Problemas de uma cidade quase idosa

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Foto: Letícia Carvalho/G1

Um tema que, no mínimo, poderá, doravante, regular toda a vida urbana da capital do país com reflexos óbvios no futuro da cidade e de seus habitantes. Dessa vez, coube aos deputados distritais, em fim de mandato, dar uma espécie de grand finale político e relâmpago à essa questão que já se arrasta por longos nove anos. Com a aprovação da Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos) pela Câmara Legislativa, mais um capítulo na conturbada história envolvendo as terras do Distrito Federal é escrito.

O fator que explica os muitos anos decorridos entre a apresentação dessa proposta e sua aprovação é que, desde que surgiu há exatos 9 anos, a Luos jamais conseguiu reunir num mesmo documento os reais anseios da população de Brasília. Urbanistas, arquitetos e outros técnicos que entendem da dinâmica de uma cidade têm um pensamento distante do que sempre pretenderam os políticos, os grileiros, os empreendedores e demais empresários ligados ao milionário mercado da especulação imobiliária que se criou por essas bandas com a maioridade política da capital.

Com isso, o futuro da cidade, mais uma vez, fica em suspenso, à mercê agora dos humores do mercado e dos múltiplos interesses que se escondem por detrás dessa medida. Um fato que demonstra bem essa dicotomia entre o que querem os brasilienses e o que pretendem os que apoiam esse documento foi dado pelas manifestações contra e a favor da aprovação dessa proposta.

Por um lado, e como fizeram desde o princípio, estão as mais de duas dezenas de Entidades da Sociedade Civil do Distrito Federal que, em Carta Aberta ao GDF, se uniram para lançar um manifesto chamando a atenção para os graves problemas que ameaçam o futuro da capital e que vai, pouco a pouco, minando a qualidade de vida de todos. A Luos, na opinião dessas entidades que congrega professores de arquitetura e urbanismo, técnicos em meio ambiente, em gestão pública e outras especialidades, foca seu intento nas áreas passíveis de alterações e alienações, principalmente nos mais de 365 mil terrenos do Distrito Federal onde poderão ser erguidos novos empreendimentos.

Com isso, deixa de lado aspectos fundamentais como o inchaço da cidade, a crise de abastecimento, o aumento da criminalidade, dos engarrafamentos, a questão da destruição das áreas de preservação da capital e outros aspectos importante na vida das metrópoles.

Para essas entidades, há questões a serem resolvidas nas áreas com deficiência nas políticas públicas, na ineficiência na gestão hídrica, na falta de visão integrada do DF, na perda de áreas rurais, na ineficiência da mobilidade urbana, na falta de rotina de restauração conservação e manutenção do patrimônio cultural, na falta de um plano diretor de arborização urbana e plano distrital de adaptação às mudanças climáticas, entre outros assuntos de suma importância.

Contudo há aqueles que se dizem satisfeitos, além dos distritais, com a aprovação da Luos como é o caso do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), da Associação Brasiliense dos Construtores (Asbraco), da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-DF), além dos grileiros e de todos que têm se beneficiado com a transformação de terras em capital político e econômico.

 

A frase que foi pronunciada:

“Nada mais fácil do que fazer planejamento de um país sem incluir gente.”

Jaime Lerner – Política

Charge do Junião

Estudar

CESAS, da 602 Sul, é um colégio público da capital do país que não tem número suficiente de alunos matriculados para 2019. Jovens e adultos que queiram completar o ensino médio e fundamental terão também a oportunidade de participar de cursos profissionalizantes. Telefone para contato: 3901-7592.

 

Casa do Ceará

Por falar em cursos, a Casa do Ceará começará as férias com animação total. Vários cursos à disposição da comunidade. Cabeleireiro, corte e costura, manicure, culinária, depilação, bordado em pedraria, yoga e pintura em tela. Ligue para: 3533-3800.

Foto: casadoceara.org.br

Novidade

Certidão eleitoral, diversas consultas, processos, variedade de nada consta… aos poucos a internet vai ocupando o lugar de burocratas. Vale ver, no blog do Ari Cunha, Gabriel Senra no TedMauá trazendo o assunto à tona.

Fotovoltaica

É dever dos líderes públicos atender aos anseios da sociedade brasileira. O crescimento sustentável do Brasil será potencializado pelo uso da energia solar fotovoltaica como política pública estratégica para o desenvolvimento econômico, social e ambiental, contribuindo para diversificar a matriz elétrica, gerando milhares de empregos, reduzindo a queima de combustíveis fósseis, ampliando a liberdade do consumidor, estimulando a cadeia produtiva, reduzindo perdas e trazendo economia para os cidadãos, as empresas e os governos. A opinião é de Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR)

Foto: youtube.com/MundoEnergy

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Parece que o ideal seria reaver esses lotes, para que a Caixa Econômica não faça especulação, e vendê-los aos industriais que não têm onde colocar seus funcionários, e aos funcionários da prefeitura que comprovarem não possuir outro terreno em Brasília. (Publicado em 07.11.1961)

Diagnósticos de uma medicina mecanizada

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Foto: opiniaoenoticia.com.br

Não é de hoje que médicos e especialistas em exames laboratoriais e de imagens alertam para os perigos causados aos próprios pacientes pelo excesso e banalização desses procedimentos. Por falta de uma regulação mais precisa pelos órgãos de vigilância de saúde, o Brasil se tornou campeão mundial em exames de imagens e exames laboratoriais. Com isso, muitos pacientes são submetidos a uma bateria de procedimentos clínicos, muitos deles, absolutamente desnecessários e inócuos do ponto de vista do diagnóstico.

Por trás de tantos pedidos de exames está o mercado da medicina, representado pelos laboratórios e pelas clínicas, pelos hospitais, planos de saúde e por muitos médicos ligados a esses esquemas bilionários que encontraram em nosso país um paraíso e uma mina de ouro para essas rotinas duvidosas.

Nos últimos, anos um fator muito específico, e de ordem estrutural, vem contribuindo não só para esses números exagerados de exames que são solicitados aos pacientes, como também para o aumento de casos de erros médicos. Trata-se obviamente da má formação dos médicos, principalmente daqueles oriundos das inúmeras faculdades que foram criadas em todo o país nos anos mais recentes.

A mercantilização da medicina, representada pela ganância das clínicas de exames laboratoriais e de imagens, dos planos de saúde, dos hospitais particulares, aliadas à má formação profissional de uma imensa geração de novos médicos, oriundos de escolas sem qualidade atestada, resultaram nesse descalabro que faz com que, no Brasil, o número de pedidos de exames médicos sejam o triplo dos requeridos em países como França, Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido.

Para se ter uma ideia, enquanto que naqueles países a média anual de exames como a ressonância magnética representava, em 2016, 52 pedidos para cada mil habitantes, aqui esse número chega a mais de 149 para cada grupo de mil brasileiros. De fato, muita gente já pode perceber, durante as curtíssimas consultas médicas que, cada vez mais, esses profissionais, por insegurança e pela deficiência de formação, já não conhecem os segredos e a importância da etiologia, ou seja, o estudo das causas e origem de uma doença.

Na raiz do problema está o fato de que muitos médicos já não conversam e muito menos ouvem seus pacientes. Há casos, inclusive, de profissionais que, sequer, olham nos olhos de seus pacientes, permanecendo, durante toda a consulta de cabeça baixa, fazendo anotações. Muitos desses profissionais apoiam seu trabalho de diagnose exclusivamente com base nos resultados mostrados pela pilha de exames pedidos. Com isso, a relação médico/paciente, fundamental para a boa prática da medicina, desaparece e passa a ser substituída pelo o que dizem os números e as imagens.

 

A frase que foi pronunciada:

“A medicina é minha fiel esposa e a literatura é minha amante; quando me canso de uma, passo a noite com a outra.”

Anton Tchekhov

 

Guardians

Foi em São Francisco que Topher White criou os Guardians. Celulares velhos recolhidos e transformados em monitores para proteger a floresta amazônica. Com placas solares que os mantém ligados, os aparelhos espalhados distinguem o som de uma serra, que é captado pelo controle, alertando a equipe sobre a presença de máquinas. A comunidade indígena de Tembé recebeu a novidade de braços abertos.

SolidariedArte

Realizado pelo Grupo Cultural Azulim, o Rap Christmas vai reunir no sábado, dia 22, a partir das 14h, no Ginásio de Sobradinho I, os principais grupos que fazem história no movimento hip-hop do DF. A entrada é um quilo de alimento não perecível (exceto sal). O evento é livre para todos os públicos. Segundo IIranildo Gonçalves Moreira, o evento “promete ser uma grande celebração, pois pretende reunir a primeira formação dos grupos e, de quebra, encerrar com chave de ouro a Campanha Nacional do Natal Sem Fome na sua 27° edição”, explica.

Cartaz: facebook.com/GrupoCulturalAzulim

É Natal

Seria interessante se o Sindivarejista capacitasse os vendedores do DF. Como tratar um idoso, prestar atenção no que diz o cliente, não discutir sobre folgas na frente dos clientes, não mastigar enquanto atende, ser respeitoso sem ser pegajoso, dar preferência a quem está presente e não ao telefone, considerar que organizar a loja não é prioridade quando se tem um cliente querendo comprar. Comportamentos simples que fazem a diferença no atendimento. Brasília é um verdadeiro desastre nesse quesito.

Capa: facebook.com/Sindivarejista

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O comércio da W-3 da Asa Norte está vivendo momentos difíceis. O dr. Jânio mandou dar uns lotes residenciais à Caixa Econômica e outras autarquias. Resultado, ninguém construiu residências, e não há, portanto, compradores para as casas comerciais. (Publicado em 07.11.1961)

Quando os alunos superam os professores

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Charge do Frank

De Norte a Sul do país, o que a população assiste abismada é a progressão do crime organizado com a escalada de delitos de toda a ordem, numa clara demonstração de que esse tipo de banditismo, as funções de cada um, assim como as ações perpetradas, obedecem já a um rigoroso esquema de táticas de guerrilha urbana.

Para os estudiosos desse fenômeno, a origem das organizações criminosas se deu ainda nos anos setenta, quando do encarceramento de bandidos e de membros da guerrilha de esquerda em celas comuns. Dessa convivência, forçada atrás das grades, os criminosos aprenderam, dos presos políticos, noções básicas de guerrilha e de organização e de métodos de grupos para melhor eficácia das ações.

Com esses chamados “subversivos”, os bandidos passaram a aprender as primeiras noções de organização, hierarquia, comando, táticas, transmissão de ordens codificadas, assaltos a bancos com uso de explosivos, assassinatos espetaculosos de altos membros da segurança pública, atentados contra policiais e delegacias, incêndios a coletivos com a intenção de levar pânico e medo à população, entre outras ações.

Com esses presos por crimes políticos, a maioria oriunda das classes médias e altas, com boa formação escolar – sendo que alguns receberam treinamento específico de táticas de guerrilha – os bandidos compreenderam a importância de fortalecimento econômico do grupo através da constituição de um caixa único com o dinheiro proveniente de crimes, bem como a necessidade de aplicá-los no mercado financeiro, além de uma infinidade de outras estratégias visando o crescimento e a sobrevida dessas organizações. E foi o que efetivamente tem sido feito desde então. Logo surgiram, nas duas maiores metrópoles do país, esses grupos de criminosos, que num primeiro momento, agiam, basicamente, nos limites de suas regiões. Com o advento da era da informática, também esses grupos foram beneficiados com a expansão de seus negócios. O contrabando, o tráfico de armas e de drogas levou ainda esses foras da lei a interagir para além das fronteiras do país, formando verdadeiros cartéis do crime organizado, com a divisão dos trabalhos e das funções, assim como a criação e demarcação de territórios para a atuação de cada facção.

O fato é que, desde o retorno da democracia ao país e principalmente nas duas últimas décadas, os diversos governos, tanto federal, como nos estados, não deram a devida importância à formação dessas facções. Somente com os episódios mais recentes em São Paulo e no Espírito Santo, quando esses grupos conseguiram paralisar por completo essas metrópoles, impondo o medo não apenas a população em geral, mas às próprias autoridades, é que o país acordou, de vez, para esse pesadelo.

O mais preocupante agora é que, dado o nível de organização empresarial e técnico alcançado por esses criminosos, nem mesmo com parte de suas lideranças, colocadas em presídios, ditos de alta segurança, o fluxo de comando entre eles foi cessado, pelo contrário, vem crescendo e assustando todos os brasileiros.

O poderio alcançado por essas facções atingiu tamanha proporção que hoje é consenso que o crime organizado se tornou um problema de segurança nacional que pode, inclusive, levar à desestabilização do país. Dessa forma, torna-se imperioso reconhecer que os antigos alunos dos presos políticos, superaram, em muito, seus professores e hoje dão aula de como amedrontar uma nação inteira.

 

A frase que foi pronunciada:

“Um tempo atrás, quando se falava em crime no Brasil, se preocupava com PC Farias. Hoje nos preocupamos com o que o PCC farás.”

Danilo Gentili

Foto: facebook.com/Danilo.Gentili.Oficial

Visto

Mais uma vez o IDECAN, a mais incompetente banca de concursos do país, mostra a que veio. Depois de anular as provas dos Bombeiros, uma delas por que esqueceram as folhas de redação, agora anuncia que o concurso da AGU será anulado porque cadernos de exames não chegaram em algumas partes do país. Milhares de pessoas prejudicadas. Isso é um abuso, um caso clássico de dano moral. Não para a Justiça, que deixa claro não julgar mérito. Pelo desastre de outros processos seletivos, esse Instituto deveria ter todos os direitos cassados.

Foto: Advocacia Geral da União – GNews — Foto: Reprodução GloboNews

Lido

Current Biology é uma respeitada revista científica que abrange todas as áreas da biologia, uma delas a genética. Um grupo de cientistas conseguiu fazer uma análise genética do papagaio comparada com outras aves longevas e identificou vários genes com evidência de pressão seletiva, sugerindo a importância para a longevidade e para a cognição. Este trabalho é produto de uma colaboração de vários laboratórios do Brasil, financiados como uma rede de genômica pelo CNPq-MCT, como parte da rede SISBIO de estudos da biodiversidade, além de alguns laboratórios norte-americanos. Além do alcance científico da pesquisa, a equipe que trabalha nesse projeto comemora o fato de que uma revista científica de impacto internacional, como a Current Biology, venha a publicar sobre uma pesquisa financiada originariamente por uma agência brasileira. A novidade nos foi enviada pelo doutor Claudio Mello, da Universidade de Oregon.

Ouvido

“Quando ela disse que iria visitar o João de Deus por um milagre, eu disse a ela: procure o Deus de João, que Ele sim é confiável!” Conversa na parada, perto do posto de saúde do Paranoá.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Agora é que começaram a asfaltar algumas partes do Trecho 2, mas é deplorável, a situação de um modo geral, vivida pelos industriais que fizeram, ali, vultosos investimentos. (Publicado em 07.11.1961)

Visão panorâmica

Publicado em Deixe um comentárioÍntegra

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Uma coisa é subir no palanque e fazer campanha eleitoral, outra muito diferente é subir a rampa do Planalto para governar um país complexo como o Brasil. Obviamente que diante da realidade que se apresenta ao eleito, sempre existiu aquele que prefere tomar um atalho mais fácil e governar o país ,cooptando com benesses, todas as forças políticas ao redor, dentro do velho esquema do presidencialismo de coalizão, onde todos lucram, menos a população que é chamada apenas para pagar a conta desses acertos escusos.

Com isso , para cada passo que o país avançava em frente, correspondia a dois passos recuando, ou seja, ficava patinando. Prova disso é que em praticamente todas as metas que o país estabeleceu nos últimos anos , como na questão do Plano Nacional de Educação (PNE), apenas uma , entre as vinte metas estabelecidas, foi efetivamente cumprida e saiu do papel.

Mesmo em questões prementes como o aquecimento global, que diz respeito à própria sobrevivência da espécie humana, o Brasil ameaça recuar e se retirar do Acordo de Paris. Pelo menos foi essa a promessa do então candidato Jair Bolsonaro. Agora, a um passo de ser empossado e diante dos fatos que lhe são apresentados, como a possibilidade de uma parceria bilionária com a União Europeia, o futuro presidente tem pensado melhor e mais profundamente no assunto.

Nesse caso, seguir os passos do presidente americano Donald Trump, definitivamente não seria uma boa ideia. Mesmo as alegações, em parte verdadeiras, sobre questões de possíveis perdas da soberania nacional, parecem não possuir o condão de levar adiante essa ideia formulada em palanque. Até as intenções de investir contra as inúmeras Unidades de Conservação, caem no vazio e se mostram apenas retórica de palanque. Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra do Brasil, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que entre os anos 2000 e 2016 o país perdeu 7,5% de suas florestas. Uma área equivalente a 4.017.505 Km² foi reduzida para 3.719.801 Km² em 2016. Um território maior em tamanho que muitos países do globo. O avanço do agronegócio nas bordas do bioma amazônico é uma realidade vista facilmente por todo o mundo e isso acaba por comprometer a aceitação de nossos produtos, num mercado atento para os problemas do aquecimento global.

Agora mesmo na COP24 , realizada pela ONU , na Polônia e que trata da questão climática, o Brasil ensaiou um recuo pedindo que os países em desenvolvimento não sejam marginalizados nas negociações dessa nova conferênci. Com isso Bolsonaro se verá obrigado a rever suas posições sobre o tema.

Um argumento forte que chama a atenção para uma melhor reflexão sobre o assunto clima foi dado pelos cientistas que demostraram que uma redução significativa na poluição do ar, e mesmo das águas, salvaria milhões de vidas nas próximas décadas, reduzindo também, enormemente, os gastos com saúde pública.

Os compromissos assumidos perante o mundo nos Acordos de Paris, considerados na ocasião ambiciosos, não podem ser rasgados sob pena de o mundo perder, de vez, a confiança no Brasil. Colocado na berlinda entre os ruralistas e um mundo em rápido processo de destruição, Bolsonaro terá que escolher entre a razão e as ambições desse grupo que o apoia. O que está em jogo é a perda de mercados para os produtos do Brasil. Nesse caso específico é preciso que o Brasil recue dois passos atrás para avançar na agenda ambiental, não apenas por que todo o mundo está e olho nos próximos movimentos do novo governo, mas sobretudo por que entre os 18 países com mais perdas econômicas decorrentes dos desastres climáticos, o Brasil aparece na dianteira.

Segundo a organização alemã Germnwatch o Brasil pode sofrer perdas da ordem de bilhões de reais a cada ano com eventos extremos, como tempestades e inundações e outros acontecimentos naturais , caso insista em desprezar os acordos climáticos. Não temos aqui mecanismos para prever desastres, nem Defesa Civil para prevenir e combater perigos iminentes.  Com isso, ao descer do palanque e subir a rampa do Planalto ao novo mandatário é possibilitado uma visão panorâmica e abrangente do Brasil e do mundo e isso é bom e necessário.

As frases que foram pronunciadas:

Lula: “Bolsonaro só venceu porque não concorreu contra mim.”

Bolsonaro: “Só não concorri com Lula porque ele está preso.”

Natal vermelho

Mais ou menos R$1.500 uma passagem ida e volta para Curitiba, de Brasília. Nada de museus, igrejas, centros culturais, passeios de trem. O convite da deputada Benedita da Silva é para passear em um lugar sem muito atrativo turístico. O prédio da Superintendência Regional da PF.

Incrível

Inaz do Pará, banca do concurso da Novacap adia o certame por falta de espaço. É preciso uma regulamentação nessa festa que desrespeita quem passa anos abrindo mão da vida social para estudar.

De graça

Programa de primeira na Torre de TV. Estação Cerrado encerra as atividades no dia 15, sábado. Todas as atividades são gratuitas ao público. Veja no blog do Ari Cunha o que você pode aprender nessas férias. Desde oficina de Turbantes Étnicos até marketing em projetos culturais. Veja a programação completa clicando AQUI

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA 

O Setor de Indústrias e Abastecimento, onde está todo o dinheiro de Brasília, não tem água, luz, esgotos, nem telefones. Os comerciantes são obrigados ao uso de estações de rádio clandestinas, para comunicações com os escritórios na cidade.(Publicado em 07.11.1961)

Toma que o filho é teu

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Foto: Cesar Itiberê/PR

Não se conhece, até o presente momento, nenhum estudo, projeto ou posicionamento de técnicos e estudiosos da complexa ciência do urbanismo, a respeito da criação, via medida provisória, da chamada Região Metropolitana de Brasília. Assinada pelo presidente Temer há poucos dias do fim de mandato, em atendimento ao seu correligionário e governador eleito do DF, Ibaneis Rocha (MDB), a medida, pelo que foi passado para a imprensa, irá facilitar a destinação de recursos federais aos governos estaduais e distrital, para as áreas de segurança, educação, transporte e saúde.

Na teoria, fica criada a Grande Brasília. Na prática, há muito já se sabe, e a população da capital sente, que o Entorno do DF é uma realidade concreta que afeta todos os setores da cidade, sendo considerado até um fenômeno natural e inerente à maioria das inchadas metrópoles brasileiras. Na verdade, trata-se de um cinturão formado por dezenas de cidades dormitórios que abrigam homens e mulheres que todos os dias acorrem ao Distrito Federal para trabalhar e para a utilização dos serviços públicos ofertados pela capital. Com isso, o que se tem é uma realidade factual que foi sendo formada ao longo do tempo, em muitos casos, incentivada pelos próprios governos locais, principalmente após a conquista da maioridade política da capital, interessados em criar zonas e áreas de influência política.

Formada por dezenas de regiões ligadas aos estados de Goiás e Minas Gerais, essas áreas, limítrofes ao quadrilátero do Distrito Federal, por sua formação e origem, apresentam os mais baixos índices de Desenvolvimento Humano, com problemas nos setores de saúde, educação, segurança, sem infraestrutura no abastecimento de água, coleta de esgoto e lixo, asfalto, iluminação e diversos itens necessários ao bom funcionamento de um bairro e à uma vida digna de seus moradores.

Como sempre acontece no Brasil do improviso, o que se tem agora é uma realidade de grandes proporções que antecedeu a qualquer processo racional de planejamento urbano. Com isso, a herança política, legada pela incúria de sucessivos governos passados, terá que ser assumida integralmente pelo GDF, o que irá acarretar enormes problemas a uma cidade que parece já experimentar um processo precoce de decadência, antes mesmo de conhecer um apogeu.

Por outro lado, é sabido, desde sempre, que os governos dos estados de Goiás e de Minas Gerais jamais se interessaram por essas cidades próximas ao Distrito Federal, deixando-as entregues à própria sorte e aos cuidados da capital.

Em países sérios, a criação e fundação de cidades obedecem a critérios rígidos, sendo antecedidas pela instalação de infraestruturas básicas e de planejamento minucioso para evitar que essas áreas se transformem em periferias problemáticas para as metrópoles próximas. Mesmo sem conhecer em detalhes como se processará a criação dessa Região Metropolitana, o jeito é desejar boa sorte ao governador nessa tarefa, fazendo votos para que essa não seja mais uma empreitada de cunho político, sem compromisso com o futuro e com seus eleitores.

 

A frase que foi pronunciada:

“Aqueles que olham para as leis da Natureza como um apoio para os seus novos trabalhos colaboram com o Criador.”

Antoni Gaudi

 

É lei 

Alérgicos, hipertensos, diabéticos, celíacos, portadores de insuficiência renal, muito mais gente do que se pensa depende das informações dos rótulos dos alimentos, para não passar mal ou mesmo para não morrer. Vale conhecer o portal direitodesaber.org para brigar pelo direito de ter as informações verídicas sobre a composição dos alimentos nos rótulos.

Acesse a página no link: alimentacaosaudavel.org.br

Charge: thegreenestpost.com

Perigo

Estranho o PLP 459/2017 já está em regime de urgência na Câmara dos Deputados, mesmo sem ter passado pela votação na CCJ. Parece que falta argumentação jurídica. Maria Lucia Fatorelli avisa que está prestes a acontecer uma fatalidade legislativa. O intuito desse PLP é jogar no lixo todas as regras de finanças públicas do país.

À vista

Uma das partes mais perigosas desse Projeto de Lei Complementar é a contratação ilegal da dívida pública, comprometimento do Estado com garantias e indenizações elevadas e desvio de recurso público: dinheiro pago por contribuintes será desviado durante o seu percurso pela rede bancária e não chegará ao orçamento público.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

A arrecadação está deficiente. Todo o mundo burla o fisco, da maneira que quer. E a prefeitura não tem feito muito empenho em receber tributos. (Publicado em 07.11.1961)

Desigualdade e pobreza, os grandes desafios dos próximos governos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Foto: Cristiano Mariz/VEJA

Dois indicadores sociais divulgados agora, um pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e outro pelo Ministério da Fazenda, mostram que a questão da desigualdade no Brasil, um tema secular, vem piorando sensivelmente nos últimos anos. Com isso, vai ficando cada vez mais patente que esse é um problema estrutural que pode definir o sucesso ou o fracasso de qualquer governo, seja ele no âmbito federal ou local.

Sem atacar de frente essa questão, qualquer outra ação governamental perde o sentido e a eficácia. Tomando como exemplo a questão da reforma da Previdência, numa população que cresce e envelhece, seguindo, de perto, o padrão mundial, estimativas feitas pelo Ministério da Fazenda indicam que os 20% da camada mais rica do Brasil, chega a abocanhar 40% dos gastos feitos pela Previdência, ou seja, de cada R$ 100 em benefícios, R$ 40 ficam no andar de cima. Essa situação piora ainda mais quando se verifica que os 20% mais pobres ficam com apenas R$ 3 repassados por esse Instituto.

Diante de uma situação como essa, de flagrante desigualdade de tratamento, é que fica mais claro a urgência de uma reforma da Previdência que promova um verdadeiro equilíbrio fiscal de longa duração. Segundo o relatório apresentado pelos técnicos do Ministério da Fazenda, as reformas, ao poupar os mais pobres, poderão gerar melhores indicadores na distribuição de renda. Trata-se aqui de uma questão urgente, quando se sabe que os gastos com o regime geral da Previdência poderão alcançar esse ano a cifra de R$ 591 bilhões.

Ao lado desse problema de proporções gigantescas, tem também a questão do aumento da pobreza, verificado em todo o país. De acordo com estudos do IBGE, houve um sensível aumento da pobreza entre os anos 2016 e 2017. Por esses indicadores, a proporção de pessoas pobres no Brasil (com rendimentos até R$ 406 por mês) que era de 25,7% em 2016, subiu para 26,5% em 2017. Em números absolutos, essa população variou de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas nesse período ou mais de um quarto da população. Nesse universo, as crianças e adolescentes são as mais afetadas, o que acaba por comprometer o futuro de toda uma geração, com sérios prejuízos para o país.

A população situada na faixa da extrema pobreza (renda inferior a R$ 1,90 ao dia) também aumentou, passando de 6,6% em 2016, para 7,4% em 2017, ou seja, esse contingente aumentou de 13,5 milhões para 15,2 no mesmo período.

Em algumas regiões do país essa situação é ainda mais dramática. No Nordeste 44,8 da população estava em situação de pobreza ou 25,5 milhões de pessoas. Mesmo no Distrito Federal essa situação é grave e com um adendo: por aqui, segundo o Mapa das Desigualdades, elaborado pelo Movimento Nossa Brasília, pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e a Oxfam Brasil, existe um verdadeiro abismo social entre as diversas regiões da capital.

A partir desse estudo foi criado o chamado “desigualtômetro” que mostra as gritantes diferenças entre, por exemplo, o Plano Piloto (PP) e a Estrutural. Entre essas regiões, até próximas, o nível de desigualdade entre o PP e a Estrutural chega a ser 15 vezes superior. Enquanto no PP 84,4% da população possui plano de saúde, por exemplo, na Estrutural apenas 5,5% tem esse benefício.

Nesse sentido, o que os estudiosos do problema apontam como urgente é um combate, sem tréguas, contra a desigualdade social até para tornar a cidade mais humana e governável do ponto de vista político.

 

A frase que foi pronunciada:

“A pior forma de desigualdade é tentar fazer duas coisas diferentes iguais.”

Aristóteles

Charge do Duke

 

Começo

Ricardo Quadros Laughton se despediu da esposa Ângela Ramos, no hotel, e foi direto à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A reunião acabaria no final da tarde. O tempo passou e a esposa não conseguia o contato com o marido. Atenderam o telefone. “O senhor Ricardo esqueceu o telefone, vamos levá-lo onde a senhora estiver. ”

Foto: Reprodução/Sindicato Rural de Montes Claros

Meio

Como isso nunca havia acontecido, Ângela estranhou. Estranhou mais ainda quando viu a equipe que estava chegando com o celular. Mércia, um médico e uma psicóloga. Durante o encontro na CNA, Ricardo, presidente do Sindicato Rural de Montes Claros e vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais, teve um mal súbito e, apesar de todo o pronto atendimento, não resistiu e faleceu.

 

Fim

Mércia de Andrade Silva, assessora executiva da Presidência da CNA-DF, Gilson Maia, superintendente da CNA DF e o diretor geral do sistema SENAR, Dr. Daniel Kluppel Carrara, foram incansáveis para resolver todos os problemas burocráticos dessa fatalidade. Mércia, a Dra. Rosane Curi Zaratini, diretora do SENAR, a psicóloga Maria Conceição Gutti e dona Maria Gomes Otsuki, gerente do hotel Aracoara, não mediram esforços para dar suporte à viúva.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

As superquadras ainda não foram iluminadas internamente. Fizeram uma experiência no IAPC, que redundou em nada. Ninguém sabe os pareceres dos técnicos. (Publicado em 07.11.1961)

ANS e os planos de saúde

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Charge: correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2013/08/26

Resolução normativa aprovada, no início dessa semana, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) promete ampliar as regras para a portabilidade de carências para todos que queiram mudar de plano ou de operadora, desde que sejam beneficiários dos planos de saúde coletivos empresariais.

O prazo, para essa nova medida entrar em vigor, será a partir de junho do próximo ano, quando será alterado também a chamada “janela”, que deixa de existir. Também será extinto a compatibilidade de cobertura entre planos para o exercício da portabilidade. Desde que foram criados pela Lei nº 9.656 de 1998, os planos de saúde já tiveram seu desenho alterado dezenas de vezes. São mais de 45 medidas provisórias e, pelo menos, algumas centenas de novas regulamentações baixadas pela ANS nesses últimos 20 anos.

Hoje esses planos atendem mais de 20% da população e são os recordistas em reclamações de todo o tipo feitas pelos usuários, não apenas contra as operadoras, mas, sobretudo contra a própria ANS, que muitos acusam de fazer o jogo desses planos. A principal reclamação e mais recorrente é quanto aos reajustes das mensalidades que costumam ser fixadas bem acima dos índices de inflação, fazendo com que muitos associados, principalmente aqueles que aderiram isoladamente, abandonem esses planos.

Apenas nos últimos três anos, os planos perderam três milhões de usuários ou um milhão a cada ano. Para os beneficiários, é preciso maior controle dos reajustes e de cobertura por parte da ANS. Já para as operadoras, é necessária uma maior desregulamentação do setor, deixando os planos ao sabor das variações do mercado. Segundo o IBGE, para uma inflação em torno de 4,5%, acumulada nos últimos 12 meses, o reajuste dos planos quase triplicou atingindo 13,5%. Mesmo assim, as empresas que comandam o setor apontam o controle nos reajustes como um grande entrave para uma expansão maior desses serviços.

No meio dessa briga existem aqueles que chegam a propor que o governo assuma de vez esse setor e passe a custear a mensalidade desses planos para cada brasileiro, pondo um fim ao odioso sistema que separa os cidadãos em brasileiros de primeira e de segunda categoria.

O fato é que, dentro do atual sistema, os maiores beneficiários são justamente as empresas que operam nesse setor. Mesmo os profissionais de saúde reclamam dos baixos repasses feitos pelos planos. Para um setor que movimenta algo em torno de R$ 170 bilhões ao ano, toda a atenção das agências reguladoras é mais do que necessário. A questão dos reajustes permanece como um dos temas mais polêmicos da saúde complementar. Segundo especialistas, a própria metodologia de cálculo nessas majorações das mensalidades não é muito clara. Sobre esse assunto, o Tribunal de Contas da União (TCU), ao fazer recentemente uma análise das metodologias desses reajustes, chegou à conclusão que a ANS comete muitas falhas sobre esse ponto específico. Num ponto, todos os usuários desses planos, sejam eles coletivos ou individuais, concordam: a Agência Nacional de Saúde Complementar dá mostras de operar, como as demais agências reguladoras, sempre em benefício das operadoras e em prejuízo dos associados aos planos.

Existe ainda pouca transparência nesse setor que se aproveita da omissão da ANS, sendo que a saída para esse impasse só será possível com uma reestruturação completa, com base no equilíbrio perfeito entre o que necessitam de fato os usuários e o que reclamam as empresas do setor.

 

A frase que foi pronunciada:

“O STF ratificar o indulto de Temer é estímulo e fermento a atos de corrupção. É o crime compensando.”

Senador Reguffe (DF), em forte pronunciamento no plenário do Senado

 

Ponto já

Realmente há algum mistério nos hospitais públicos e postos de saúde do DF. Osnei Okumoto, futuro secretário de Saúde, deve enfrentar todos os que forem contra a população. Coletores de registro de ponto e uma câmera próxima para registrar as presenças. É o que deveria ser feito. Câmeras em órgãos públicos não tiram a privacidade, pelo contrário, dão segurança. Quem não deve não deveria temer.

Tecnologia

Time da UnB vai participar da International Collegiate Programming Contest (ICPC). No dia 31 de março, na cidade do Porto, em Portugal, começa a aventura por 5 dias. Rafael Chehab, do curso de Engenharia da Computação, José Marcos Leite e Luis Gebrim, ambos de Ciências da Computação, formam a equipe que obteve a quarta colocação na prova. A classificação garantiu a participação inédita da UnB.

Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

Perigo e ação

Entre o Deck e o Big Box do Lago Norte, um fio de alta tensão deixou a população em risco. Bombeiros e CEB foram ágeis.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Os abrigos públicos, que foram prometidos, ainda não foram construídos, e agora, com estas chuvas, quem apanha ônibus no meio do percurso estará mesmo sujeito a enfrentar o tempo como ele vier. (Publicado em 07.11.1961)

Facções

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: cartacapital.com.br

Segundo fontes da inteligência da Polícia Civil, desde 2001, grupos diversos do crime organizado, cujas principais lideranças se encontram presas em várias penitenciárias espalhados pelo país, tentam se fixar no Distrito Federal e a partir daqui, estabelecer uma importante base de comando e controle uniforme em todo o território nacional.

Das unidades da federação, o Distrito Federal é a única região que, por enquanto, não está sob o domínio dos diversos grupos que há anos agem no Brasil, principalmente a partir do Rio de Janeiro e de São Paulo, suas áreas de origem. Para os chefões dessas organizações não se pode conceber que apesar de ultrapassarem muitas fronteiras no Sul do continente, ainda não tenham um importante núcleo fixado na capital.

A Polícia também conhece esse desejo estratégico e secreto dessas organizações e há anos vem empreendendo operações visando desarticular a instalação dessas facções no Distrito Federal. Operações mais recentes como a Tabuleiro, Palestina, Legião, Prólogo e Hydra, provam o intento dos criminosos.

A questão é complicada e requer uma vigilância constante, não só dentro dos presídios superlotados, onde essas facções recrutam mão de obra a cada instante, mas também fora das cadeias onde os criminosos montam uma rede de associados e de assistidos, para continuar se expandindo. O trânsito intenso de visitantes nesses estabelecimentos é outra fonte de preocupação para os agentes da lei. Levando e trazendo informações essas visitas, sejam de parentes ou mesmo advogados, ajudam a manter um corredor livre entre os estão detidos e aqueles que estão nas ruas, criando um canal constante de informação e em alguns casos abastecendo os próprios criminosos.

Com isso, tem aumentado as prisões de advogados, alguns, inclusive com missões muito específicas delegadas pelos chefões dessas facções e que nada tem a ver com a função de defensoria desses marginais.

Ontem, dez Grupos de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaecos) do Ministério Público Brasileiro, deflagram múltiplas operações contra integrantes de facções criminosas em 15 estados e também no Distrito Federal. De acordo com o Ministério Público do DF, a operação foi coordenada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional do MPDFT (Nupri) com apoio do Gaeco local e da Polícia Civil do DF.

Na ação foram cumpridos vários mandatos de prisão e de apreensão contra integrantes desses grupos, em diversas regiões do Entorno da capital, o que deixa patente a intenção de se estabelecerem definitivamente no Distrito Federal. É uma obsessão constante desses criminosos para expandir seus negócios.

É sabido que essas facções buscam também se infiltrar no legislativo federal, por meio de financiamento a candidatos ligados à essas organizações. Com o dinheiro, a logística e poder de convencimento que possuem, essas organizações imaginam que mais dia menos dia chegam para ficar na capital. A única garantia da sociedade de que esse dia jamais chegará, é dada pela atuação diuturna dos grupos de combate ao crime organizado.

 

A frase que foi pronunciada:

“Não dá para pedir desculpas porque o PT chegou no segundo turno.”

Gleisi Hoffmann

Charge: andreaguiarilustrador.blogspot.com

Presos

Estelionatários que agiam com idosos em caixas eletrônicos de bancos foram presos. Sempre oferecendo ajuda, ou roubavam os dados, terminavam as operações depois de despistar o cliente, ou até usavam aparelhos que clonavam os cartões. O major Michello Bueno, porta-voz da PMDF contou que foram meses para descobrir, com o apoio dos bancos, o modus operandi.

 

Impossível

Crateras espalhadas pelo Plano Piloto e Regiões Administrativas mostram a baixa qualidade do asfalto nas vias da capital. Apesar de impostos e pardais para todos os lados, o governo não faz a parte dele e o motorista fica com o prejuízo.

Charge do Ivan Cabral

Muda já

Errado o Observatório Digital de Saúde e Segurança do Ministério Público do Trabalho. Os profissionais que fazem a coleta de lixo pendurados em caminhões têm 100% de risco de perder a vida ou ter a saúde comprometida. Faça sol, faça chuva ou lua, estão sempre sem segurança, com o corpo todo de fora dos caminhões, respirando os detritos diretamente colocados à frente. É um absurdo que os lixeiros trabalhem nessas condições diante dos nossos olhos.

Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS

Nome

Foi Carlos Penna Brescianini quem estruturou a implantação do ramal Ceilândia do Metrô-DF, entre 2006 e 2008. É um bom nome para o governador Ibaneis. Técnico e independente.

 

Final feliz

Dessa vez, depois de o cliente respirar fundo ao atender uma ligação da Claro, resolveu ouvir a pobre atendente, que até ali havia sido evitada. Era uma promoção para quem tinha Claro Conta. Um telefone de R$800 estava custando R$260. Era verdade e por enquanto todos vivem felizes nessa história.

Logo: claro.com.br

Uma pena

Começa a cair a qualidade da Feira do Paranoá. Sujeira por toda parte, carnes de porco com os animais à vista, peixes e frangos expostos de maneira perigosíssima para a saúde.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Os transportes estão deficientes e precários. São ônibus novos, mas já estão se acabando. Os motoristas ainda não têm uniforme, e os trocadores não têm educação. As exceções são poucas. O povo passa mais de meia hora esperando, toda a vez que quer tomar um coletivo. (Publicado em 07.11.1961)

Meio ambiente deve estar no centro das atenções

Publicado em Deixe um comentárioÍntegra, ÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

No que pese o excelente nível técnico do quadro ministerial que vem sendo montado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, persiste ainda uma lacuna sensível e preocupante quanto ao nome do futuro ministro que ocupara a pasta do Meio Ambiente. São inúmeras as razões para se preocupar hoje com a escolha desse nome, não só no plano interno, onde há muito a ser feito para combater o desmatamento e a depredação irracional de nossa flora, mas também com relação à imagem do Brasil perante um mundo que vai, aos poucos, percebendo que ninguém sairá lucrando com a destruição dos recursos naturais do planeta.

As provas de que o planeta começa a apresentar uma certa fadiga ambiental vêm sendo sentidas por toda a parte. Enchentes terríveis, secas devastadoras, tornados e furacões cada vez mais violentos, desgelo acelerado das calotas polares, poluição, sem precedentes do ar e dos mares e diversas outras alterações bruscas, provocadas claramente pelos seres humanos, mostram que nosso pequeno mundo entrou numa área cinzenta, o que necessariamente irá nos obrigar a mudar de rumos se quisermos que nossos descendentes continuem a habitar esse planeta.

Com relação ao Brasil, as preocupações na área ambiental precisam ser redobradas e vistas com um olhar puramente técnico e científico, distante, pois, de conjunturas políticas. De preferência, distantes dos anseios desmedidos e imediatistas da chamada bancada ruralista. A destruição de nossos recursos naturais, principalmente nas regiões Centro-Oeste e nas bordas da Amazônia, para a expansão de um agronegócio ganancioso e sem escrúpulos, trará prejuízos incalculáveis ao país, na forma de desertificação irreversível de enormes áreas rurais, com morte de rios, de animais e de espécies únicas de nossa flora.

As declarações desencontradas do futuro presidente ao longo desses últimos meses têm servido para aumentar o desassossego de todos aqueles que conhecem a importância da preservação do meio ambiente. As afirmações vão desde uma possível extinção do Ministério do Meio Ambiente, para dar maior espaço e liberdade às pretensões dos produtores rurais, até críticas ácidas à atividade, qualificada como “xiita”, dos fiscais do meio ambiente.

Discursos como esses não ajudam em nada a imagem do país, além de servir de incentivo para novas investidas daqueles que enxergam a questão de modo enviesado e com base apenas nos lucros rápidos. Mesmo quando o futuro presidente fala em acabar com o excesso de áreas sob proteção e de reservas indígenas, essas pretensões acabam encontrando um eco bastante negativo para o país, resultando inclusive num boicote aos nossos produtos, obtidos, segundo creem, às custas da destruição irracional da natureza.

A última afirmação de Bolsonaro nas redes sociais e que tem gerado mais inquietação é a de que o nome para o Ministério do Meio Ambiente irá sair de um consenso direto da bancada ruralista. Caso isso venha acontecer, de fato, o passivo da nova gestão nacional para a área ambiental só irá crescer a partir de 2019, fazendo de nosso país um caso único de um Estado em conflito direto com o resto do planeta, numa época em que ações desse tipo já não serão mais consentidas.

Caso o Brasil venha, de fato, a comprar briga com os ambientalistas do resto do mundo, por questões domésticas do tipo nacionalistas ou independentistas, o prejuízo, nem é preciso dizer, atingirá, além da nossa imagem, o que ainda resta de áreas naturais preservadas.

 

A frase que não foi pronunciada:

“Nós só queremos respeito. Tentamos sobreviver desde a chegada dos portugueses. Antes disso, sabíamos o que era paz.”

Joênia Wapichana, pensando em um discurso

Charge do Jorge (naturezaepaz.blogspot.com)

Sem limites

Continua forte o lobby dos cartórios no parlamento brasileiro. Com preços bem acima da inflação, o assunto será discutido na CCJ do Senado. Só para se ter uma ideia a sugestão apresentada para o valor do reconhecimento de firma para transferência de carro, por exemplo, passaria de R3,90 para R$ 31,59. O registro de casamento seria R$245,70 e não mais R$ 164,75, que já é um absurdo. Não é possível que os representantes do povo comprem essa ideia.

Foto: protestomg.com.br

EUA

Enquanto isso, há países que optaram pela dispensa de cartórios em relação a autenticação de documentos e reconhecimento de firma. Notários públicos fazem o serviço depois de serem certificados pelo Executivo dos estados com mandatos que podem durar até 10 anos. Trabalham por conta própria.

Charge do Mandrade

Com crise ou sem crise

Só para que os brasileiros tenham uma noção da força desse lobby, no ano passado, o faturamento desses estabelecimentos chegou a R$14 bilhões.

Charge do Velati

Expressão

Conta Rainer Gonçalves Sousa, no Brasil Escola, que a origem da expressão “Culpa no Cartório” vem do Tribunal da Santa Inquisição. Nesse momento da história, por volta do século XIII, a Igreja combatia os movimentos contra a doutrina católica. Os acusados sofriam um processo judicial que ia desde uma simples penitência até a morte na fogueira. O controle dos rebeldes era registrado em um cartório mantido pela própria Igreja. Daí a expressão muito usada também nos países ibéricos, para caçoar ex-condenados com “culpa no cartório”.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Como   poder   arrecadador, o   governo   precisa   dar   mais   atenção   aos   seus funcionários e aos contribuintes. Queremos nos referir ao Departamento de Trânsito. (Publicado em 04.11.1961)

Prisioneiros das próprias contradições

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Charge: psdb.org.br

Em encontro do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, que acontece nesse fim de semana em Brasília, lideranças de todo o país discutirão novos rumos para a legenda após a derrota sofrida nas últimas eleições.  É com base na análise detida da performance do partido em outubro passado que sua cúpula pretende traçar novas estratégias para esses próximos anos e para as eleições de 2022. Pelo menos é o que está previsto para acontecer.

No entanto, para aqueles que conheceram o partido por dentro e que hoje adotaram uma postura de distanciamento e de crítica, o encontro em Brasília é uma tentativa desesperada da legenda para não naufragar nesses próximos quatro anos, diante não apenas dos significativos 11 milhões de votos a mais colhidos pela direita, mas, sobretudo, pela grande rejeição demonstrada pela população em relação a legenda.

De fato, o que motiva esse encontro, mais do que táticas políticas na formação de frentes amplas de partidos da esquerda, é o temor de que o crescente antipetismo, expressado pela sociedade e verificado em todos os patamares da pirâmide social, acabe empurrando o Partido ladeira abaixo, transformando-o numa legenda significativa apenas nos grotões mais miseráveis do país. A tentativa de atrair nesse encontro a simpatia de partidos como o PDT, PCdoB e PSB para a formação de uma força conjunta contra o governo Bolsonaro, é, no presente momento, a única estratégia para dar uma sobrevida ao partido.

É claro que, nessa altura dos acontecimentos, os partidos de oposição que sempre tiveram um protagonismo periférico nos governos petistas desconfiam que temas como frente ampla e outros discursos do gênero escondam ainda a pretensão hegemônica do PT de soerguer-se individualmente e de maneira isolada e mesquinha. Nesse caso não seria surpresa se, mais uma vez, o lulopetismo utilizasse essas legendas apenas como tábua de salvação para não submergir a maré crescente do conservadorismo.

Uma observação pertinente que cabe não só aos petistas, mas sobremaneira a todos os partidos de esquerda é que todos eles ainda não compreenderam que o Brasil, por sua formação histórica e por diversos outros fatores, é um país conservador. Se isso é bom ou ruim, pouco importa. O importante é saber que nenhum partido possui o condão de mudar essa realidade factual. Analisado por esse viés, até mesmo o próprio Partido dos Trabalhadores é, por sua insistência em ser dirigido, desde sempre, pelo mesmo grupo, uma legenda conservadora.

É preciso notar aí, que a rigor, se fossem utilizados os dispositivos previstos não só na Constituição, como na legislação eleitoral, há muito essa legenda teria o seu registro cassado.

São evidentes e fartas as provas, em mãos da justiça, que atestam que, por anos, esse partido recebeu grandes somas de dinheiro oriundas de desvios nas estatais, via empreiteiras interessadas nesse nicho criminoso. A inutilidade de encontros e de discussões como essa torna-se patente quando se verificam que, por detrás de pregações de renovação, o partido não consegue ocultar o desejo de ver sua maior liderança, hoje condenado e preso, subir novamente a rampa do Planalto.

A insistência em manter, no controle da legenda, lideranças publicamente desgastadas e até mesmo repudiadas pela população é uma prova de que o PT, assim como seu fundador, estão todos juntos trancafiados numa cela da Polícia Federal em Curitiba. Vítima de suas próprias contradições, o petismo não consegue se libertar de seu passado recente e do fato de que é propriedade daquele que jura nada possuir em seu nome!

 

A frase que foi pronunciada:

“Bicudo combateu a ditadura militar e a do PT.”

Reale Jr, advogado

Foto: exame.abril.com.br

Valorização

Deputado federal Augusto Carvalho quer alterar um parágrafo de lei com uma proposta interessante. Um Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério.

Foto: solidariedade.org.br

Sem nexo

É incompreensível que para a seleção de estagiários seja exigida experiência profissional.

Imagem: clubedebolsas.com.br

Dúvida

Ninguém estranhou que um general assessorasse o ministro Dias Toffoli? Mais que isso. Que um general fosse substituído por outro general para continuar a assessoria? Mais um pouquinho. Que o primeiro general que o assessorava viesse a ser nomeado Ministro da Defesa?  Devo estar vendo muitos filmes.

 

Novidade

Pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação será obrigatório que as escolas e universidades divulguem os resultados obtidos em sistemas oficiais de avaliação.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Nunca foi tão alto o número de títulos protestados em Brasília. Em alguns casos, são aventureiros, mas em outros são comerciantes honestos e trabalhadores, que estão sufocados pela suspensão das obras da cidade. (Publicado em 07.11.1961)