Renan de volta ao jogo em jantar que selou a paz entre Maia e Guedes

Publicado em Paulo Guedes, Política

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) foi o primeiro orador do jantar que reuniu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, no apartamento do ministro do Tribunal de Contas da União Bruno Dantas. Ele abriu e o senador Davi Alcolumbre, aquele que concorrer contra Renan em fevereiro de 2019 e venceu, encerrou a parte dos discursos. O cachimbo da paz entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes já era esperado. A volta de Renan à ribalta das decisões nem tanto. Porém, para o governo é uma notícia, diante dos desafios que vêm pelo caminho, uma vez que Maia, ao discursar, foi claro ao dizer que o governo não terá cortar apenas “gordura”, mas também “músculo”. Foi aplaudido ao pedir desculpas a Guedes.

O ministro, por sua vez, sem sentiu prestigiado. E, depois de ouvir o que converge seu pensamento com o do presidente da Câmara, elogiou Maia e disse com todas as letras que “não há caminho fora do teto” e selou o compromisso de fechar uma agenda de curto prazo com o Parlamento.

Se tem algo que todos têm consciência é de a situação econômica não é tranquila, nem tampouco os desafios sobre como atender as pessoas a partir de dezembro quando vence o prazo do auxílio emergencial. Vence também o período de calamidade pública, que permite gastos exorbitantes para tentar conter os problemas nas mais diversas áreas provocados pela pandemia. Quando a economia apresenta sinais preocupantes, reza a lenda, a politica costume ter juízo. Nesse sentido, é o que a classe politica está tentando fazer agora, colocando os profissionais em campo para negociar as propostas. Mais do que nunca, dizem alguns, é hora de apostar naqueles que conhecem os meandros do Legislativo e sabem conduzir negociações difíceis. No governo, a certeza de que quanto mais diálogo melhor. Resta saber quanto tempo vai perdurar a capacidade de diálogo. A noite de hoje, avisam os experientes, foi apenas um bom começo.

Nem meia, nem tênis. Guedes usava sapatilha criada no Brasil

sapatilha
Publicado em Paulo Guedes

Muito se especulou sobre o calçado que o ministro da Economia, Paulo Guedes, usava ao participar do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na sexta-feira passada. Primeiro, disseram que eram meias. Depois, um “tênis estiloso”. Nem uma coisa, nem outra. O blog descobriu que se trata de uma sapatilha desenvolvida no Brasil por Meg Gonzaga, em Florianópolis, há dez anos. Ela inclusive registrou e patenteou a marca uFrog, que hoje tem o slogan “Você descalço”. Guedes usava um dos modelos da sapatilha de neoprene, com solado antiderrapante.

“Eu velejava, era proeira do meu pai, sentia muito frio nos pés. A vida inteira procurei um calçado que me permitisse manter os pés aquecidos quando velejava. Os tênis molhavam e não havia essa quantidade que tem hoje. Nos anos 80, quando morei nos Estados Unidos, tinha uns sapatinhos chineses mas eram pesados. Tentei os Crocs, mas escorregavam no barco. Até que, um dia, cansei de procurar e resolvi criar um sapato. Sabia que queria a parte de cima de neoprene e um amigo me ajudou com o solado”, conta a empresária, irmã do ex-ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Bastou usar para que a família e os amigos notassem a novidade e começassem a fazer encomendas. O sobrinho ator, Henry Zaga (foto) , usa para a prática de Yoga.

A criação de Meg fez tanto sucesso entre os velejadores, que ela começou a vender para a turma da vela por e-mail. Depois, passou a usar nas aulas de pilates e as amigas logo encomendaram. Ela, então, criou vários modelos, uns mais femininos, outros infantis com desenhos de bichos. A ideia do nome (Frog, sapo em inglês) veio quando ela cuidava de crianças e uma delas brincava com um sapinho. “Daí, o ‘u’ antes do nome veio porque eu queria primeiro usar o IFrog, mas a Apple tem o registro do I para os seus produtos, então acabei usando o “u” antes do nome, e virou uFrog”, afirma.

Foi quase um ano desenhando e quebrando a cabeça para que o sapato saísse do jeito que Meg queria. Hoje a fábrica fornece para várias lojas, vende pela internet e tem ainda quiosques de Ufrog espalhados pelos shoppings Brasil afora. Os preços variam, segundo o blog viu na internet, de R$ 65 a R$ 88. “Realmente, fiquei surpresa ao ver o uFrog nos pés do ministro, no Planalto”, diz Meg. As pessoas geralmente usam como um calçado para andar em casa ou práticas esportivas, como as relatadas por Meg. No Palácio do Planalto, em plena coletiva presidencial, num momento tenso como aquele, foi a primeira vez. O governo pode até estar mal das pernas. Mas, pelo menos, nos pés, Guedes tem conforto e estilo. De quebra, ainda fez propaganda de um produto que, apesar do nome em inglês, é bem brasileiro.