A educação e o rabo do cachorro

Publicado em Deixe um comentárioÍntegra

ARI CUNHA
Visto, lido e ouvido

Fonte: dgabc.com.br
Fonte: dgabc.com.br

Tal qual cachorro que em vão corre em círculos atrás do próprio rabo, prosseguimos às voltas com nosso destino, atados permanentemente ao subdesenvolvimento pelas cordas de um analfabetismo teimoso e longevo. Somente através de escolas públicas de qualidade poderemos aprender a desatar esse nó górdio secular que mantém não só Brasil , mas boa parte da América Latina na rabeira do mundo.

Instituto de Estatística da Unesco dá conta de que mais de 19 milhões de adolescentes que concluem o ensino fundamental, não conseguem ler e entender adequadamente um simples parágrafo, o que os incluem numa nova modalidade de analfabetismo.

No Brasil, de acordo com o Inep, apenas 30% dos alunos que terminam a 9ª série possuem aprendizado satisfatório em leitura e interpretação, muito menos que a média da própria América Latina que já é baixa. Problema como esse ganha contornos ainda mais preocupantes quando se percebe que as novas tecnologias. A intensificação do uso de computadores, tanto na automação e robotização das fábricas , como em outras áreas do trabalho cotidiano estão a exigir, cada vez mais, especializações que serão como barreira a todos aqueles jovens com pouca formação.

O analfabetismo é endêmico em todo o mundo subdesenvolvido e um traço comum a todos esses países. Em outra frente destaca-se o esforço da Unesco para que os jovens desses países tenham reconhecido seu direito à uma educação de qualidade.

Atualmente, avalia a Unesco, cidadãos de quase metade dos países do mundo são incapazes de levar seus governos à justiça se violado o direito à educação, embora todos os países tenham ratificado pelo menos um tratado de direitos humanos que garante algum aspecto do direito à educação. Este direito, embora garantido em tratados, por 82% das constituições nacionais do mundo, apenas 55% dos países permitem que seus cidadãos levem seus governos aos tribunais por violar o direito básico. Além de um novo analfabetismo que se anuncia com jovens incapazes de apreender corretamente um texto, o baixo nível de qualificação de nosso jovens é outra característica comum a estes estudantes.

É sabido que o conhecimento e domínio de uma outra língua, abre novas oportunidades de emprego e colocação no mercado de trabalho, sendo que para esses profissionais bilíngues existe, na teoria, a chance de ganhos extras de até 60% maiores do que aqueles que não falam outro idioma.

O futuro do país está numa educação de qualidade, embora se saiba que isoladamente ela não dará conta do recado. Há aspectos ainda a se resolver tais como justiça social e uma boa implementação de políticas públicas nas áreas de saúde, segurança, moradia, transportes e muitas outras. O problema é que para conhecer essas outras variáveis que nos mantém presos ao atraso é preciso antes entender todo o processo por trás. É aí que entra, de novo, a educação e o rabo do cachorro.

A frase que foi pronunciada:

A história é como um estilingue.Quanto mais fundo você puxa, mais fundo você alcança”.

Aloísio Magalhães

Curiosidade

O Departamento de Parques e Jardins informa sobre as espécies tombadas como Patrimônio Ecológico do DF. Copaíba, sucupira-branca, pequi, cagaita , buriti gomeira, pau-doce, aroeira, embiruçu , perobas, jacarandás e ipês nunca devem ser cortadas. Se o caso for de extrema necessidade haverá compensação ambiental. Pelo menos essa é a regra.

Evolução

Enfim, uma iniciativa inteligente. Valendo 30 créditos para o voluntário que se candidatar a participar do projeto de acolhimento dos calouros. Ponto para a primeira reitora da UnB Márcia Abrahão Moura.

Release

“Brasil, brasileiros. Por que somos assim?” Esse é o mais novo livro do senador Cristovam Buarque. Trata-se de uma coletânea de 16 textos de pensadores que respondem à pergunta título, motivados por profunda inquietação. No capítulo IV, Cristovam, explica “Como somos”, tentando desvendar as barreiras que nos impedem de avançar, “sem coesão no presente e sem rumo para o futuro”. Os textos do livro foram organizados por Cristovam junto com Francisco Almeida e Zander Navarro.

Sustentare

Os garis começam hoje uma caravana de caminhões de coleta da Sustentare Saneamento, enfeitados com decoração natalina. O comboio irá ao Instituto Social Dona Diva, em Arapoanga, para doar 50 cestas de alimentos e 80 brinquedos.  Os produtos serão entregues por garis vestidos de Papai Noel. Williani Carvalho organizou tudo com o maior carinho.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O fubá de milho e a farinha de trigo bichada que está guardada na obra da Catedral, não são da Legião Brasileira de Assistência e sim da “Cáritas”, da Arquidiocese de Brasília. (Publicado em 11.10.1961)

O que dizem os búzios ?

Publicado em Deixe um comentárioÍntegra

Desde 1960
colunadoaricunha@gmail.com;
com Circe Cunha e Mamfil

Fonte: TSE

Todo o final de ano o ritual se repete: é feito um balanço geral das atividades, realizadas ou não, ao longo dos doze meses que passaram, para , no novo período que se anuncia, correções de rumo mais racionais sejam adotadas. Funciona assim com as pessoas, com as empresas e com o próprio Estado. Todos necessitam reavaliar metas e objetivos. No caso particular e no que diz respeito direto ao nosso país, muitas correções de rumo serão necessárias para que o Brasil e, principalmente os brasileiros reencontrem um modelo capaz de apaziguar a população em relação ao governo e mais precisamente com relação aos políticos e autoridades com assento nos mais importantes cargos do Estado.

Perdura ainda no ar uma antipatia visível que separam dirigentes de um lado e a nação de outro. Os seguidos escândalos envolvendo os mais altos escalões da República, com a condenação e prisão de alguns desses personagens, todos invariavelmente envolvidos em desvios de dinheiro público, criaram um tal ambiente de desconfiança e repúdio dos cidadãos contra as classes dirigentes, que será necessário muito trabalho de convencimento para reverter uma situação, que já chegou, inclusive, as vias de fato.

Políticos são caçados, ameaçados e xingados em aeroportos e outros lugares públicos, colocando em risco não só a integridade física desses também cidadãos, mas em níveis mais profundos, aumentando os riscos de um retrocesso no processo democrático, ainda em fase de consolidação. Fôssemos consultar os búzios para saber o que o futuro reserva para o país, em ano eleitoral, não seria difícil adivinhar a resposta: dias de incerteza e até de tumulto se aproximam, não sendo, de todo, surpreendente que aconteçam escaramuças aqui e ali por conta de descontentamentos, traições e ilusões resultantes do comportamento da classe dirigente.

Uma placa, em letras garrafais, exposta a algumas semanas em uma tesourinha no final da Asa Norte, resume o que anda pensando e desejando a população em relação ao governo. Diz a placa: “Governar é não roubar”. A frase parece sintetizar o desejo íntimo dos brasileiros com relação aos governantes. Por trás dessa mensagem estão mais de 200 milhões de brasileiros que sentem na pele os efeitos perversos de maus governos. Não no sentido político e ideológico, mas no plano ético.

A crise experimentada por todos deriva, não de desacertos econômicos ou políticos, mas tão somente do comportamento sem ética de muitos de nossos dirigentes, nos três Poderes. Chegamos a uma situação tão bizarra , que somos obrigados a aceitar o fato de termos um deputado dormindo a noite na cadeia, e dando expediente durante o dia na Câmara dos Deputados, recebendo além do seu salário normal , uma ajuda de custo para moradia. E olha que esse é apenas um exemplo menor.

A frase que foi pronunciada:

“Nunca se mente tanto como antes das eleições, durante uma guerra e depois de uma caçada”.

Otto Von Bismarck, diplomata alemão.

Pirata

Quem reclama do transporte pirata é o governo. Mal sabe ele que sai do Paranoá um ônibus pirata com destino à Bahia abarrotado de passageiros e bagagem. É mais barato, mais rápido, mais garantido e com zero segurança.

Monitoramento

É bom a vigilância sanitária conferir os salões de beleza da cidade nesse tempo de festas. No Lago Norte , Family’s Hair é raro ver alguma manicure tirar o alicate do esterilizador. As escovas de cabelo também são um enigma. Como salão pode ser um resort para fungos e bactérias, as vistorias deveriam ser constantes.

Pró ativo

Está tudo bem explicadinho no YouTube da Anvisa sobre o que os clientes devem observar nos salões de beleza. Alice Alves, Coordenadora de Serviços de Interesse à Saúde, da Gerência-Geral de Serviços em Saúde dá as dicas. Agora, quando alguma coisa está errada é a Vigilância Sanitária a responsável pela visita de inspeção.

Imbatível

Maria Amélia

Maria Amélia é famosa em Brasília pelos doces que faz. Para o Natal já está preparando panetones de dar água na boca.

Passeio

De 9h às 23h com o custo de R$30 a R$35 para patinar no gelo e R$25 brinquedo da galinha pintadinha. No estacionamento do parque Ana Lídia. A garotada está se divertindo a valer.

Sem zelo

Até hoje uma fita plástica amarela é o que foi deixado no alambrado destruído por um carro que despencou da ponte da Barragem. A altura do lugar pede um guard rail, no mínimo para proteger os motoristas.

Datas

Fonte: Senado.gov.br

Senador Paulo Paim é de uma atividade que impressiona. Ele foi o relator da proposta apresentada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa que propicia uma data diferente para provas e concursos às pessoas que por razões religiosas não possam participar dos certames. “Ninguém será privado do acesso ao ensino ou a cargos, empregos e funções públicas por motivo de crença religiosa, salvo se se recusar a cumprir o procedimento previsto nesta lei”, disse o parlamentar.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA 

Atitude de liberdade, desassombrada e digna, a do sr. Venerando Freitas, telegrafando naqueles termos ao presidente da República. (Publicado em 10.10.1961)

Sem saúde, educação, transporte e segurança. Mas com o voto nas mãos.

Publicado em Deixe um comentárioÍntegra

Desde 1960
colunadoaricunha@gmail.com;
com Circe Cunha e Mamfil

Fonte: http://www.michelteixeira.com.br
Fonte: http://www.michelteixeira.com.br

            A longa crise social, econômica e política, dos últimos anos teve, ao menos o condão de mudar a percepção de boa parte da sociedade não somente para os problemas do país, mas sobretudo para aumentar o desejo e a atitude de muitos em direção aos valores individuais, fazendo florescer nos brasileiros um sentimento mais individualista e voltado exclusivamente para as necessidades imediatas das próprias pessoas.

            Neste sentido o individualismo crescente parece resultar da noção de que o Estado pouco ou nada faz pelos brasileiros, sendo que muitos consideram hoje que a melhor estratégia é partir para a luta individual , ao invés de esperar por qualquer amparo do governo. Neste ponto é preciso salientar que o individualismo cada vez mais presente na sociedade, pode inverter a própria lógica do Estado, fazendo com o governo passe a depender, cada vez mais, da vontade de uma população indiferente e distante, propicia, inclusive a considerar a hipótese da desobediência civil.

            Os efeitos da corrupção sistêmica, conforme implantado pelos governos petistas e que tinham como objetivos diretos o enfraquecimento do Estado paulatinamente ao empoderamento do partido, apesar das investidas da polícia e de toda a revelação da trama, deram frutos diversos. Uns bons. Outros não tanto. Ao aumentar a descrença na política, retardou a consolidação plena da democracia. As revelações feitas pela política e pelo Ministério Público , apresentaram para a população uma elite corrupta e disposta a tudo para enriquecer rápido e sem esforço.

            Para um país que conta com mais de 700 mil presos, em condições sub humanas de cárcere, essas revelações serviram muito mais do que um simples incentivo para a ação continuada no mundo do crime. Deu a essa parcela da população a certeza de que a cadeia ainda é lugar para pretos e pobres.

            Entender a corrupção como algo moldado pela herança histórica ibérica onde o patrimonialismo cartorial era a tônica, mostram apenas as raízes ancestrais do problema e que faziam parte inerente do sistema mercantilista e colonialista da época. Se antes a exploração e os desvios tinham origem em vontades vindas do exterior, hoje , com o desenvolvimento do capitalismo de compadrio é muito mais rentável à uma empresa cooptar políticos e agentes públicos buscando negócios fabulosos com o Estado em troca de propinas e outros meios ilícitos.

            Além das empresas privadas, sempre dispostas à servir aos políticos de forma geral, as estatais cumprem seu papel de facilitadoras dos negócios nebulosos da elite dirigente. Transformadas em moedas de troca, dentro do toma lá da cá generalizado, as nomeações políticas para altos cargos nas estatais tem tido um peso crucial na expansão dos casos de corrupção, servindo como ponta de lança dos partidos para se apoderarem dos recursos da nação. Neste caso torna-se compreensível o discurso de muitos dirigentes políticos no sentido do Estado manter controle das estatais.        Obviamente que não se trata aqui de nacionalismos ou protecionismo da economia nacional, mas tão somente de reservar esse nicho de mercado à sanha desmedida dos partidos políticos. Por aí se vê porque a redução do tamanho do Estado incomoda tanta gente. Se por um lado os muitos casos de corrupção revelados tem servido para mostrar como é fácil desviar dinheiro público, por outro mostrou que impondo um fim à institutos como o foro privilegiado, a possibilidade de nomeações políticas para cargos técnicos e maior agilidade e presteza nas decisões da justiça , possuem a fórmula mágica para reduzir, da noite para o dia, tão imenso volume de caos de malversação dos recursos públicos.

            Pelo conhecimento do modo de agir dos inimigos da sociedade, de que se alimentam e onde atuam, ficou mais fácil atalhá-los de vez.

A frase que foi pronunciada:

“ O que chega primeiro, o Papai Noel ou a reforma da Previdência?”

Vera Magalhães, jornalista

Elementar

Claro

Ao ligar para a amiga,  a cliente da Claro recebe uma mensagem de que a ligação não pode ser feita e que deve ligar para o número da operadora.  Ao buscar por informação, depois da sétima atendente, chega a prova. O contrato assinado por outra pessoa, com todos os dados errados, menos o nome e CPF da cliente. O contrato era para transformar o pré- pago em pós-pago. Por isso estava em débito e não poderia usar o telefone até sanar as dívidas. A migração foi feita à revelia da dona da linha, que teve os dados usados e não verificados pela Claro. Resultado. Delegacia e Tribunal de Pequenas Causas. Fica só uma pergunta. Se o número permanece com a cliente e não com o estelionatário a quem interessa uma linha pós-paga nessa confusão?

Pizza

Em resposta à coluna que descreveu uma cobrança indevida na Pizzaria Valentina, a resposta assinada por Liana Paters é a seguinte: “ Se não existisse erro no mundo tudo seria perfeito! Se na conta desse senhor, passou algum item pode ter sido sim um erro do garçom. Às vezes acontecem erros para menos também e o nosso cliente, ao contrário do que muitos pensam, avisa a falta do item na conta para que possamos cobrar a diferença. As pessoas são honestas e a Valentina Pizzaria segue o mesmo padrão de conduta de seus clientes. A honestidade.”

Penna

Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press
Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press

Absurdo o Teatro Nacional até hoje não ter recebido a devida atenção. Largado às traças, um dos monumentos do centro da cidade está completamente abandonado com o risco de se transformar e tapera. O que não dá para entender é que o Rodrigo Rollemberg sempre foi apreciador das artes e os artistas que votaram nele são os mais decepcionados eleitores.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA   09/12/2017

Com essa atitude, os funcionários civis seriam, também, prejudicados, porque a não vender para todos o governo preferiria considerar o assunto encerrado. (Publicado em 10.10.1961)