Samba: origem

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Abram alas, que o samba quer passar. E passa. Na terrinha tropical, começou com Donga. “Pelo telefone” abriu o caminho. Cartola, Pixinguinha, Mansueto de Menezes, Noel Rosa, Clementina de Jesus o seguiram. Hoje existe uma certeza: “Quem não gosta de samba / Bom sujeito não é / É ruim da cabeça / ou doente do pé”. E uma dúvida. Onde a palavra nasceu? Há uma […]

Samba-enredo: história e plural

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No começo não havia samba-enredo. Valia o samba mais cantado nos ensaios de quadra. Em 1932, o jornal Mundo Esportivo, dirigido por Mário Filho, irmão de Nelson Rodrigues, organizou o primeiro torneio de escolas de samba. A Mangueira venceu. No ano seguinte, O Globo assumiu a festa, e a Mangueira levantou o bicampeonato. Mas o destaque foi o samba da Unidos da Tijuca, coerente com […]

Filhotes do carnaval

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O carnaval deitou e rolou nesta terra mestiça. Deu filhotes. Dele nasceu carnavalesco. O sufixo –esco é velho conhecido nosso. Aparece em adjetivos. Mas não qualquer adjetivo. Só nos derivados de substantivos. Quer dizer semelhante, parecido. Carnavalesco é semelhante a carnaval. Dantesco, a Dante. Burlesco, a burla (zombaria). Momesco, a momo. A família cresceu. Veio o neto — o advérbio carnavalescamente. Reparou? Ele é filho […]

O carnaval e a Igreja

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Carnaval é coisa séria. Tão séria que a Igreja o controla. É a Santa Sé que manda na festa. Começa pelo calendário e chega ao nome. Ela diz: “O momo só pode reinar 40 dias antes da quaresma. Vai do Dia de Reis (6 de janeiro) à quarta-feira de cinzas. Depois disso, o mundo se veste de roxo”. Cadê autonomia? A quarta-feira de cinzas depende […]

Carnaval e saturnais romanas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Carnaval é sinônimo de alegria, descontração, irreverência. Blocos, escolas e foliões aproveitam os dias de momo pra exercitar a liberdade. De certa forma, retomam o tempo das saturnais romanas. Era um período alegre. Os servidores públicos entravam em recesso. Os tribunais fechavam as portas. Nenhum criminoso podia ser punido. Libertavam-se os escravos para assistir aos festejos. As famílias ofereciam banquetes. Durante as celebrações, invertiam-se as […]

Com crase ou sem crase?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Órgãos públicos trabalham em parceria no combate a dengue”, escreveu o site do jornal. Leitores sentiram falta do sinalzinho da crase. Com razão. No período ocorre o casamento da preposição a com o artigo a. Como acertar sempre? Basta apelar para o troca-troca — substituir a palavra feminina por uma masculina. Deu ao? Sinal de crase. Veja: Órgãos públicos trabalham no combate ao câncer. Vem, […]

Megarroubos: por que rr?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“DNA e digitais ligam bandidos envolvidos em megarroubos milionários”, escreveu o site do Estadão. Leitores ficaram com a pulga atrás da orelha. Por que rr? Por questão de pronúncia. Com um r, a pronúncia muda. Compare caro e carro. A dobradinha tem uma única função — respeitar o jeitinho de dizer. A mesma regra vale para o ss: minissaia, multissistema, macrossolução.