Falta de aviões dificulta operações de emergência

Publicado em Covid-19, Governo Bolsonaro

Em fevereiro deste ano, a coluna Brasília DF trouxe com exclusividade a notícia de que o governo brasileiro demorou a fazer o resgate dos brasileiros em Wuhan, porque não tinha um avião de grande porte da Força Aérea disponível para a operação, nem Airbus, nem Boeing. A licitação de leasing está suspensa por ordem do Tribunal de Contas da União (TCU), que apura se houve irregularidades na operação. Enquanto a pendência não for resolvida, o país está sem uma aeronave destinada a resgate de brasileiros em situação de risco, como no caso do coronavírus. Num país deste tamanho, a situação é um fiasco aéreo.

Para quem não acompanhou, vale lembrar: Em 2019, a Comissão Aeronáutica Brasileira em Washington (CABW) do Comando da Aeronáutica cancelou uma licitação de US$ 30 milhões, do Grupamento de Apoio Logístico do Comando da Aeronáutica (GAL), feita ainda no governo Michel Temer, para a compra de um Boeing, vencida pelo consórcio Cloud Aria. Depois, abriu outra licitação para leasing do mesmo tipo de aeronave. Resultado, a Aria foi ao TCU e pediu que se abrisse uma investigação, alegando ato antieconômico, porque o leasing estava mais caro do que a compra do avião em US$ 10 milhões. O processo ainda está em fase de análise.

A aeronave que teve a compra cancelada pelo governo sem maiores explicações fez falta lá atrás, conforme registrou a coluna. E faz falta agora para o transporte de pacientes em Manaus.

Eleição de 2022 está por trás do veto de Bolsonaro à vacina chinesa

Vacina chinesa
Publicado em Covid-19

Nem sabatina, nem operações da Polícia Federal. O que pega fogo agora pela manhã na politica são as declarações do presidente Jair Bolsonaro, desautorizando o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no acordo para compra da Sinovac, a vacina chinesa contra covid-19.

Há constrangimento no Ministério da Saúde e já tem algumas autoridades inclusive em consultas ao Congresso e à Justiça, uma vez que, se a vacina for eficaz e aprovada cientificamente, não há motivos para toda essa reação por parte do presidente da República.

O ministro Pazuello afirmou, nessa terça-feira (20/10), que a vacina do Instituto Butantã será a “vacina do Brasil”, numa tentativa de zerar a guerra ideológica envolvendo a vacina produzida inicialmente na China e dar segurança para que o país possa começar a vacinação já primeiro semestre do ano que vem.

O constrangimento no Ministério da Saúde, diante das declarações do presidente Jair Bolsonaro, que, em letras garrafais, respondeu a apoiadores no Facebook que a vacina chinesa não será comprada. O presidente falou a apoiadores, que lhe cobraram explicações sobre a compra da vacina chinesa. O presidente, então, partiu para cima do ministro, disse que a vacina era de João Dória e que a população brasileira não serviria de cobaia.

O receio agora entre os técnicos é que o presidente não permita que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) certifique a Sinovac. Bolsonaro considera que Dória quer usar a vacina como plataforma eleitoral para 2022 e, daí, dizem aliados do presidente, a reação ao acordo fechado por Pazuello.

O Brasil tem outras três vacinas em testes, a da AstraZeneca (Universidade de Oxford), a da Pfizer e a Jansen. O problema é que a está mais adiantada hoje no Brasil é a Sinovac, em parceria com o instituto Butantã.

Câmara cria grupo para estudar volta das sessões presenciais

Publicado em Covid-19

Reza a lenda que, quando o poder público, seja Executivo, Legislativo ou Judiciário, não quer resolver algo no curtíssimo prazo, cria um grupo de trabalho para estudar o tema. Foi exatamente o que fez o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, fez em reunião hoje com os líderes, para definir a data de retorno das sessões plenárias da Casa: Uma Comissão de parlamentares esta encarregada de, em 15 dias, estudar a forma mais segura de retomada.

O grupo foi criado e ainda terá seus integrantes designados, ou seja, esse prazo ainda não começou a contar. Depois de definida essa fórmula, o modelo será submetido aos líderes partidários e à Mesa Diretora. Realmente, não é fácil voltar, uma vez que não há microfones em todas as mesas e nem cadeiras em plenário para os 513, ou mesmo, respeito ao distanciamento social. Além disso, ainda não se sabe quantos têm comorbidades que podem agravar a covid-19, em caso de contaminação, e nem a certeza de leitos hospitalares disponíveis para atender a todos, se houver necessidade.

Moral da história: Nem tão cedo essas sessões serão retomadas. Mas, para dar uma satisfação ao baixo clero, ávido por um espaço de tribuna para expor suas opiniões, a comissão está criada. Tudo para não dizer que, na conjuntura atual, melhor mesmo é esperar pela vacina.

Delcídio internado com covid-19

Publicado em Covid-19

O ex-senador Delcídio Amaral está internado no hospital Cassems em Campo Grande, por causa do agravamento de seu estado de saúde. o ex-senador foi diagnosticado com covil-19 há dois dias e, diante do agravamento do quadro, foi levado à internação nesta madrugada. Aos 65 anos, Delcídio tem diabetes, o que o coloca no grupo de risco. O ex-senador tentou voltar à politica em 2018, depois de ser absolvido no caso do plano de fuga de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras enroscado na Lava Jato. Na época, 2015, Delcídio foi preso e teve o mandato cassado por causa da investigação.

Mourão minimiza pandemia e diz que brasileiro “não tem medo” da covid-19

Hamilton Mourão
Publicado em coluna Brasília-DF, Covid-19, Governo Bolsonaro
Brasília-DF, por Carlos Alexandre de Souza

Ao afirmar que o brasileiro médio “não tem medo” da pandemia de covid-19, o vice-presidente Hamilton Mourão caiu na tentação de teorizar sobre o chamado “povo”. É mal frequente nos gabinetes de Brasília lançar interpretações vagas sobre a realidade nacional, sem o respaldo de estatísticas nem de dados reconhecidos. No contexto da pandemia, trata-se de uma temeridade. Ainda está recente na memória a declaração do presidente Bolsonaro sobre a nossa inata resistência imunológica ao novo coronavírus.

“O brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali, sai, mergulha, tá certo? E não acontece nada com ele”, disse em março, em uma das inúmeras ocasiões em que minimizou a doença que já matou mais de 73 mil compatriotas. Ontem, em um raciocínio arriscado, Mourão sustentou que o brasileiro não teria receio da covid porque já se habituou a outras calamidades nacionais, como a violência, a pobreza, o transporte público.

Nesse sentido, a covid seria apenas outra desgraça do dia a dia, um novo normal dessa tragédia. Não há como evoluir nessa argumentação. Ontem Bolsonaro reafirmou que a “desinformação foi largamente utilizada” no enfrentamento do coronavírus e que “os números da verdade perseguirão para sempre aqueles que pensaram mais em si do que na vida do próximo”. Segundo os dados oficiais do ministério da Saúde, 733 brasileiros morreram nas últimas 24 horas por covid-19. Com medo ou sem medo.

Sem provas

Abraham Weintraub, antes de sair às pressas para os Estados Unidos, também era conhecido por generalizações e teorias não comprovadas sobre a sociedade brasileira. No final do ano passado, o ex-ministro foi convocado na Câmara para explicar a existência de “plantações extensivas de maconha” nas universidades. Não apresentou prova das acusações.

Azul e rosa

Também ficou conhecida a generalização da ministra Damares Alves de que “menino veste azul, e menina veste rosa”. Em seguida ela tentou se emendar: “Fiz uma metáfora contra a ideologia de gênero, mas meninos e meninas podem vestir azul, rosa, colorido, enfim, da forma que se sentirem melhores.”

Na mira

Abatido em combate pelo chefe durante a batalha contra a covid-19, o ex-ministro Mandetta se juntou às fileiras com Gilmar Mendes e criticou a presença ostensiva de militares na pasta que comandou. Segundo ele, Pazuello e seu batalhão são especialistas em “balística”, e não em “logística”. Mandetta criticou, ainda, a postura do Planalto à época. “O Presidente da República nunca deixou de saber quais eram os cenários reais (da pandemia). Não foi por desconhecimento. Foi por opção de não seguir orientações do Ministério da Saúde.”

Voto na ciência – O Tribunal Superior Eleitoral terá consultoria da fundação Fiocruz e dos hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein para adotar a melhor prevenção durante as eleições municipais de novembro. Um protocolo de segurança deverá ser seguido por eleitores, mesários e colaboradores da Justiça Eleitoral em todas as seções eleitorais. O presidente do TSE, ministro Luís Barroso (foto), agradeceu a ajuda “patriótica” das instituições de saúde, sem custos aos cofres públicos.

ECA, 30 anos – O Estatuto da Criança e do Adolescente completou 30 anos ontem. A lei que busca proteger os direitos da infância foi tema de reflexão no Senado. Fernando Collor (Pros-AL), presidente da República quando a lei foi promulgada, disse que a proteção da infância e da adolescência passa necessariamente pela educação e pelo cumprimento dos princípios defendidos pela lei. “É mais escola, e não mais prisão”, defendeu. E completou: “A solução para o problema não é simples, não é barata, não é rápida e não é mágica, mas está aí, aos olhos da sociedade”.

Desafios – O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ressaltou os desafios que se impõem ao ECA. “Apesar de ser um marco na luta pela proteção da infância e da adolescência, ainda precisamos avançar muito para reduzir as desigualdades para que o estatuto alcance toda a parcela que representa”, observou. “É uma comemoração incompleta, infelizmente”, lamentou.

Do barulho – O Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu o deputado federal Guilherme Mussi (PP-SP) de promover festas em sua residência na capital paulista. O desembargador Felipe Ferreira julgou procedente a ação movida por uma vizinha do parlamentar, inconformada com as baladas com som alto e aglomeração. Um dos agitos ocorreu em 23 de maio, durante um feriado decretado pelo governo estadual para forçar o isolamento social.

Governo dos EUA anunciam ajuda adicional de US$ 3 milhões para combate à covid-19 no Brasil

Publicado em Covid-19

No mesmo dia em que o presidente Donald Trump declarou que pode proibir vôos entre Brasil e Estados Unidos por causa do novo coronavírus, a Embaixada americana no Brasil soltou um comunicado de novos recursos no combate à pandemia. A situação da pandemia por aqui realmente preocupa as autoridades estadunidenses, ao ponto de o presidente Trump dizer que o Brasil está com alguns problemas, logo depois de declarar: “Não quero pessoas vindo para cá infectando o nosso povo”. Por aqui, a embaixada comunicou que os recursos deem ser destinados à Fiocruz. Veja abaixo a nota da Embaixada:

 ” O governo dos Estados Unidos, por meio dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), destina aproximadamente US$ 3 milhões (mais de R$ 17 milhões) para ajudar na resposta de emergência de saúde pública do Brasil à COVID-19. O CDC trabalhará em estreita colaboração com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde, com os quais a Embaixada mantém cooperação de longa data na área de saúde. Os recursos serão usados para a melhoria da detecção e do rastreamento de casos, na identificação de áreas de transmissão, no controle de surtos e no fornecimento de dados para uma reabertura segura no Brasil. Essa assistência soma-se aos US$ 950 mil anunciados em 1º de maio para apoio socioeconômico a populações vulneráveis.

Os recursos do CDC fortalecerão as operações emergenciais do Brasil, apoiando 79 centros de operação de emergência: 1 centro nacional, 27 estaduais, 26 nas capitais e 25 nos municípios com mais de 500 mil habitantes, além de fornecer aos membros da Equipe de Resposta Rápida (RRT) treinamento e oficinas sobre integração de sistemas de gestão de emergência (EMSI), gestão de RRT e Gestão de Emergências em Saúde Pública (PHEM).

Além disso, os recursos irão melhorar a saúde comunitária e na região fronteiriça, apoiar os centros de operações de emergência e laboratórios em 13 municípios fronteiriços e reforçar as capacidades entre os países parceiros para detectar e atender indivíduos doentes nas fronteiras e durante suas viagens.

Sobre o anúncio, o embaixador Todd Chapman destacou: “Essa iniciativa ajudará diretamente a FioCruz e ao Ministério de Saúde nos seus esforços para mitigar o impacto da COVID-19. Vamos continuar trabalhando juntos com Brasil para combater este pandemia”.

O Brasil e os EUA têm uma longa e produtiva colaboração em questões de saúde, incluindo pesquisa biomédica, saúde pública, doenças infecciosas, intercâmbios científicos e fortalecimento do sistema de saúde. O CDC tem cooperado ativamente com o Brasil desde 2000 e mantém um escritório no país desde 2003. Os EUA continuarão sua contínua discussão e o compromisso de trabalhar em conjunto com o Brasil para melhorar a vida dos cidadãos de nossos países e combater a COVID-19”.

Pazuello terá a missão de mudar o protocolo de uso da cloroquina na rede pública

Publicado em Covid-19

Caberá ao ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, mudar os protocolos a fim de recomendar o uso da hidroxicloroquina em pacientes de covid-19 na rede pública ainda no início do tratamento. A expectativa no Planalto é a de que essa mudança ocorra ainda hoje. O presidente Jair Bolsonaro ficou irritadíssimo ao saber que, em planos de saúde privados e, ainda, entre aqueles que se considera os maiores opositores, começou a proliferar a defesa do uso da hidroxicloroquina e o Ministério da Saúde não havia revisto os protocolos do início da pandemia, de uso apenas para casos gravíssimos. Por isso, ele chamou Nelson Teich ao Planalto, ainda na quinta-feira, e exigiu a modificação. Hoje, a situação ainda foi mais tensa quando Bolsonaro soube que até Nicolas Maduro, da Venezuela, defendeu o uso da hidroxicloroquina.

O receio do presidente era o de que o SUS, que segue os protocolos no Ministério da Saúde, terminasse com mais pacientes mortos porque seus médicos não podem prescrever a droga no início do tratamento, enquanto na rede privada, não há essa obrigação. Não por acaso, Teich consultou hospitais pelo país afora e decidiu pedir demissão.

Em tempo: Os aliados do presidente comemoraram a saída de Teich. A avaliação geral foi a de que a saída em menos de um mês é menos traumática do que ficar numa rota de desgaste. Hoje, nem o Ministério cumpria as exigências do presidente da República e nem o ministro consegue tranquilidade para agir diferente. Espera-se que o novo ministro consiga, ao menos montar uma equipe antes de entrar em rota de colisão com o presidente Jair Bolsonaro.

Prisão de suplente pega Izalci de surpresa

Publicado em Covid-19

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) tomou um susto agora há pouco ao final da sessão do Senado, ao saber da prisão temporária de seu segundo suplente, André Felipe de Oliveira, um dos representantes da empresa que vendeu os respiradores defeituosos ao governo do Pará. “Fui surpreendido, não tinha a menor ideia dos negócios dele e nem sei detalhes”, afirmou o senador ao blog.

André Felipe é do DEM e, na semana passada, foi ao Pará acompanhar in loco a entrega do material ao governo do Estado e declarar missão cumprida. Ontem, seus amigos diziam que André jamais imaginou que pudesse haver problemas nos equipamentos, uma vez que tem no governador Helder BArbalho um de seus melhores amigos. Ele jamais havia trabalhado na representação equipamentos como esses, embora tenha relações comerciais com a China. Nesse negócio dos respiradores, ele representou comercialmente a SKN do Brasil Importação e Exportação, que realizou a venda do material. A Justiça do Pará determinou o bloqueio de R$ 25,2 milhões em bens da empresa.

Na política, embora tenha sido secretário de Esportes do ex-governador José Roberto Arruda, a maior ligação hoje é com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que é do Rio de Janeiro, assim como André Felipe. Na política, o clima é surpresa total, uma vez que André Felipe disse a vários amigos estar muito feliz de poder ajudar Helder Barbalho a conseguir equipamentos necessários ao tratamento de pacientes da covil-19. Há quem diga que até o empresário está surpreso.

No STF, Bolsonaro ouviu o que não queria: reabertura não será na canetada

Bolsonaro Guedes Toffoli empresário STF
Publicado em Covid-19, STF

O presidente Jair Bolsonaro foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) com um grupo de empresários na tentativa de obter do presidente da Corte, Dias Toffoli, a promessa de que poderá se sobrepor a governadores e prefeitos em relação às medidas de isolamento adotadas devido à pandemia de novo coronavírus. Toffoli, entretanto, devolveu a bola ao presidente: é preciso diálogo e um plano com governadores e prefeitos para que o país possa voltar ao normal.

O semblante de Bolsonaro à mesa, enquanto Toffoli falava, era de contrariedade — a Bandnews transmitiu a audiência ao vivo. Afinal, ele está tão preocupado com a economia, quanto os empresários. Os representantes da indústria deixaram claro que o parque industrial brasileiro está chegando a um ponto que não permitirá a recuperação quando a pandemia passar e, para completar, já se vislumbra risco de paralisação de alguns setores.

A preocupação dos empresários foi seguida de uma fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que aproveitou para pedir ao presidente o veto à possibilidade de aumento de salários de parte do funcionalismo por 18 meses. Bolsonaro disse que segue a cartilha de Paulo Guedes, e que, se o ministro acha que deve ser vetado, será vetado.

Na reunião, Bolsonaro defendeu a retomada do trabalho e disse que “a liberdade é um bem maior do que a própria vida”. Reforçou que “economia é vida” e que é preciso manter a razão acima da emoção. E lembrou que sempre defendeu essa posição.

Nos bastidores

Nos bastidores, o encontro com Toffoli, decidido de última hora, foi visto como uma tentativa do presidente de conseguir, via decretos, forçar a retomada de vários setores. E Toffoli, entretanto, foi direto ao dizer que, até aqui, as instituições estão funcionando e as medidas adotadas foram acertadas.

Porém, ressaltou que é preciso ter uma saida coordenada do isolamento. Mencionou ainda que o STF tem agido de acordo com a Constituição, que garante decisões dos entes federados e voltou a defender que a retomada da economia deve ser feita mediante a criação de um comitê de crise com a participação de todos: União, estados e municípios.

Muitos saíram do STF com a certeza de que a saída tem que ser conjunta e bem estudada. A pandemia que assola a todos no Brasil e no mundo e deixa a saúde econômica em frangalhos, não será resolvida numa canetada. Ou o presidente conversa com racionalidade e respeito com os governadores que o criticam e vice-versa, ou ele continuará obtendo fotos de reuniões sem resultados práticos para debelar as crises de saúde e econômica.

“Alinhamento total” de Teich e Bolsonaro não durou 15 dias

Bolsonaro e Nelson Teich
Publicado em Covid-19

A sessão do Senado Federal que ouviu, nessa quarta-feira (29/4), o ministro da Saúde, Nelson Teich, virou um marco na separação entre o que queria o presidente Jair Bolsonaro ao trocar o gestor da Saúde e o que a realidade recomenda. Cobrado pelos parlamentares, Teich terminou dizendo que o “Ministério nunca mudou a sua posição de isolamento social”. Logo, na avaliação dos senadores, o ministro entrou no #fiqueemcasa que afastou Bolsonaro de Luiz Henrique Mandetta no início do mês.

Na audiência marcada a pedido da senadora Rose de Freitas (Podemos_ES), o que mais se ouviu foram cobranças de uma posição mais clara de Teich sobre o que ele recomenda à população. Até aqui, afirmaram o presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, tem seguido na direção contrária ao isolamento.

Nessa quarta-feira, por exemplo, conforme o leitor do Correio pôde ler na reportagem de Ingrid Soares, o presidente promoveu um café da manhã com aliados e fez uma solenidade no Planalto para a posse do novo ministro Justiça, André Mendonça. No palco principal, apenas a primeira-dama Michelle Bolsonaro usava máscara. “O país não precisa de um milagre e sim de um ministro que indique o caminho”, disse a senadora Rose de Freitas.

Muitos foram enfáticos ao dizer que a população está recebendo sinais contrários do governo ao ver o presidente e seus ministros juntos, sem máscaras.

“Há uma dubiedade aí muito séria. O senhor fala com toda a certeza de um homem pesquisador, que precisa conhecer a doença, ir monitorando com testes, que tem que ter uma aprendizagem, que tem que ter uma diferença entre grupos. Isso é o que temos ouvido do mundo inteiro. No entanto, no meio dessas incertezas, há uma certeza mundial: Que o distanciamento social é a única maneira de impedir uma explosão de casos, que não temos estrutura de serviços e saúde para sustentar. O senhor mesmo acabou de dizer que tem dificuldade de respiradores, etc. De um (determinado) momento para cá, que pode coincidir ou não, com o momento que o senhor assumiu o Ministério da Saúde, o distanciamento social caiu dramaticamente no país e estamos no momento de início de explosão de casos, de óbitos, como o senhor mesmo falou”, disse o senador Tasso Jereissati.

Tasso lembrou ainda que o fato de o Brasil ter registrado 449 mortes nas últimas 24 horas, colocou o pais na posição do segundo no mundo em número de mortos no dia. O primeiro foi os Estados Unidos. “Não é momento de indecisão. É preciso passar uma imagem clara para o país. isolamento social, sim ou não, está dúbio da parte de vossa excelência, fazendo uma confusão enorme na cabeça das pessoas. Ministro, seja firme e claro nessa posição. Não pode haver dubiedade, principalmente, quando o presidente da República está dando sinais contrários”, cobrou o tucano. Foi então que o ministro reforçou sua fala, ao dizer que o Ministério nunca mudou sua posição sobre o distanciamento social. Assim, começou a se distanciar do presidente.

Na política, começam as apostas sobre quanto tempo Teich aguentará no cargo.  Na terça-feira, o ministro tentou defender o presidente e disse que o “alinhamento total” a que se referia era cuidar das pessoas e, por isso, aceitara o cargo. Nesses 12 dias de Teich no cargo, essa política de relaxamento do distanciamento social cobrada pelo presidente Jair Bolsonaro ainda não veio. E, de quebra, Teich ainda disse que, onde houve relaxamento, foi por determinação dos governadores. Ninguém quer cair na vala comum de ser acusado por mortes. E nessa fase que a política está em relação à melhor estratégia de combate ao novo coronavírus.