cheiro de fumaça

Publicado em coluna Brasília-DF

Nas conversas mais reservadas dos fiéis escudeiros de Dilma Rousseff, a avaliação é a de que a prisão temporária de João Santana tirou de cena qualquer possibilidade de diálogo com a oposição, em especial, o PSDB. As pontes para as conversas, que ainda estavam em fase de construção, ruíram e, com elas, a discussão de propostas para tentar salvar o que ainda resta da economia nacional. No Planalto, há a clara sensação de que a ideia dos oposicionistas hoje é juntar as crises política e econômica para, a partir daí, passar a ideia de que um novo governo tem a solução para os dois problemas.

O receio do Planalto é saber como se comportará o PMDB. Já é voz corrente no governo e na oposição que a parcela do PMDB que se mantém afastada voltou a se animar e a procurar o vice-presidente Michel Temer num movimento pró-impeachment. O sucesso da empreitada dependerá do que vier pela frente. Não é à toa que o clima de tensão é visível entre os palacianos.

Os trabalhos de Wagner

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, elencou três tarefas para cumprir até o fim desta semana: nomear o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) como ministro da Aviação Civil; o senador Humberto Costa (PT-PE), líder do governo no Senado; e, por fim, eleger Cacá Leão como líder do PP na Câmara. Cacá é filho de João Leão, vice-governador da Bahia.

Pendências

Deputados da CPI dos Correios, que investigou o mensalão, comentavam que jamais descobriram quem foi o depositante dos recursos que Duda Mendonça recebeu no exterior pela campanha de Lula. O publicitário Marcos Valério disse, à época, que não foi ele. Sabe-se apenas que a ordem partiu de Delúbio Soares, ex-tesoureiro.

Educação no TCU

O Tribunal de Contas da União se prepara para retomar hoje o julgamento do edital para abertura de novos cursos de medicina. O edital foi publicado no ano passado pelo Ministério da Educação, mas a divulgação do resultado foi suspensa em junho pelo próprio tribunal por suspeita de irregularidades e a ministra Ana Arraes, relatora do caso, pede agora o cancelamento e abertura de nova seleção. O governo tem pressionado no sentido de evitar o cancelamento.

A vingança

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, colocou em votação a proposta de emenda à Constituição do deputado Wanderley Macris (PSDB-SP) que aumenta os recursos da saúde. Os aliados de Cunha não veem a hora de assistir ao ministro da Saúde, Marcelo Castro, espremido entre o governo, que é contra a PEC, e a defesa de mais verbas para o setor. Castro na semana passada deixou o cargo por algumas horas só para ajudar a derrotar Hugo Motta, candidato de Cunha a líder do PMDB.

CURTIDAS

Olha o acarajé!!!/ O deputado Paulinho da Força (SD-SP) pretende levar várias barraquinhas de acarajé para a manifestação pró-impeachment que as oposições pretendem fazer em 13 de março. Tudo para lembrar o nome da 23ª fase da Lava-Jato, que atingiu em cheio o marqueteiro João Santana.

Olhar de Dilma/ A presidente tem reunido vários ministros para tratar das Olimpíadas 2016. Ontem, foram 15. A mágoa do governo é o pouco espaço que o assunto tem recebido na imprensa. Tem muita gente no Planalto reclamando que a mídia só fala de João Santana e há outras coisas que precisam ser divulgadas.

Mistério na Casa Civil/ Assessores da Casa Civil descobriram três páginas do ministério no Facebook, incluindo uma “Casa Civil residência”. O problema é que até hoje não se sabe quem criou os perfis. O governo agora vai pedir ao Facebook que tire as páginas do ar.

Praga palaciana/ O ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro (foto) passou maus bocados na Espanha. Uma queda fez com que colocasse uma placa de titânio na perna esquerda e sete parafusos. “Foi o Planalto tentando derrubar o senhor?”, brincou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). “Nada, nem cheguei perto da Dilma!”, respondeu Tarso. “Ah, então foi um drone!”, completou o paulista.

O embrulho da CPMF

Publicado em coluna Brasília-DF

Passada a eleição do líder do PMDB, o governo começa a discutir as formas de dar discurso aos deputados da base aliada para tentar emplacar a CPMF. Muitos envolvidos nas análises de cenários para apreciação do imposto do cheque consideram que a proposta, sem acessórios, não sai. A ideia é apresentá-la dentro de um contexto mais amplo, que elimine privilégios de alguns setores, alivie algumas taxas e acabe com vinculações obrigatórias. Essa moldura será discutida a partir da próxima semana.

Foram eles!

Os tucanos comentavam à boca pequena que a série de entrevistas da jornalista Miriam Dutra, que manteve um relacionamento amoroso com Fernando Henrique Cardoso nos anos 1980 e 1990, foi estimulada pelos petistas para colocar FHC no mesmo patamar de Lula. Deputados do PT, por sua vez, comentavam que, se o ex-presidente petista teve obras em apartamento feitas por empreiteiras detentoras de contratos com o governo, o ex-presidente tucano teve despesas da amante pagas por empresa que também mantinha relações com o governo FHC.

Primeiro round de 18

Os movimentos tucanos para escolha do candidato a prefeito de São Paulo chamam a atenção de todos os partidos. Fernando Henrique Cardoso e os senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira jogam as fichas em Andrea Matarazzo, enquanto o governador Geraldo Alckmin ficará com João Dória. Se Dória vencer, Matarazzo deixará o PSDB, indo para uma legenda que permita ampliar as perspectivas da candidatura presidencial de José Serra em outras praias.

Segundo round de Picciani

Depois da vitória de Leonardo Picciani, o governo espera que o peemedebista escolha integrantes da comissão especial que analisará o impeachment da presidente Dilma Rousseff de forma a privilegiar os mais fiéis ao Planalto na hora do voto. O líder, que prometeu dar espaço para todas as correntes do PMDB, poderá perder substância muito cedo se não cumprir a promessa de dividir o terreno na comissão de impeachment com os adversários.

Gestos & atitudes I

O almoço de homenagem ao chanceler português Paulo Porta, em que Michel Temer recebeu Leonardo Picciani, Eduardo Cunha e Hugo Motta, foi apenas um convescote internacional. Os aliados de Picciani comentavam à boca pequena que o grupo de Temer, leia-se Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima e outros, estava engajado na campanha de Hugo Motta.

Gestos & atitudes II

Os bombeiros do PMDB (sim, eles existem!) não querem mais disputas ferrenhas entre as alas do partido. Depois das conversas entre Temer e o senador Renan Calheiros no fim do ano passado, tem um grupo atuando para que não surja, entre os deputados, nenhum candidato contra Michel Temer em março, na convenção que escolherá o comando partidário.

“Larguei primeiro!”/ Eterno candidato a presidente da República, Levy Fidelix (foto), do PRTB, faz sua largada da campanha presidencial para seus correligionários hoje em Pernambuco. Isso mesmo. Ele aposta que, até maio, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassará o mandato da chapa Dilma-Temer. “Aí, teremos três meses até a eleição. E eu já estou em campo”, diz ele.

E o Cunha, hein?/ Assim assessores palacianos se referem ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ): “Ele vai secar no pé”. Tradução: Não sai da presidência no curto prazo, mas perde poder de fogo.

Conversinhas/ Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Jutahy Júnior (PSDB-BA) trocaram ideias por um bom tempo na sala de café dos deputados. Apenas análise do cenário. Sabe como é. Com tantas incertezas na política, a hora é de ouvir opositores para saber o que têm a dizer.

Paciência, paciente!/ A Policia Federal baixou em peso ontem no Casa Park. Calma, pessoal! Nada de Lava-Jato. Estavam no lançamento do livro da advogada Aline Albuquerque, esposa do delegado Luiz Flávio Zampronha, que atuou no mensalão. Com pós-doutorado em direitos humanos, o trabalho aborda os direitos dos pacientes da rede de saúde, que não devem ser tratados como meros consumidores, “usuários” ou clientes nos hospitais e casas de saúde. Faz sentido.

Te cuida, Cunha!

Publicado em coluna Brasília-DF

“Governo é que nem cobra: mete medo até quando está morto.” A frase do deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), experiente conhecedor das manhas e maneirismos dos parlamentares, prenunciava ainda na hora do almoço a vitória de Leonardo Picciani.

» » »

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, engoliu em seco quando recebeu o resultado. Sabe que deve tomar mais cuidado quando (e se) o processo de cassação atingir o plenário. Cunha jogou tudo e perdeu. Tem num envelope a lista de 38 nomes que haviam prometido votos a Hugo Motta. Oito o traíram. Sinal de que os deputados peemedebistas hoje, apesar do governo enfraquecido, apostam mais em Dilma Rousseff do que no presidente da Casa.

» » »

Foi o primeiro lance político do ano dos quatro traçados pelo Planalto. O próximo é a presidência do PMDB, em março. Michel Temer, entretanto, trabalha desde janeiro para evitar surpresas. Faltarão ainda duas grandes disputas, a presidência da Câmara, na hipótese de Cunha perder o cargo antes de janeiro de 2017, e a votação do pedido de impeachment. Dilma ontem respirou e agora terá que honrar os compromissos assumidos com os aliados do PMDB. Se não o fizer, voltará à estaca zero para as etapas 3 e 4.

Foco de confusão
A Comissão de Assuntos Econômicos recebeu de uma tacada só os quatro relatórios trimestrais de atividades do Banco Central em 2015. A relatora Gleisi Hoffman (PT-PR) considerou que houve cumprimento de todos os planos e metas de inflação no ano passado. O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) pediu vistas. O governo pode ter feito tudo em 2015, menos cumprir as metas econômicas traçadas no início do ano passado. É por aí que os tucanos querem começar 2016.

Mercado futuro I
Os três pré-candidatos a presidente da República com assento no Senado fizeram calorosas saudações ao senador Cristovam Buarque por seu ingresso no PPS. Aécio Neves e José Serra, ambos do PSDB, e Álvaro Dias, do PV, têm só um objetivo: colocar Cristovam no papel de vice em 2018.

Mercado futuro II
Aécio fez questão de citar que o PPS apoiou sua candidatura na eleição de 2014. Cristovam, entretanto, se fez de desentendido. “Vai ver que ele quer seu meu vice!”

Resultado invertido
Os deputados do PT que foram ao instituto Lula demostrar apoio ao ex-presidente e tiraram fotos sorridentes justamente no calor do adiamento dos depoimentos dele e da ex-primeira dama Marisa Letícia podem ter passado a ideia de deboche sobre as investigações a respeito do negócio do tríplex. No próprio partido, há quem esteja com receio de que a visita termine mal interpretada.

CURTIDAS
“Partido errado”// Assessores palacianos precisam estudar mais as listas de deputados. Ontem, um deles ligou para o Sandes Júnior pedindo o voto para Leonardo Picciani. “Eu poderia até votar, mas sou do PP!” Ih!

“Candidato errado”// Mais tarde, o deputado Esperidião Amin (PP-SC), candidato a líder, divertia-se com a história que Sandes contou a todos os colegas. “Agora, Sandes, você vai receber outro telefonema para pedir que não vote no Esperidião!”

Por falar em telefonemas…// Paulo Maluf (foto) passou por Esperidião Amin no corredor e perguntou: “Recebi telefonemas do Cacá Leão e do Aguinaldo Ribeiro, seus adversários. você não me ligou para pedir o voto”. Amin, sempre rápido nas respostas, saiu-se com esta: “Você não precisa. É voto de cabresto”.

Na área// Secretário de Articulação Política de Roraima, o ex-deputado João Pizzolatti circulava lépido e fagueiro pelos corredores do Parlamento ontem. Investigado na Lava Jato, ele cuida mais dos interesses de suas bases políticas em Santa Catarina do que de Roraima.

Todo poder ao Congresso

Publicado em coluna Brasília-DF, Sem categoria

A sanção do Orçamento de 2016 sem vetos foi lida pelos parlamentares como mais um aceno da presidente Dilma Rousseff aos congressistas para essa temporada de votação do impeachment e da CPMF, com o seguinte recado: tudo o que está previsto poderá ser cumprido desde que se aprovem as receitas do imposto do cheque. E, óbvio, a manutenção de Dilma no poder.

» » »

Só tem um probleminha: interessados em agradar os prefeitos, os deputados têm colocado como condição para votar a CPMF a destinação de metade da receita para estados e municípios. Ocorre que, se for para cumprir tudo o que está no Orçamento, a tal divisão não será tão equânime como prometido aos prefeitos nesse ano eleitoral. Para o governo, porém, se a discussão for apenas definir a parcela que vai para cada nível da Federação já será meio caminho andado.

O mais amigo

Que Léo Pinheiro que nada. Na Bahia, todos apontam Ricardo Pessoa, da UTC, como o empreiteiro que tem uma relação bem mais estreita com o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner. Pessoa não mencionou nada a respeito de Wagner em seus depoimentos.

Segunda chamada

O fato de Ricardo Pessoa não ter mencionado o nome de Jaques Wagner nos primeiros depoimentos não tirou esperanças dos oposicionistas em relação ao ministro. Há quem lembre de Júlio Camargo, que só mencionou Eduardo Cunha numa segunda rodada.

Discurso

O vice-presidente Michel Temer já tem as linhas gerais do discurso que levará aos estados em sua campanha para permanecer no comando do PMDB. Pregará unidade e harmonia. Quem estiver em outro projeto que venha com chapa completa para concorrer contra ele.

Por falar em Michel…

Ele determinou ao seu grupo que não se meta na disputa pela liderança do partido na Câmara. É a senha para tentar angariar o apoio do Rio de Janeiro ao seu projeto.

CURTIDAS
Lavagem do Bonfim/ Considerado um dos testes de popularidade dos políticos baianos, a caminhada de 8km que antecede a lavagem do Bonfim tinha ontem algumas faixas de partidos. O PV, por exemplo, colocou lá “um jeito diferente de fazer política”.

Só deu ele/ Quem acompanhou a festa considera que ACM Neto (DEM) só perde a eleição se fizer alguma besteira. A olho nu, na caminhada, ninguém suplantou o herdeiro de Antonio Carlos Magalhães.

Respingos/ A disputa entre o líder do governo na Câmara, José Guimarães (foto), e os irmãos Ferreira Gomes, Cid e Ciro, está cada vez mais acirrada. A disputa vai terminar sobrando para a presidente Dilma Rousseff que, dia desses, havia dito que não brigaria com Cid Gomes em hipótese alguma.

Restrito/ Os on-lines dos jornais impressos ficaram de fora do café da manhã de hoje com a presidente Dilma Rousseff. A regra foi quem estava no primeiro, em 7 de janeiro, não estaria no segundo. A estratégia do governo é falar para todos os segmentos, um de cada vez.

A ordem dos fatores

Publicado em coluna Brasília-DF

A estratégia do PMDB oposicionista de deixar o processo de impeachment no freezer foi combinada com setores de partidos adversários ao governo Dilma. É que, em política, a ordem dos fatores, se invertida, vai alterar e muito o produto. Se tratar do impeachment antes de definido o líder do PMDB para este ano, os oposicionistas do partido acreditam que o movimento não surtirá efeito. O assunto só voltará à cena depois de publicado o acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre as regras de tramitação do processo e, principalmente, se houver uma parte expressiva da população nas ruas pedindo o afastamento de Dilma. Antes disso, nada será feito.

» » »

Será o tempo da Lava-Jato decantar as denúncias que surgem agora, envolvendo ministros e o ex-presidente Lula. No momento, até declarações sobre o impeachment têm sido evitadas propositalmente para não avançar o sinal antes que as investigações avancem. O foco agora é tentar tirar Leonardo Picciani do comando da bancada e, depois, se houver sucesso, mudar a pauta para a oposição ao Planalto.

Desidratado

Aos poucos, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, vai perdendo musculatura na Casa. Entre seus fiéis escudeiros, já existe quem diga que “se Eduardo Cunha ajudava os deputados no ano passado, neste, ele atrapalha”.

Hidratação

A forma que Eduardo Cunha encontrou de tentar se recompor politicamente é colocando a Casa para votar. A ordem é, já na primeira semana de fevereiro, antes do carnaval, colocar medidas provisórias e temas polêmicos em pauta para forçar os deputados a comparecerem a Brasília terça, quarta e quinta-feira pela manhã. A folga será apenas na semana carnavalesca. Tudo para ver se o desgaste diminui.

Cálculo base

Deputados consideram que o fato de o Senado poder decidir previamente se aceita ou não um processo de impeachment contra a presidente da República jogou um balde de água fria sobre aqueles que pretendiam afastar Dilma. Ninguém vai arriscar ficar contra o governo no momento em que a abertura ou não de processo terá que passar pela Casa onde Dilma tem mais apoios.

Sai daí rapidinho

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) aproveita o período de pausa no Legislativo para cuidar da política estadual. Esta semana, aconselhou o governador do Ceará, Camilo Santana, a deixar o PT. Depois que o ex-governador Cid Gomes disse que Dilma Rousseff deveria deixar o partido, nada mais natural.

Dialogar para liderar/ Os Diários Associados e a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial promovem na próxima quarta-feira um seminário sobre a importância do diálogo nas relações da era digital, com a participação de jornalistas, professores, filósofos e especialistas em comunicação. A abertura será às 9h, no auditório do Correio Braziliense. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail dialogarparaliderar.cb@gmail.com ou pelo telefone (61) 3214-1554.

É guerra!/ O ministro da Defesa, Aldo Rebelo (foto), passou ontem por Pernambuco para conhecer a equipe militar de combate ao Aedes aegypti. Isso mesmo. São, pelo menos, 800 militares dedicados a essa tarefa no estado. Cada um cuida da guerra que tem. No Brasil, a do momento é
contra o mosquito.

Serviço não falta/ O combate ao mosquito não é a única tarefa a cargo dos militares país afora. No Nordeste, eles trabalham ainda na distribuição de água por meio carros-pipa e ainda tem a turma de engenharia de infantaria dedicada a parte das obras de transposição do Rio São Francisco.

Pós carnaval/ O primeiro partido que pegará “semana cheia” para apresentar seu programa partidário na tevê será o minúsculo PHS, em 18 de fevereiro. Logo depois, virão aos grandes, PT e PMDB.

A Sete palmos

Publicado em coluna Brasília-DF

Abalroada pela queda no preço do petróleo e pela Lava-Jato, a fornecedora de sondas Sete Brasil é considerada no meio empresarial como uma companhia com os dias contados. A conta corre o risco de parar no bolso dos fundos de pensão. A empresa foi concebida em 2010, num cenário com o preço de petróleo a mais de US$ 100 por barril, para construir sete sondas que seriam usadas pela Petrobras. O negócio prometia tanto que se aumentou para 29 navios. Aí, vieram a Lava-Jato e a queda no preço do petróleo. Os 29 caíram para 15.

l l l

Ocorre que os técnicos da Petrobras comentam em conversas reservadas que o projeto Sete Brasil está obsoleto. Só o Petros, fundo de pensão da Petrobras, investiu R$ 1 bilhão e não viu o retorno, tampouco tem perspectivas de reaver o dinheiro. Em fevereiro, os credores da Sete começam a bater à porta para receber US$ 3,6 bilhões. Os acionistas vão se reunir antes disso para tentar ver o que fazer. Fala-se em recuperação judicial, vista por alguns como a única saída para esse produto, que ruiu depois da junção da crise com a ladroagem descoberta depois pela Lava-Jato.

Aposta nos candidatos

Parlamentares que desejam concorrer às eleições municipais fazem parte da esperança do Planalto em conseguir parte dos votos para aprovar a CPMF, vulgo imposto de cheque. O cálculo do governo é o de que ninguém vai querer assumir uma prefeitura sem ter recursos para pagar as contas e cumprir as promessas a serem feitas na campanha. Geralmente, são em torno de 100 congressistas que partem para a disputa municipal.

Todo cuidado
é pouco

Muitos partidos planejam esperar até março para definirem seus candidatos a prefeito nas capitais e cidades grandes. É que, com a Lava-Jato na ativa, uma certa cautela não fará mal a ninguém.

“Vou trabalhar pela unidade, mas se Renan Calheiros tiver um candidato a presidente do PMDB, eu fico com Renan”

Do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ),
referindo-se à hipótese de disputa pela presidência do partido entre o grupo de Renan e o vice-presidente Michel Temer

Melhor agora

Aliados de Dilma que acompanharam atentamente a manifestação contra o aumento das passagens de
ônibus na sexta-feira em São Paulo comentavam em conversas reservadas que o governo aprendeu: aumentar a
gora os valores faz os movimentos agirem em janeiro, com menor repercussão. Em 2013, o que deu fôlego à onda
de protestos foi justamente a elevação das tarifas em meados do ano.

PCdoB emplaca mais uma/ A ex-deputada Perpétua Almeida, do PCdoB do Acre (foto), acaba de assumir a Secretaria de Produtos da Defesa, voltada para a indústria ligada ao Ministério da Defesa. A familiaridade de Perpétua com a área vem dos tempos em que a parlamentar presidiu a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional.

Gerdau ficou/ O megaempresário Jorge Gerdau Johanpeter permanece na lista de integrantes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, que se reunirá no fim do mês em Brasília para discutir a conjuntura econômica.

Creuza entrou/ A novidade na lista de integrantes é a presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, Creuza Oliveira. Ela está no rol que ainda precisa passar pelo crivo da presidente Dilma Rousseff.

Ator & personagem/ Os políticos noveleiros notaram. No capítulo de A regra do jogo que foi ao ar na quarta-feira, o personagem de José de Abreu, que interpreta o chefe da organização criminosa na novela das 9, se referiu aos valores recebidos para um dos capangas como “pixuleco”. Um fiel aliado da presidente Dilma comentava: “Pô, até o Zé de Abreu falando ‘pixuleco’?!!!”

AS ERVAS DO RECESSO

Publicado em coluna Brasília-DF, Sem categoria

Nesta primeira semana útil do ano, ninguém no mundo político tem dúvidas de que a Lava-Jato vai dar o tom desse universo em 2016 num salve-se quem puder pior do que o de 2015, porque o cerco começa a se fechar. Até a retomada do Congresso, a série de troca de mensagens entre Leo Pinheiro, o executivo da OAS preso, e autoridades estará no decanter, bem como as demais citações que envolvem os ministros palacianos.

l l l

No Planalto, tudo é visto como um ataque especulativo e seletivo sobre os principais ministros de Dilma Rousseff, em especial Jaques Wagner, da Casa Civil, que começou a refazer as pontes com o Congresso. No PMDB, entretanto, há quem veja nos trechos dos vazamentos uma tentativa de deixar Michel Temer em baixa. Com ambos no desgaste, preserva-se Dilma enfraquecida, sem condições de aprovar a CPMF para salvar a economia. Aí estão a largada de 2016 e a ótica de parte de seus atores políticos.

Relações perigosas

Quem coordenou o processo de transferência da área financeira da Petrobras do Rio de Janeiro para Salvador foi João Carlos Ferraz. Lembrou-se do nome? Ferraz foi o primeiro presidente da Sete Brasil, indicado por Sérgio Gabrielli. Fez delação premiada no ano passado, se comprometeu a devolver R$ 3 milhões e repatriar
US$ 1,9 milhão.

Nova forma I

Os generais do deputado Leonardo Quintão na batalha pela liderança do PMDB decidiram tirar de cena o governo Dilma. Na maioria das conversas, dizem que não se trata de uma briga pró-Dilma nem do Anti-Dilma e, sim, um movimento contra o atual líder, Leonardo Picciani. Há quem diga que Picciani não trata dos interesses da bancada e sim do Rio de Janeiro em sua relação com o governo.

Nova forma II

A mudança de discurso dos adversários de Picciani é vista como um teste para o próprio governo Dilma. É que, se ganhar corpo, é sinal de que o impeachment realmente perde fôlego entre os peemedebistas. A ver.

Por falar em Quintão…

As dificuldades para conseguir um candidato único dentro do PMDB mineiro são consideradas insanáveis.
Isso porque, ali, há uma aliança entre PT e PMDB, e os peemedebistas ligados ao governo Pimentel — leia-se: Dilma Rousseff — não querem dar asas a qualquer movimento contra Dilma no Congresso.

E o Cid, hein?/ Ao fim de entrevista, enquanto tirava selfies com jornalistas, alguém quis saber da presidente Dilma o que ela achava da proposta de Cid Gomes (foto), de voltar ao PDT. Dilma fez uma expressão de que a proposta era uma bobagem e riu: “Não vou brigar com o Cid Gomes, ele pode falar o que quiser que eu não vou brigar com ele. No tempo que convivemos aqui, percebi que é uma pessoa bem-intencionada”.

TQQ/ É assim que técnicos da Petrobras chamam o presidente da empresa, Aldemir Bendine. Há quem diga que ele, muitas vezes, faz a semana parlamentar: terça, quarta e quinta.

Riquinho/ Ah, é assim que advogados da Petrobras chamam o diretor financeiro, Ivan Monteiro. Os advogados da companhia deram o apelido porque consideram que Ivan tem aversão a contenciosos com governos estaduais ou a União. Prefere pagar o que a União pede, sem discutir as dívidas.

O imponderável/ Leo Pinheiro está fora da cadeia, respondendo em liberdade, mas, se voltar para a prisão, é bem possível que termine contando o que sabe.

Siameses

Publicado em coluna Brasília-DF

O senso comum entre os atores da política é o de que não há, nesse momento, votos para aprovação de um processo de impeachment. Por isso, todos estão em fase de refazer o próprio jogo. Esta é a base para todos os movimentos em curso, inclusive a reaproximação deflagrada ontem pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, com o vice-presidente, Michel Temer. O gesto interessa a ambos. O vice-presidente tentou se desvencilhar do governo e seguir carreira-solo rumo ao impeachment da titular do cargo. O governo Dilma Rousseff, por sua vez, agiu para isolar Temer. Ambos perderam alguma coisa com esses movimentos. Agora, Dilma deseja barrar qualquer processo de impeachment com uma maioria confortável na Câmara e cuidar da economia. Ele planeja manter a presidência do PMDB. É em cima dessas duas premissas que voltaram a conversar.

Resta saber como reagirá o presidente do Senado, Renan Calheiros, que tem no senador Romero Jucá um candidato a presidente do partido.

Volte a ser mãe!!
Um dos principais conselhos que o ex-presidente Lula deu à presidente Dilma na conversa essa semana foi agir de forma a despertar novamente o sentimento de “mãe do Brasil”, no sentido de proteção dos mais pobres.

Sem berço de ouro
Afinal, lembram alguns ministros, Dilma começou a construir sua candidatura presidencial para o primeiro mandato com a imagem de mãe do Programa de Aceleração do Crescimento. Agora, embora sem recursos para tanto, pode pelo menos mostrar que cortou despesas extras para manter o básico na casa chamada Brasil.

Mas com remédio e comida
A ordem é direcionar os recursos disponíveis para ações de nutrição, saúde e educação. O problema é conseguir fazer isso sem deixar um mar de obras inacabadas pelo Brasil, aliás, parte delas do próprio governo Lula.

Sem acrobacias
O governo desistiu de um grande pacote de medidas mirabolantes para tratar de cuidar da crise econômica. Tomará apenas medidas pontuais. A ordem é não assustar ainda mais o mercado e nem dar motivo para que se interprete que o governo abriu mão do ajuste fiscal. Tudo será feito para deixar cada vez mais claro que o governo não pode prescindir do ajuste.

CURTIDAS
O aniversário do PT I/ A data de nascimento do PT, 10 de fevereiro, cai este ano justamente na quarta-feira… De cinzas. Para evitar chacotas e mostrar comedimento diante das dificuldades econômicas, a grande festa está dispensada.

O aniversário do PT II/ O partido vai comemorar sua data querida com eventos regionais. O da Bahia será 13 de fevereiro, sábado. Lula vai.

Eu hein…/ Sabe aquele meme da internet “só eu que…”? Pois é. O PMDB entrou na roda e tascou no twitter “só eu que sou o maior partido do Brasil”. Alguém notou e o post foi retirado meia hora depois. Mas, aí, caro leitor, já havia caído na rede.

Nevrálgico/ Minas Gerais virou hoje o maior foco de tensão do PMDB, por causa da intenção de Newton Cardozo Júnior em concorrer à liderança do partido, a primeira batalha política do ano. Enquanto não houver um desfecho entre os mineiros, nada se ajeita.

A meta do governo

Publicado em coluna Brasília-DF

Nessas primeiras reuniões políticas de 2016, o governo definiu entre 270 e 300 o número de parlamentares que deseja ter ao lado da presidente Dilma Rousseff na hora em que o processo de impeachment for ao plenário da Câmara. É que só assim ela terá uma margem grande o suficiente para manter sólidos 171 votos e, assim, evitar a abertura de processo. Afinal, em ano eleitoral, não dá para brincar.

» » »

Em tempo: o governo apostará ainda em entidades como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Ordem dos Advogados do Brasil, que não engrossaram o movimento pró-impeachment. Só isso, acreditam muitos aliados de Dilma, já é meio caminho percorrido.

A ordem é ganhar tempo
Eduardo Cunha usará todo o prazo possível para responder a notificação do Supremo Tribunal Federal. Quanto mais demorar, mais estará no comando da tramitação do pedido de abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. A muitos, é isso o que interessa.

Avisos não faltaram
Há quatro meses, numa conversa com líderes do PSDB, o megaempresário Carlos Alberto Sicupira, um dos controladores da Anheuser-Busch Inbev e sócio de Heinz, 3G Capital e Lojas Americanas, avisou que a grande ameaça à economia mundial este ano era a China.

O problema era ação
Ao governo também não faltaram alertas de que era preciso se preparar para possíveis solavancos chineses. Porém, diante das dificuldades internas, essa preparação ficou difícil.

Pesadelo paraibano
No sertão da Paraíba, há quem esteja pagando R$ 10 pelo litro da gasolina. É que a Petrobras ameaça fechar o fornecimento direto ao porto de Cabedelo, centralizando tudo em Suape, no sul de Pernambuco. A ordem na empresa é reduzir custos. Mas a conta vai para o consumidor, que pagará mais pelo combustível por causa do transporte. A bancada federal estará amanhã em Brasília para pedir que o governo obrigue a empresa a rever esse plano.

Todo cuidado é pouco/ A turma da Lava-Jato acendeu a luz amarela do receio de algumas citações serem apenas vinganças políticas. Até aqui, dizem alguns, foram três casos: o do senador Randolfe Rodrigues (foto); o do senador mineiro Antonio Anastasia; e o da ex-senadora e ex-governadora Roseana Sarney.

Seis na largada/ O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, do PDT, terá pelo menos cinco adversários. Do DEM ao PT, todos querem a vaga. Caberá aos irmãos Cid e Ciro Gomes tentar reduzir os adversários da base do governo Dilma.

Enquanto isso, em Minas Gerais…/ A primeira grande reunião do PMDB mineiro vai tratar da disputa pela liderança do partido na Câmara. Na semana que vem, os peemedebistas se reúnem em Belo Horizonte para tentar fechar o que fazer com a pré-candidatura de Newton Cardozo Jr., que entrou depois e não deseja sair de mãos abanando.

…O jogo é duplo/ Há quem diga que o objetivo ali é fazer Leonardo Quintão escolher: ou concorre ao cargo de líder ou ao de prefeito. Ocorre que uma grande maioria dos peemedebistas de outros estados já fechou com Quintão e não pretende trocar de candidato. Quintão, portanto, não pretende desistir nem da pré-candidatura de líder nem da de prefeito.

Lé com cré

Publicado em coluna Brasília-DF

A oposição passa esses dias de janeiro juntando as falas do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, a uma rádio de Salvador e comparando com aquelas feitas em meados de dezembro, quando da saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Lá atrás, Wagner disse que quem comandava a política econômica é a presidente Dilma Rousseff. Agora, menciona que erros foram cometidos em 2013 e 2014, os dois últimos anos do primeiro mandato da presidente. Para a oposição, está claro que os erros foram de Dilma e até seu ministro reconhece.

» » »

É por aí que a banda vai tocar daqui para frente entre os oposicionistas interessados no impeachment. O enredo será no sentido de tentar provar que Dilma deixou de adotar as medidas corretas lá atrás para garantir a reeleição.

A nova arma…
Os peemedebistas que apoiam Leonardo Quintão para líder vão tirar da gaveta um documento aprovado por aclamação na reunião da bancada de fevereiro do ano passado, quando Leonardo Picciani venceu a disputa por um voto. Dizem os aliados de Quintão que o tal documento prevê que a recondução de um líder do PMDB deve ser feita apenas se houver o apoio de dois terços da bancada.

…Contra Picciani
Hoje, ninguém no PMDB reúne dois terços dos votos. Nessa abertura da temporada de 2016, continua a diferença entre um e dois votos. Tal e qual em fevereiro de 2015. Logo, muitos consideram que, se o documento valer, Picciani estará impedido de buscar a recondução. Ainda que seja por meio de uma votação secreta da bancada.

Avançou o sinal
Aliados da presidente Dilma Rousseff ficaram preocupados com a declaração do ministro Jaques Wagner sobre um placar amplamente favorável ao governo no processo de impeachment que tramita na Câmara. Sabe como é, não se pode contar com o ovo dentro da galinha. Ainda mais nesse período em que as coisas estão no aquecimento.

Barbosa, a incógnita
A classe política está oficialmente em férias, mas não tira o foco das notícias sobre o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e as medidas econômicas que o governo pretende adotar. Ninguém consegue entender como o ministro deixará de cortar despesas sem pedalar, uma vez que, em termos de votos, a disposição política para novos impostos, leia-se a CPMF, continua abaixo do que o governo precisa.

Divisão em casa/ O deputado Newton Cardoso Júnior esteve ontem na sede do PMDB de Minas Gerais. Foi conversar com Antônio Andrade sobre a disputa para líder do partido na Câmara e também sobre o fato de Leonardo Quintão querer ser líder e, ao mesmo tempo, candidato a prefeito.

“Lava-Jato on vacarion”/ É assim que um dos principais personagens da operação de combate à corrupção descansa em merecidas férias. Na manhã de ontem, fazia troça com ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso por corrupção, trocando o “T” da palavra férias em inglês, vacation, pelo “R” de Vaccari.

Nem tudo está parado/ Quem está a pleno vapor é o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (foto), estudando tudo sobre recursos cabíveis para apresentar ao Supremo Tribunal Federal em breve contra o fim das candidaturas avulsas para formação da comissão especial do impeachment.

Nem tudo está perdido/ A presidente Dilma comemorou o anúncio da Nissan, de produzir o SUV Kicks no Brasil, um investimento de R$ 750 milhões e 600 novos empregos. Foi uma das melhores notícias que ela recebeu ontem.

Por falar em comemorar…/ Quem é só alegria nesse início de ano é o ex-governador do Espírito Santo Renato Casagrande. A unidade da Federação ocupou o primeiro lugar no quesito sustentabilidade fiscal, dentro do ranking da competitividade dos estados brasileiros, produzido pelo Centro de Lideranças Públicas em parceria com a consultoria Tendências e a Economist Intelligence Unit. Casagrande tem dito que essa é a prova de que deixou uma excelente herança para o sucessor, Paulo Hartung.