Ministério da Justiça e PSL ameaçam MP que tirou Coaf de Moro

Coaf
Publicado em coluna Brasília-DF

Coluna Brasília-DF

Restabelecida a possibilidade de os auditores da Receita compartilharem informações com forças-tarefas como a da Lava-Jato, o único risco, agora, à Medida Provisória 870 vem do Ministério da Justiça e do PSL. Embora o presidente Jair Bolsonaro diga que tanto faz o Coaf ficar no Ministério da Economia ou da Justiça, o senador Major Olímpio (PSL-SP) está pronto para abrir guerra em favor do ministro Sérgio Moro no plenário do Senado. E, se conseguir mudar a MP, o texto voltará para a Câmara, onde uma nova votação na semana que vem não está garantida. “O Bolsonaro está resignado. Nós, não. Duas bandeiras elegeram o presidente: combate à corrupção e segurança pública. Tirar o Coaf de Moro é um desmantelamento de uma das bandeiras”, disse o senador.

» » »

A posição de Major Olímpio gera constrangimentos inclusive no Ministério da Economia. E o que técnicos ligados ao ministro Paulo Guedes mencionam, em conversas reservadas, e alguns deputados falam em público é: “Se vão insistir no Coaf com Moro, então, estão dizendo que o Paulo Guedes é desonesto e não é confiável”, comenta o deputado Hildo Rocha (MDB-MA), que tem estado em contato com grande parte da equipe econômica por causa do pedido de crédito de R$ 248 bilhões, do qual ele é relator.

» » »

Moral da história: Se a Medida cair, Bolsonaro terá que reclamar a quem lhe é leal. A oposição está no papel de querer criar confusão na hora de votar a MP. Governo, não, dizem senadores em conversas reservadas.

Mira ali

A diferença de apenas 18 votos na votação em que os deputados garantiram o Coaf na Economia levou o governo a mapear aqueles com quem pode tentar jogar para fazer uma lipo no Centrão. O PSD de Gilberto Kassab está no topo da lista.

Quanto mais demora, pior fica

Até agora, o governo não enviou oficialmente à Comissão Mista de Orçamento qual o valor real que precisará emitir de títulos para cobrir as despesas inscritas no crédito de R$ 248 bilhões. Enquanto a informação não vier, o relatório sobre o pedido não sai e, consequentemente, não tem votação. Até aqui, são 23 vetos para votar antes do projeto. Daqui a pouco, o governo vai achar que o prazo de tramitação da MP 870, que vence em 2 de junho, está uma maravilha.

Posso ajudar?

Do Planalto, o único que telefonou para o deputado Hildo Rocha (foto) a fim de perguntar o que estava faltando para o relatório do crédito de R$ 248 bilhões foi o ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Santos Cruz.

CURTIDAS

O chefe não dorme/ Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro têm sido acordados algumas vezes por volta das 2h da matina com mensagens do chefe. É que ele, de vez em quando, acorda no meio da noite com uma ideia e, para não esquecer, manda logo para quem interessa.

Quando dorme, apaga/ Bolsonaro conta que dorme muito bem nos voos. Dia desses, chegou a dar um susto na equipe, ao tomar um remédio por engano. Nem viu a hora que o avião pousou.

Termômetro/ A presença de Jair Bolsonaro hoje em Pernambuco será o primeiro teste na região. Já tem gente interessada em fazer pesquisa de opinião depois, para saber se a população, no geral, gostou da visita e dos programas a serem anunciados.

Maia vai ter que engolir Vitor Hugo

Publicado em Governo Bolsonaro

Se depender da decisão do presidente Jair Bolsonaro __ e depende __ o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, não deixará o cargo tão cedo. Ele é visto por Bolsonaro como um rapaz preparado e inteligente. “Não pretendo mudar nenhum líder”, disse o presidente. Ele contou ainda que a charge postada pelo líder na Câmara __aquela em que aparece a ex-presidente Dilma entrando no Congresso com um saco de dinheiro na cabeça __ continha a ressalva do tipo de relacionamento que deve ser mudado. “Ele (Vitor Hugo) é deputado também e não estava criticando ninguém”, disse o presidente.

Isso significa que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia,  terá que conviver com o líder do governo. O mesmo terá que fazer a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann, e o lider no Senado, Fernando Bezerra Coelho.  (veja nos posts abaixo outros temas importantes abordados no café do presidente com jornalistas).

 

 

 

 

 

Cobrança nas universidades: “Sou contra”, diz Bolsonaro

Publicado em Governo Bolsonaro

A proposta do ministro da Educação, Abraham Weintraub, de cobrar mensalidades de alunos de pós-graduação das universidades públicas, em princípio, não conta com o aval do presidente da Republica, Jair Bolsonaro. No café com os jornalistas mais cedo, o presidente foi direto: “Particularmente, sou contra. Quem tem dinheiro, vai estudar em outros países”, afirmou. Na graduação, diz Bolsonaro, se houver cobrança, haverá uma fuga. “Quem ganha, R$ 2 mi, R$ 3 mil, não poderá pagar. Mesmo quem ganha R$ 20 mil, porque, geralmente, paga um condomínio caro, plano de saúde”, diz o presidente.

A  cobrança de mensalidade nas universidades públicas para quem tem renda, inclusive graduação, foi defendida pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT). O ministra Weintraub defende que haja cobrança apenas para cursos de pós-graduação. Bolsonaro, entretanto, não apoia essas propostas. Em relação aos recursos públicos, porém, ele prefere que osejam canalizados para o ensino básico. Ele comemorou o fato de o governo não ser mais obrigado a cortar mais recursos dessa área, graças a uma multa de R$ 2,5 bilhões da Petrobras, que o governo repassará à educação. Ele pretende ainda ver se consegue destinar parte desses recursos para a área de Ciência e Tecnologia, deixando a cargo do ministro Marcos Pontes decidir que programa deve ser contemplado. (veja no próximo post o destino do líder do governo, Major Vitor Hugo, e nos posts abaixo o que Bolsonaro pretende fazer em relação a bagagens nos vôos domésticos, CEF e Banco do Brasil, o que ele das manifestações e das mudanças no decreto das armas).

Bolsonaro: protesto contra STF “está mais para Maduro do que para Jair”

stf
Publicado em Governo Bolsonaro

Ao responder sobre as manifestações que apoiadores organizam para o próximo dia 26, que inclui protesto contra o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que espera “não ter nenhum infiltrado de camisa verde e amarela, com faixa pedindo para fechar o STF”. A declaração foi dada durante café da manhã com jornalistas nesta quinta-feira (23/5).

Bolsonaro foi incisivo ao se opor a um protesto contra a Suprema Corte: “Quem estiver com essa pauta, estará na manifestação errada. Não fará bem ao Brasil”, fazendo uma comparação de pedidos desse tipo ao regime de Nicolás Maduro na Venezuela: “(Um pedido desses) está mais para Maduro do que para Jair Bolsonaro. Quem fala em fechar o STF não está alinhado com a minha politica”, ressaltou.

Leia também: “Não vejo mal em um garoto de 8, 9, 10 anos, com um responsável do lado, atirar”

A manifestação do dia 26 vem causando polêmica entre vários grupos que apoiaram o presidente Bolsonaro. Alguns usaram suas redes sociais chamando para o ato e incluíram entre os temas protestos contra o STF e o pedido de impeachment dos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli, atual presidente do Supremo.

O Movimento Brasil Livre, do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP); a deputada estadual paulista Janaína Paschoal (PSL), o Vem pra Rua e outros, desistiram de participar. O presidente Bolsonaro não irá ao evento, mas acredita que será um ato em apoio ao governo e às reformas.

 

 

 

 

Bolsonaro sobre bagagem gratuita: “Meu coração manda não vetar”

bagagens
Publicado em Governo Bolsonaro

O café da manhã com jornalistas, nesta quinta-feira (23/5), já havia terminado e o presidente Jair Bolsonaro havia inclusive tirado a foto tradicional com os profissionais da imprensa, quando um grupo pediu para que ele esclarecesse alguns dos temas abordados durante o encontro. Entre os assuntos, a gratuidade de despacho de bagagem de 23kg em voos domésticos, conforme aprovado pelo Congresso na Medida Provisória nº 863, que abriu a participação de capital estrangeiro nas cias aéreas.

As empresas querem o veto de Bolsonaro à gratuidade, em nome da autorregulamentação, mas, ao responder a uma pergunta do Blog, o presidente foi direto: “Meu coração manda não vetar”. Em seguida, porém, ele reforçou o que já havia dito no café: só tomará essa decisão aos “48 minutos do segundo tempo”.

Ele tem 15 dias para tomar essa decisão, a partir do momento em que a proposta chegar ao Planalto para sanção ou veto. “Se eu decidir de um lado ou de outro, eu levo paulada. Vou ver o custo/benefício. E vai ser aos 48 do segundo tempo”, disse ele. Ele lembrou que a cobrança das bagagens veio para baixar o preço das passagens, mas não baixou.

No café da manhã, Bolsonaro falou sobre diversos temas, como a retificação do decreto de armas; o programa de privatizações, que deve deixar Caixa Econômica e Banco do Brasil de fora; educação e as manifestações do próximo dia 26.

 

Bolsonaro: “Não vejo mal em um garoto de 8, 9, 10 anos, com um responsável do lado, atirar”

bolsonaro
Publicado em Governo Bolsonaro

Durante café da manhã com jornalistas, nesta quinta-feira (23/5), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que retificou o decreto das armas depois de ouvir as considerações do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e do Comandante do Exército, Edson Pujol. O presidente disse também que fez as modificações para evitar “perder” o texto.

Leia também: Bolsonaro sobre privatizações: “Na Caixa e no BB, não pretendo mexer”

Bolsonaro, no entanto, deixou claro que não concorda com todas as modificações feitas. Citou especificamente a restrição de menores de 14 anos para a prática de tiro esportivo, medida adotada na nova versão. “Meus filhos atiraram desde muito cedo. Não vejo nada de mal em um garoto de 8, 9, 10 anos, obviamente com uma pessoa responsável do lado, atirar. É ensinar que arma é perigosa”, afirmou, acrescentado que “se vê criança com fuzil no Rio de Janeiro”, numa clara referência aos menores cooptados pelo crime organizado.

O presidente mencionou ainda que é a favor da liberação (das armas) e que considera a arma de fogo uma forma de dissuadir, por exemplo, uma possível invasão a domicílio.

Viagem ao Nordeste

Paralelamente à questão das armas, o presidente também está dedicado esta semana à preparação da sua primeira viagem ao Nordeste. Ele irá acompanhado de, pelo menos, seis ministros, que apresentarão um pacote de propostas do governo para a região, em especial, piscicultura e turismo.

Na reunião com a bancada nordestina ontem, o presidente citou ainda que o governo estuda um projeto que “arrecadará mais” e com o qual até a oposição concordaria. Perguntado sobre a proposta, ele deu apenas uma dica: usou a expressão “atualização patrimonial”.

“Não posso entrar em detalhes. É um anteprojeto ligado à Previdência, de atualização patrimonial. Dará um aporte de caixa semelhante, mas não é substituto da Previdência”, disse o presidente, que mantém a reforma previdenciária como o primeiro impulso de seu governo à recuperação fiscal e econômica do país.

Reformas e empregos

Bolsonaro disse ainda acreditar que o mercado de trabalho será reaquecido com a reforma da Previdência, mas evitou citar números sobre quantos empregos pode criar. E lembrou da reforma trabalhista: “Se não tivéssemos feito, estaria pior”. “O salário é pouco para quem recebe e muito para quem paga”, afirmou o presidente.

Ele disse ainda o governo apostará na reforma tributária e prepara um projeto para ser apensado ao que tramita hoje na Casa e foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça na Câmara ontem. “Sabemos que a reforma 100% legal (no sentido de ideal) não passa. Vamos fazer, então, uma boa reforma”, disse o presidente.

Bolsonaro sobre privatizações: “Na Caixa e no BB, não pretendo mexer”

bolsonaro privatizações
Publicado em Governo Bolsonaro

Em café da manhã com jornalistas, nesta quinta-feira (23/5), o presidente Jair Bolsonaro mencionou que vem aí um programa de privatizações forte e em várias etapas. Citou que para os Correios, por exemplo, já há sinal verde. O secretário que comanda a área de privatizações no Ministério da Economia, Salim Mattar, está trabalhando ainda na área de refino da Petrobras, setor que o presidente espera que ajude a reduzir o preço do gás.

Mas há duas instituições que ele, pessoalmente, não pretende incluir nessa programação: Caixa Econômica e Banco do Brasil. “Não pretendo mexer”, disse. E previu: “Vai ter uma grita aí”. Vale lembrar que, nos Estados Unidos, o ministro Paulo Guedes havia mencionado a perspectiva de privatização do Banco do Brasil.

Coaf e relação com o Congresso

Em termos de organização de governo, o presidente tem esperanças em ver a Medida Provisória 870, que organizou o governo, aprovada até a semana que vem nas duas Casas e minimizou o fato de a Câmara ter devolvido o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ao Ministério da Economia. “Foi um a um o jogo ontem, né? Faz parte, o Parlamento tem legitimidade para mudar”, disse ele, ressaltando a independência do Congresso. “Não temos base fixa. De acordo com o entendimento, votam de uma forma ou de outra. O Parlamento é um Poder independente, conforme está na Constituição”, disse ele.

O presidente ressaltou ainda que não se referiu especificamente aos congressistas quando mencionou, na segunda-feira, que o problema do país é a sua classe politica. “Foi um comentário geral. Estamos, nós, políticos, no poder desde que saiu o (presidente João Batista) Figueiredo. Um deputado não aguenta ouvir isso daí? Tá chateado? Eu me incluo no bolo”, afirmou.

Ele disse ainda que os 28 anos de parlamento deram uma ideia do que ele enfrentaria nessa relação. “Estamos mudando um paradigma”, disse, citando como exemplo o corte de um patrocínio de R$ 800 milhões da Petrobras a uma empresa de Fórmula 1. “Quando mexe, bota gente poderosa contra. Não sou o dono da verdade, mas procurarei mudar o Brasil. Então, o tiro vem. Poderia estar reeleito deputado federal, poderia estar no Senado ou aposentado. Mas estou feliz, tive a oportunidade de escolher os meus ministros. Agora, às vezes, é um parto sem respiração. Eu tenho engolido sapos até pela fosseta lacrimal”, disse o presidente.

 

Governo vai passar pelo primeiro teste no Senado

senado
Publicado em coluna Brasília-DF

Coluna Brasília-DF

Destravadas as votações na Câmara, a próxima semana será a hora do jeitão entre governo e Senado em matérias mais cruciais para o Poder Executivo. Uma parcela expressiva dos senadores vai para o plenário hoje pedir, por exemplo, que o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), rejeite de ofício o dispositivo da Medida Provisória 870 que tira da Receita os poderes de compartilhar dados com a Polícia Federal. “Isso é matéria estranha ao texto, uma vez que tratou das atribuições da Receita e não da estrutura de governo”, diz o senador Major Olímpio (PSL-SP). Ainda que não haja quórum para concluir a votação ainda hoje, o senador considera que esse assunto pode ser resolvido com uma canetada. Alcolumbre ainda não se manifestou a respeito. Primeiramente, ouvirá os técnicos da Casa.

Quase lá

Para uma primeira tentativa, a pressão via redes sociais quase dá certo para manter o Coaf no Ministério da Justiça. Foram 228 votos a 210. Sinal de que, na reforma da Previdência, os “caçadores de pokemóns”, como os congressistas mais antigos chamam os novos colegas eleitos pelas redes sociais, podem fazer a diferença.

Encastelado

O evento do presidente Jair Bolsonaro no Recife foi transferido das cercanias da universidade federal para um castelo, onde funciona o Instituto Ricardo Brennand. Todos que vão trabalhar na reunião foram obrigados a fornecer todos os dados para que pudessem passar pelo controle da segurança.

Por falar em Nordeste…

Nem a reunião da bancada nordestina nem o novo decreto das armas vão resolver os problemas de Bolsonaro. Nenhum coordenador de bancada estadual compareceu. Tudo para mostrar que nada está bem. Quanto às armas, vem por aí nova ação para sustar seus efeitos.

Os recados de Rodrigo

Comandante supremo da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia foi direto na veia durante seminário do Correio Braziliense sobre a reforma da Previdência: “Não podemos aceitar que nenhum brasileiro, que nosso Estado de direito, nem em frase, sejam colocados em risco”. Referia-se aos arroubos antidemocráticos que, invariavelmente, estão no cardápio de parte dos bolsonaristas.

Tudo no papel I

Em evento na Bolsa de Xangai para promover o mercado financeiro brasileiro, o vice-presidente Hamilton Mourão ouviu do empresário Jackson Wijaya, acionista da Paper Excellence, que a empresa pretende injetar nada menos que R$ 27 bilhões na economia brasileira, assim que a compra da Eldorado for concluída. Os recursos serão utilizados na construção de uma nova fábrica, em reflorestamento e em logística.

Tudo no papel II

Somado esse valor ao já desembolsado na transação, o montante destinado pela multinacional de papel e celulose ao Brasil chega a R$ 31,4 bilhões — cifra próxima à previsão de investimentos de toda a indústria automotiva no Brasil até 2022.

Curtidas

Agora é assim/ Um parlamentar, Filipe Barros (PSL-PR), na tribuna, discursando, e seus colegas de partido, todos atrás dele, de celular em punho, transmitindo ao vivo para suas redes. Todos fazendo pose. Se perguntar o que foi dito, vão precisar recorrer ao Google.

Centrão, eu?!!/ O líder do PP, Arthur Lyra, pedia a todos com quem conversava que lhe indicassem uma só votação em que foram contra o país: “Diga-me: qual o ato que fizemos contra o Brasil? Ministro fecha acordo, líder do governo diz que não aceita, e a culpa é nossa?”

E o doido, hein?/ Feliz da vida com a viralização do vídeo em que dizia que ia conversar com o presidente porque só um doido para conversar com outro doido, o deputado Pastor Sargento Isidoro (Avante-BA) comentava: “Bolsonaro diz que a classe política é problema, e ele não só entrou como colocou os três filhos. Só doido!”

Pedido de mãe…/ … É ordem. O líder do Novo, Marcel Van Hatten, do Rio Grande do Sul, planeja ir à manifestação de domingo. “Vou apenas defender a posição a favor das reformas, em especial, a da Previdência”, diz, ao comentar sobre a pressão de grupos favoráveis apelando por sua presença. Até a mãe dele está cobrando.

Um dedinho de juízo, outro de confusão

Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF

Coluna Brasília-DF

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de não comparecer ao ato marcado para o próximo Domingo e a perspectiva de recuo em pontos do decreto que ampliou o porte de armas são iniciativas que caminham no sentido de amortecer os problemas. Porém, dada a relação cada vez mais difícil entre o Congresso e o Planalto, os parlamentares consideram que é melhor o país “já ir se acostumando”: A condução será conturbada, porque o código genético do atual governo é o do confronto. Há quem diga inclusive que Bolsonaro foi eleito para cumprir esse papel, de jogar a culpa no Congresso. Isso vai até o último dia de governo do presidente.

Sem pressa

Não contem com o senador Esperidião Amin (PP-SC) para reduzir de imediato o poder do presidente Jair Bolsonaro editar medidas provisórias. “O governo Bolsonaro está editando menos da metade das medidas provisórias que os outros fizeram. Até agora, foram 17. A média dos demais governo era 28 por semestre”, diz ele, relator da proposta de emenda constitucional que pretende limitar a edição de MPs.

PT e PSDB

Até aqui, o governo do presidente Jair Bolsonaro conseguiu o que parecia impossível: PSDB e PT voltaram a conversar e não só em reuniões em São Paulo, como publicou o jornal O Estado de S.Paulo. Jaques Wagner e Tasso Jereissati trocam figurinhas toda semana.

Pontos nevrálgicos

Dois temas da Medida Provisória 870 prometem criar muita polêmica no Congresso hoje, quando a MP for a votos. Os aliados do Planalto vão insistir no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para a Justiça. Outro item que vai dar o que falar é o que tira poderes dos auditores da Receita Federal de compartilhamento de dados. “Isso é pior do que o Coaf. Vamos destacar para votar separadamente e repor o poder dos auditores”, diz o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE)

Recife, 40 graus

Os petistas querem aproveitar a presença do presidente Jair Bolsonaro na capital pernambucana, nesta sexta-feira, para promover um ato a fim de mostrar que, ali, a turma do presidente não conseguirá mobilizar muita gente para 26 de maio. A segurança presidencial será reforçada.

Deu ruim para os dois

A briga entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, não foi boa para ninguém. Vítor Hugo, a partir de agora, falará sozinho. Saiu da reunião com fama de quem acha que para negociar com o Congresso é preciso um saco de dinheiro, por causa de um meme antigo que ele compartilhou. Para completar, os líderes consideram que Maia se excedeu.

Frase

“Não dá para ele ir lá fora e tratar o Brasil como lixo, inclusive a casa dele”, afirma o senador Jaques Wagner (PT-BA), ´que quer interpelar o ministro da Economia, paulo Guedes, para que ele explique o discurso proferido em Dallas, onde disse que venderia até o Palácio presidencial

CURTIDAS

Centrão, eu?!!/ O líder do PP, Arthur Lyra, pedia ontem a todos com quem conversava que lhe indicasse uma só votação em que foram contra o Brasil: “Me diga: qual o ato que fizemos contra o Brasil? Ministro fecha acordo, líder do governo diz que não aceita e a culpa é nossa?”

Foi bom, mas foi ruim/ Alguns deputados saíram do Planalto ontem à tarde embevecidos com a solenidade de doação da imagem de Nsa. Sra. de Fátima ao governo. Porém, logo que chegaram no Congresso, alguns integrantes da bancada católica receberam reclamações de fiéis, porque o presidente não falou na solenidade, nem defendeu Nsa. Sra. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, nem compareceu.

Ele é de todos/ Bolsonaro não discursou e fez questão de ficar sentado na plateia por um simples motivo: Não quer briga com os evangélicos. O presidente está cada vez mais ecumênico.

Pensando bem…/ O presidente Jair Bolsonaro tem café previsto para hoje com a bancada do Nordeste. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) que perde o amigo, mas não a piada, brincou: “Aí, não é conversa, é… comício!”

Bolsonaro não quer que ato do dia 26 seja contra o STF e o Congresso

Brasil ato do dia 26
Publicado em coluna Brasília-DF

Coluna Brasília-DF

O presidente Jair Bolsonaro tem dito a interlocutores que jamais apoiará ações fora do jogo democrático, algo que tem sido pregado por alas mais radicais de seus apoiadores, que citam o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro tem, inclusive, procurado evitar os “doidinhos” que chegam com essas ideias antidemocráticas. Não por acaso, seus mais fiéis escudeiros têm se referido ao ato do dia 26 como algo que vem em defesa da reforma da Previdência e da medida provisória 870, a da reforma administrativa.

O problema é que, no início, falou -se num ato de protesto, pelo impeachment de ministros do STF e contra o Parlamento. É o governo procurando modular o discurso e o ato, para ver se não perde apoiadores. Afinal, não dá para ficar apenas com os “doidinhos”.

Entre a cruz e a espada

A manifestação marcada para o próximo domingo foi considerada um erro estratégico do governo. Se estiver lotada e prevalecer o mote contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, o presidente se fortalece, mas ficará marcado como quem insuflou a população contra os outros dois Poderes constituídos.

Entre a cruz e a espada II

Na hipótese de a população como um todo não atender ao chamado, a leitura será de fraqueza. Não por acaso, muitos aconselharam o presidente a não se misturar muito com o evento. Afinal, governo que é forte não precisa convocar ato de apoio.

Previdência, a ordem dos fatores

O relator da reforma previdenciária, Samuel Moreira (PSDB-SP), vai preparar seu parecer apenas depois de ouvir tanto o governo quanto os partidos. A ordem é negociar o mérito antes da apresentação do substitutivo, que tomará por base o projeto do governo. Assim, quando chegar a hora de votar, espera-se que já haja um consenso.

Sarney

A entrevista do ex-presidente José Sarney ao Correio foi vista pela classe política e parte do Planalto como um alerta do que pode ocorrer, se não houver um “muita calma nessa hora”. Há tempos, dizem governistas e oposicionistas, um político brasileiro com tanta experiência não colocava os pingos nos is com tamanha propriedade.

A classe de Bolsonaro/ Pegou mal até entre apoiadores do presidente Jair Bolsonaro ele dizer no Rio que o problema do Brasil é a sua classe política. Ele não só é político, como colocou os filhos na carreira.

Penso, logo existo/ O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, foi visto na Livraria Cultura, do Shopping Iguatemi, no último domingo. Ficou bastante tempo olhando os títulos de filosofia. Para um governo que fala em tirar verbas dessa área, o gesto vem a calhar.

Perigo/ A ida de Jair Bolsonaro a Recife para uma reunião da Superintendência do Nordeste é vista com preocupação por apoiadores. Afinal, Recife é berço do PT.

Previdência em debate/ Será amanhã, no auditório do Correio Braziliense, o seminário sobre por que a reforma da Previdência é necessária. Diante das dificuldades nas contas públicas, a importância da mudança só aumenta.

Nova posição / Torquato Jardim, ex-ministro da Justiça, foi nomeado vice-presidente da Agência Paulista de Promoção de Investimento e Competitividade (Investe São Paulo).