Plural: números

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Em português, qualquer classe de palavra pode se bandear para o time dos substantivos. Basta antecedê-la de artigo, pronome ou numeral. Vestir server de exemplo.  Assim, solto, o dissílabo é verbo (eu visto, ele veste, nós vestimos, eles vestem). Mas, nestas frases, ele entra na equipe dos nomes: O vestir da Maria é pra lá de charmoso. Esse vestir me agrada muito. A estilista apresentou […]

Elas coçaram o nariz? Coçaram os narizes?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

As crianças coçaram os narizes? Nossos corações vibravam de felicidade? A universidade divulgou os nomes dos aprovados? O mestre de cerimônia agradeceu as presenças de todos? Nãooooooooooo! Olho vivo! No caso, o singular é distributivo. Vale pra todos. Ninguém tem mais de um nariz, mais de um coração, mais de um nome, mais de uma presença: As crianças coçaram o nariz. Nosso coração vibrava de […]

Plural: nomes próprios

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

  A pergunta passa de boca em boca. Substantivo próprio tem plural? Tem. Ele não goza de privilégios. Flexiona-se como os substantivos comuns. Eça de Queirós deu o exemplo. Escreveu Os Maias. Nós vamos atrás: os Silvas, os Castros, os Câmaras, as Antônias. Há exceção? Há. Quando a flexão descaracteriza o nome, cessa tudo o que a musa antiga canta. É o caso de Queiroz. […]

Lê e ler: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

    Lê ou ler? Muitos confundem as duas formas. Perdem pontos, promoções e amores. Vamos acabar com os vacilos? É fácil como tirar doce de criança. Ler é infinitivo. Lê, presente do indicativo. O infinitivo detesta a solidão. Anda, por isso, acompanhado de auxiliar: Ele pode ler. Nós vamos ler. Eles começam a ler.  O presente é dono e senhor de si. Emancipado, dispensa […]

Gaúcho: origem

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A palavra existe também na língua espanhola. Dizem que nasceu na região platina, entre o Uruguai e a Argentina pra designar criaturas especiais — os moradores das zonas rurais que se dedicavam à criação de gado nos pampas. Os rio-grandenses, segundo as más línguas, se apoderaram do termo e o nacionalizaram verde-amarelo.