Nobel: pronúncia e flexão

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Começou a premiação mais aguardada em Europa, França e Bahia. Trata-se do Nobel. Hoje saiu o de Medicina. Dois cientistas americanos e um inglês dividiram o prêmio. Palmas pra eles. Pra nós fica o desafio da pronúncia. Guarde isto: Nobel pronuncia-se como papel e Mabel. A sílaba tônica é a última. Superdica Isolado, Nobel tem plural. Acompanhado de prêmio, mantém-se invariável: Ganhou dois Nobéis. Dedicou […]

Pronúncia: 4 calos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Quem fala quer ser ouvido, entendido e apreciado. Tem, por isso, de pronunciar as palavras como manda o dicionário: Dizer récord? Nem pensar. Recorde rima com concorde. Referir-se ao Prêmio Nóbel? Valha-nos, Deus. Nobel soa como anel, painel e papel. Rubrica é paroxítona como fabrica, lubrifica e sacrifica. Subsídio pertence à equipe de subsolo. Com a duplinha, o z não tem vez. Xô!

Pronúncia: Nobel & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Todos os anos a história se repete. Escolhe-se quem fez mais bonito nas diferentes áreas do saber. É o Prêmio Nobel. Valioso, ele é pra lá de cobiçado. Merece, por isso, ser pronunciado com todo o respeito. Oxítona, Nobel rima com papel e Mabel. A sílaba tônica é a última (bel). Atenção, muita atenção Acompanhado de prêmio, Nobel mantém-se invariável. Sozinho, tem plural: Ganhou dois […]

Pronúncia: sete calos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Subsídio jogo no time de subsolo, subserviente, subsalário, subsaariano, subsimilar, subsíndico, subsinuoso. Em todas, o s que vem depois do sub se pronuncia ss. Sem tossir nem mugir. Recorde, concorde e acorde orgulhosamente pertencem à equipe das paroxítonas. A sílaba mandachuva é cor sim, senhor. Dizer “récord”? É a receita do cruz-credo. Xô! Rubrica e fabrica são irmãzinhas inseparáveis. A força delas mora na casa […]

Acaricie os ouvidos

Publicado em Deixe um comentáriopronúncia

Quem fala quer ser ouvido, entendido e apreciado. Tem, por isso, de pronunciar as palavras como manda o dicionário. Descuidos cobram preço. Roubam vagas, adiam promoções, matam amores. Olho vivo pra não cair nas velhas e teimosas armadilhas. Dizer récord? Nem pensar. Recorde rima com concorde. Referir-se ao Prêmio Nóbel? Valha-nos, Deus. Nobel soa como anel, painel e papel. E ruim? Ruim joga no time […]