Escrever: seja específico

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Escrever”, ensinam os manuais, “é 10% de inspiração e 90% de transpiração”. Em outras palavras: escrever dá trabalho. E como! A gente tem de planejar, escrever e burilar o texto. Sem preguiça. A redação nota 10 não nasce na primeira tentativa. Nem na segunda. Nem na terceira. A cada versão o autor conjuga o verbo melhorar. Corta daqui, enxerta dali, troca palavras, muda parágrafos de […]

Escrever certo é fixação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Com x ou ch? S ou z? As dúvidas são muitas. As respostas, escassas. Há poucas regras de grafia. A escrita correta do vocábulo é fruto muito mais de fixação da forma que de memorização de regras. Escrevemos hospital com h não por conhecer a etimologia da palavra ou por termos estudado norma especial. Mas por a vermos grafada dessa maneira.       Por isso, quem lê […]

Neo: hífen

Publicado em 1 Comentárioportuguês

O neo– está em cartaz. Neomodernismo, neocapitalismo, neoliberalismo e por aí vai. Com hífen ou sem hífen? Depois da reforma ortográfica, neo– só aceita hífen antes de h e o. Com as demais letras, vem tudo colado como unha e carne: neo-humanismo, neo-hebraico, neo-ortodoxo, neo-orleanês, neoescola, neorrealismo, neossocialismo.

Anti: hífen

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Depois da reforma ortográfica, o anti- só suporta o hífen antes de h e i. No mais, é tudo colado: anti-humano, anti-histórico, anti-idade, anti-imperialismo, antirregulamento, antissinais, antitempo. Atenção, navegantes. Se o prefixozinho for seguido de nome próprio, cessa tudo o que a musa antiga canta. A intransigência põe o rabinho entre as pernas. Só dá hífen: anti-Temer, anti-Bolsonaro, anti-Trump.  

Travessão: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O travessão (—) é pra lá de versátil. Como Bom Bril, tem mil e uma utilidades: Introduz diálogos: Imagino Irene entrando no céu  — Licença, meu Branco? E São Pedro, bonachão: — Entra, Irene. Você não precisa pedir licença. Separa as datas de nascimento e morte de uma pessoa: Recife, 1908 – Brasília, 1962. Destaca um termo opaco, escondido. Dá realce ao sem-graça: O ministro conseguiu […]

Como cadastrar-se? Como se cadastrar?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Como cadastrar-se no sorteio?” “Como se cadastrar no sorteio?” Ambas soam bem. E estão corretas. O xis da questão reside no infinitivo (cadastrar). Com essa forma, vale tudo. O pronome pode ir antes ou depois do verbo. Não respeita nem as palavras que atraem o atonozinho: Saiu para preparar-se. Saiu para se preparar. Gostaria de me aposentar já. Gostaria de aposentar-me já. Por que candidatar-se […]

Tempestivo e intempestivo: olho na família

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Tempestivo pertence à família de tempo. Significa no tempo certo, oportuno: O recurso foi apresentado tempestivamente (dentro do prazo). Intempestivo é o contrário. Quer dizer fora do prazo: A ação judicial foi considerada intempestiva (ajuizada fora do prazo previsto em lei). Viu? Tempestivo e intempestivo não têm nada a ver com temperamento. Dizer que alguém é intempestivo? Nãoooo!

Gerir, aderir e preferir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Gerir, aderir e preferir conjugam-se do mesmo jeitinho. Na 1a pessoa do presente do indicativo, trocam o e pelo i: eu prefiro (adiro, giro), ele prefere (adere, gere), nós preferimos (aderimos, gerimos), eles preferem (aderem, gerem). Ops! Giro (do verbo gerir) se confunde com o giro do verbo girar. E daí? O jeito é lembrar a história do Costa e Silva. O general de plantão mandou […]