Onze Horas

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco Enquanto o mundo explode, cuido de coisas mínimas para manter a sanidade. No momento, ocupo-me em constituir um jardim na minha casa. Pode parecer simples, mas não é tão fácil quanto se imagina. Mesmo que tivesse dinheiro suficiente para instalar um jardim completo, existem fatores imponderáveis que interferem no empreendimento.   Moro em um condomínio horizontal […]

A música dos anjos

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Monte Castelo é a minha canção preferida da Legião Urbana. É algo que chega mais perto de uma música dos anjos. Eu sempre a escuto como se fizesse uma prece. Quando a ouvi, pela primeira vez, tive a vaga impressão de que as palavras cantadas por Renato Russo me eram familiares. E, de fato, logo, mais que […]

Brasil em transe

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Nelson Rodrigues foi assistir ao filme Terra em transe, de Glauber Rocha, que estreava nos cinemas em 1968, com um amigo. A certa altura, o amigo perguntou ao nosso profeta do óbvio o que estava achando do filme e Nelson respondeu: “É um texto chinês, só que de cabeça para baixo”. O camarada riu muito, mas quando saíram […]

A Brasília de Behr

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Nicolas Behr é um menino nato, não importa que ele já tenha ultrapassado a curva dos 60. Na década de 1980, quando estreou na poesia marginal, com livrinhos mimeografados, parecia um surfista da piscina de ondas. Hoje, a sua estampa é de um venerável cientista da Academia de Ciência Brasiliana.   Mas é só mirar nos seus […]

Abóbora de jabuticabeira

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco           Em tempos de confinamento, vários amigos reaparecem misteriosamente. E um deles é Luiz Martins, professor da UnB e poeta. Ele me diz que, com a reclusão imposta pelo coronavírus, a gente presta mais atenção aos objetos, aos acontecimentos e à paisagem da casa.         Luiz mora em um condomínio rural de Sobradinho, estava mirando […]

Poeta Aldir Blanc

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

    Severino Francisco João Bosco e Aldir Blanc formaram uma dupla tão inspirada quanto Tom Jobim e Vinicius de Moraes, Nelson Cavaquinho e Guilherme Brito, Jards Macalé e Waly Salomão, Romário e Bebeto. Aldir pertence à linhagem dos letristas-poetas, dos poetas-compositores, inaugurada por Vinicius de Moraes. Segundo José Miguel Wisnik, eles constituem a tradição de uma gaia ciência brasileira, […]

Dad Squarisi

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco           As colunas que Dad Squarisi publica no Correio são minicursos inteligentes, ilustrados, bem-humorados e leves. Você aprende e se diverte. Não há método pedagógico mais eficiente. Ela contribuiu para alfabetizar, desasnar e lapidar várias gerações de brasilienses no trato com a língua portuguesa. Se tenho alguma dúvida insanável, ligo para a Dad e ela […]

Conexões pernambucanas do mangue

Publicado em Deixe um comentárioEntrevistas

  Melissa Duarte Na passagem dos 100 anos de João Cabral de Melo Neto, o brasiliense Francisco K resolveu juntar três pernambucanos ilustres irmanados pela poética do mangue: Josué de Castro, João Cabral de Melo Neto e Chico Science. O resultado do encontro é o ensaio Mangue-Mundo (Ed. Sigla Viva). No livro, Francisco K propõe uma releitura inovadora de João […]

Mangue mundo

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Mangue-mundo – Poéticas do mangue em Josué de Castro, João Cabral de Melo Neto e Chico Science (Ed. Sigla Viva). Só o título já é bastante convidativo. Para celebrar a passagem dos 100 anos de João Cabral de Melo Neto, o poeta brasiliense Francisco K escreveu esse ensaio inovador. Tive a honra de fazer a orelha do […]

Dulcina de Moraes

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco   Ainda estou sob o impacto do documentário Dulcina de Moraes, dirigido por Glória Teixeira, que assisti na Mostra Brasília, em um Cine Brasília abarrotado. Acordei de madrugada com cenas do filme rodando em minha cabeça. Dulcina era uma mulher divertida, elétrica, carismática e magnetizadora. O teatro estava no sangue. Ela nasceu durante uma turnê da trupe […]