Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Procon, Metrô, Secult e Saúde: GDF anuncia nomeações de mais de mil concursados

Publicado em Distrito Federal

A espera pela nomeação de 1.183 candidatos aprovados em concursos públicos do Distrito Federal chegou ao fim. O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, anunciou em sua página no Facebook, e posteriormente em evento oficial, nesta terça-feira (17/10), que 836 profissionais na Secretaria de Saúde, 79 da Fundação Hemocentro, 41 da Secretaria de Cultura (Secult), 188 da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô/DF) e 39 para o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) serão finalmente nomeados.

O anúncio acontece duas semanas depois que o governo divulgou que saiu do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, após mais de dois anos em que editais de concursos públicos e autorizações de nomeações foram praticamente congeladas – as exceções eram apenas para suprir vacâncias da educação, saúde e segurança.

Além das novas nomeações, Rollemberg ainda anunciou que vai duplicar as jornadas de trabalho de 561 profissionais da Saúde, o que, segundo o governador, é como se a pasta ganhasse hoje 1.476 novos servidores. “Com as contratações na Saúde, nós estaremos contratando todos os médicos da família. Com isso estamos garantindo até junho a ampliação da cobertura da atenção primária, que era de 29% quando assumimos o governo, para 70% em junho do ano que vem. Também com isso conseguiremos que novas seis ambulâncias avançadas do Samu possam funcionar e teremos uma melhoria no atendimento das Upas,” afirmou.

Sobre as contratações no Metrô, o governador fez uma ressalva. As nomeações se darão em três etapas: um terço no mês de outubro, outro em fevereiro e o último em maio do ano que vem.

Controle continua
Apesar de ter saído do limite prudencial da LRF, ou seja, de não ter ultrapassado o limite de 46,55% da receita com despesas de pessoal, o governo afirmou que vai manter uma política de ajuste fiscal – no último balanço divulgado, um total de 44,81% dessa receita corrente líquida foi usado para pagar salários. Como medidas para evitar descontrole, o governo decidiu congelar 771 cargos em comissão; vedar, até 31 de dezembro, cláusulas de acordos coletivos das empresas que prevejam reajustes salariais; e criar regras para nomeação de servidores efetivos. Leia mais em: GDF sai do limite prudencial da LRF e já anuncia nomeações

  • Gabriel Silva

    E a nomeação dos aprovados na secretaria de educação nada né senhor governador.

  • Marcos

    E os aumentos salarias concedidos no governo Agnelo? Vão ficar para 2019…?

  • EDUARDO HENRIQUE

    Vai inchar mais a máquina pública? Agora que está saindo do vermelho! Tem de pagar os reajustes concedidos por lei!

  • Marcos Df

    O governador tinha que primeiro cuidar dos servidores que já estão no quadro por exemplo concedendo a incorporação de gratificações conquistadas em 3x no governo Agnelo e que apesar ser lei até hoje nos é roubada pelo atual governo. O interessante é que dinheiro para fazer inúmeras propagandas no radio e na TV o governo tem. Paga o que deve governador!!! E encara a realidade!!! Não adianta mais fazer graça agora. o povo não se esquece e o seu governo será tido como o pior que Brasília já teve, tão ruim que conseguiu superar a incompetência do Cristóvam e do Agnelo juntos. Até nunca mais!!!