Efeito rebote

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto de Pool / Getty Images AsiaPac

 

Quando, por questões ideológicas, o ex-presidente Lula reconheceu a China como economia de mercado, em novembro de 2004, essa medida impensada, como previam muitos analistas naquela ocasião, traria consigo uma série infinita de consequências para a produção nacional, arruinando, a médio e longo prazos, toda a cadeia produtiva do país. Esses alertas, contudo, não foram, sequer, observados pelo executivo, que, naquela ocasião e pouco meses antes dos escândalos do mensalão, agia às cegas, sem um programa de governo racional e ao sabor das ilusões de que tudo sabia e tudo podia. Dizer que esse reconhecimento se deu por afinidade ideológica, entre o Partido Comunista Chinês (PCC) e o Partido dos Trabalhadores, só faz sentido quando se sabe que as duas legendas são comandadas com mão de ferro por seus dirigentes. A diferença é que, na China, o partido que lá controla as decisões o faz por meio de um criterioso programa de longo prazo, que é obedecido à risca por décadas.

Por aqui, reinava a improvisação e a certeza de que erros, por mais sérios que fossem, seriam abonados por um Congresso, naquela altura, já comprado e bem pago. A pressão do agronegócio que, no governo do PT, passou a obter toda e qualquer concessão, graças ao poder do dinheiro fácil, acabou por empurrar o Brasil para o abraço de urso dos chineses. O resultado, todo conhecemos hoje. A indústria têxtil, calçadista, de peças e inúmeras outras passaram a sofrer a concorrência desleal com os chineses e acabaram, uma a uma, fechadas ou indo à falência em doses homeopáticas e seguras.

O legado dessa insana decisão ainda é um capítulo longo da história do Brasil a ser escrito e analisado. Naquela solenidade fatídica para a toda a economia do Brasil, o ex-presidente ainda teve o desplante de “prever” que o reconhecimento desse status iria intensificar a cooperação comercial entre os dois países. Em silêncio e com um sorriso escondido na face, o presidente chinês, Hu Jintao, observava a cena que reconhecia, em segredo, ser um dos maiores “negócios da china” já realizados com um país do ocidente.

Com esse passo no escuro, o Brasil se transformava em uma peça a mais no intricado xadrez de projetos daquele país, em sua ânsia de hegemonia mundial. Colhemos, agora, os frutos daquela decisão nascida no terreno árido de ideias das mentes petistas. Em história, é sabido que de nada adianta julgar. Os rumos foram dados, a sorte jogada e o Brasil perdeu. Os beneficiados dessa parceria foram apenas aqueles ligados ao agronegócio, em detrimento de todo o resto, inclusive, do meio ambiente que, com o avanço desmedido da agropecuária sobre matas e outros recursos naturais, amarga, dia após dia, a perda da biodiversidade.

Quase duas décadas depois desse engodo comercial, e em plena pandemia mundial, que tem, como protagonista principal, os mesmos chineses do passado, o Brasil e parte da população, que a tudo assiste bestificada, experimenta, agora, o que seria uma segunda versão da guerra da vacina, só que agora em ritmo de farsa ou de tragicomédia. Para essa escaramuça, armada por um “cast” de atores políticos e outros canastrões do momento, a nova guerra da vacina ou, como muitos estão denominando, da “vachina”, é o próprio presidente, uma espécie de Lula da direita, que age como agente indutor dos conflitos.

Sua descrença sobre a eficácia da vacina de origem chinesa, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, parece conter, em si e ao mesmo tempo, todos os efeitos danosos que trouxeram para o Brasil a parceria desigual. Para uns, esse aceitar pacificamente o novo remédio contra o Coronavírus seria como aceitar uma muleta daqueles que nos quebraram, de modo proposital, as pernas.

A politização em torno da vacina está apenas começando e tem, como incentivador discreto, o governo americano, que torce para que esses desentendimentos deixem claro, por aqui também, os malefícios que os tratados comerciais trouxeram para as economias tanto dos EUA quanto do Brasil. Sobre esse ponto não há o que discutir. Talvez, por aqui, os efeitos colaterais da vacina de origem chinesa venham acompanhados de uma rediscussão dos acordos comerciais que colocaram o Brasil numa posição flagrantemente desvantajosa.

O que se tem são desconfianças mútuas, alimentadas pelo medo de que os efeitos da pandemia venham a recrudescer numa segunda onda, ceifando a vida de mais brasileiros. A politização da vacina vem como efeito colateral e natural dessa aproximação feita anos atrás pelo conluio entre a esquerda e o agronegócio, que então davam as cartas nos governos petistas. O que temos agora são os efeitos rebotes desse remédio tomado em 2004.

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“O Brasil é o país do futuro e sempre será.”

Stefan Zweig, escritor, romancista, poeta, dramaturgo, jornalista e biógrafo austríaco (1881-1942).

Foto: Stefan Zweig, Fundo Correio da Manhã

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

As primeiras oito salas de aula serão iniciadas nestes próximos dias, e se cabe reivindicar alguma para alguém, que vá uma para a Coréia e outra para os JK. (Publicado em 19/01/1962)

O último bastião

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: AFP/Arquivos (domtotal.com)

 

Um fenômeno preocupante e violento, que vem se alastrando como pólvora, tem deixado os cristãos de todo o mundo em estado de alerta permanente, pois parece reascender, em pleno século 21, os tão temidos e devastadores conflitos religiosos que marcaram boa parte da história da humanidade e que deixaram um número incontável de mortes e destruição. Os motivos que têm levado ao retorno das perseguições sistemáticas ao cristianismo são diversos e, em alguns casos, parecem repetir as mesmas causas equivocadas que levaram a tanto sofrimento no passado. Por outro lado, é certo que, em tempo algum, as igrejas de fé cristã viveram longos períodos de paz. Essa é, inclusive, uma condição própria e natural que faz pensar que desde o aparecimento de Cristo, em terras do Oriente Médio, seus ensinamentos ainda são capazes, dois mil anos depois, de despertar reações de ódio e de amor.

Mas, se antes, os conflitos opondo essa e outras doutrinas de fé tinham um caráter mais assentado na expansão e na consolidação de territórios e populações, por meio das missões evangelizadoras e de catequese, num tempo em que religião e Estado formavam uma só entidade jurídica, hoje, esses conflitos são de outra natureza, muito mais complexa e, quiçá, impossíveis de serem resolvidos num curto espaço de tempo.

Existe o que parece ser um movimento espalhado por todo o mundo, principalmente nos últimos anos, que tem a fé cristã como alvo preferencial de diversas vertentes políticas e religiosas, que encontram, nas igrejas ocidentais, uma espécie de última trincheira e bastião de proteção dos valores e da cultura do Ocidente. Na realidade, o que se assiste é ao avanço, em diversos flancos, não apenas do laicismo e de outros conceitos apropriados pelas esquerdas mundiais, mas que enxergam na fé cristã uma fortaleza a ser sobrepujada, para a implantação do que seria uma nova ordem mundial, obscura e incerta.

Nessa nova cruzada, elementos de uma quinta coluna, agindo dentro da igreja, deixam visível a incapacidade orgânica de a igreja cristã, sobretudo a de orientação católica, de se adaptar a um mundo nitidamente distópico e distante dos ideais espirituais. Se antes os homens eram movidos por uma força e uma esperança espiritual que parecia transcender ao mundo secular, e no qual tudo parecia valer a pena, hoje, a descrença e o materialismo dominam o cenário mundial e movem a humanidade numa direção que parece de volta ao tempo das cavernas, quando a sobrevivência, ante a um ambiente hostil, era o mote de vida de cada um.

O processo civilizatório, da forma que temos alcançado, sugere estarmos cada vez mais longe do sentido próprio do que seja civilização, principalmente daquele modelo pregado pela filosofia de Cristo. Por todo o planeta, nossas cidades, mais e mais, vão se parecendo com praças de guerra, onde a paz espiritual e harmonia entre as pessoas mais parecem sonhos distantes.

Atacar, destruir igreja e templos religiosos, mais do que um movimento que se quer crer iconoclasta, parece, nas suas entrelinhas psicológicas e paranoicas, um pedido de socorro feito por multidões de cegos nessa Babel moderna, em que ninguém mais se entende ou possui referências com o sagrado e com a luz.

 

 

A frase que foi pronunciada:
“Os demônios saíram do inferno! Não é a primeira vez que um movimento totalitário queima locais sagrados. Os nazistas queimaram as sinagogas da Europa. Hoje, são as igrejas do Chile que estão sendo destruídas. A bandeira de ambos movimentos continua sendo vermelha”
Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação

Foto: Abraham Weintraub e Ricardo Vélez-Rodriguez, ao fundo (Divulgação/MEC)

 

Escritora
Conta a escritora Lira Vargas que, lançados 11 livros de sua autoria, o trabalho de vendê-los no Brasil é insano. Quem quer ler não tem dinheiro e quem tem dinheiro compra jogos ou livros recomendados pela mídia. Seu trabalho foi compensado depois que a Horizonte Azul, na Book Fair em Miam, serviu como ponte para os leitores. Vendeu pelas ruas e feiras em Dambory, além de ter sido admitida na biblioteca da cidade. Depois disso, dos 1.000 exemplares, hoje restam 12.

 

 

Teoria da vidraça quebrada
Quem sobe no trevo para o Paranoá, a caminho da Rodoviária daquela cidade, vê que as margens da pista se transformaram em lixão. Se a administração do Paranoá não fizer nada, é o que vai acontecer na pista toda.

Reprodução: globoplay.globo.com

 

PT&PT
A coisa está feia nas eleições para a Prefeitura de João Pessoa. Anísio Maia avisou a Gleisi Hoffmann que as acusações feitas a ele não passarão em branco. A briga dentro do partido está extrapolando. Ricardo Coutinho era o preferido da presidente do PT.

Iamagem: reprodução

 

Há tanto tempo
Parlamentares e especialistas pressionam por votação do fim do foro privilegiado. Manchete, quando é repetida por mais de 3 anos, é sinal que não vai vingar.

Charge da Lane

 

História de Brasília

Está terminando o período de férias, e nenhuma conservação vem sendo feita nas escolas. Normalmente, quando termina o ano escolar, todas as escolas são pintadas novamente, e passam por uma reforma total. (Publicado em 19/1/1962)

A galinha dialética

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: Pablo Cozzaglio/ AFP

 

Todos os períodos históricos são, para fins didáticos, divididos em idades, tomando-se, por base, acontecimentos ou fatos marcantes que, de algum modo, serviram para mudar os rumos da própria história humana. Assim, temos, por exemplo, que a tão discutida Revolução Francesa de 1789, por seus efeitos transformadores sobre a sociedade, sobre a política e sobre a própria economia, alterou de forma significativa o status quo de boa parte do Ocidente, inaugurando o que ficou estabelecido como Idade Contemporânea.

É preciso entender ainda que essas alterações na organização dos Estados, por sua profundidade e racionalidade, são sentidas até hoje, em maior ou menor graus. Apesar desses efeitos profundos, principalmente sobre o mundo ocidental, é preciso notar que o século XXI, por suas características peculiares, parece anunciar o que já notara Francis Fukuyama, na obra “O fim da História” de 1989, ou seja, exatos duzentos anos após a revolução Francesa.

Para muitos, a história atual, e que marca de forma indelével a entrada da humanidade no século XXI, não foi nenhuma revolução no campo das ciências como alguns prediziam. Pelo contrário, o marco histórico que indicou a entrada do novo século e que mudaria, na sequência, a face do mundo que achávamos conhecer foram, de certa forma, acontecimentos grotescos, antepondo povos primitivos e subdesenvolvidos, contra a nação mais desenvolvida do planeta, simbolizada pelos atentados às Torres Gêmeas em Nova Iorque, em 11 de setembro de 2001. Dessa data em diante, o mundo novo, descrito por George Orwell (1903-1950) em sua obra “Admirável mundo novo”, de 1932, passou a ganhar existência concreta, sob a forma de uma sociedade extremamente vigiada e controlada pelos meios eletrônicos.

Mas, como o mundo não deixa de girar, esse ainda não foi o fim da história. Muitos acontecimentos, por seu alcance sobre a sociedade, ainda possuem moto próprio e seguem mudando a direção dos ventos e os rumos da humanidade. É preciso que atentemos para uma sequência de fatos atuais que, neste século, também vem forçando uma mudança radical nos ventos da história, capaz de alterar boa parte da cultura ocidental, decretando, inclusive, seu fim.

Primeiramente, é preciso entender que a cultura ocidental, por seus aspectos formativos, possui, como bases principais, as heranças legadas pelas civilizações Helênica, Latina e Cristã. Tanto a filosofia quanto o Direito e a religião, que moldariam nossa civilização, somados ainda às contribuições Celtas e Germânicas, emprestaram a personalidade a essa imensa parte do planeta. Essa é, quer queiram ou não, a carteira de identidade que diz quem somos, de onde viemos, o que pretendemos para nós e para as próximas gerações que virão.

Trata-se aqui de uma espécie de seguro que aponta para aspectos fundamentais de nossa própria sobrevivência, como sociedade e cultura. Infelizmente, como em todo processo a indicar o “caminho entre ideias”, conforme nos ensinaram os gregos antigos, carregamos em nós o que seria a semente que irá, cedo ou tarde, provocar nossa transformação, dando origem a uma outra sociedade e, quiçá, com uma outra cultura.

É o que teóricos em filosofia chamariam de dialética e que poderia, de forma simples, ser representada pela alegoria do ovo da galinha, que possui em si elementos transformadores (gema e a clara)  que irão, por processos biológicos, dar origem a uma outra galinha. Nesse processo transformador, o ovo necessitaria, para essa mudança, destruir o ovo originário. Da mesma forma que, na Física, dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar, a transformação da sociedade, por uma nova ordem de ideias, requer a destruição das antigas bases que a sustentavam.

A Revolução Francesa representou, nesse contexto, o processo dialético que eliminou todo o chamado “ancien régime”, o absolutismo e outros conceitos daquela época. É justamente esse mesmo processo que, depois das derrubadas das Torres Gêmeas, vem sendo, paulatinamente, imposto ao mundo ocidental e pode ser traduzido pelas tentativas de destruição do núcleo familiar tradicional, quer por processos que os comunistas endossam como o incesto, quer pela destruição dos valores cristãos, por meio dos recentes ataques às igrejas, fenômeno que vem acontecendo em todo o mundo e que, agora, chega ao vizinho Chile. Trata-se aqui do nascimento do ovo da serpente, prestes a ser chocado.

 

A frase que foi pronunciada:

“A religião, nascida da necessidade da terra de revelar um deus, está relacionada e extensiva não ao homem individual, mas a toda a humanidade.”

Pierre Teilhard de Chardin, padre jesuíta, teólogo, filósofo e paleontólogo francês.

Pierre Teilhard de Chardin. Foto: wikipedia.org

 

Mistério
Reduzir impostos para importar soja, sendo que o Brasil é o maior produtor do mundo, é uma grande incógnita. Agora, isentar de impostos agrotóxicos condenados em outros países para liberar o paulatino envenenamento da população, aí não há como compreender.

Foto: Pixabay

 

Sucesso
Guinga, compositor e violinista renomado internacionalmente, sempre lembra do mestre Bohmil Med, que lhe deu as primeiras aulas de música.

Foto: correiobraziliense.com

 

Plena
Veja, no link COMO PLANEJAR, IMPLEMENTAR E AVALIAR PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO PARA APOSENTADORIA, como se inscrever para o Curso Online sobre planejamento e avaliação da aposentadoria. Esse curso tem como público alvo os profissionais que oferecem a preparação para aposentadoria ou educação para uma longa atividade profissional.

–> Boa tarde, pessoal! 🙂
Estão abertas as inscrições do Curso Online: Como planejar, implementar e avaliar Programas de Educação para Aposentadoria
Esse curso é destinado a todos os profissionais que oferecem serviços como preparação para aposentadoria, educação para o pós-carreira e/ou para uma longevidade ativa.

As informações do curso encontram-se neste link: https://aposentadoriaplena.com.br/curso-online-pea/
Para se inscrever, insira suas informações aqui: shorturl.at/yACW3
Em caso de dúvidas, estamos à disposição 💜

Forte abraço, Dra. Juliana Seidl e Dra. Cristineide Leandro-França
Links da Aposentadoria Plena: https://linktr.ee/aposentadoria.plena

 

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Nos 62 blocos habitados (dois estão interditados) há pouquíssimos telefones, e estes mesmo não constam da lista. (Publicado em 19/01/1962)

Com a faca e a fofoca na mão

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Economia americana já sinaliza o forte impacto da crise provocada pela pandemia de coronavírus. Foto: Nick Oxford/Reuters (exame.abril.com)

 

Quando o tsunami da crise de pandemia ceder e baixar, é que vamos verificar que países e governos andaram fazendo a lição de casa, conforme o receituário da ciência médica, e quais outros que preferiram o caminho da improvisação e do amadorismo. E ainda: quais países obtiveram maiores resultados positivos, tanto na garantia de vidas de suas populações, como na estabilidade de suas economias.

Dificilmente a fórmula “menos falências e menos falecimentos” estará no cômputo das medidas adotadas pelos governos de todo o mundo. Seguramente, encontrarão melhores condições e prazos mais curtos de recuperação, aquelas nações que escolheram o difícil caminho do meio, encaminhando suas escolhas políticas internas entre os bens materiais, indicados no Produtos Interno Bruto e na saúde de sua gente. Por enquanto, esses são alguns dos indicadores que podem ser adiantados nesse momento e com certa segurança, em meio à vassoura da morte que segue varrendo nações inteiras para as valas comuns.

Outro indicativo de certeza é com relação ao patamar de desenvolvimento de cada país, que irá ter reflexos diretos na velocidade de recuperação de cada um. Por certo, os países abaixo da linha do Equador serão, mais uma vez, os mais penalizados. Outros que poderão estar em maus lençóis, depois da crise de saúde pública, serão aqueles países cuja a qualidade e transparência de suas máquinas governamentais continuem embaçadas pelo vapor tóxico de suas ideologias políticas. Nesse caso, é fácil adivinhar que países diferentes como a China, a Rússia, Coreia do Norte, Venezuela e outros, por suas características internas, poderão estar em piores situações, pelo simples fato de seus governos controlarem o fluxo de informação.

Essa é, sem dúvida, uma lição simples a ser colhida dessa crise e que pode ser resumida em uma nota máxima: transparência é saúde e vida. Dentre outras muitas conclusões certeiras que, de antemão, podem ser colhidas da atual quarentena mundial, uma vez sanado o problema em âmbito global, é que se poderá descobrir que papel e importância cada organismo supranacional – como a Organização das Nações Unidas (ONU), Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), BRICs, Mercosul e muitos outros – teve nessa crise e se esses organismos ainda respondem de modo satisfatório às demandas em caso de calamidade em grande escala.

De certo que todas essas questões ganharão ainda mais relevância e efeitos dentro do Brasil e por uma razão até singela: em nosso país, a questão de saúde pública, representada pela pandemia, adquiriu um viés político muito marcante e até mais complicador de toda a questão, para além de seus aspectos de saúde e de estagnação de uma economia que ainda se esforçava para avançar.

A incapacidade política da grande maioria de nossas lideranças em agir corretamente, de acordo com as necessidades do momento, é, talvez, o traço mais marcante de nossa desorganização. O fato de persistirem ainda elementos de suspeitas de corrupção nos sobrepreços de equipamentos como hospitais de campanha, respiradores automáticos e muitos outros insumos de emergência denota e expõe, a nu, o grau de atraso do nosso Estado e de pequenez moral de nossos homens públicos.

Uma folheada nos últimos editoriais dos principais jornais internos e de todo o planeta, sobre a condução de nosso governo frente a essa crise, dá uma mostra clara de que o objetivo é desestabilizá-lo, custe o que custar.

 

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Nenhum governo pode ser firme por muito tempo sem uma oposição terrível.”

Disraely, escritor, político.

Benjamin Disraeli. Foto: wikipedia.org

 

Cultura

Fãs de Regina Duarte buscam telefones da Secretaria da Cultura para deixar mensagens de apoio, mas nenhum número que está no portal atende.

 

Coração bom

Por falar em Regina Duarte, ela deu um baile quando perguntaram a razão de não ter havido nenhuma manifestação da pasta quanto às mortes dos artistas nesses últimos dias. Respondeu com a candura de uma criança que ela se manifestou sim: às famílias que sentiam a dor da perda. Ligou para cada uma delas, dando os pêsames.

 

Arquivo secreto

Por que os países atingidos sofrem a Síndrome de Estocolmo em relação ao país culpado? O silêncio sobre esse assunto é ensurdecedor.

Foto: Greg Baker/AFP (gazetadopovo.com)

 

Questione sempre

Veja a seguir as ponderações de uma criança sobre a crise atual. Vale ver. Pense numa pandemia inteligente!

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Prossegue ativa, a campanha contra Brasília. Seus inimigos não dormem, e não reconhecem o trabalho que foi feito até hoje na Capital Federal. Desvalorizam a arrancada histórica e procuram esconder as grandes realizações. (Publicado em 06/01/1962)