Pandemia e a participação da família na educação

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Charge do Chaunu

 

Dissociado da família, qualquer modelo de aperfeiçoamento do ensino torna-se capenga e não se completa. O ciclo completo de todo o processo educativo deve ser composto por alunos, professores e pais ou responsáveis.
Esse tem sido o calcanhar de Aquiles de todo o nosso processo de ensino e que revela não apenas um descompromisso no envolvimento da escola com a comunidade, mas, principalmente, uma desconsideração da importância de se firmar um acordo sério entre as partes envolvidas nesse mecanismo. Um fato que comprova essa tese e que demonstra, na prática, essa falha é que é comum, em muitas escolas, que professores e orientadores desconheçam, por completo, quem são os pais e responsáveis da maioria de seus alunos. Não conhecem, e muitas vezes não sabem, sequer em que contexto social esse e aquele aluno vivem.
Sem essas informações e sem o conhecimento do meio em que vivem seus alunos, seu cotidiano, suas origens, o que os pais fazem, como é a rotina da família e outros dados preciosos, qualquer modelo tende a falhar. Ocorre que, em muitos casos, é a própria família que não deseja estreitar qualquer laço com a escola que seus filhos frequentam. Usando esses estabelecimentos de ensino apenas para cuidar de suas crianças, alimentá-las e dar-lhes alguma segurança enquanto se ocupam em outras tarefas.
Há casos em que o pai ou mãe está cumprindo pena judicial em algum presídio e a escola não toma conhecimento. Ou de pais e responsáveis alcoólatras ou viciados em drogas. Ou ainda lares em que essas crianças foram abusadas ou vivem sob condições de violência diária.
Para complicar uma situação corriqueira que em si já é dramática, há os recorrentes casos de violência envolvendo alunos e professores ou dos próprios pais com os professores. Com a pandemia, principalmente as crianças menores, vêm os laços entre professores e pais mais estreitados. Para os adolescentes, a ânsia por brigas, disputas de gangues, venda de drogas, aliciamento de novos viciados, tudo parou. Casos de violência eram corriqueiros em muitas escolas da rede pública do Distrito Federal, inclusive com pais que ameaçavam e agrediam os professores, além de alunos que arremessavam carteiras, danificavam o automóvel dos mestres ou mesmo os agrediam.
Esse fenômeno foi afastado durante a pandemia. Alunos que nunca participavam das aulas, certamente, não vão usar celular ou computador para se atualizarem nas disciplinas. O lado mais crítico também continua com os docentes. Sem um apoio para transmitir aulas, sem técnica, sem conhecimento, foram pegos de surpresa e, com muita improvisação, têm conseguido levar adiante o conteúdo.
O Brasil onde os professores e a própria escola tinham medo de seus alunos, e muitos sequer ousavam questionar a realidade deles, está em pausa. Aquelas escolas transformadas em centros de reabilitação de menores, que se limitavam a cumprir o que manda o conteúdo programático e a carga horária, agora se mantém o mais distante possível de qualquer envolvimento físico e presencial. Não há mais sucessivos chamados às delegacias e a justiça, que muitas vezes não davam o pronto atendimento e atenção a esses casos de violência, deixando os professores à própria sorte.
Desse modo, envoltas em problemas estranhos ao processo de educação e que, em muitos casos, são de ordem social, ou mesmo de polícia, muitas escolas e professores vêm os alunos problemáticos tomando outro rumo, longe das aulas on-line, completamente inúteis para quem ia à escola apenas pela algazarra.
Cabe um estudo aprofundado do que as escolas estão fazendo para preparar a volta de todos os alunos. Que regras serão impostas, que comportamento será admitido, que projetos criativos envolverão jovens adolescentes no estudo. Como a devida responsabilização, perante o Estado, de pais e responsáveis de alunos é ainda uma possibilidade distante, e esse é o perigo, já que o processo adequado de ensino vai sendo empurrado para um futuro incerto e sem solução à vista.
Nossas escolas, sobretudo as públicas, ficaram paradas no tempo, preparando os alunos para um mundo que já não é o mesmo e que requer outro tipo de profissional, com outras habilidades. Ainda por cima, tem que lidar com problemas que antes eram resolvidos dentro das famílias, no âmbito das relações entre pais e filhos. Sabe-se que as escolas são o espelho da sociedade em que estão inseridas.
No nosso caso, as escolas públicas, principalmente aquelas localizadas nas regiões mais carentes, estão imersas numa sociedade na qual a violência é um fato corrente no dia a dia dos alunos. Não há como pensar em ensino de qualidade, capaz de colocar o país nos primeiros lugares em rankings internacionais de avaliação do ensino, enquanto não forem solucionados problemas básicos no âmbito de nossa sociedade, como é o caso da violência endêmica, suas causas e suas múltiplas consequências. No dilema atual que propõe resolver os problemas sociais de nosso país, por meio da educação, é colocado outro que aponta que somente vamos resolver as questões da melhoria de nossa educação pública  quando pudermos educar também as famílias e a sociedade conjuntamente. A pandemia tem dado tempo para repensar esse sistema.
A frase que foi pronunciada:
“Deixe o mundo um pouco melhor do que encontrou.”
Robert Baden-Powell, fundador do escotismo
Robert Baden-Powell. Foto: wikipedia.org
História de Brasília
Outro assunto do Ministério da Fazenda diz respeito ao Serviço de Comunicações. Seu chefe até hoje não veio a Brasília, e já declarou ao diretor-geral que não virá nunca. Não se sabe sequer onde está instalado o seu serviço no Distrito Federal. isto tem atrasado o serviço, que está fortemente prejudicado. (Publicado em 23/01/1962)

Cultura: eficiente remédio em tempos de pandemia

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil

 

Entre as mil facetas proporcionadas pela cultura, há a abertura de oportunidades para a realização individual e coletiva das pessoas e o aspecto fundamental e agregador de toda e qualquer sociedade, seja ela do passado ou do presente. Não seria exagerado supor, então, que, por meio da produção cultural, é possível afirmar que a perpetuação de uma civilização está diretamente ligada à sua capacidade de gerar cultura e, portanto, conhecimento.

Não é por outra razão que muitos estudiosos apontam a cultura como sendo a própria alma de um povo, capaz de dar impulso e ânimo. Tão importante ainda como a identidade dada pela cultura a um povo, comumente chamada de identidade cultural, é o fato de que é, através dos mecanismos propiciados pela cultura, que surgem as possibilidades e os meios para o desenvolvimento das artes, em todas as suas vertentes. E é aí que voltamos ao que concerne da importância que a cultura exerce em momentos especiais, sobretudo, numa época em que, tangidos pelo medo da doença e da morte, os indivíduos buscam, na cultura e no seu mais importante produto, as artes, a possibilidade de sentir como igual, desfrutando do mesmo destino, seja em tempos de paz ou de guerra.

O teatro, a música, o cinema, a poesia, as artes plásticas e uma infinidade de outras realizações do gênio humano tornam a jornada humana sobre o planeta uma experiência que vale ser vivida, não importando o que se passa lá fora. Nesse aspecto, não importa se a cultura é erudita ou popular. O efeito terapêutico sobre as diferentes pessoas é o que importa. E como importa!

Dentro desse contexto, é fundamental reforçar a contribuição dada pelas mídias sociais na divulgação dos mais variados temas artísticos e culturais. Ouve-se do pagode à música clássica num toque de dedos. Bibliotecas de todo o mundo estão ao alcance de todos nas redes. Do ponto de vista cultural, as mídias sociais possibilitam desde visitas virtuais a museus e outros sítios de interesse histórico, até a passeios que levam o internauta a dar um giro pelo mundo sem sair do lugar.

Não é à toa que muitos consideram que o confinamento da pandemia é suavizado com essa porta escancarada para o mundo. Obviamente que chegará um dia em que a pandemia cederá lugar à vida como ela deve ser: livre e plena de futuro. É nas ruas, ou nessa sala de visitas comum e coletiva, que podemos desfrutar a vida com todo o seu potencial, ao vivo e a cores. É preciso lembrar que apenas as cidades mais providas de equipamentos de cultura, como teatro, galerias, museus e outros centros culturais são as que possuem maior capacidade de formar um povo agregador, consciente, alegre ou triste, mas solidário.

Em outros lugares áridos de cultura, sem espaços adequados para o exercício da cidadania e das artes, o retorno das pessoas à normalidade se dará, apenas, pela força da obrigação diária. Sem esses centros de atratividades, desempenhados por esses espaços onde se cultuam as artes, o fim do isolamento pode ser até um transtorno.

No caso da capital do país, onde seu principal teatro continua fechado, sua mais tradicional galeria, representada pelo Museu de Arte de Brasília (MAB), assim como a biblioteca demonstrativa e outros espaços voltados à cultura e às artes, continuam também fechados e esquecidos, e as poucas livrarias existentes vão fechando as portas, uma a uma, melhor mesmo será continuar fechado, também, em casa.

 

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“A cultura está acima da diferença da condição social.”

Confúcio, primeiro grande filósofo chinês do Período das Primaveras e Outonos. (Wikipedia)

Foto: reprodução da internet

 

Você sabia?

Um acordo de décadas dá aos brasileiros, que trabalham no Japão, a possibilidade de usar esse tempo de serviço para a previdência do Brasil. O tratado é recíproco e tem ajudado muita gente.

 

Lobby

Um projeto da então senadora Marta Suplicy, de 2015, proibia o uso de gorduras vegetais hidrogenadas na fabricação de alimentos. À época, a Organização Mundial da Saúde recomendou que os ácidos graxos trans industrializados fossem eliminados de qualquer alimento. Pelo visto o lobby venceu.

  

CNPT

Para quem conhece a Bíblia sabe que a crise dentro da igreja já estava prevista. Para quem acredita, assiste de camarote com o terço nas mãos. Veja, no link Dividida, o que corre nas redes sociais sobre o assunto.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

As ruas de Taguatinga estão infestadas de animais. Galinhos e cães cruzam as pistas a todo instante, como que pedindo à Prefeitura a criação da carrocinha tradicional em todas as cidades. (Publicado em 13/01/1962)

Cultura na evolução dos povos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Imagem: reprodução da internet

Com o isolamento social, imposto pela pandemia, aquela parcela da sociedade que ficou confinada em seus lares, inclusive aqueles que encontraram amparo econômico por meio do trabalho em casa, teve, em algum momento, que buscar refúgio e paz de espírito na cultura. Sem esse recurso, que muitas vezes passa despercebido, enfrentar um isolamento, sem dia para terminar e com as ameaças constantes que esse vírus provoca na vida das pessoas, seria um suplício ficar confinado em casa.

Ao contrário do que muita gente acredita, a cultura, incluindo aí tudo o que diz respeito ao universo das artes, não é mero passatempo reservado ao entretenimento e ao lazer. Nem tampouco atividade para o desfrute de uma classe de pessoas privilegiadas. É muito mais do que podemos mensurar. Um povo desprovido de produção cultural, se é que existiu algum na história da humanidade, sobrevive alheio ao mundo ao redor. Pois a cultura é a própria tradução e representação do mundo em que estamos imersos.

Mesmo aquelas civilizações que devotavam todo o seu tempo e o melhor de sua gente às atividades de guerrear e submeter outros povos, como parece ser o caso dos espartanos, na Grécia Clássica, mesmo esses povos baseavam sua cultura na educação e no treinamento militar rigorosos e obrigatórios para todos os cidadãos, num regime conhecido por “agoge”. Eles, que amavam as armas e a guerra, cultivavam a leitura, a música, a escrita e a dança. Assim, agiam também as mais diversas sociedades humanas ao longo da história. Todas, em menor ou maior grau, produziram cultura, até como uma herança social, capaz de agir como elemento aglutinador de identificação entre os indivíduos de uma sociedade, falando de seu passado e acenando para o futuro.

Para a antropologia, a cultura é o elemento que, por excelência, diferencia o homem racional de outros animais. O ser humano é, por conseguinte, um animal produtor de cultura. Aliás, a maioria dos povos que, ao longo de milênios, cresceram,  desenvolveram-se sobre o planeta, ou mesmo foram extintos, só puderam ser conhecidos como tal, graças à produção de cultura que organizaram em seu tempo de existência. Ainda dentro das ciências que exploram a existência humana no mundo, a cultura é vista como elemento indutor da própria evolução humana, contribuindo para o aprimoramento de técnicas diversas que tornavam a vida mais proveitosa e, por consequência, mais longeva.

Também, graças à propagação das atividades e do fazer cultural, foi possível abrir caminhos para o combate aos problemas socioeconômicos, melhorando a autoestima dos povos, atraindo novos valores, conferindo identidade, disciplina e outros valores morais e éticos, que foram sendo aperfeiçoados ao longo da jornada humana. Mesmo aspectos outros, como o sentimento de pertencimento a um determinado lugar, a um determinado povo, foi dado por meio do trabalho e do desenvolvimento da cultura.

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Apenas em Roma pude sentir o que é ser verdadeiramente um homem. A essa elevação, a essa felicidade de sentimento, nunca mais pude me erguer. De fato, comparada à minha situação em Roma, nunca mais cheguei a sentir um real contentamento. Porém, não nos rendamos a pensamentos melancólicos.”

Goethe, autor e estadista alemão

Goethe in the Roman Campagna (1786) by Johann Heinrich Wilhelm Tischbein | Reprodução

 

Viva Personas

Pessoas envolvidas com o teatro se reuniram para contar histórias para a criançada internada em hospitais. O grupo conta com mais de 1000 voluntários em 86 hospitais pelo Brasil. Veja mais sobre o assunto no link Artistas e personalidades contam histórias para crianças em hospitais e isoladas em casa.

 

Registros

Também, a seguir, as fotos da sala de casamento do cartório do 1º Ofício do Núcleo Bandeirante, gerenciado pelo tabelião Dr. Hercules Alexandre da Costa Benício. O número de registros de casamento aumentou consideravelmente na pandemia.

 

Ontem

Jornalista foi proibido de publicar notícia sobre senador. A decisão foi do TRE de Mato Grosso do Sul e causou estranheza aos eleitores. O jornalista recorreu com a fundamentação de que publicava apenas a verdade. Do outro lado, a opinião do senador: “Para atacar, tem que provar.” O site que hospedava as notícias do jornalista documentou a indignação com o caso. O jornalista é Nilson Pereira, o senador era Delcídio Amaral e o ano era 2010.

ANDRESSA ANHOLETE / AFP

 

Ferramenta

Rádio continua sendo valioso instrumento de comunicação. O Projeto Rondon, no interior do país, conta até com rádio web para transmitir as notícias para as comunidades distantes.

Charge do Ricardo: Programa Eleitoral no Rádio

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Os residentes no Setor Residencial da W-3, também, devem fazer a mesma coisa. Comuniquem, para que possamos anotar e conhecer a extensão do momento de solidariedade às árvores da W-3. (Publicado em 13/01/1962)

A bondade como tema escolar

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Foto: g1.globo.com

Richard Davidson, PHD em neuropsicologia e pesquisador na área de neurociência afetiva, vem chamando a atenção de estudiosos e professores de todo o mundo com sua teoria de que a base de cérebro saudável é a bondade. Ideias desse tipo, que fogem ao padrão exigido pela racionalidade das pesquisas, desde sempre foram vistas pela ciência com certa desconfiança e não raro, viraram alvo de zombaria, colocando seus defensores em posição ridícula.

Com a popularização das noções de inteligência emocional e sua importância para o desenvolvimento integral do indivíduo, conceitos como bondade, empatia, gentileza, compaixão, ternura e mesmo amor e outros do gênero, que antes ficavam restritos ao mundo da poesia e da ficção romântica, vêm ganhando adeptos em todo o planeta, não apenas entre as pessoas comuns, mas sobretudo entre aqueles que se dedicam aos estudos da neurociência.

Na área de educação esses conceitos também têm despertado interesses e não seria exagero afirmar que, num futuro próximo, tais concepções poderão estar no núcleo de formação de muitas universidades. Foi seguindo um conselho dado, não por outro pesquisador, mas pelo próprio Dalai Lama, líder espiritual do Tibet, que Richard Davidson direcionou suas pesquisas em neurociências para os aspectos da gentileza, da ternura e da compaixão.

Umas das coisas mais importantes que descobri sobre a gentileza e a ternura, diz o pesquisador, é que se pode treiná-los em qualquer idade. Os estudos nos dizem que estimular a ternura em crianças e adolescentes melhora os resultados acadêmicos, o bem-estar emocional e a saúde deles. Com isso é possível não apenas reduzir sensivelmente os casos de bullying nas escolas, mas preparar o indivíduo para no sentido de torná-los mais solidários, compassivos, características fundamentais para as sociedades de um mundo superpopuloso e em vias de esgotamento de seus recursos naturais.

Ideias como essa encontram amparo também em muitas teses atuais de pedagogos de que já alertaram para o perigo da precariedade da educação atual. Sem educação, dizem os atuais pedagogos, os homens matarão uns aos outros. Estudos atuais sobre o comportamento comprovam que a inteligência sem a bondade é cega e desajeitada.

Para alguns cientistas mais radicais, a bondade é a forma mais aprimorada de inteligência, pois conduz o indivíduo à empatia com o mundo, com as pessoas e com os problemas que a cercam. Da mesma forma, alguns cientistas enxergam a indiferença para o mundo ao redor, como uma comprovação da falta de inteligência.

Nesse sentido, não pode haver inteligência, da forma que se entende hoje, onde faltam bondade e compaixão. Conceitos dessa natureza são cada vez mais perseguidos pelas mais modernas escolas do mundo, pois essa é a principal tarefa de toda a boa escola.

Educadores estão convencidos hoje de que a educação, concebida lá atrás e que visava a preparação de pessoas como força de trabalho, obedientes e mecanizadas, não mais tem lugar na atualidade e que educação como forma de seleção empresarial está com os dias contados, pelo menos nos países que já compreenderam a importância de trazer ao conhecimento aspectos essenciais a todos os seres humanos como é o caso da compaixão e da bondade.

Para o educador Cláudio Naranjo, “quando há amor na forma de ensinar, o aluno aprende mais facilmente qualquer conteúdo”. Obviamente que no caso brasileiro, onde a educação vive ainda com carências básicas, como teto para cobrir escolas, carteiras para os alunos sentarem, banheiros e outras necessidades primárias, conceitos como esse soam tão estranho e bizarro como outros que pregam a escola sem partido e outros temas. Pesquisas atuais nas bases neurais da emoção que têm como centro novos modelos para o florescimento humano, são o que existe de mais promissor nas áreas de educação em alguns lugares do mundo e anunciam uma nova revolução nos métodos de ensino. Esse tema é, para muitos, o caminho mais prático e seguro para mudar o mundo futuro, livrando os seres humanos da escravidão política, militar, religiosa, libertando os espíritos do fanatismo, do materialismo, revivendo o humano adormecido em cada um. Trata-se de uma tarefa e tanto.

 

A frase que foi pronunciada:

“A função da educação é ensinar a pessoa a pensar intensamente e a pensar criticamente. Inteligência mais caráter – esse é o objetivo da verdadeira educação.”

Martin Luther King

Imagem: pensador.com

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Ontem, ouvi a pior. Uma ameaça de curra contra meninas de 12 e 13 anos. É melhor evitar quanto antes um novo caso como o de Aida Cury, de triste lembrança para a sociedade de todo o país. (Publicado em 08.11.1961)

O verbo no passado

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: Jean Galvão
Charge: Jean Galvão
          Se considerarmos que a educação, em todas as vertentes do conhecimento, constitui a base mais importante do capital de um país, capaz de livrá-lo, de forma segura, das amarras do subdesenvolvimento, teremos que constatar, forçosamente, que o Brasil, pelas imensas precariedades presentes em todo o ensino público, tem pela frente um imenso e árduo caminho a percorrer.
          As disparidades na qualidade entre as escolas públicas brasileiras comparadas a de outros países, inclusive, boa parte das instaladas no continente, não param de crescer. Dessa forma, se o Brasil almeja realmente se libertar do passado de atraso e pobreza pela via da educação, como fizeram países, como a Coreia do Sul, China e outros, necessita pôr em prática, pelo menos nas próximas quatro ou cinco décadas, um intenso e sistemático processo de melhoria do ensino. Isso apenas para iniciar a arrancada que poderá elevar o país à condição de nação de primeiro mundo ainda neste século.
      Curiosamente, nosso país vivenciou, entre a primeira e a segunda metade do século passado, experiências exitosas com as reformas e propostas apresentadas por educadores do porte de Anísio Teixeira, com a Escola Nova, em que o ensino era encarado como necessidade básica de aperfeiçoamento de toda a sociedade.
     Em 1932, ou há quase nove décadas, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho e o próprio Anísio Teixeira promulgaram o Manifesto dos Pioneiros, no qual apareciam traçadas as linhas do escolanovismo, no qual creditavam que, somente com uma profunda renovação do ensino no país, seria possível a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática, em que as diversidades e a individualidades seriam plenamente respeitadas. Nesse sentido, a escola seria, não apenas uma preparação para a vida, mas a própria vida, com igualdade de direitos e oportunidades. Outros educadores revolucionários seguiram por esse mesmo caminho, como Paulo Freire e Darcy Ribeiro, todos conscientes de que só pela educação de qualidade seria possível pensar em desenvolvimento.
A frase que não foi pronunciada
“O analfabeto do século 21 não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender e reaprender.”
Alvin Toffler, escritor
Charge: Galhardo
Charge: Galhardo
Exemplo
Seis anos atrás, a escola Maple Bear deu um exemplo de disciplina que, certamente, marcou a capital como uma iniciativa de grande valor. Durante um incêndio, diretores, professores, funcionários e alunos sabiam perfeitamente o que fazer. Nada de pânico, nenhum ferido. Hoje, brigadistas se revezam no estabelecimento como prevenção.
Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
No mínimo
Por falar em escola, é uma vergonha que os estudantes não conheçam o Hino de Brasília, de Neusa França. Há certos rituais que despertam o carinho pela cidade e deveriam fazer parte da rotina educacional.
Imagem: virtualscores.com.br
Imagem: virtualscores.com.br
Ir e vir
Pelo interesse público, o DF recebeu 200 novas autorizações, para prestação de serviço de táxi adaptado. O carro onde cabe uma cadeira de rodas é mais caro. Mas a corrida continua com o mesmo valor.
Foto: taxinforme.com.br
Foto: taxinforme.com.br
Estilo
Hoje é dia de Agnaldo Timóteo, no Sesc Seresta, a partir das 19h30, no Pontão do Lago Sul, com a iluminação natural lunar e com entrada franca.
Cartaz: facebook.com/CANTOR.AGNALDOTIMOTEO
Cartaz: facebook.com/CANTOR.AGNALDOTIMOTEO
Outra dica
Começa hoje o evento Movida Literária. Trata-se de um encontro em sete bares: Beirute (Asa Sul e Asa Norte), Pardim, Sebinho, Ernesto, Objeto Encontrado e Martinica. Segundo Jéfferson Assumpção, um dos idealizadores do evento, a ideia é conviver em momentos prazerosos em ambiente de leitura e cultura, onde reúnam-se pessoas para as quais a leitura é interpretada como um exercício harmonioso de atividades. Segue até o próximo dia 7.
Foto: Movida Literária/Divulgação (g1.globo.com)
Foto: Movida Literária/Divulgação (g1.globo.com)
História de Brasília
Quando me perguntaram por que não publiquei a íntegra da carta recebida do dr. Aracaty, delegado do Iapfesp, respondi que é porque ela contém inverdades. Estou investigando nomes, para dar nomes aos bois, o que farei proximamente. (Publicado em 28/10/1961)

Para onde vai a educação?

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil

colunadoaricunha@gmail.com;

Foto: agenciabrasil.ebc.com.br
Foto: agenciabrasil.ebc.com.br

         No domingo, o caderno Cidades do Correio Braziliense estampou em sua manchete, sob o título “Para onde vai a UNB”, a questão da crise que assola a principal Universidade de Brasília. Posta, em números, a questão do déficit nas finanças da instituição por conta do aumento no custeio de R$ 800 milhões, verificado a partir de 2013, para os atuais R$ 1,4521 bilhão, que poderia ter um equacionamento mais racional, já que as receitas no mesmo período variam para cima, indo de R$ 1,2 bilhão para R$ 1,7 bilhão.

         Seu prestigiado departamento de economia, por onde vagueiam cérebros treinados e aparentemente ociosos nas artes do balanço contábil, poderiam se debruçar sobre o assunto e, nesse caso, não surpreenderia que a UnB viesse a constatar a existência de inúmeras saídas sensatas para o vermelho nas contas, sem a necessidade de empurrar a instituição ladeira abaixo no quesito respeitabilidade pública, item importantíssimo quando se trata de um centro de estudo e pesquisa, vital para o desenvolvimento da sociedade.

         Só que, por detrás desse pano, aparentemente atropelado por números, se esconde um problema muito maior, até que a própria instituição, e que, nesses dias conturbados, vem permeando não só as instituições de ensino público em todo o país, mas a própria estrutura organizacional do Estado, colocando em risco a sustentação do principal pilar que escora toda a República.

         Para além de uma crise financeira, o que a UnB e outras universidades do gênero vêm experimentando na pele decorre da corrosão provocada pela ausência do cimento da ética, o que tem levado a nação ao mergulho no seu mais tenebroso momento. É sob a esteira desse imenso triturador de moral que foi ardilosamente organizado no andar de cima do governo e que tem levado dirigentes importantes a conhecer, por dentro, o sistema carcerário, que a UnB vê seu antigo prestígio sendo levado aos poucos de roldão.

          Mesmo as questões relativas aos debates ideológicos, tão necessários numa casa do saber, perdem importância e substância filosóficas e racionais quando se assiste a cada dia a transformação dessa universidade num ambiente em  que a erudição e o saber perderam espaço para hostilidades primitivas que, ao fim ao cabo, revelam o despreparo intelectual de professores e alunos, com muitas exceções, para os grandes debates nacionais, acabando também por colocar essa instituição na mesma vala comum onde hoje jazem as principais lideranças do país.

         Permitir, nessa altura dos acontecimentos, que a UnB adentre por atalhos rumo a uma anacrônica revolução gramsciana, visando a hegemonia do pensamento, como demonstra a apatia cúmplice de sua reitoria frente à crise, é decretar a morte da instituição e confiná-la embalsamada no mesmo mausoléu de vidro onde repousa hoje a figura sinistra de cera de Lenin.

          Para os pagadores de impostos, já demasiadamente arrochados pelo fisco, interessa uma instituição que possa pensar e apontar caminhos para o país. É justamente em prol dos muitos que jamais terão oportunidade de acesso a esse time de elite que a UnB tem que trabalhar, pondo suas tropas bem fornidas em campo.

A frase que foi pronunciada:

“Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.”

Paulo Freire

Tirinha: gazetadocerrado.com.br
Tirinha: gazetadocerrado.com.br

Participação

“Criou-se no Brasil a falsa necessidade de privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias para, aparentemente, fazer com que um patrimônio, com valor da ordem de R$ 300 bilhões, gere lucros privados. Nesse processo, o Estado receberia irrisórios R$ 12,2 bilhões e os consumidores brasileiros seriam os reféns geradores dos lucros privados, a partir do aumento da tarifa de energia elétrica.”

Raul Bergmann

Charge: tijolaco.com.br
Charge: tijolaco.com.br

Incompreensível

Eucaliptos italianos que davam graça à paisagem da entrada do Pontão e que ficavam na pista oposta foram todos derrubados.

Gana

O parque, que era cercado na entrada do Lago Norte, já não possui limites. É fácil a Câmara Legislativa mudar a destinação de um parque para moradia. Principalmente se a população interessada não ficar de olho ou não reagir.

Preleção

Na pizzaria Dom Bosco, da Asa Sul, uma discussão sobre política terminou com a conclusão de que tinham que acabar com o Congresso. O orador deve ter esquecido que quem faz as leis recebeu voto da população. Com uma urna segura, a escolha pode mudar.

Charge: artesmendes.wordpress.com

Mais uma

Um dos balconistas da Dom Bosco, o William, Marcão ou Rodrigo, indagou: “Já reparou que as leis de arrecadação são certinhas? Água, Luz, IPTU, IPVA, até as multas de trânsito funcionam? Já os investimentos na saúde, educação, transporte e segurança não seguem a mesma rigidez.”

Charge: desafiosensino.blogspot.com.br
Charge: desafiosensino.blogspot.com.br

Manutenção

Por falar em Asa Sul, os viadutos entre as 207/107 estão com o teto despencando.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Enquanto isto, os moradores que sofram lama, poeira, barulho de gerador, mosquitos e toda sorte de desconforto. (Publicado em 20.10.1961)