Conversa com Guilherme Vaz

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Guilherme Vaz é uma das pessoas mais brilhantes que conheci.Ele criou mais de 60 trilhas sonoras para filmes e foi um dos compositores mais premiados do cinema brasileiro. E não se distinguia apenas pela quantidade, mas, principalmente, pela inventividade.Ele nos deixou em 2018. Uma conversa com Guilherme era sempre um diálogo polêmico, provocador e imaginativo. Em 2012, […]

A barragem do Paranoá

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco A estrada de serviço da barragem do Paranoá, que liga o Plano Piloto ao Paranoá, à Itapoã e a vários condomínios, me preocupa e devia preocupar a todos. O alerta veio com o desastre de Brumadinho. Ainda bem que o Ministério Público entrou no circuito e proibiu a circulação de ônibus e caminhões a partir de 1 de […]

A lição do sonho

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Vivemos um momento tão difícil que me deu vontade falar do sonho. Uma grande amiga me disse que conseguiu transformar as principais utopias em realidade. Vou investigar melhor e depois conto para vocês. Mas, antes, evocarei outra história que vai por trilha semelhante. Oscar Niemeyer escreveu: “É preciso sonhar para as coisas acontecerem”. Sou um praticante fervoroso da […]

Crônica da Cidade: A militarização das escolas

militarização
Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

O GDF quer expandir militarização para 36 escolas este ano, informa a manchete do Correio. Em primeiro lugar, é preciso distinguir duas propostas: a das escolas militares e a da militarização do ensino. As escolas militares são de qualidade indiscutível, e, além disso, cultivam valores positivos, de disciplina, de respeito e abnegação. Não sou contra as escolas militares. Elas são […]

Flamengo até morrer

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco        Ontem, durante todo o dia, tentei me proteger do impacto da tragédia do incêndio que matou 10 meninos da base do Flamengo, no Ninho do Urubu. Logo de manhã, uma leitora, que já se transformou em amiga, me deu a triste notícia na padaria. Mas, à noite, quando saía da redação e retornava para casa, fui […]

Surfistas do cerrado

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco Quando a minha filha falou que havia escolhido uma praia no Paraná para passar três dias de descanso com a família, pensei que fosse uma piada. Não tinha notícia de que aquele simpático estado, terra natal do implacável Dalton Trevisan, tivesse um verão à beira-mar. Não botei nenhuma fé no excêntrico roteiro supostamente marítimo. Mas, para meu espanto, […]

Rui Barbosa mediúnico

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Durante a sessão do fim de semana, que elegeu o novo presidente do Senado, o busto de Rui Barbosa no plenário daquela Casa observava a tudo com tensão estampada no rosto. Pois bem, esta coluna conseguiu uma entrevista mediúnica exclusiva com o insigne parlamentar. Fala, excelência! De uma maneira geral, o senhor diria que o mal venceu […]

A missão da Vale

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Severino Francisco No meio do caos e da tristeza provocados pelo desastre de Brumadinho,  resolvi visitar o site da Vale para saber o que a empresa pensa sobre a vida das pessoas, o meio-ambiente e o trabalho. O resultado me surpreendeu, afinal, a desatenção com aspectos essenciais do plano de segurança saltou aos olhos até mesmo dos leigos, como é […]

Protocolo da irresponsabilidade

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

  Severino Francisco Há uma cena que me parece simbólica da irresponsabilidade da Vale em relação aos próprios funcionários e cidadãos de Brumadinho. A empresa construiu um refeitório precisamente na rota de um possível acidente com a represa da Mina do Córrego do Feijão, que estourou na sexta-feira. A tragédia só começou a ter os danos contabilizados e já se […]

O minerador Drummond

Brumadinho
Publicado em 1 ComentárioCrônicas

“Sucede há bem treze anos,/oito meses e uns trocados,/os pobres itabiranos,/mais fazem, mais são furtados./A nossa mina de ferro,/que a todo mundo fascina,/tornou-se (e sei que não erro),/pra nós, o conto da mina”. O poema é de 1955, mas desde 1951 até a morte, em 1987, Carlos Drummond de Andrade, o mais importante poeta brasileiro, desfechava críticas agudas contra a […]