Depois de fala de Eduardo, deputados mandarão recado à família Bolsonaro

Publicado em Política

Coluna Brasília – DF

O puxão de orelhas que Eduardo Bolsonaro recebeu do presidente Jair Bolsonaro por cogitar um novo AI-5, no caso de uma hipotética radicalização da esquerda, não será suficiente para resolver sua situação na Câmara dos Deputados. A ideia de muitos no Congresso é aproveitar o episódio para mandar um recado à família, de que não pode haver retrocessos no sistema democrático brasileiro e qualquer flerte com o autoritarismo deve ser repudiado. O grau dessa punição, entretanto, deve cair para uma advertência.

Da parte das esquerdas, a frase despertou a vontade de testar as forças nas ruas, com a convocação de uma manifestação “Basta de Bolsonaro”, para 5 de novembro, por parte da União Nacional dos Estudantes (UNE). A aposta dos mais experientes é de que não terá apelo. Afinal, a economia começa a dar sinais de melhora, e muitos consideram que ainda não é o momento para protestos.

O que vem por aí

Em conversas reservadas, partidos de centro olham com uma certa desconfiança para a reforma administrativa que o governo enviará ao Congresso. O Planalto pretende incluir o fim da estabilidade e da licença-capacitação para quem ingressar no serviço público. Há quem se preocupe com a possibilidade de a grita dos servidores ser usada pela oposição como massa de manobra para inflar manifestações.

Durou pouco

O PSL voltou a se unir a Jair Bolsonaro no meio da semana, quando se verificou que a casa do presidente, na Barra da Tijuca, havia sido citada de forma equivocada como um dos locais visitados por um suspeito do assassinato de Marielle Franco. Agora, depois da frase infeliz de Eduardo Bolsonaro, a turma que se aproximava desistiu de seguir nesse caminho. Se 03 for levado ao Conselho de Ética, não contará com esse grupo.

Por falar em PSL…

O grupo bivarista se reuniu e decidiu reduzir as falas e as manobras contra os aliados do presidente da República. No ritmo que vai, diz a turma de Bivar, o grupo ficará isolado no Parlamento.

Veja bem

O pedido de desculpas de Eduardo vai dar discurso aos poucos aliados que ele tem na Casa, no sentido de evitar uma punição. É nessa direção que todos vão trabalhar nas próximas horas, a fim de chegar à segunda-feira com o episódio no rol dos resolvidos.

Não é com eles/ Os militares não soltaram qualquer nota a respeito da fala do deputado Eduardo Bolsonaro.

Muda o enredo/ O líder do governo, Eduardo Gomes, trabalhará nos próximos dias para tentar virar a página das crises e evitar maiores estragos depois da fala: “Ressaca eleitoral já deu. Vamos para frente. A reforma da Previdência está aprovada. O ambiente tem que ser de trabalho e crescimento”.

Sigam o primogênito/ O recado do líder vale também para 02 (Carlos Bolsonaro), que vive de provocações na internet, e para 03 (Eduardo). O senador Flávio Bolsonaro, o 01, tem centrado sua energia na pauta do Senado.

Cola neles!/ Luciano Huck foi aconselhado a ouvir os políticos mais experientes que, mesmo sem mandato, se mantêm atentos a tudo o que acontece no cenário político. No topo da lista, o ex-senador e ex-deputado ulyssista Heráclito Fortes

Evangélicos deixarão o DEM em caso de filiação de Huck

Luciano Huck DEM
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

A hipótese da filiação de Luciano Huck ao Democratas fará encolher o partido comandado por ACM Neto. A ala mais conservadora, formada por deputados evangélicos, já fez chegar aos interessados que, com Huck, não dá. Esses deputados classificam Huck como “Globo demais” para receber o apoio desse grupo. Logo, o DEM terá que escolher: Huck ou os deputados evangélicos.

… E o PSL já rachou

No encontro de 16 deputados do PSL com o presidente Jair Bolsonaro e advogados eleitorais ontem, tirou-se como última forma a de que ele permanece no partido. Na nota em apoio ao presidente, assinada por 20 deputados, o “X” da questão está na cobrança de transparência por parte dos dirigentes pesselistas, leia-se Luciano Bivar. É por aí que se darão as próximas batalhas dentro do partido (ainda) de Jair Bolsonaro.

Próximos passos

A ideia do grupo mais ligado ao presidente é seguir com ele para o partido que ele escolher, caso a crise não seja contornada. Antes de chegar a essa fase, entretanto, trabalharão para tentar agregar pelo menos 30 dos 52 integrantes da bancada em defesa do presidente e sua permanência no PSL.

O ativo de Bivar

O presidente do PSL, Luciano Bivar, tem um grande trunfo para tentar manter os deputados ao seu lado: controle do milionário fundo que financiará as campanhas de 2020 e 2022. Ninguém quer sair e deixar a fortuna de R$ 700 milhões para trás.

Descolou geral

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro e Bivar consomem energia criando e resolvendo problemas dentro do PSL, a Câmara e o Senado vão tocando a vida. Ontem, aprovaram a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o projeto de lei que remaneja recursos para atendimentos das emendas parlamentares. De quebra, ainda há uma nova proposta de emenda constitucional que põe a reforma sindical na roda.

Agora é que não sai nada

Com a aprovação do projeto que irá permitir o pagamento de emendas de deputados, muitos consideram cumprida a missão com o governo este ano. Ou seja, se o governo quiser aprovar a PEC paralela da reforma da Previdência, terá que debitar de uma nova conta. Este ano, porém, não sai mais nada.

Menos, presidente, menos/ A amizade que mantém, há anos, com o presidente Jair Bolsonaro transforma o ex-deputado Alberto Fraga num dos poucos que não esconde a sua visão real das coisas. Foi ele, por exemplo, que pediu ao presidente que dispense as conversinhas na porta do Alvorada.

E o Janot, hein?/ Enquanto ele autografava seu livro na Leitura do Pier 21, em Brasília, num outro ponto da cidade, um grupo se lembrava da música de Elizeth Cardoso, de 1953: “Ai, ai, Janot, sua intenção falhou/você prometeu chover/não choveu/que calor/que calor/que calor”. E segue o baile: “Desta sua intenção, ninguém pode duvidar/talvez mais tarde venha a melhorar/ só sei dizer que escureceu/ Mas não choveu, não choveu/ não choveu”.

Garoa/ Com o seu Nada menos que tudo, Janot não fez chover, nem gerou um best-seller. Em São Paulo, vendeu pouco no lançamento, menos de 30 livros. Ontem, em Brasília, as autoridades evitaram o evento, mas ele autografou 220 livros. Um número considerável. Porém, longe de parecer um dilúvio.

Em nome de irmã Dulce/ Mal saiu a notícia de que o vice-presidente Hamilton Mourão e as comitivas de parlamentares iriam no mesmo avião, a turma da oposição mandou perguntar como seria a viagem dos senadores. Tinha gente preocupada em seguir no mesmo voo que o vice-presidente. Tem coisas que nem a santidade de irmã Dulce é capaz de unir.

Após DEM se aproximar de Huck e Doria, Bolsonaro conversará com o partido

Maia Bolsonaro e Alcolumbre
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

Diante da antecipação de movimentos do governador de São Paulo, João Doria, e do apresentador Luciano Huck, que percorre o país como potencial candidato ao Planalto, o presidente Jair Bolsonaro começa a ensaiar aquela conversa olho no olho com o Democratas. O Planalto já sentiu que o partido está se movimentando na linha de aproximação com Huck, sem deixar de lado o governador de São Paulo. O prefeito de Salvador, ACM Neto, que comanda a legenda, não tem demonstrado qualquer intenção de ficar ao lado do presidente para o que der e vier.

Para completar, Rodrigo Maia se aproximou nos últimos dias, mas não tem compromisso com o governo. Davi Alcolumbre também caminha em carreira solo, embora se sinta devedor do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni — o braço do DEM que está no projeto do governo e não deseja sair dele. Mesmo caso é o do governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

» » »

Nessa disputa, o presidente pretende mostrar ao DEM que é melhor não se assanhar tanto para os potenciais adversários. Afinal, Bolsonaro continua bem vivo para a disputa em 2022, mais até do que Huck e Dória, que terão dificuldades para chegar a um segundo turno. Até aqui, a polarização das esquerdas versus Bolsonaro ainda não foi quebrada. E a aposta do Planalto é a de que não será. Portanto, avaliam os bolsonaristas, é melhor os aliados de hoje não se afastarem demais.

Gangorra ministerial

Agora é definitivo: ninguém mais no Planalto cita o ministro da Economia, Paulo Guedes, ou o da Justiça, Sérgio Moro, como superministros do presidente Jair Bolsonaro. Nenhum dos dois entregou até agora os prometidos resultados. E o prazo está correndo.

Por falar em Guedes…

O “vamos vender tudo” não conta com o aval da turma palaciana, incluindo aí o presidente Jair Bolsonaro. A sua formação militar o leva mais para o que pensam os norte-americanos nesse quesito: áreas estratégicas precisam de mais controle do Estado e das Forças Armadas.

Seis por meia-dúzia

Um dos nomes cotados para a equipe o presidente Jair Bolsonaro é o do ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF). Só tem um probleminha: se ele entrar, tem que sair outro do DEM.

Muita calma nessa hora

A equipe do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Heleno, fará mais um apelo para que Bolsonaro pare de dar pequenas entrevistas na porta do Alvorada. Até aqui, o presidente recusou todos.

O novo pedido virá, por causa do caso do ciclista que perguntou “cadê o Queiroz?” e recebeu uma resposta grosseira. Queiroz é o ex-assessor de Flávio Bolsonaro que teve movimentação atípica e deu, inclusive, um cheque para a primeira-dama. O cheque, diz o presidente, foi parte do pagamento de um empréstimo que ele havia feito a Queiroz.

CURTIDAS

Fio desencapado/ A relação entre os senadores Flávio Bolsonaro e Major Olímpio se deteriorou de vez. Dia desses, Major Olímpio criticava 01 dentro do plenário da Casa. Há quem diga que a turma do “deixa disso” tem redobrado a atenção quando um passa por perto do outro.

Sílvio Santos vem aí/ O ex-senador e ex-deputado Marcondes Gadelha está na fase final do livro que escancara os bastidores da candidatura de Sílvio Santos a presidente da República em 1989.
À época, o apresentador terminou fora da disputa por decisão do Tribunal Superior Eleitoral.

Sempre ele/ À coluna, Gadelha, que era o candidato a vice na chapa, contou que quem fulminou a candidatura para verificar se o PMB havia cumprido todos os requisitos para poder funcionar foi…. Eduardo Cunha.

Quem ri por último/… É o ex-ministro Carlos Marun, que chegou a pedir o indiciamento de Rodrigo Janot por abuso de autoridade na época da CPI da JBS. Depois, recuou. “Sou premonitório. Foi triste saber que a PGR era comandada por um psicopata e, por causa dele, não conseguimos votar a reforma da Previdência em 2017. Estaríamos com outros temas hoje. Esse, da Previdência, estaria resolvido”, diz ele.

Lei do Abuso de Autoridade: Assessores devem sugerir vetos a Bolsonaro

Publicado em coluna Brasília-DF

Assessores do presidente Jair Bolsonaro estão decididos a sugerir vetos parciais à Lei do Abuso de Autoridade, mas de forma a não desfigurar a proposta. Afinal, prevalece no Planalto a certeza de que Bolsonaro não pode passar a ideia de que concorda em tolher o trabalho dos juízes e promotores. Tudo o que estiver nesse sentido será retirado. No governo, prevalece a visão de que não dá para prender juiz que faz o seu trabalho de botar corrupto na cadeia.

Na área mais política, há quem diga que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, pode receber a senha para deixar o governo, caso o presidente não siga suas sugestões para veto ao projeto. Afinal, Moro, quando juiz, esteve no Parlamento e teceu diversas críticas ao projeto aprovado agora na Câmara.

Tem que ver isso aí, talquei?

Esta semana, o presidente Jair Bolsonaro foi com tudo para cima do ministro da Economia, Paulo Guedes. São necessárias medidas urgentes para aquecer a economia. O presidente sabe que é nessa seara que mora o perigo. E o estoque de distração do governo está acabando.

A forma incomodou…

A Polícia Federal ficou para lá de chateada com o fato de o presidente Jair Bolsonaro, na prática, ter chamado o superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi, de incompetente, ao dizer que o trocaria por “gestão e produtividade”. A PF tentou consertar o estrago divulgando uma nota para dizer que a substituição já estava decidida havia tempos.

… tal e qual a falta de recursos

Policiais dos mais diversos estados têm reclamado que a situação, hoje, está quase como foi num determinado período do governo Fernando Henrique Cardoso, em que não havia dinheiro para diárias e passagens para viagens em operações. Alguns estão sem verba até para abastecer os carros.

Tudo junto

Os senadores estão muito preocupados com o engarrafamento de reformas na Comissão de Constituição e Justiça. O receio é de que a reforma da Previdência termine em segundo plano, por causa das discussões da tributária e do pacto federativo.

Nada mudou/ A Subchefia de Assuntos Jurídicos continua na Casa Civil da Presidência da República. Quando o ministro Jorge Oliveira assumiu a Secretaria-Geral da Presidência, ficou definido que essa estrutura ficaria sob seu guarda-chuva.

Crédito: Reprodução/Internet

Olho nele/ Em maratona de palestras pelo país, muitas devidamente estampadas no noticiário com críticas ao atual governo, o empresário e apresentador Luciano Huck (foto) entrou no radar dos políticos como uma promessa para 2022.


Previdência só depois
/ A segunda-feira começa com uma várias exposições sobre a reforma tributária na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Nesse ritmo, vai ser difícil cumprir os prazos da previdenciária.

Não tem SUS para a família…/… Mas tem helicóptero para ir ao casamento. É esse o discurso que a oposição ensaia retomar para colocar novamente na roda o uso de um helicóptero para levar parentes do presidente ao casamento do deputado Eduardo Bolsonaro, no Rio de Janeiro. Jair Bolsonaro mencionou a questão do SUS quando perguntado sobre o caso da avó da primeira-dama que ficou três dias internada no corredor de um hospital, em Ceilândia.