Nazi e názi: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Nazi é elemento que forma palavras: nazifascismo, nazifasciscita. Názi pode ser substantivo ou adjetivo, tem plural e acento (paroxítona terminada em i como táxi): polícia názi, pronunciamentos názis, os názis. Curiosidade No começo, era Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães). Mas a lei do menor esforço entrou em campo. A agremiação virou National Sozialist. Mais um pouco e não deu outra. Tornou-se simplesmente […]

Provas cinza ou provas cinzas?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na correção, o Enem trocou as cores. Misturou as provas cinza com os gabaritos amarelos. Deu no que deu — o samba das notas doidas. A balbúrdia deixa uma lição: o adjetivo cinza é invariável. Por quê? Porque deixa subentendida a expressão (cor da): terno (da cor da) cinza, ternos (da cor da) cinza, prova (da cor da) cinza, provas (da cor da) cinza. Claro […]

Herói tem acento. Heroico não tem. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O secretário da Cultura plagiou a turma do Hitler. Disse que a arte brasileira seria “heroica”. Rapidinho virou ex. Mas deixou uma questão no ar: por que herói tem acento e heroico não tem? A resposta tem tudo a ver com a reforma ortográfica. Antes da mudança, o ditongo aberto oi se escrevia com grampinho sempre. A reforma alterou a regra só das paroxítonas. Oxítonas, […]

Tropeço do MEC: troca s por z

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Em 1968, o governo militar quis acabar com o analfabetismo de adultos. Criou o Movimento Brasileiro de Alfabetização, mais conhecido por Mobral. A história durou 15 anos. Fracassou. Muitos pensam ressuscitá-la com apoio das novas tecnologias. Dará certo? Antes de lançar o Novo Mobral, o método será testado. As cobaias serão o ministro da Educação e o presidente do Inep. Ambos tropeçam nos primeiros passos […]

Inconsistência no Enem? É erro

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O Enem divulgou as notas. Ops! A meninada, que testou tim-tim por tim-tim cada questão, questionou o resultado. Com razão. O Inep trocou os gabaritos. Ao anunciar o fato, disse tratar-se de “inconsistência”. Recorreu ao eufemismo. Erro ganhou nome mais leve — inconsistência. Eufemismo é isto: adocicamento do termo. Em vez de usar palavra que choca, causa dor ou provoca imagens desagradáveis, apela-se para outra, […]

Se eu pôr ou puser? Se eu vir ou vier? Se eu caber ou couber? Se eu reter ou retiver? Se eu trazer ou trouxer?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Dúvidas. Dúvidas. Dúvidas. Qual a saída? Só há uma. Lembrar-se de que os tempos verbais têm pai e mãe. O futuro do subjuntivo nasce da 3ª pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo sem o –am final. Assim: Pôr Pretérito perfeito: eu pus, ele pôs, nós pusemos, eles puser(am) Futuro do subjuntivo: se eu puser, ele puser, nós pusermos, eles puserem Se eu puser […]

Nota fúnebre: futuro do subjuntivo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Luís de Camões, Machado de Assis, Eça de Queirós, Clarice Lispector, José Saramago, Jorge Amado (in memoriam), Lígia Fagundes Teles, Rosângela Rocha, Elio Gaspari e os cultores da boa linguagem cumprem o doloroso dever de comunicar a morte do futuro do subjuntivo. Vítima de abandono e maus-tratos, ele deixa a família verbal enlutada. Os amigos se unem nesse ato de piedade cultural e protestam contra […]