Conselho de Administração derruba diretor executivo da Geap

Publicado em Economia

POR ANTONIO TEMÓTEO

Em decisão monocrática, o presidente-substituto do conselho de administração da Geap Saúde, Manoel Messias Boaventura de Novais, encaminhou ontem ofício à gerência de Gestão de Pessoas determinando a demissão do diretor executivo da Geap Saúde, Roberto Sergio Fontenele Candido.

 

Segundo Boaventura, a postura demonstrada por Fontenele não condiz com a política de governança da Geap. Ele ainda detalhou que o executivo não apresentou resposta plausível de retratação aos profissionais parceiros do plano de saúde, conforme solicitado pelo conselho, conforme estava alinhado com o colegiado.

 

Para piorar a situação, em ficha de avaliação preenchida, Boaventura classificou como “abaixo do esperado” o desempenho de Fontenele na maioria dos sete componentes analisados. O documento foi assinado de próprio punho pelo presidente do conselho de administração da Geap em 8 de maio.

 

Menos de 45 dias após assumir o posto, Fontenele deixa o cargo após ser gravado em uma reunião com parte da equipe em que afirma de médicos e hospitais roubam os planos de saúde. As declarações reveladas com exclusividade pelo Blog tornaram insustentáveis a permanência do executivo a frente do plano de saúde dos servidores públicos.

 

Apesar disso, quem conhece de perto a Geap afirmou que o processo de demissão é nulo, já que o conselho de administração não se reuniu e, por meio de uma resolução, definiu o afastamento do executivo. Tamanha é a confusão que Fontenele se recusou a assinar a Recisão Antecipada de Contrato de Experiência em 8 de maio.

 

A rescisão foi assinada pelo coordenador de Obrigações Trabalhistas da Geap, Daniel Leonardo da Rocha Mendes, e outras duas testemunhas. Vale lembrar que a Geap é um reduto do Partido Progressista (PP) e sofre forte influência da Associação Nacional dos Servidores Públicos, da Previdência e da Seguridade Social (Anasps), que detém assentos no conselho de administração da operadora.

 

Brasília, 10h56min

  • Flavio Rodrigues

    Faxinar preciso é.

  • Raimundo

    Seria importante haver uma auditoria nas contas da GEAP para verificar o que realmente está acontecendo. Não se consegue entender por que a administração da GEAP precisa de gente ligada a partido político. A lava-jato está demonstrando que onde tem indicação política tem problemas. Estamos de olho.Ministério Público neles.

  • Robson Prado

    Muito apropriado o comentário do mestre Raimundo !!!!

  • Gilberto Sampaio da Silva

    O NOSSO BRASIL ESTÁ ASSIM AGORA, NÄO SE PODE FALAR A VERDADE QUE O CIDADÃO É PUNIDO… **SE O DIRETOR EXECUTIVO, FALOU POR QUE É VERDADE !!! …

  • Ian Amerco

    “Vale lembrar que a Geap é um reduto do Partido Progressista (PP)…”
    Onde ha influencia de partido politico, há roubalheira!!!
    Simples assim.