Companheiros contra a solidão

Publicado em Deixe um comentárioanimais perdidos, comportamento, entrevista, fotografia pet

(por Laura Tizzo ,especial para o Correio Braziliense)

(fotos Jhonatan Vieira/CB/DA Press)

 

 

Ambos vivem nas ruas, invisíveis aos olhos da sociedade. Sobrevivem do que encontram descartado e dormem ao relento. Por vezes, despertam medo; por outras, compaixão. O que não se pode negar é que, para as pessoas que vivem na rua, a convivência com animais domésticos extrapola a relação “dono” e “mascote”.
O catador José Alves de Souza , 60 anos, é um desses homens. Apesar de ser dono de uma chácara em Planaltina, ele passa os dias da semana em um terreno próximo à Casa do Ceará (910 Norte). A realidade de trabalho é intensa. Seu Zezim, como é conhecido, recicla papelão, garrafa plástica, cobre, alumínio, sucata e ferro velho. À noite, dorme em uma barraca de lona improvisada, embaixo de um pé de manga, que serve de referência a quem quiser fazer uma visita.
A solidão, no entanto, passa longe. A cadela Quira está sempre ao lado, com um carinho meio desastrado — cada balançar de rabo é um estrondo. Ao ver o dono se aproximando, Quira se transforma. Antes deitada sobre a terra batida, ela se levanta e inicia um corre-corre, até que José finalmente lhe dá a atenção devida. A cadela de grande porte põe as patas embarradas sobre os ombros do dono, que retribuiu com mimos. “Já me ofereceram R$ 1,2 mil por ela. Eu falei para deixarem a minha cachorra em paz, é minha amiga. Poderia ser R$ 5 mil, R$ 10 mil, R$ 1 milhão, não vendo. Eu já vivo sem o dinheiro mesmo”, conta.
José nasceu em São Paulo, morou em Minas Gerais, mudou-se para a Bahia, de onde veio, há três décadas, para “caçar melhorar a vida”. O único estudo que teve foi para tirar carteira de motorista, porém, se orgulha de ter lutado pela educação das filhas. “O meu sonho era estudar. Eu não tive (estudo), mas dei para as minhas filhas. Elas terminaram a faculdade, outra está se formando”, relata.

 

Aurino Costa da Silva e seu cachorro Leão, na Asa Norte.
Aurino Costa da Silva e seu cachorro Leão, na Asa Norte.

 

No mesmo terreno, fica a tenda de Aurino Costa da Silva, 61, que também recorre à reciclagem para sobreviver. Cansado de testemunhar os maus-tratos que a cadela Amarela sofria do antigo dono, ele a comprou por R$ 10, o preço de uma garrafa de bebida alcoólica. “O cara vivia com ela na rua, judiando da cachorra. Andava com ela no asfalto mesmo, em tempo de algum carro atropelar”, comenta.
Amarela não é de muitos amigos. Fica sempre quietinha, no canto, sem incomodar e sem deixar que a incomodem. Alguns meses depois da adoção, veio o filhote, Leão, que de feroz só tem nome. “Valeu a pena, são as minhas companhias”, revela o piauiense, que se mudou para o Distrito Federal prestes a completar 19 anos para ajudar a criar as irmãs.
 

Guilhermina Maria da Conceição e a sua gata Nina, na Asa Norte.
Guilhermina Maria da Conceição e a sua gata Nina, na Asa Norte.

 

 

 

Caso semelhante é o de Guilhermina Maria da Conceição, 44, que há meses se abriga no gramado entre o Eixão Norte e o Eixinho. Baiana, trabalhava na cidade de Barreiras, capinando e arrancando feijão. Deixou a roça há quatro anos para morar em Uruaçu, município goiano a 270km de Brasília. A maior parte do ano, no entanto, fica na barraca erguida no fim da Asa Norte, que, há três meses, conta com uma moradora nova: a gatinha Nina. “É uma amiga, a gente adora ela. Quando a gente come, ela está perto, a gente dá comida. Quando eu acordo, ela sai junto. A gente pega amizade dos bichinhos”, explica.

 

 

 

Carência

A porta-voz da ONG ProAnima, Simone Lima, conta que, há cerca de 10 anos, foi procurada por um morador de rua que pedia ajuda para a cadelinha atropelada. A entidade encontrou um veterinário para realizar a cirurgia, e o homem fez questão de pagar R$ 1 por dia à equipe por ter salvo a vida da melhor amiga. “Os vínculos podem ser estabelecidos, independentemente de classes sociais”, conta.
O doutor em sociologia e professor dos cursos de direito e ciência política do UniCeub Edvaldo Fernandes explica que uma das consequências da exclusão social é o isolamento dos indivíduos. “É como se a sociedade buscasse eliminar essas pessoas. Como não se pode, simplesmente, destruir a vida alheia, as ignora. Essa pessoa que é tratada dessa forma acaba não se sentindo alguém, mas, sim, uma coisa”, esclarece.
Uma vez imposta a condição de segregação, a pessoa em situação de rua, por exemplo, procurará se relacionar com aqueles que não a discriminam, que pode ser tanto alguém na mesma condição, quanto animais. “Mesmo as pessoas, quando são excluídas, acabam por construir zonas de escapes e por improvisar soluções. E, às vezes, na falta de encontrar um par, elas encontram um cachorro. O bicho vai suprir a carência de interação com alguém.”
Segundo Edvaldo, os casos de cidadãos marginalizados que buscam a companhia de animais de estimação são frequentes, pois a sensação de solidão é uma constante. “Cães e gatos, por exemplo, tratam as pessoas como elas são. Eles as tocam, se aproximam e, com isso, compensam um deficit de carinho, de amor e de afeição”, conclui.

 

Família gasta R$ 6 mil em busca por cachorro desaparecido no DF

Publicado em 1 Comentárioanimais perdidos, comportamento

(Da  ANDA e CACHORRO PERDIDO)

(foto Divulgação)

 

Há um mês, um cãozinho sem raça definida chamado Negão, sumiu na Cidade do Automóvel, que fica no SCIA (Setor Complementar de Indústria e Abastecimento). Desde então, seu tutor, o analista de sistemas Leonardo Murucci Bastos, busca o amado animal doméstico. Ele resolveu pagar por um outdoor na via Estrutural, uma das mais movimentadas do Distrito Federal, ao custo de R$ 2 mil, por 30 dias. Os custos totais na tentativa de reencontrar o animal chegam a R$ 6 mil.
Bastos conta que Negão é um cãozinho dócil e educado, mas que costumava cuidar bastante da região de sua casa. Até ser atacado por um cachorro bem maior. Para garantir a integridade do cãozinho doméstico, Leonardo decidiu levá-lo à Cidade do Automóvel. E foi lá que ele desapareceu, para a tristeza da família que o adotou há dez anos.
Foram várias as buscas na região da Cidade do Automóvel e também na Estrutural (DF). O analista de sistemas também contratou um detetive, carro de som e investiu em 10 mil panfletos e os distribuiu nas duas regiões. Mas sem resultado até a publicação desta reportagem. Leonardo estimou o gasto total em, pelo menos, R$ 6 mil reais.
— Não é um cachorro de raça, é um vira-lata. Estou procurando por amor.
O analista de sistemas garante que várias vezes já saiu mais cedo de casa e também no horário de almoço para procurar Negão. Enquanto a busca não se encerra, ele também não esclareceu o valor que pretende dar como recompensa. Se uma criança encontrou o cãozinho e passou a cuidar dele, ele acredita que dinheiro possa não ser a solução. Para ele, o dinheiro não é o mais importante.
— Se este for o caso, dou um outro cãozinho. O estresse emocional que tive é muito superior ao que já gastei.

Eventos Pet em Brasília nesse final de semana

Publicado em Deixe um comentárioAlimentação Pet, animais perdidos, blogueiros, comportamento, concurso pet, entrevista, Eventos Pet, fotografia pet

12246860_705783269566342_1711114962459421179_nBrasília Pet Show

Atrações

 Feira pet completa

 Exposição Internacional de Cães de Raça

Palestras com profissionais renomados

 Demonstração de Agility

 Demonstração de cães policiais

 Fazendinha com diversos animais

Segmentos

 Nutrição

 Saúde animal

 Higiene e beleza
Material veterinário

 Medicamentos

Acessórios

 Aquarismo

 Equipamentos

Transporte

 Serviços

 Publicações

Entrada

 Franca

Data e horário

21/11 – sábado das 9 às 20h

22/11 – domingo das 9 às 18h

Local

   Estádio Nacional Mané Garricha

Para animais é obrigatório apresentar carteira de vacinação em dia

Estacionamento Amplo e gratuito

APOIO de MÍDIA:

CORREIO BRAZILIENSE_ (V.ORIGINAL - 1 LINHA)

 

 

12240041_1061898877177423_1949504278432115318_nFeira de Adoção SHB

Quando: Sábado 21.11 das 10 as 16h.

Onde: Petz Brasília/SIA trecho 2

Você viu o gato Thómas?

Publicado em Deixe um comentárioanimais perdidos

Thómas é um gato resgatado, que estava com a dona há 3 anos.

Ele é carinhoso, calmo e sociável.

Tem o pelo branco e cinza, olhos verdes e uma mancha no nariz muito particular.

Ele sumiu entre as 6h30 do dia  6 de outubro, na SQN 415, Bloco E.

Quem tiver notícias, favor entrar em contato com:

Daniela Estrella,
E-mail: danirestrella@ gmail.com
E-mail: blocoarteprojeto@ gmail.com
Celular: (61) 9246.2286
Telefone: (61) 3202.1409