Banquete da fome

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Imagem: focorural.com

 

Difícil é explicar para qualquer dona de casa, dessa que diariamente vai ao mercado, ou a outros interessados na questão, as contraditórias razões que levam o nosso país, transformado, segundo a propaganda ufanista do governo, em celeiro que abastece o mundo, a vender, internamente, os alimentos básicos da dieta dos brasileiros a preços extorsivos e bem acima daqueles cobrados em outros países.

Falar em commodities, em terra de famintos, equivale a apontar fictícios oásis em meio ao calor árido do deserto. Essa questão ganha ainda mais dramaticidade, quando se observa que, do continente, a contemplar, de olhos e estômagos vazios, as milhões de toneladas de alimentos, em forma de grãos e proteínas que todo o ano embarcam em gigantescos navios cargueiros, rumo ao exterior, estão perfilados, logo na primeira fila, quase 8 milhões de cidadãos que experimentam. Somam-se, a estes despossuídos e desesperançosos, outros trinta milhões de conterrâneos subnutridos e a caminho do desespero, que veem a comida sumir na linha do horizonte, entre o céu e o mar. Já se disse que o chamado agronegócio não produz, propriamente, alimentos para quem tem fome de comida, mas lucros para aqueles poucos que têm fome de moeda estrangeira.

A situação fica ainda mais surreal quando entram na discussão elementos como balança comercial superavitária e outros dados econômicos abstratos que, entra e sai governo, não enchem a barriga de nossa gente. Alguns estudos, como o elaborado pelo pesquisador e professor do Departamento de Economia do Campos de Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos, Danilo Rolim Dias de Aguiar, revelam que a produção de alimentos do nosso país seria mais do que suficiente para nutrir, com fartura, toda a população brasileira de aproximadamente 210 milhões de habitantes. O que ocorre no mundo paralelo do nosso agrobusiness não tem efeito positivo algum sobre uma situação famélica de milhões de brasileiros, que cresce ano a ano. Mais perturbador é verificar que o aumento seguido da produção de grãos e proteína, realizado em desfavor do meio ambiente, é acompanhado de perto pelo aumento no número de famílias em situação de fome e de desnutrição. Não se sabe, nem o próprio governo explica, em que ponto as linhas ascendentes desse gráfico antilógico se cruzam e em que patamar irão repousar.

Se, para a classe média, que dia a dia vai vendo sua renda minguar, essa já é uma situação irracional, para aqueles que não ligam e não entendem o mundo dos dados da economia essa é uma situação limite, capaz de conduzir o país para o beco sem saída da instabilidade social. Obviamente que, nesse quadro desolador da fome e da desnutrição, que nada mais é do que um estágio anterior da falta total de alimentos, há ainda fatores como a desigualdade e a concentração absurda de renda, o desperdício e perda de alimentos, além da má gerência em programas de assistência nessa área, todos eles voltados para atender interesses político e eleitoral momentâneos e que não vão ao centro do problema.

Há ainda evidências que transformam todo esse cenário distópico em uma espécie de filme felliniano, quando se verifica que o Brasil ocupa o quinto lugar mundial no quesito obesidade. Talvez, essa triste ironia possa explicar o fato de sermos encarados como um país impróprio para amadores e inocentes de todo o tipo. Ainda mais quando se transforma o total de alimentos exportados anualmente pelo Brasil em calorias. Segundo Dias de Aguiar, essa quantidade daria para alimentar 700 milhões de indivíduos, entre famélicos, obesos e aquela dona de casa para quem a explicação dos porquês já não são necessários e de nada adiantariam.

A frase que foi pronunciada:

Quase um bilhão de pessoas – um oitavo da população mundial – ainda vive com fome. A cada ano, 2 milhões de crianças morrem de desnutrição. Isso está acontecendo em um momento em que os médicos britânicos estão alertando sobre a disseminação da obesidade. Estamos comendo muito enquanto outros passam fome ”.

Jonathan Sacks

Pratas da Casa

Aryzinho venceu o pai no Campeonato Brasiliense de Golf 2021. Ary Martins Costa Alcântara, desde pequeno, dedica-se ao esporte, seguindo os passos do pai, Ary Carvalho de Alcântara. Veja as fotos a seguir.

Levanta-te

Impressionante a obra no asfalto do Lago Norte. Além da qualidade duvidosa, desde a forma como parte da obra é entregue, com meio-fio arrebentado, até dias e dias com três gatos pingados trabalhando a passo de bicho preguiça. Agora, impede a entrada do Setor de Mansões do Lago, que também dá acesso ao Paranoá, Itapuã e vários condomínios. Filas enormes enquanto a obra posa estática.

História de Brasília

Até hoje não foi feita a campanha pela vacinação Sabin em Brasília. Em Goiânia já foram registrados diversos casos de Pólio, e seria conveniente a preservação da saúde em Brasília.(Publicado em 04.02.1962)

Insegurança alimentar, fome e revolta

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil – Manoel de Andrade

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: Arquivo EBC/Danielle Pereira

 

Depois de mais de um ano experimentando o que parece ser uma das maiores e mais universais pandemia que a humanidade já conheceu, o mundo e, particularmente, o Brasil começam a sentir os efeitos que essa doença provocou também na economia, sobretudo, no aumento, sem precedentes, do número de pessoas assoladas pelo tenebroso espectro da fome.

Em nosso caso, a situação é de emergência, já que a chamada insegurança alimentar atinge hoje mais da metade dos lares pelo país afora, tanto nos centros urbanos quanto em outras regiões mais carentes. A totalidade das pesquisas que vêm sendo feitas sobre esse problema indica que o fenômeno da escassez de alimentos, e mesmo sua falta total, já é uma realidade para milhões de brasileiros.

Somados aos 19 milhões, que nesse momento passam fome, os 116,8 milhões que sofrem a situação de insegurança alimentar, temos quase 136 milhões de cidadãos sem ter o que comer diariamente. Desde o início da pandemia, muitos economistas e outros pesquisadores das ciências sociais vinham alertando para essa possibilidade iminente e, como quase tudo que acontece nesse país, nenhuma providência de fôlego foi tomada a tempo de evitar esse quadro.

A privação de alimentos pode ser considerada o mais degradante e cruel grau de sofrimento físico e psicológico a que um ser humano pode ser submetido. Essa situação, para um país que é considerado, no mundo bilionário das commodities e dos negócios de grãos e proteína, um celeiro do planeta, torna o Brasil uma das mais desiguais e contraditórias sociedades já vistas. Como pode um país que é tido como uma potência do agrobusiness, ter um contingente de pessoas, maior que muitas populações de outros países, passando fome?

Essa realidade bizarra reforça a ideia que muitos fazem do agrobusiness como sendo um setor que não produz alimentos e sim lucros em larga escala para seus proprietários. Na verdade, dizem alguns entendidos, ruim com o agronegócio, pior sem ele, uma vez que esse é ainda considerado o grande indutor dos superávits na balança comercial do Brasil com o resto do mundo.

Pelo sim e pelo não, muitos especialistas apontam que é justamente no setor agrícola que estão as maiores e mais concretas possibilidades de combate à fome e à insegurança alimentar. Para tanto, afirmam os pesquisadores, será preciso antes, instituir um amplo e consistente Plano Nacional de Alimentação, por meio de uma série de políticas públicas que diminuam os desequilíbrios entre a produção industrial de alimentos, ligados ao agrobusiness para a exportação, e o amparo às pequenas e médias cooperativas, ligadas à agricultura familiar e comunitária, tanto no entorno das cidades quanto no campo.

O problema, além da falta crônica de planejamento e projetos, esbarra na falta de recursos e nos cortes sofridos em muitos programas como o Programa Nacional de Alimentos (PNAE), Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Programa de Cisternas, Bolsa – Família e Renda Básica Emergencial. Mesmo o Programa Nacional de Fortalecimento à Agricultura Familiar (Pronaf) sofre há anos com a falta de incentivos e com cortes de orçamentos.

A pandemia, e isso não é segredo para ninguém, fez os preços dos alimentos nos supermercados e feiras dispararem, o que aumentou os índices de pobreza e, consequentemente, elevou o número de brasileiros que passam fome. Nas grandes cidades do país, esse efeito é bem visível e clama por providências antes que essa situação descambe para uma revolta popular, como muitas que aconteceram ao longo da história humana e que mostraram que a única razão que conduz o povo à revolta não são as ideologias, mas a fome.

A frase que foi pronunciada:

Todo mundo quer comer na mesa do governo, mas ninguém quer lavar os pratos.”

William Faulkner

William Faulkner. Foto: Carl Van Vechten (wikipedia.org)

Imperdível

Um concerto imperdível será transmitido pela Internet, no próximo domingo, diretamente do Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Floripa. A Orquestra de Cordas da Ilha, criada por Paulo Roberto Matos, contrabaixista da Escola de Música de Brasília, interpretará canções de vários séculos. Paulo Roberto, que mora em Florianópolis, convida os amigos de Brasília para acompanharem a performance pelo Youtube e Facebook. Veja mais detalhes a seguir.

Verde Brasília

Trabalho de pós-graduação em História, importante para a cidade, está arquivado na UnB. Com a orientação do professor Dr. José Luiz de Andrade Franco, trata do Desafio da floresta urbana: História do processo de arborização de Brasília (1960-1970), de Marina Salgado Pinto. Leia no link repositorio.unb.

Facebook “Histórias de Brasília” – Visão aérea de Brasília (1967)

Três gerações

Vale a pena assistir a live histórica de três gerações do jornalismo brasileiro. Alexandre Garcia, Luís Ernesto Lacombe e Caio Copolla. Sem políticos de estimação, sem papas na língua e sempre com muita educação. Acompanhe a seguir.

História de Brasília

Já que a ordem é moralizar, que não se permita então, que uma firma estabelecida num barraco provisório cobre preços superiores às outras organizadas contabilmente e concorrendo com impostos para a Municipalidade. (Publicada em 30.01.1962)

Tanta terra e tudo tão caro

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: blog.aegro

 

São tantas e tão complexas as variáveis que envolvem o chamado agronegócio, que seria necessária a convocação, pelo Congresso Nacional, de uma longa e bem detalhada audiência pública, que discutisse em profundidade, ao longo de toda uma legislatura, apenas essa questão. Razão para uma tão prolongada discussão existe aos milhares, sendo que a maioria ainda está suspensa no ar.

É absolutamente necessário ouvir atentamente todos os envolvidos nesse tema, que é muito mais do que o carro chefe da economia nacional, responsável pelos ganhos na balança comercial. Trata-se de um setor que tem ligação direta com o futuro das próximas gerações de brasileiros e do país, e isso já é mais do que o suficiente. O açodamento que faz com que as autoridades cedam paulatinamente às exigências desse poderoso setor apenas para fazer caixa, tapar rombos e combater a crise econômica, pode comprometer não só a viabilidade dessa atividade, mas trazer prejuízos incalculáveis e irreversíveis ao meio ambiente e aos futuros brasileiros.

A terra, ao longo da história humana, tem sido, desde os primórdios, o primeiro e o principal capital de todas as civilizações, responsável direto pela sobrevivência da espécie. Sem a garantia de posse e controle desse bem natural, sociedade alguma ousou sobreviver. Foi das margens férteis do Vale do Rio Nilo que floresceu a civilização egípcia. Foi do encontro das águas dos Rios Eufrates e Tigre que outros humanos alcançaram o estágio de civilização, com a Mesopotâmia. Tem sido assim desde sempre.

O imenso legado, em forma de um continente quase inteiro, deixado pelos colonizadores portugueses aos brasileiros, requer, de nossa parte, uma enorme e crucial responsabilidade, pois é essa a nossa maior riqueza e possivelmente o salvo-conduto para a sobrevivência de nossa gente, num mundo cada vez mais populoso e faminto.

Portanto essa é uma responsabilidade que transcende governos de plantão, se estendendo até o horizonte do futuro. Colocado apenas dessa forma, fica difícil entender, de fato e tecnicamente, a profundidade do tema. É preciso deixar claro, no entanto, para toda a população, que essa é verdadeiramente uma questão vital para todos os brasileiros. O agronegócio, conforme vem sendo aceleradamente estruturado ao longo dessas últimas décadas, nem de longe é compreensível pelos brasileiros, que desconhecem seus mecanismos, seu alcance e o quão profundamente essa atividade está associada a questões vitais como soberania, meio ambiente, sobrevivência.

O que a maioria sabe vem de propagandas oficiais ou não e outras veiculações puramente comerciais, que ressaltam as maravilhas de um setor que adentra pelo Bioma Cerrado, pelo Pantanal e pela Floresta Amazônica, pondo em destaque a expansão interminável das fronteiras agrícolas, com a soja, o milho, o algodão e outras espécies oleaginosas substituindo e dizimando a vegetação nativa.

Atrás desse “progresso” ou do avanço da poeira, vem o gado, penetrando pelas matas, transformando florestas em pastagens. O que a maioria das donas de casa sabem sobre esse gigantesco negócio, que está transformando o País num grande celeiro mundial, vem justamente nos preços estratosféricos desses produtos vendidos no mercado interno. A carne é um grande exemplo desse fabuloso negócio, que sob o nome de commodities é vendida nos mercados do país pelo preço do dólar daquele dia.

A culpa é sempre da alta demanda externa por alimentos. A China é a responsável. Especialistas no assunto já preveem que, num futuro próximo, a demanda do país asiático elevará ainda mais os preços dos alimentos. É na gôndola do mercado que as razões para a subida nos preços dos alimentos são mais sentidas e menos compreendidas. É aí que entram as tais múltiplas variáveis que fazem do agronegócio, uma caixa preta, cheia de surpresas.

Para turbinar essa escalada de preços, aumento de demanda mundial, restrições de ofertas e outras incógnitas de difícil solução, o aquecimento global e as consequentes mudanças climáticas elevam às alturas tanto as incertezas sobre o futuro como os preços do pão de cada dia.

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Os interesses particulares fazem facilmente esquecer os interesses públicos.”

Montesquieu, escritor, filósofo e político francês

Reprodução da Internet

 

 

Rádio

Professor Nagib Nassar compartilhou um link espetacular que permite ouvir qualquer rádio do mundo. Acesse no link Radio Garden.

 

 

Agenda

Super disputada pelas crianças a Casa do Papai Noel da CAIXA. Muitos espaços para brincar e colocar todos os sentidos em atividade. Vale a visita com a meninada.

Foto: divulgação

 

 

Pirata

Louvado e adorado pela população de Brasília, o transporte pirata ganha cada vez mais espaço na cidade. Não fosse a raridade de ônibus e a impontualidade, os passageiros estariam mais seguros.

Foto: Antonio Cunha

 

 

Viagem

Antes de comprar passagem esteja certo da documentação relacionada às crianças.

Foto: aeroportoguarulhos.net

 

 

BRASÍLIA

É comum o cancelamento de voo por deficiência técnica. (Pouco passageiro para embarcar). É comum o atraso de aeronaves, durante horas. É comum a substituição de equipamento à última hora. Tudo isto, sem que a empresa relapsa se sinta na obrigação da mínima explicação ao passageiro. (Publicado em 12/12/1961)