decisão de Edson Fachin, de que a Mesa Diretora deliberasse a cassação do mandato.

À época, Maia tomou a decisão com mais três integrantes da Mesa para proteger a imagem da Casa. Porém, em conversas reservadas, deputados reclamam. Dizem que ele deveria ter levado o caso ao plenário, a instância que deve se pronunciar sobre perda de mandato de parlamentares.

#Ficaesperto: Se essa lógica prevalecer, o DEM, que disputa a presidência das duas Casas, pode terminar a ver navios.

A fórmula 

Embora o Senado esteja mais pulverizado do que há quatro anos, ou seja, com mais partidos, o MDB planeja repetir a estratégia que levou Renan Calheiros à vitória, em 2015: fechar os cargos da Mesa Diretora apenas com aqueles partidos que apoiaram o candidato oficial da bancada. Se vingar, quem apoiar outros candidatos perderá a vaga.

PT caminha para apoiar Renan

O PT do Senado caminha para apoiar Renan Calheiros. Isso porque, dos candidatos que se apresentaram até agora, o emedebista é visto como o mais distante do governo Bolsonaro.

Se o PSDB quiser disputar a Presidência do Senado, corre o risco de ficar sem a primeira vice-presidência, cargo que lhe cabe hoje se prevalecer a tradição de respeito à proporcionalidade.

Em 2015, o PSDB apoiou Luiz Henrique contra Renan Calheiros e terminou fora da Mesa Diretora, porque os partidos que apoiaram o candidato oficial do MDB fecharam a chapa sem levar em conta aqueles que optaram pelo candidato avulso.

Alto verão

A perspectiva de condenação do ex-deputado e ex-assessor Rodrigo Rocha Loures deixou o grupo de políticos ligado ao presidente Michel Temer preocupado. Há quem diga que o sossego terminará antes do carnaval.

Dois coelhos

A campanha publicitária que o governo pretende promover para esclarecer a população sobre o uso de armas de fogo é considerada mais um instrumento para dar segurança ao Parlamento na hora de votar a legislação depois do decreto presidencial.

Reforma da Previdência opõe militares e Paulo Guedes

Militares
Publicado em coluna Brasília-DF

Dentro do governo, o embate sobre a reforma da Previdência será em torno do grau de sacrifício a ser cobrado dos militares. Parte da equipe econômica está disposta a não cobrar tantas mudanças nas aposentadorias e pensões das Forças Armadas. Porém, há quem diga que, se o presidente Jair Bolsonaro ceder demais a eles, ficará difícil cobrar grandes sacrifícios das demais carreiras de Estado. Os militares estão divididos. Enquanto uma parcela não se incomoda em dar sua contribuição à reforma, outra considera que já passou muito tempo desprestigiada nos governos anteriores. O desafio está lançado e todos estão de olho. Se os militares forem muito “beneficiados”, há quem diga que será mais difícil aprovar qualquer projeto na Câmara e no Senado.

O corpo fala

Militares estarão de olho hoje no comportamento do presidente Jair Bolsonaro e do vice, o general Hamilton Mourão. É que já tem gente nas Forças Armadas se referindo à parceria entre eles com a seguinte expressão: “casal em fim de casamento”. Isso, em 11 dias de governo, ou seja, fase que deveria ser de lua de mel. Se é pura intriga ou não, o futuro dirá. Mas as referências são reais.

Jogo não está empatado

O vice Mourão tem um filho nomeado e o presidente tem um filho chamado para prestar esclarecimentos ao Ministério Público a respeito de um ex-assessor.

Um bloco anti-PSL

A decisão do PSB de não apoiar Rodrigo Maia caminha para levar a escolha do presidente da Câmara a um segundo turno e, por tabela, tirar espaço do PSL nas comissões importantes da Casa. O cálculo interno no PSB é o de que, se o partido conseguir reunir num bloco algo em torno de 70 deputados ou mais, terá musculatura suficiente para, mais à frente, buscar posições de destaque nas comissões técnicas da Casa, impedindo que o partido de Jair Bolsonaro conquiste o comando daquelas estratégicas, como Finanças e Tributação.

Os trabalhos de Aécio

O deputado eleito Aécio Neves tem defendido internamente a candidatura de Rodrigo Maia a presidente da Câmara. Geraldo Alckmin até agora não se manifestou.

Por falar em Alckmin…

Entre os deputados, há quem esteja comparando a campanha de Rodrigo Maia àquela que terminou por prejudicar a candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República: Fechou acordo com as cúpulas dos partidos, mas se esqueceu da patuleia.

O povo é pra lá…/ Um dos memes que está provocando gargalhadas na comunidade jurídica de Brasília dá conta de uma conversa fictícia entre o presidente Jair Bolsonaro e o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. A conversa começa assim: “Ô, Kakay” (…) “É o Jair aqui. Maluf me indicou seu nome. O Aécio também. E o Jucá. E a Roseana. E o Ciro Nogueira. Até o ACM me indicou seu nome numa sessão de psicografia”.

… de criativo/ Kakay, então responde: “Rapaz, o ACM. Eu tava mesmo precisando dar uma palavra com ele. Mas em que posso ajudá-lo, presidente?” “Não é para mim, não, é para o motorista do meu filho Flávio”, diz o fictício Bolsonaro. “Vixe, filho é sempre um problema. É aquele que falou em invadir o STF?”, pergunta o advogado. “Não, esse aí é o Eduardo.” “Ah, é aquele que fala muito no Twitter”, chuta o imaginário Kakay. “Não, esse é o Carlos.”

Moro em “casa”/ O ministro da Justiça, Sérgio Moro (foto), tem aproveitado o tempo fora do gabinete em Brasília para trocar ideias em jantares com colegas de outros ministérios.

#Ficaadica/ Os políticos estão estranhando os horários das reuniões e posses. Nos últimos governos, tudo atrasava. Agora, a pontualidade tem sido britânica. Entre os militares, então, nem se fala. A transmissão de cargo no comando da Marinha começou pontualmente às 10h30. Hoje, por exemplo, tem posse no Comando do Exército. E bom acertar os ponteiros.

Economia, segurança jurídica e combate à corrupção serão os cartões de visita de Bolsonaro no Fórum de Davos

Davos
Publicado em coluna Brasília-DF

Com o dólar em baixa, a bolsa em alta e a Previdência em pauta, o presidente Jair Bolsonaro apresentará maravilhas de seu governo aos economistas e presidentes no Fórum Econômico de Davos, na Suíça. A expectativa do governo é a de que essas notícias, associadas ao ajuste fiscal e à “segurança jurídica”, ou seja, a regras claras em todos os setores, ajudem a atrair novos investimentos. Aliás, a medida provisória de combate a fraudes nos benefícios previdenciários será incluída na bagagem como prova da atenção do governo às contas públicas.

» » »

Aliás, o presidente, embora dê alguns recados sobre vários temas em seus discursos e no Twitter, está convencido de que o cartão de visitas será mesmo a economia e o combate à corrupção. Na visão de alguns de seus estrategistas, outros assuntos tendem a se tornar acessórios com o passar dos dias.

Militares, o teste

Os políticos aguardam para ver se o presidente Jair Bolsonaro dirá sim a todos os pedidos dos militares, da mesma forma que o ex-presidente Lula fazia com as solicitações dos sindicatos. A resposta a essa pergunta será dada durante a negociação da reforma previdenciária. Já está decidido que os militares serão incluídos. Resta saber em que patamar.

Por falar em Lula…

A depender do que tem dito o ex-ministro Antonio Palocci nos depoimentos e delações premiadas, o PT ficará afônico de tanto gritar “Lula livre”, sem sucesso.

Senado no escuro I

Por enquanto, os senadores ainda não conseguiram sentir como está o humor da maioria em relação à escolha do novo presidente. No Nordeste, por exemplo, de 18, só três se reelegeram. Nem o experiente Renan Calheiros (MDB-AL) consegue vislumbrar quem está disposto a seguir a tradição da maior bancada de indicar o presidente.

Situação começa a clarear

Ao negar o pedido de Kim Kataguiri (DEM-SP) para a escolha do presidente da Câmara por voto aberto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, deixou clara que também decidiria em favor do voto secreto no Senado, o que acabou acontecendo, conforme antecipou a coluna ontem. Melhor para o nome do MDB, leia-se Renan Calheiros, e pior para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que será traído por alguns partidos dos nove que o apoiam.

Enquanto isso, na oposição a Maia…

Que ninguém se surpreenda se o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) começar a insuflar aqueles que desejam concorrer à Presidência da Casa. É que, no quadro atual, quanto mais candidatos houver, maior a certeza do segundo turno.

E o Tasso, hein?/ Pré-candidato a presidente do Senado, Tasso Jereissati (CE) ainda está em férias. Ainda nem começou a ligar para os senadores pedindo voto. Ali, prevalece a máxima, “quem chega primeiro bebe água limpa”.

O alto verão de Izalci/ O senador eleito Izalci Lucas, do PSDB do DF, viaja domingo para a base brasileira Comandante Ferraz, na Antártica. O convite foi feito pelo comandante da Marinha, Ilques Barbosa Júnior, durante a solenidade de transmissão de cargo. Já é a terceira vez que o deputado é convidado, e a primeira em que ele vai. Nas outras, repassou o convite ao chefe de gabinete. Agora, vai para trazer na bagagem as linhas gerais da frente parlamentar mista de apoio à ciência, tecnologia, inovação e pesquisa.

Por falar em Marinha…/ Na cerimônia de transmissão de cargo, o almirante Ilques Barbosa Júnior afirmou que o Brasil esteve ao lado dos Estados Unidos em três guerras mundiais, o que causou estranheza a quem estava presente, pois o mundo enfrentou até hoje a 1ª e a 2ª guerra mundiais.

… guerra fria conta/ Perguntado sobre qual seria a terceira, ele disse que, ao citar um terceiro conflito, se referia à chamada Guerra Fria. Na ocasião, Estados Unidos e a extinta União Soviética trocaram ameaças contundentes. Não houve combate armado, porém, de acordo com o comandante, “o Brasil tinha um lado”. E continuará nesse lado.

Colaborou Renato Souza

Nos bastidores do jurídico, já é certo que a eleição para a Presidência do Senado terá voto secreto

Senado
Publicado em coluna Brasília-DF

A depender do que se comenta nos bastidores do mundo jurídico, os senadores podem se preparar para a eleição do novo presidente da Casa por voto secreto. É que, depois do recurso do Solidariedade e do MDB ao Supremo Tribunal Federal (STF), a tendência do presidente da Suprema Corte, ministro Dias Toffoli, é analisar o pedido dos partidos dentro daquilo que vale até no regimento do STF para escolha do seu próprio presidente e também para a Presidência da República: votação secreta.

A barganha da Previdência

Nas conversas com ministros ontem, o governo concluiu que é melhor investir numa mudança mais profunda da Previdência, como o regime de capitalização. Assim, deixará que o Congresso faça os ajustes a fim de aprovar o que for possível. Se, no texto a ser enviado ao Legislativo, o governo for tímido, a reforma a ser aprovada terá o tamanho de um amendoim, e não resolverá sequer metade do problema.

Ritual eleitoral I

Ex-líder da bancada emedebista e ex-presidente do Senado, Renan Calheiros avisa aos interessados que “o mais importante é a unidade do MDB”. Por isso, não se colocará como candidato antes de o partido decidir quem terá os seus 13 ou 14 votos (os emedebistas têm expectativa da filiação do senador Elmano Ferrer, do Piauí). “Não posso ser candidato em movimento anterior ao do MDB. O partido é quem escolherá o seu candidato”, disse Renan à coluna.

Ritual eleitoral II

Para bons entendedores, o recado está dado: Renan, se for escolhido pela bancada (e até aqui nada indica uma posição diferente), terá o apoio fechado de seu partido. Numa casa pulverizada, como está o Senado

Ritual eleitoral III

A reunião do MDB está marcada para 31 de janeiro. A do PSD, a terceira maior bancada, está prevista para o dia seguinte, ou seja, já com a posição do MDB definida. Quem ainda não se posicionou foi o PSDB do senador Tasso Jereissati (CE). Entre os tucanos, há quem diga que ele está com dificuldades de fechar o próprio partido em torno do seu nome. O PSDB não conseguiu
vencer as disputas internas.

Onde pega

Quem estuda atentamente as redes sociais aconselha o governo a retomar urgentemente o “governar pelo exemplo”, defendido diariamente pelo presidente Jair Bolsonaro. A nomeação do filho do vice-presidente, Hamilton Mourão, no Banco do Brasil, ainda que ele seja servidor de carreira e não tenha pedido para ser nomeado, desgasta o governo nessa largada, assim como o desconhecimento dos convites para que o senador eleito Flávio Bolsonaro preste esclarecimentos a respeito da movimentação do ex-assessor Fabrício Queiroz. Ainda que seja para dizer “não sei de nada”, é de bom tom comparecer.

Conversa republicana I/ O novo ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, telefonou para o ex-senador Francisco Escórcio nesta semana. Conforme relato do próprio Chiquinho, como todos o chamam, o ministro foi direto: “Estou aqui desde o dia 2, e o senhor não apareceu. Liguei para lhe comunicar que o senhor será exonerado.”

Conversa republicana II/ Chiquinho contou à coluna que também foi no ponto: “Muito obrigado. Não fui, porque havia mandado uma carta para o senhor pelo general Etchegoyen, com o meu telefone e me colocando à sua disposição. Pena que não tive oportunidade de conhecê-lo pessoalmente. Fui senador, duas vezes colega de Bolsonaro na Câmara”. Despediram-se e a conversa terminou aí. Chiquinho, ontem, ainda não havia falado nem com Bolsonaro, nem com José Sarney, de quem é fiel escudeiro.

Por falar em Bolsonaro…/ Se tem algo que o presidente preza são os gestos de solidariedade. Enquanto estava no hospital, recuperando-se das cirurgias a que foi submetido depois do atentado em Juiz de Fora, ele recebeu a visita do vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho, o Fabinho Liderança, hoje candidato a presidente da Casa. O deputado mineiro colocou-se à disposição para ajudar a família no que fosse preciso. Do presidente da Casa, Rodrigo Maia, não houve esse movimento.

… ele vai coordenar/ Embora esteja distante da disputa da Presidência da Câmara, será dele a coordenação com os congressistas para aprovação das reformas, em especial, a da Previdência.

As lições de Sarney

Publicado em coluna Brasília-DF
Chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de “meu marechal” no dia da posse, o ex-presidente José Sarney desembarca em Brasília na semana que vem para mergulhar nos bastidores da política. Um dos ensinamentos a Bolsonaro será escolher as batalhas. Nesses primeiros dias, o presidente Bolsonaro e seu governo se lançaram em várias frentes ao  mesmo tempo. Previdência, vai e vem de aumento e redução de impostos, fusão da Embraer, extinção da Justiça do Trabalho, revisão de áreas indígenas, demissões gerais e irrestritas, constrangimentos com o mundo árabe por causa da mudança da embaixada em Israel para Jerusalém e por aí vai.
Para completar, Bolsonaro ainda foi responder a um post de Fernando Haddad no Twitter. Um presidente da República tem muito mais o que fazer do que se deixar levar por provocações da oposição. Quem entende das coisas e tem anos de estrada sabe que o foco de um presidente neste momento deve ser a principal batalha. No caso de Bolsonaro, economia e, nela, a geração de empregos. Afinal, um governo se perde quando a economia derrapa. E essa batalha, Bolsonaro, se quiser ter sucesso, não pode perder.
O IR será chamariz
Na entrevista em que mencionou a redução do Imposto de Renda, o presidente Jair Bolsonaro terminou por colocar, mais cedo na roda, a correção da tabela do IR, algo que a equipe econômica guardava para dar como uma compensação à reforma tributária.
Acabou a surpresa.
Investigação segue
Engana-se quem pensa que está esquecido o caso de Adélio Bispo, que tentou matar o presidente Jair Bolsonaro durante a campanha. A Polícia Federal agora está dedicada a saber quem contratou o advogado que defendeu o criminoso.
O troco será no Senado
Partidos que se sentem desprestigiados pelo governo caminham para apoiar Renan Calheiros na briga pela Presidência do Senado. Tudo para evitar que a Casa termine nas mãos de Davi Alcolumbre (DEM-AP). Quanto a Major Olímpio (PSL-SP), a sensação de parte dos senadores é de que a candidatura tem por objetivo servir de moeda de troca mais à frente.
Rodrigo, em cima do lance…
Assim que o PRB o apoiou na corrida para presidente da Câmara, Rodrigo Maia convidou o deputado João Campos (PRB-GO) para uma conversa na qual agradeceu a postura na primeira fase da disputa e pediu voto. Afinal, Campos retirou o nome, mas não perdeu a força. É considerado peça fundamental entre os eleitores da bancada evangélica.
 
…do adversário
O vice-presidente da Casa, Fábio Ramalho, também candidato, tem cercado os votos dos evangélicos e, nesta semana, apostará no governo. Ele terá um encontro com o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira, a fim de ver se consegue balançar o apoio do PSL a Rodrigo Maia.
CURTIDAS  
O general é pop I / Nunca antes na história do país um ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional foi tão festejado como general Heleno (foto). Ontem, por exemplo, foi flagrado por um leitor da coluna passeando num shopping da cidade.
O general é pop II / O general não conseguiu dar 10 passos sem que alguém o parasse, sempre com palavras de incentivo. Simpático, posou para selfies, pegou crianças no colo, distribuiu sorrisos e agradecimentos a todos que o paravam para parabenizá-lo e desejar boa sorte no governo.
A moda pegou / No dia da diplomação do presidente Jair Bolsonaro, o ministro do TSE Admar Gonzaga foi criticado por ter ficado de frente para a Bandeira Nacional no momento do hino. Muitos disseram que foi um gesto de protesto, porque, como a bandeira fica no canto do auditório, ele ficou de costas para seus colegas e para o então presidente eleito. Nas cerimônias de posse em alguns ministérios, o gesto foi repetido.
A moda é antiga / O ex-ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, por exemplo, gaúcho e acostumado desde os tempos de escola a ouvir o Hino Nacional com os olhos voltados para bandeira do Brasil, fez com que o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o ex-ministro do Esporte, Leandro Cruz, lhe acompanhassem no gesto. Os três ouviram o Hino de costas para a
plateia na posse de Osmar.

Bolsonaro deve rescindir contratos de aluguel e mexerá no bolso de Luiz Estevão

Bolsonaro mexerá no Bolso de Luiz Estevão
Publicado em coluna Brasília-DF

Para desespero dos empresários que alugam prédios para o poder público federal, a intenção do governo Jair Bolsonaro é fazer com que a administração central fique concentrada na Esplanada dos Ministérios. Há quem diga que, se distribuir melhor os espaços, cabe. São 19 prédios na Esplanada, incluindo a Justiça e as Relações Exteriores, que têm seus palácios. Quatro pastas estão dentro do Palácio do Planalto. O Banco Central também tem a própria sede. Todos têm anexos.

» » »

A ideia do governo é entregar praticamente todos os imóveis alugados. Os contratos que podem ser encerrados no curto prazo ainda estão em fase de levantamento. Mas, segundo alguns ministros, já é possível afirmar que um dos que perderá dinheiro nessa história é o empresário Luiz Estevão, que administra seu império a partir da Papuda desde março de 2016. Em dezembro, ele completou mil dias de cadeia. Se o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decidir seguir pelo mesmo caminho, o faturamento despencará da casa dos milhões.

 

Um pé no Nordeste

O telefonema do governador do Ceará, Camilo Santana, pedindo apoio da Força Nacional de Segurança para ajudar a conter a onda de violência que assola o estado é vista como a porta de entrada do governo Jair Bolsonaro na região onde o PT continua forte em termos eleitorais. Por ironia do destino, o secretário de Segurança Pública, general Theófilo, que vai cuidar do caso, foi o adversário de Camilo Santana na eleição.

 

Não foi por falta de aviso

Há um ano, o deputado Danilo Forte (PSDB-CE) pediu que o presidente Michel Temer decretasse intervenção no Ceará por causa das ações do crime organizado. Na época, Camilo Santana disse que estava tudo sob controle. Agora, passada a posse, os ataques voltaram e uma janela se abre para o governo federal ajudar o petista.

 

Gabinetes invadidos

Não foi apenas o PT que sofreu com a invasão de gabinetes na Câmara. Nas transmissões de cargos, vários servidores de carreira, técnicos, tiveram suas salas arrombadas e maçanetas quebradas. Muitos consideraram a atitude inexplicável, uma vez que a segurança tem chave-mestra que poderia ter sido usada na varredura.

 

Renan e o PSL

O lançamento da candidatura do senador Major Olímpio à Presidência do Senado é a estratégia do presidente do PSL, Luciano Bivar, para contrabalançar o apoio a Rodrigo Maia (DEM-RJ). O PSL lança apenas para não ter que apoiar Renan. Rápido no gatilho, Renan fez chegar ao governo que pisará no acelerador das reformas constitucionais. O gesto de Renan deixa um problema para Bolsonaro: se o partido do presidente ficar com Major Olímpio e Renan vencer, as dores de cabeça vão sobrar para o governo.

Conselhos a Bolsonaro I/ O presidente está sendo aconselhado por personalidades de Brasília a restaurar a disposição original dos móveis do Palácio da Alvorada. Pela retomada das cadeiras azuis, flagrada ontem pela TV Globo, há quem diga que ele acolherá a sugestão. Resta saber se fará o mesmo em relação às imagens sacras.

Conselhos a Bolsonaro II/ A capela do Alvorada, anexa ao prédio principal, também precisa de algum ajuste. No período em que Dilma se manteve afastada do Planalto, cuidando da defesa no processo de impeachment, a capela foi transformada em escritório para assessores.

Humor e governo I/ Depois de o chanceler Ernesto Araújo (foto) ganhar o apelido de Beato Salu, personagem da novela Roque Santeiro, de 1985, foi a vez da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, ganhar a alcunha de “Dilma do governo Bolsonaro”, dada a capacidade de proferir frases inspiradoras de memes, como a tal “meninas de rosa e meninos de azul”.

Humor e governo II/ Gente do próprio governo Bolsonaro se lembrou na hora da frase de Dilma sobre as crianças, “sempre que você olha uma criança, há sempre uma figura oculta, que é um cachorro atrás”.