Falir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A gráfica que imprime com método seguro as provas do Enem decretou a autofalência. Resultado: trouxe ao noticiário o verbo falir. Falir é defectivo. Só se conjuga nas formas em que não se confunde com falar. São aquelas em que aparece o i depois do l. No presente do indicativo, apenas o nós e o vós têm vez (falimos, falis). O presente do subjuntivo não […]

Vírgula 8: endereços

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Ao escrever o endereço, use vírgula entre o nome do logradouro e o número da casa ou edifício: Avenida Lins de Vasconcelos, 234; Avenida Paulista, 316, apartamento 13. Nos endereços de Brasília, não use vírgula entre a indicação da quadra ou do setor e o número: SQS 310, bloco C, ap.407; SCLN 208, bloco C, loja 5.    

É um barato: origem

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A origem de barato? Só podia ser ela. A palavra vem da língua do povo que mais sabe negociar no mundo. É o árabe. No idioma de Maomé e de Camões, mantém o significado: preço baixo. Ora, como o corpo é a parte mais sensível do corpo, o brasileiro lhe acrescentou um ingrediente. Diz “o maior barato”. Eta coisa boa!

Preço caro? Nãooooooooo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Uiiiiiiiiiiii! A parte mais sensível do corpo? É o bolso. Esta semana ele geme de dor. Por quê? O preço da gasolina disparou. São dois os responsáveis — a alta do dólar e a valorização do barril de petróleo no mercado internacional. A imprensa noticiou o fato, claro. Não deu outra. Repórteres disseram que “o preço da gasolina está caro”. Bobearam. Caro e barato estão […]

Dia, mês e ano: grafia e poupança

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Hoje começa novo mês. Olho vivo, marinheiro de poucas viagens. O primeiro dia do mês tem privilégios. Grafa-se com numeral ordinal. Os demais se contentam com o cardinal: É 1º de abril. Viajo no dia 30 de setembro. Trabalhei de 15 a 30 de março sem folga. Economia Que tal fazer economia? Em época de vacas magras, desperdiçar é proibido. Faça dois cortes. Um: deixe pra […]

Vírgula 7: orações deslocadas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na ordem direta, a oração principal vem na frente. A adverbial, atrás. Assim: Ordem direta: O presidente disse isso quando chegou. Ordem inversa: Quando chegou, o presidente disse isso. Ordem direta: Correu muito porque temia perder o voo. Ordem inversa: Porque temia perder o voo, correu muito. Ordem direta: Trabalho nos fins de semana para aumentar minha renda. Ordem inversa: Para aumentar minha renda, trabalho […]

Vírgula 6: termos deslocados

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A ordem direta – sujeito, verbo, complementos – é a preferida da clareza. Ela evita erros comuns ao ritmo apressado do trabalho. Mas, volta e meia, a inversa tem a vez. A vírgula, então, entra em campo. Com um cuidado: mesmo deslocados, sujeito e objeto não se isolam: Maria comprou uma bolsa na liquidação (ordem direta). Comprou Maria uma bolsa na liquidação (ordem inversa). Uma […]

Dia da Mentira: origem

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A história veio ao mundo no século 16. Naqueles tempos idos e vividos, comemorava-se o ano novo durante uma semana — de 25 de março a 1º de abril. Mas, como quem fica parado é poste, em 1564 veio a mudança. O rei da França Carlos IX instituiu um novo calendário. Resultado: o ano novo passou a ser celebrado em 1º de janeiro. Sem internet, […]

Vírgula 5: orações explicativas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua é um conjunto de possibilidades. Flexível, oferece vários jeitos de dizer a mesma coisa. Veja: O aluno estudioso tira boas notas. O aluno que estuda tira boas notas. Ambas as frases dizem que há alunos e alunos. Não é qualquer um que tira boas notas. Só chega lá quem se debruça sobre os livros. Numa, o termo restritivo é adjetivo (estudioso). Noutra, oração […]

Vírgula 4: termos explicativos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O termo explicativo tem várias caras. Uma é velha conhecida. Chama-se aposto. Os professores ensinam que ele não faz falta. Verdade? Sim. A ausência da ilustre criatura não causa prejuízo ao entendimento da frase. Por isso, ela vem obrigatoriamente separada por vírgula ou travessões: D. Pedro II, imperador do Brasil, morreu em Paris. Brasília — a capital desta alegre Pindorama — tem atraído a curiosidade […]