Bolsonaro2

Temor no governo é de que investigações sobre a morte de Marielle cheguem aos filhos de Bolsonaro

Publicado em Economia

RODOLFO COSTA

O entorno do presidente da República, Jair Bolsonaro, acredita piamente que ele não tem nada a ver com a morte da vereadora do Rio Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes. Mas há uma preocupação visível de que as investigações cheguem aos filhos do presidente.

 

No Palácio do Planalto, mesmo com toda a crítica pelo vazamento de informações de um processo que corre em segredo de Justiça, se debate até onde as investigações policiais podem chegar. A citação do nome de Bolsonaro levantou questionamentos sobre os filhos nesse caso. Há suspeitas de envolvimento deles com as milícias, acusadas de matar Marielle e o motorista dela.

 

Apesar das desconfianças, o clima é de revolta no Planalto: “Estamos indignados com a denúncia”, diz um dos mais próximos assessores de Bolsonaro, em relação às notícias veiculadas pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, sobre o depoimento à polícia de um dos porteiros do condomínio onde o presidente tem casa. O porteiro disse que, no dia da morte da Marielle e de Anderson, um dos envolvidos no assassinato, Élcio Queiroz, teria dito que iria para a residência de Bolsonaro.

 

Suspeição

 

Na avaliação de integrantes do Planalto, o governo precisa debelar o mais rapidamente possível essa crise, para dissipar o clima de suspeição que paira no ar e que pode atrapalhar muito o governo em seus projetos de reanimar a economia do país.

 

Para isso, acreditam que o governo deve dar a maior visibilidade a todas as informações. “Nesse caso, a transparência será tudo”, reforça outro assessor presidencial, que vê um clima parecido com a fatídico 17 de maio de 2017, quando vazaram os áudios de uma conversa entre o então presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

 

A crise política detonada por aquele fato enterrou todas as chances de Temer aprovar a reforma da Previdência, que saiu no atual governo e está próxima de ser promulgada. Bolsonaro tem pela frente duas reformas importantes para tocar: a tributária e a administrativa. Mas isso exige tranquilidade política.

 

“Vamos ver quanto tempo levará para a poeira baixar. O governo não pode deixar nenhuma ponta dessa história desamarrada”, alerta um terceiro integrante do Planalto.

 

Brasília, 15h45min