A música e o divino

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A arte nasce de cérebro e coração, navega entre a ideia e a emoção; mas nem Freud conseguiu explicar a manifestação, a centelha, a tal inspiração que dá início ao processo criativo. ‘De onde você tirou isso?’, costumam ouvir os artistas. E por mais que expliquem, a gente só tem uma certeza: eles também não sabem. O samba tentou traduzir, […]

Realidade fantástica

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Romancista pode inventar o que quiser; mundos paralelos, universos multidimensionais, personagens oníricos, cenas mirabolantes. Jornalista precisa ser muito menos criativo; deve descrever fatos, se ater a obviedade da notícia e, ainda que vá além do acontecimento, tem que manter os pés no chão – ainda que, para atrair o leitor, use truques literários; mas nada que vá além de uma […]

Somos todos Mussum?

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A língua portuguesa tem sido muito achincalhada nesses tempos. Há muita concorrência com tanto neologismo, erro proposital (“é nóis”, por exemplo), estrangeirismo e até invasão visual/sonora, que transforma expressões inteiras em desenhos em palavras (emojis, figurinhas). E tem a invasão dos politicamente corretos. Estava aguardando o início de uma reunião quando as pessoas começaram a chegar. “Bom dia, a todos”, […]

Crime na noite

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A queda parecia imparável. Não houve um pulo, um escorregão, nada; o corpo já surgiu solto no ar, braços balançando sem controle. Até a dor que a bursite vinha provocando nos últimos dias sumiu. Era possível sentir o vento no cabelo, o que provocava uma sensação dúbia, entre o prazer de estar livre e solto e a agonia de não […]

A ameaça da pitanga

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Depois de uma certa idade ninguém quer explorar mais nada. Pelo menos é o que dizem por aí, já que os anos envergam e tiram o viço. Assim, não se sabe se foi o recolhimento forçado pelo vírus ou alguma conjunção astral, mas os três amigos deram de explorar as margens do lago Paranoá, aproveitando que as cercas caíram. Descontadas […]

Afugentando a cachorrada

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não sei se dá para precisar a data, mas seria útil saber quando é que o Brasil começou o processo que redundou neste cinismo todo. Há tempos vivemos uma epidemia moral que vem acabando com a fama cordata do brasileiro; viramos iconoclastas, detratores, ridículos. Cuspimos para o alto como se não houvesse gravidade. Foi Antístenes quem, 400 anos antes de […]

Um lobisomem entre nós

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Medo fascina. Ninguém sabe exatamente porque as pessoas leem livros e veem filmes macabros, que deixam os cabelos da nuca em pé, dão frio na espinha e tremeliques pelo corpo; sensações longe de serem agradáveis. Há arrepios melhores. Mas o horror abraça. Há quem defenda que o corpo pede liberação de adrenalina para melhorar os reflexos, outros garantem que a […]

Um divã no botequim

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Convenhamos que bar não é lugar para discutir relação. Mas como hoje ninguém tem lugar para nada e a vida privada escorre pela latrina, lá estava o casal tentando acertar os ponteiros. Antes, porém, devo esclarecer que não caí na tentação de fazer fofoca; o que segue é só um caso mundano, cheio de testemunhas involuntárias. A moça parecia confundir […]

O homem das flores

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O colorido de Brasília brota do chão e desafia a cidade feita em concreto rígido. Mas nem sempre foi assim. Nos primeiros anos da capital, o objetivo principal era plantar grama; por um motivo prático: conter a poeira que subia da terra vermelha, impulsionada pelos lacerdinhas, como eram chamados os redemoinhos. A nova capital nasceu do cerrado desmatado por correntes […]

Agulha no agulheiro

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A habilidade do ser humano fazer música nasceu junto com as palavras. Ou até antes: há quem defenda que as primeiras comunicações eram musicais, ou quase; ainda hoje um grunhido vale por mim palavras, principalmente se sair da garganta da patroa. Daí para a frente foi a sonoridade – a onomatopeia – que dava sentido ao que ia sendo nominado. […]