Traças e roedores

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Ilustração: amambainoticias.com.br

 

         Tempos difíceis esses que estamos vivendo, ainda mais para um tipo específico de jornalismo, que, em meio a essa polarização extremada, com tiros vindos de todo o lado, busca seguir o caminho do meio e do bom senso.

         Definitivamente, não estamos, aqui no Brasil, em tempos de racionalidade ou sob a égide de elites políticas movidas pela sanidade mental. Mesmo para o leitor e eleitor, o cenário atual do país é confuso e distante da realidade. Até aqui nenhuma novidade. O que surpreende o cidadão de bem, e olhe que eles existem em grande número, é ver, dia sim e outro também, os mais perigosos e escorregadios personagens da política local e nacional ocupando páginas inteiras dos principais jornais e de mídias importantes.

         Para os brasileiros que ainda acreditam na ética e na justiça, ver esses personagens de triste passado, envoltos nos mais estrondosos casos de corrupção e de desvio do dinheiro público, falando abertamente de seus projetos futuros e do quanto foram prejudicados politicamente pelo açodamento das leis e da Justiça, dói no fundo da alma.

         Nessas entrevistas, que inclusive ocupam manchetes de primeira página, esses antigos meliantes do colarinho branco desfilam um rosário de lamúrias, mostrando o quanto foram injustiçados e o quando custou, para cada um, vagar solitário pelo deserto do banimento. Não se enganem! São raposas a lamentar o fato de terem sido apanhadas com os dentes prontos a devorar os incautos cidadãos, retirando-lhes o pão de cada dia e as chances de um futuro mais digno.

         De fato, o caminho de meio e do bom senso aponta, com propriedade, que lugar de corruptos, de toda a espécie, é nas malhas da lei interpretada com decência e longe dos cofres públicos.

         Já foi bem lembrado que a corrupção é tão ou mais letal que as ações violentas do crime organizado. A diferença entre o corrupto e um chefe de quadrilha que assalta e mata está nas armas que utilizam. Os empolados criminosos do colarinho branco, apesar de não usarem armas de fogo em suas ações, causam males infinitamente maiores ao cidadão, sendo que seus crimes repercutem por décadas e podem ser conferidos nas filas dos hospitais, na falta de remédios, na precariedade dos serviços públicos e por aí vai.

          Cara do bom moço, com aquele ar de senhor arrependido, só engana os desavisados. Há também os que mentem tão bem para si que não encontram espaço no ego para arrependimentos.

         Todo o cuidado com esse tipo de gente é pouco. A revoada desses personagens da política policial do país, de volta aos ninhos ou à cena do crime, só tem sido possível graças ao desmanche providencial e maquiavélico da Lei de Improbidade Administrativa, elaborado à luz do dia, justamente por indivíduos que foram ou seriam atingidos por esse antigo e justo dispositivo.

         Pensar que todos esses personagens estão se preparando para voltar mostra bem porque não saímos do lugar, e andamos correndo atrás do rabo feito cachorro doido. Para alguns mais radicais, a sentença é ainda mais terminativa: lugar de bandido não é na política, é na cadeia; onde, aliás, muitos se quer chegaram conhecer, dadas as possibilidades infinitas de recursos e a leniência de nossas leis, sempre em benefício dessa gente e contra o cidadão.

        Jornais e todo o tipo de mídia deveriam abrir seus canais apenas para aqueles cidadãos dignos e que possuem mensagens com base na verdade, vida pregressa e no bem comum, para mostrar às novas gerações que ainda há remédio para esse país. Nem tudo está definitivamente perdido e entregue às traças e aos roedores.

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Quando uma pessoa sensata compreende mal o que eu quis dizer, reconheci que me zango, mas apenas comigo mesmo: por haver expressado o meu pensamento tão mal que dei ensejo ao erro.”

David Hume (1754)

David Hume. Foto: Reprodução/Internet

 

Tecnologia

No Blog do Ari Cunha, o artigo completo de Flávio Ribeiro sobre “Tecnologia em gestão de contratos: uma forma de reduzir custos em Centros de Serviços Compartilhados”. Flávio Ribeiro é CEO e co-founder do NetLex e Associado Mantenedor da ABSC.

Flávio Ribeiro. Foto: tiinside.com

Tecnologia em gestão de contratos: uma forma de reduzir custos em Centros de Serviços Compartilhados

A premissa de um Centro de Serviços Compartilhados (CSC) é reduzir custos e aumentar a assertividade das operações. Para alcançar esses objetivos, departamentos Jurídicos, de Suprimentos e de Recursos Humanos (para citar apenas alguns) são agrupados nessas estruturas centralizadas, atendendo a diversas companhias — geralmente de um mesmo grupo empresarial. 

Mas não basta apenas juntar áreas variadas em um único espaço. Entregar os melhores resultados possíveis passa por garantir que todas as atividades sejam escaláveis e sigam os parâmetros de qualidade das instituições contratantes. Inclusive na gestão de documentos. 

As vantagens de uma visão integral do ciclo de vida dos documentos em um CSC 

É muito comum que os gestores tenham uma visão limitada das operações, composta somente pelo ponto de vista de seus próprios departamentos. Por exemplo: uma solicitação de compra movimenta o setor de Suprimentos, que só tem visibilidade sobre as atividades que são suas, como a análise de fornecedores e a negociação do contrato. Quando o documento é enviado para o Jurídico, ou a fatura é remetida ao Financeiro, é como se ele adentrasse uma verdadeira caixa preta: não se tem transparência quanto aos prazos de análise ou ao status do pagamento até que o contrato ou fatura emerja e retorne ao setor de origem. 

O contrário dessa gestão retratada acima é a chamada visão end-to-end, quando há clareza sobre as ações realizadas do início ao fim de um fluxo, mesmo que ele envolva diferentes áreas de apoio. Contar com um CSC é uma oportunidade única de colocar essa abordagem na prática, verificando a complementaridade das áreas de apoio das empresas. 

Diante do volume de arquivos gerenciados diariamente por um CSC, alcançar a almejada escalabilidade e padronização só se torna viável a partir da utilização de soluções tecnológicas como as plataformas de Contract Lifecycle Management – CLM. Essa abordagem incorpora um conjunto de práticas voltadas à gestão do ciclo de vida dos contratos, desde a solicitação até a administração do seu cumprimento, passando ainda pela coleta de dados e geração de inteligência. Sem essa perspectiva, os fluxos de trabalho certamente ficarão caóticos. 

Os CSCs estão especialmente bem posicionados para gerar valor empregando a gestão do ciclo de vida dos contratos, na medida em que a reunião e compartilhamento dos departamentos de apoio gera sinergia no fluxo de trabalho. Outra vantagem dessa proposta é a possibilidade de examinar cuidadosamente os documentos e dinâmicas a eles relacionados. 

Após uma análise com esse nível de aprofundamento e abrangência, é possível identificar os pontos de improdutividade e endereçá-los com ajustes precisos e planejados. 

Gestão de documentos e fluxos de trabalho dentro das áreas de apoio 

Internamente, cada setor lida com variados tipos de demandas que originam documentos e contratos específicos. A técnica do Contract Lifecycle Management simplifica o dia a dia de cada departamento, reconhecendo suas particularidades. Assim, é possível definir documentos padrão, com estrito controle sobre a alteração do seu conteúdo; estruturar fluxos de trabalho engajando os profissionais corretos a nível de elaboração, revisão e assinatura, definindo prazos para todas essas etapas; e registrar integralmente todos os trâmites e documentos produzidos. 

Dessa forma, contribui-se para a economia em escala prometida pelos Centros de Serviços Compartilhados, permitindo que as operações internas de cada setor sejam conduzidas em alto grau de eficiência. 

Mais eficácia na articulação entre áreas de apoio 

É na articulação entre departamentos que se concentra o maior risco de ineficiência em um Centro de Serviços Compartilhados, justamente porque as etapas subsequentes do processo não estão visíveis para os demais integrantes da cadeia. 

A lógica da gestão do ciclo de vida dos documentos passa pelo engajamento das áreas corretas no momento em que sua atuação será necessária e eficiente. É possível mapear os pontos ideias para estabelecer a interação entre áreas, evitando retrabalho e garantindo que o documento siga seu fluxo contínuo até a conclusão. Também é viável conferir transparência ao status das atividades, para que as áreas solicitantes tenham visibilidade quanto aos prazos e agentes responsáveis pelo passo atual. 

Tecnologia para aprimorar os Centros de Serviços Compartilhados 

Se a criação de Centros de Serviços Compartilhados já agrega eficiência ao trabalho das áreas de apoio, recorrer à tecnologia para implementar uma estratégia de gestão de contratos soma escalabilidade e padronização às operações, potencializando os resultados almejados. 

Passa a ser possível centralizar todas as demandas em plataforma única, automatizar a criação de documentos, estruturar de forma personalizada os fluxos de trabalho com prazos automáticos, além de armazenar todas as versões de arquivos e informações a eles relacionadas. O formato digital possibilita ainda que dados sejam extraídos para gestão dos contratos e dos procedimentos. 

Fica claro, portanto, que um software CLM bem implementado é o meio de levar os Centros de Serviços Compartilhados a outros patamares de sucesso. 

 

Flávio Ribeiro, CEO e co-founder do netLex e Associado Mantenedor da ABSC.

 

Revolta

Corre pelas redes sociais a reprodução da página do Diário Oficial com a informação do pagamento de dois milhões e meio patrocinando Nando Reis em 2012.

 

Na mira

Prefeitos de diversas cidades foram flagrados cobrando propina de diversas formas. Com um celular, é possível comprovar o ilícito. Agora, o que é feito com esse material vai depender do delegado, juiz e da população.

Charge publicada em vvale.com

 

História de Brasília

No Carnaval de Brasília não se viram nos clubes homens carregando mulheres nas costas, semi-nuas. Houve, sim, muita alegria, muita animação, como ninguém esperava. (Publicada em 08.03.1962)

Faroeste caboclo

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: Instagram / Reprodução

 

Não se sabe ainda, ao certo, quando foi e por quais motivos o Brasil optou por caminhar na contramão do mundo em questões tão básicas, como a escolha entre o certo e errado, o legal e o ilegal. De tanto enveredar pela estrada torta, talvez tenhamos perdido o senso e o sentido do que é correto e incorreto, no campo da ética individual e pública. E esse sentimento, que se irradia como fogo na população, vem exatamente de cima, das autoridades e das elites brasileiras, supostamente educadas, mas que não se dão ao trabalho de servir como modelos de bons exemplos. Na verdade, nem eles mesmos, aqueles que estão no alto da pirâmide social e econômica, sabem, com certeza, escolher entre o certo e o errado, quando o que está em jogo são vantagens imediatas e lucrativas.
Até a mídia que, em outros cantos do planeta, trabalha em prol da harmonia social, favorecendo bons exemplos de cidadania, em nosso caso, parece querer implantar maus costumes como sendo condutas normais e aceitáveis, e que também podem ser copiadas como modelo de alguma modernidade aética. O pior é que tudo isso se passa diante de nossos olhos e ouvidos como coisa natural a ser aceita e assimilada, para não gerar, talvez, maiores conflitos com as atuais gerações.
Um exemplo dessa desorientação geral pode ser conferida no enorme espaço que os órgãos de imprensa vêm dando à morte do cantor MC Kevin, conhecido e aclamado, no submundo do gênero de música que produz, por fazer apologia aberta ao tráfico de drogas e ao crime organizado, apresentando-os como os novos modelos de heroísmo de conduta para uma grande plateia de jovens.
Morto, por acidente, tentando escapar de um possível flagrante de sua esposa, conhecida por defender, nos tribunais, membros de organizações do crime, o caso vem ocupando espaço em horário nobre desde o ocorrido, numa espécie de glamourização camuflada da vida marginal desses personagens, que agem como artistas na estreita fronteira entre diversas contravenções e o espetáculo.
Exemplos lamentáveis e descartáveis como esse e que, em outros tempos, ocupava apenas as páginas da chamada imprensa marrom, especializada na decadência humana, tomaram o espaço que, na impressa de qualidade, era preenchido apenas com questões de importância nacional ou de interesse público, mantendo a regra de não fazer apologias, romantizando o submundo do crime e suas estripulias.
Não pense que esses maus exemplos vêm apenas dos conhecidos bailes funks da periferia. O mesmo também ocorre em comissões parlamentares de inquérito em que, para o bem da verdade, deveriam investigar aqueles que precisam prestar contas do gasto do dinheiro público não visto e usufruído pela população.
São exemplos dessa natureza que a população brasileira é obrigada a ter que presenciar em seu cotidiano e que demonstram que o Brasil não apenas um país impróprio para amadores, como é também um país onde o errado está certo e onde as leis e os vereditos possuem um preço variável, de acordo com a posição e o bolso de cada um nesse faroeste caboclo.

A frase que foi pronunciada:
“Quando criança só pensava em ser bandido / Ainda mais quando com um tiro de soldado o pai morreu/ Era o terror da sertania onde morava / E na escola até o professor com ele aprendeu.”
Faroeste caboclo do Legião Urbana

Xeque
Inscrições para o 61º Campeonato de Xadrez vão até 11 de junho. Alunos da rede pública ou privada podem participar. A iniciativa é um estímulo saudável ao desenvolvimento cognitivo da meninada. Tomada de decisões, disciplina, estratégias, são ferramentas importantes para encarar o futuro. Para preencher o formulário de participação, acesso o link: http://lichess.org. https://lichess.org/.

Cartaz: agenciabrasilia.df.gov


“Resseita”
“Potaciu” foi a prova irrefutável de que o médico atuava ilegalmente na UPA carioca.

Foto: Reprodução/TV Globo


Difícil
Sentido pelos empresários do entretenimento como o setor mais prejudicado com a pandemia. O secretário de economia do Distrito Federal, André Clemente, participou de uma reunião na Federação do Comércio e discutiu o assunto. Ideal seria ouvir representantes da classe que está na penúria.

Secretário André Clemente. Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Noroeste

Irémirí Tukano é um índio que ouviu, de uma funcionária pública, a observação de que lugar de índio é na selva, e não na cidade. Traz essa ferida até hoje, mas, mesmo assim, diz que só se sente “incluído” na cidade durante o Acampamento Terra Livre, a maior concentração indígena do país. Cristiany Bororó sempre nos escreve lamentando as dificuldades que os índios vêm sofrendo no Noroeste.

Setor Noroeste. Foto: terracap.df.gov

História de Brasília
Em São Paulo, onde o assunto está bem equacionado, há 37 alunos para cada professora. Em Brasília, só são feitas novas admissões quando houver uma média mínima de 30 e nunca superior a 40 alunos. (Publicada em 02.02.1962)